DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Biografia: A$AP Yams, o genial “Yamborghini”


Jesus Steven Manuel Rodriguez Paulino (13 de Novembro de 1988 — 18 de Janeiro de 2015), conhecido como ASAP Yams (estilizado como A$AP Yams), foi um executivo de música americano, A&R, e co-fundador do selo A$AP Worldwide. Diretamente do Harlem em Manhattan, Nova York, ele é um dos três membros fundadores do colectivo hip hop A$AP Mob, do qual ele adotou seu apelido.


Carreira

Em 2006, A$AP Yams formou o coletivo hip hop internacionalmente conhecido como A$AP Mob, com outros de Nova York, agora conhecidos como A$AP Bari e A$AP Illz. O coletivo mais tarde incluiu A$AP Rocky, A$AP Ferg, A$AP Nast e A$AP Twelvyy, entre outros.


Ao longo de sua carreira como executivo de música, a Yams produziu muitos dos álbuns da A$AP Mob e de seus membros. O executivo produziu o álbum de estúdio da A$AP Mob, Lord$ Never Worry, álbum de estúdio de Rocky, LONG.LIVE.A$AP, o álbum de estúdio de Ferg, Trap Lord, e o álbum de estúdio de A$AP Rocky, AT.LONG.LAST.A$AP.


Morte

Em 18 de Janeiro de 2015, Yams foi encontrado morto aos 26 anos. A causa da morte foi regida por uma overdose devido à intoxicação mista por drogas. No entanto, membros da ASAP Mob e afiliados dizem que Yams morreu devido à apneia do sono, que causou asfixia e aspiração pulmonar.

Por volta das 3 da manhã, Lou disse a Rocky que algo estava errado. Eles encontraram vômito na cama de Yams e não conseguiram acordá-lo. “Eu apenas olhei para o rosto dele. Eu olhei para [A$AP] Lou. Você poderia simplesmente dizer. Nós sabíamos”, disse Rocky. “Eu estava com medo. Eu estava boquiaberto com todos, tipo, “Quem o permitiu usar drogas?”, mesmo que você não possa culpar ninguém”.

Andy Capper, que trabalhou durante um bom tempo com a A$AP e produziu SVDDNXLY, relembra Yams:

Conheci A$AP Yams, ou Steven Rodriguez, no set do clipe de Rocky, “Wassup”, logo debaixo do escritório da Vice no Brooklyn, no estúdio de Fast Ashley.
Havia cerca de sete ou oito outros afiliados da A$AP lá naquela época, incluindo seu empresário, Chace, mas estava claro que ele e Rocky eram os líderes dessa nova turma selvagem que era meio que tida como ralé nesse estágio inicial de sua carreira.

Rocky tinha esse jeitão carismático de modelo, mas seu parceiro era esse piratinha porto-riquenho chamado Yams, que havia acabado de tatuar uma caveira no pescoço, o qual lembro bem ter me dito algo sobre “emprenhar doidinhas falidas do R&B noventista” e eu respondi algo como “acho que sim...?” Foi um início bizarro e engraçado para nossa amizade, mas pude me aproximar dele ao longo dos últimos dois anos durante os projetos que fizemos com A$AP e diversas coisas relacionadas à música e reuniões no escritório onde ele nos falava de seus novos projetos e as ligações tarde da noite sobre ideias-fantásticas-que-surgiam mas que nunca foram pra frente. (Yams, se você está lendo isso, estamos tocando aquele lance do Earl Swavey do qual falamos tanto!)

Durante esse tempo, conheci uma das pessoas mais gentis e espertas da indústria musical. Não sei se te disseram, mas neste ramo sobram pessoas falsas e sem senso de humor que só se importam com elas mesmas; Yams era o completo oposto disso.
Ele levava a A$AP muito a sério, mas nunca se levou a sério.

Seu senso de humor e carisma eram lendários, e mesmo nas festas mais chatas e lotadas ele dava um jeito de conversar com você e ser sincero. Ele também era um visionário e gênio criativo, um verdadeiro de filho de Nova York que ajudou a levar a ralé que mencionei anteriormente ao começo de um verdadeiro estrelato internacional em pouco mais de dois anos; sua influência na cultura moderna não tem como ser superestimada, de verdade.

Não o encontrava pessoalmente há alguns meses, mas contava mesmo com ele como amigo e é isso que torna este momento tão surreal e difícil.

Descanse em paz, Yams, sentirei sua falta. Nem acredito que acabei de escrever isso.

A vida é um bem precioso. Tomem cuidado, todos vocês.



Manancial: Wikipedia; Noisey; Billboard

Sem comentários