DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Biografia: Big L, o flow de navalha


Lamont Coleman (30 de Maio de 1974 – 15 de Fevereiro de 1999), mais conhecido pelo seu nome artístico Big L, foi um artista americano de hip hop. Coleman embarcou em sua carreira de repper com o trio de hip hop Three the Hard Way. Sua primeira aparição notável surgiu na música “Yes You May (Remix)” de Lord Finesse. Coleman dropou seu álbum de estréia, Lifestylez ov da Poor & Dangerous, em 1995 e contribuiu significativamente para a cena underground do hip hop.

Em 1998, ele fundou a Flamboyant Entertainment, seu próprio selo independente, através do qual ele dropou um dos seus singles mais populares, “Ebonics”.

Em 15 de Fevereiro de 1999, Coleman foi morto por um assaltante desconhecido em um tiroteio no seu Harlem.

Três álbuns póstumos foram disponibilizados, consistindo principalmente em músicas inéditas que foram reunidas por Rich King e seu irmão, Donald.


Início de carreira

Lamont Coleman nasceu no Harlem, no bairro de Manhattan, em Nova York, em 30 de Maio de 1974. Ele foi o terceiro e mais novo filho de Gilda Terry e Charles Davis. Seu pai deixou a família enquanto Coleman ainda era criança. Ele tem dois irmãos, Donald e Leroy Phinazee, que eram filhos de Gilda Terry e do Sr. Phinazee. Coleman recebeu os apelidos “Little L” e “mont mont” quando criança. Aos 12 anos de idade, Coleman tornou-se um grande fã do hip hop e começou a se referir contra seu próprio bairro. Ele fundou um grupo chamado Three the Hard Way em 1990, mas logo acabou por falta de ardor. Formava com Coleman, “Doc Reem” e “Rodney”. Nenhum álbum de estúdio saiu, e depois de Rodney ter saído, o grupo passou a se chamar Two Hard Motherfuckers. Por volta dessa época, as pessoas começaram a chamá-lo de “Big L”. No verão de 1990, Coleman conheceu Lord Finesse em uma sessão de autógrafos em uma loja de discos na 125th Street. Depois que ele fez um freestyle, Finesse e Coleman trocaram números de telefone e tudo começou a medrar.

Coleman frequentou a Julia Richman High School, se formando em 1992.


Carreira musical

1990–93: Começos de carreira e contrato com gravadoras

Coleman começou a escrever rimas em 1990. Em 1991, ele gravou várias demos, algumas das quais foram apresentadas no seu álbum de estreia Lifestylez Ov Da Poor & Dangerous; ele também fundou um grupo de rep no Harlem, chamado Children of the Corn (COC) com Cam’ron, Ma$e e Bloodshed.

Em 11 de Fevereiro, Coleman apareceu no Yo! MTV Raps com Lord Finesse para ajudar a promover o álbum de estúdio de Finesse, Return of the Funky Man. A primeira aparição profissional de Coleman veio em “Yes You May (Remix)”, um B-Side de “Party Over Here” (1992) de Lord Finesse, e sua primeira aparição em álbum foi em “Represent”, de Showbiz & A.G., em Runaway Slave (1992). Nesse mesmo ano, ele ganhou uma batalha amadora de freestyle, que consistiu em cerca de 2.000 concorrentes, realizada pela Nubian Productions.

Em 1993, Coleman assinou a Columbia Records. Por volta dessa época, L juntou-se ao coletivo Diggin’ in the Crates Crew (DITC), de Lord Finesse, do Bronx, que consistiu em Lord Finesse, Diamond D, O.C., Fat Joe, Buckwild e Showbiz & A.G.

Em algum momento em 1993, Coleman dropou seu primeiro single promocional, “Devil Son”, e afirmou que foi o primeiro single de horrorcore. Ele disse que escreveu essa música porque “Eu sempre fui um fã de filmes de terror. Ademais, as coisas que vejo no Harlem são muito assustadoras. Então eu coloco tudo em rima.”

Em 18 de Fevereiro de 1993, Coleman tocou ao vivo no Uptown Lord Finesse Birthday Bash no 2.000 Club, que incluiu outras performances de Fat Joe, Nas e Diamond D.


1996: Saída da Columbia Records

Em 1996, Coleman foi desvinculado da Columbia principalmente por causa da disputa entre seu estilo como repper e a produção da Columbia. Ele afirmou:

Eu estava lá com um monte de estranhos que realmente não conheciam minha música.


1997: The Big Picture

Em 1997, ele começou a trabalhar em seu segundo álbum de estúdio, The Big Picture. COC se desfez quando Bloodshed morreu em um acidente de carro em 2 de Março de 1997. Coleman apareceu no single “Dangerous” de O.C. para o segundo álbum deles, Jewelz. Em Novembro, ele atuou na abertura da turnê do álbum Jewelz pela Europa.


