DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Álbuns: Dr. Dre ‘2001’



2001 (às vezes referido como The Chronic 2001) é o segundo álbum de estúdio do repper e produtor americano Dr. Dre. Foi disponibilizado em 16 de Novembro de 1999 pela Interscope Records como o acompanhamento de seu álbum de estreia de 1992, The Chronic. O álbum foi engendrado principalmente por Dr. Dre e Mel-Man, bem como Lord Finesse, e apresenta várias participações de outros reppers americanos como The D.O.C., Hittman, Snoop Doggy Dogg, Kurupt, Xzibit, Nate Dogg, Ms. Roq, Eddie Griffin, Eminem, entre outros.


Título

O título “Chronic 2000” seria o título original do álbum anterior do Dr. Dre (The Chronic) mas Suge Knight implicou com o título e o usou para seu álbum, o que forçou Dre a mudar para 2001.


O projeto

Em uma entrevista para o The New York Times, Dr. Dre falou sobre sua motivação para gravar o álbum e como ele sentiu que ele tinha que provar a si mesmo e aos fãs e aos meios de comunicação depois que surgiram dúvidas sobre sua capacidade de produção e cantar. Essas dúvidas vieram do fato de que ele não havia disponibilizado um álbum de estúdio solo desde The Chronic (1992). Ele afirmou:

Nos últimos dois anos houve muita conversa nas ruas sobre se eu ainda poderia fazer algo meu, mesmo que eu ainda seja bom em produzir. Essa foi a melhor motivação para mim. Revistas, boca a boca e tabloides de rep estavam dizendo que eu já não tinha mais nada. O que mais eu preciso fazer? Quantos discos de platina eu fiz? Ok, aqui está o álbum — agora o que você tem a dizer?

O álbum estava destinado a ser disponibilizado como uma mixtape; com faixas ligadas através de interlúdios e efeitos de toca discos, mas foi então alterado para ser configurado como um filme. Dr. Dre corroborou: “Tudo o que você ouve está planejado. É um filme, com diferentes variedades de situações. Então você tem excessos, momentos emocionantes, momentos agressivos. Por exemplo, no interlúdio ‘Pause 4 Porn’ tem tudo o que um filme precisa.” Falando sobre como ele não gravou o álbum para ser tocado em clubes ou rádio e que ele planejou o álbum simplesmente para entretenimento com aspectos cômicos ao longo, ele comentou: “Não estou tentando enviar todas as mensagens ou qualquer coisa com este disco. Basta basicamente fazer um hip-hop hardcore e tentar adicionar um toque de comédia obscura aqui e ali. Muitas vezes a mídia leva isso e tenta transformar em algo chulo quando não passa de um entretenimento. Você não deve levar isso a sério demais.”


Gravação

Algumas das letras do álbum de Dre foram notadas como escritas por vários ghostwriters — escritor fantasma. Royce Da 5’9 foi rumorado para ser um ghostwriter no álbum. Ele foi conhecido por escrever a última faixa, “The Message”; no entanto, ele não é creditado por seu nome real ou apelido nas notas. Uma faixa gravada no álbum, originalmente chamada “The Way I Be Pimpin”, foi mais tarde retocada como “Xxplosive”, esta versão recebeu Dr. Dre, falando versos de Royce e apresentou os vocais de Royce. Royce escreveu várias faixas como “The Throne Is Mine” e “Stay in Your Place”, que foram posteriormente cortadas da lista final. As faixas foram vazadas mais tarde em várias mixtapes.

A produção do álbum expandiu-se sobre o The Chronic, com novas batidas esparsas e uso reduzido de samples que foram proeminentes em seu álbum de estreia. O co-produtor Scott Storch falou sobre como Dr. Dre usou suas participações durante as sessões de gravação: “Na época, vi Dr. Dre precisar desesperadamente de algo. Ele precisava de uma injeção de combustível e Dre me utilizava como o óxido nitroso. Ele me adicionou na mixagem, e eu tentei um novo sabor com todo o seu som de piano e as cordas e a orquestração. Então eu estive nos teclados, e Mike [Elizondo] estava no baixo, e Dre estava no máquina de tambor.” Josh Tyrangiel do Time descreveu o processo de gravação que Dr. Dre emprega, afirmando que “cada faixa Dre começa da mesma maneira, com Dre atrás de uma máquina de bateria em uma sala cheia de músicos confiáveis. (Eles carregam beepers. Quando ele quer trabalhar, eles funcionam).


Produção

O álbum marcou o início da colaboração de Dr. Dre com o tecladista Scott Storch, que já havia trabalhado com The Rootsand e acreditado como co-roteirista em várias faixas do álbum, incluindo o single “Still D.R.E.”. Storch mais tarde continuou a se tornar um produtor bem-sucedido, e foi creditado como co-produtor com Dr. Dre em algumas de suas produções desde então.


Letras

As letras do álbum receberam críticas e criaram alguma controvérsia. Elas incluem muitos temas associados ao gangsta rep, como violência, promiscuidade, gangues de rua, tiroteios, crime, e uso de drogas.


Singles

Três singles foram disponibilizados do álbum: “Still D.R.E.”, “Forgot About Dre” e “The Next Episode”. Outras faixas como “Fuck You”, “Let’s Get High”, “What’s the Difference”, e “Xxplosive” não saíram oficialmente como singles, mas receberam algum impulso do rádio, o que resultou nas paradas no Hot R&B/Hip-Hop Singles & Tracks. 


Notas

“The Watcher” contém vocais adicionais de Eminem e Knoc-Turn’al
“What’s the Difference” contém vocais adicionais de Phish
“The Next Episode” contém vocais adicionais por Kurupt e Nate Dogg
“Some L.A. Niggaz” contém vocais não creditados por Hittman
“The Message” contém vocais internos de Tommy Chong (da dupla Cheech & Chong)





Manancial: Wikipedia

Sem comentários