DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Entrevista para o 20º Aniversário da XXL Magazine: 50 Cent

Foto por Travis Shinn

Esta é a 15ª capa do 50 Cent na XXL, então ele não podia ficar fora da celebração do 20º aniversário, né? Ele é o rei da XXL e mantém sua coroa intacta, porque é o repper que mais vezes saiu na capa da revista desde quando foi fundada há vinte anos atrás. De fato, a que mais vendeu na história da XXL foi a edição de Março de 2003, que além de Fif, tinha Eminem e Dr. Dre. Desde então, 50 esteve na frente da revista por ele mesmo, com sua equipe G-Unit, o lutador Floyd Mayweather Jr. e Soulja Boy.
Entrevista: Vanessa Satten

XXL: Quando começamos a disponibilizar essas capas, o argumento principal foi: “50 Cent tem que ser uma delas”, com base na relação entre você e a XXL.

Capa de 2003 da XXL Magazine.

50 Cent:
Quando você tem 20 capas da XXL Magazine, as pessoas podem lhe perguntar: “50 Cent vai estar na capa?” Eu fiz muitas capas para a XXL ao longo dos anos, mas eu fiz para mim mesmo, porque a XXL era plataforma que você precisava para alcançar o público atual, entende? Eles não sabem se estou fazendo isso para a XXL ou se a XXL está fazendo isso para mim. Mas, meu ponto de vista é [sobre] eu alcançar o público e as pessoas que estão constantemente interessadas no que está acontecendo na nossa cultura. Então, não é nenhum favor a XXL. Você está me fazendo um serviço, entende?

O que você acha do seu impacto nos últimos 20 anos, já que você entrou no hip-hop?

Bem, eu estive na XXL Magazine em 2000. Estive na revista quando era ascensão total estar lá porque não quis dizer tanto à cultura. Então minha posição mudou porque o material que eu edifiquei me fez competir no nível superior dele. Eu tenho uma década. Tenho dez anos que ninguém é melhor que eu. Isso me permitiu participar com a XXL todos esses anos. Tem sido uma jornada. É incrível que tenha crescido até este ponto.

O que você acha que seu papel se tornou e sua responsabilidade ao estar dentro do hip-hop?

O que eu acho do meu papel no hip-hop agora é tentar fornecer as oportunidades que me foram fornecidas, entende o que digo? Além disso, eu acho, para evitar o caminho longo. Porque os novos artistas, os mais jovens, algumas de suas escolhas musicais e tal, eles combinam, eles estão certos porque o público aceita isso, certo? Isso significa que os outros jovens, seus colegas em sua faixa etária estão aceitando e crescerão. Alguns dos meus artistas favoritos aprenderam como faz rep depois de terem começado.

Quando você deu a cara no hip-hop, todo mundo queria entrar para a G-Unit. Um avanço fugaz até agora, e não parece que o hip-hop tem grupos como costumava ser com todos que desejam esse cordão e fazer parte de um movimento. O que aconteceu?

Eu acho que por causa da tecnologia, mudou a forma como a nossa cultura está medrando. Então, nesse ponto, as pessoas tentavam gravitar ou se moverem para ser parte de uma equipe, porque isso ajudaria a vender ou criar uma audiência para eles. Mas, devido à tecnologia, os artistas conhecem o público antes de conhecerem a gravadora. A gravadora pode infundir-se a uma equipe que facilita o design para o público. Eles não estão aspirando a ser parte dessas situações mais porque estão crescendo até o ponto em que eles terão sua própria base de fãs. Eles estão ganhando, mesmo em um pequeno show, uma grande quantidade para alguém que está em um ambiente onde não é muito fornecido para eles, financeiramente. Então, sua independência é importante, entende? Eles pensam: “Nah, eu sou um artista solo. Eu tenho minhas ideias em vez de estar em um grupo”.

Os Migos, eu os acompanho porque são sempre os mesmos três. Na G-Unit era eu, Tony Yayo e Lloyd Banks no início. Eles estão ao redor uns dos outros criativamente, eles têm seu próprio estilo [e] pessoas estão seguindo isso, na verdade.

Quando você pensa em você mesmo, acha que teve uma visão de onde está agora?

Muitas vezes tem que ser... Não sei se você diria, religioso - você diria que estava nos planos de Deus. Se você não tem consciência do seu poder superior, provavelmente irá dizer: “Sorte. Era para eu fazer coisas díspares”. Não nesse ponto, eu não queria fazer todas as coisas que você me vê fazendo agora. Ele evoluiu. Venho com novas ideias. É um testemunho do espírito do empreendedor. Eu sempre encontro algo novo para me desafiar criativamente, para fazer algo que não fiz.


Manancial: XXL Magazine

Sem comentários