1998: Flamboyant Entertainment

Em 1998, Coleman formou seu próprio selo independente, Flamboyant Entertainment. De acordo com The Village Voice, foi “planejado para dropar um tipo de hip-hop que vendesse sem os 40 maiores samples ou refrões de R&B”. Ele dropou o single “Ebonics” em 1998. The Source o chamou de “um dos cinco melhores singles independentes do ano”.

Coleman chamou a atenção de Damon Dash, o CEO da Roc-A-Fella Records, após dropar o single “Ebonics”. Dash queria assinar com ele para a Roc-A-Fella, mas Coleman queria que sua equipe assinasse, não só ele.

Em 8 de Fevereiro de 1999, Coleman, Herb McGruff, C-Town e Jay-Z iniciaram o processo para assinar com a Roc-A-Fella Records como um grupo chamado “The Wolfpack”.


Morte

Em 15 de Fevereiro de 1999, Big L foi morto no 45 West 139th Street no Harlem, sua cidade natal, depois de ser baleado nove vezes no rosto e no peito durante um tiroteio. Gerard Woodley, um dos amigos de infância de Big L, foi preso três meses depois pelo crime. “Há uma grande possibilidade de que tenha sido uma retaliação por algo que o irmão [de Big L] fez, ou [Woodley] acreditava que ele tinha feito”, disse um porta-voz do Departamento de Polícia da Cidade de Nova York. Woodley foi preso e mais tarde solto controversamente, e até então o caso do assassinato ainda não foi resolvido.

Big L está enterrado no George Washington Memorial Park em Paramus, Nova Jersey.

Em 24 de Junho de 2016, na 139th Street e Lenox Avenue, Woodley, pelas proximidades do número 46, foi baleado na cabeça e mais tarde morreu no Harlem Hospital.


Carreira póstuma

O primeiro single póstumo de Coleman foi “Flamboyant”, que foi disponibilizado em 30 de Maio de 2000.

O segundo e último álbum de estúdio de Coleman, The Big Picture, saiu em 1 de Agosto de 2000 e apresentou Fat Joe, Tupac Shakur, Guru (do duo Gang Starr), Kool G Rap, Big Daddy Kane, entre outros. The Big Picture foi engendrado pelo seu gerente e parceiro na Flamboyant Entertainment, Rich King. Contém músicas que ele gravou e as gravações que nunca foram usadas, completadas por produtores e empresários convidados que Coleman respeitava ou tinha trabalhado anteriormente.

O segundo registro póstumo de Big L foi The Danger Zone (2011), e depois, em 14 de Fevereiro de 2002, álbum chamado L Corleone foi disponibilizado.


Legado e influência

Em 2004, Eminem fez uma homenagem a ele no videoclipe de “Like Toy Soldiers”. Jay Z havia declarado em entrevista à MTV, “Estávamos prestes a assiná-lo antes de morrer. Estávamos prestes a assiná-lo para Roc-A-Fella. Era um acordo 99% concluído... acho que ele era muito talentoso... acho que ele tinha a capacidade de escrever grandes coisas, grandes refrões.” O repper Nas também disse à MTV, “Ele me assustava demais. Quando ouvi isso em fita, eu fiquei assustado. Eu disse, ‘Yo, não há como competir se é isso que eu tenho que competir.’”


Estilo

Coleman é condecorado por ajudar a criar o gênero horrorcore do hip-hop com sua música de 1992 “Devil Son”. No entanto, nem todas as suas músicas se enquadram neste gênero. Por exemplo, na música “Street Struck”, Coleman aborda as dificuldades de crescer no gueto e descreve as consequências de viver uma vida no crime. Idris Goodwin, do The Boston Globe, escreveu que “[Big L tinha um] comando impressionante sobre a língua inglesa”, com sua música “Ebonics” sendo o melhor exemplo disso.

Ele é notável por usar um estilo de rep chamado “compounding” (multissilábico). Coleman também usava metáforas em suas rimas. M.F. DiBella do Allmusic afirmou que Coleman era “um mestre da lírica, despindo sua competição com metáforas cinéticas e um repertório comediante”. Na revisão do disco The Big Picture, acrescentou ainda que “o MC do Harlem é o mestre da punchline e um  vicioso contador de histórias com um flow de lâmina de barbear na língua”. Trent Fitzgerald do Allmusic disse que ele é “um MC lírico e feroz, com reps mais mortais do que uma mordida de cobra”.


Discografia

Álbum de estúdio

Lifestylez Ov Da Poor & Dangerous (1995)


Álbuns póstumos

The Big Picture (2000)
139 & Lenox (2010)
Return of the Devil’s Son (2010)
The Danger Zone (2011)



Manancial: Wikipedia

1 comentário: