DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Papo sobre singles: Leo Toretto ‘Bad and Boujee (Remix)’


Primeiramente, remix não é o mesmo que plágio... Longe disso.

Blackout dropou, dia 19 de Junho de 2017 um single-videoclipe intitulado “PJNR” com o duo Nunig, enfatizando o poder negro, relembrando os tempos dos Panteras Negras (que tinha, inclusive, a mãe de Tupac Shakur como uma grande e condecorada lutadora do movimento), onde, através da música, expuseram seus sentimentos enaltecendo o passado e o presente; o passado porque batalharam em demasia, e o presente, tornando enfático o bom momento financeiro e um espaço maior na sociedade.


Enredo


Leo Toretto é integrante do Nunig, um duo carioca composto também por Vini. Toretto havia anunciado que droparia um remix da música “Bad and Boujee” dos Migos, cuja foi engendrada por Metro Boomin.

Toretto enfim dropou o single, que buscou o máximo de referências do Offset  que canta o refrão e o primeiro verso; e Quavo, que canta o segundo verso, deixando a parte do LUV de fora. Ele enfatizou, da sua maneira, o flow do Offset e Quavo, deixando nítida a alusão à música original.

Toretto inicia o refrão (conciso) sobre negros no topo, agora com poder, vendo as pessoas querendo se aproximar para poder pegar um pedacinho do bolo, mas quando não tinha os ingredientes, ninguém se emergia. Ressalta também a ostentação, alguns méritos, e cita referências, dizendo que dentro de alguns anos estará rico como os Migos, e satirizando que LeBron James já teve sua época e agora é a sua vez de estourar. Assertivo ele diz que as minas dos recalcados que falam mal dele pelas costas mandam nudes, enquanto eles se iludem pensando que elas são fiéis.

Produção


O beat é o mesmo do Metro Boomin; a captação da voz, mixagem e masterização ficou por conta do Sergio Santos, no Estúdio Pancadão; foto tirada da modelo Marcele Ribeiro pelo Fernando Schubach; e capa por Beni.



Sem comentários