DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Entrevista para o 20º Aniversário da XXL Magazine: Nicki Minaj


Foto por Travis Shinn

No início deste ano, Nicki Minaj realizou uma grande façanha ao superar Aretha Franklin com a maioria de aparições da Billboard Hot 100 por uma artista feminina de todos os tempos, com 76. A Rainha do Hip-Hop que roubou o título da Rainha do Soul foi realmente um marco para mostrar quão longe o rep pode ir. O hip-hop assumido e a lírica gigante tem sido uma das peças-chave nos últimos anos para trazer a cultura a novas alturas. O trabalho de Nicki tem sido excelso, suas participações incontáveis e a rosa que ela está deixando para trás será um novo guia para muitos outros artistas seguirem-na. A XXL cobriu-a cedo, mas a MC do Queens explodiu rápido e nem deu tempo de saberem, pois ela já era grande o suficiente para brotar na XXL Freshman Class de 2010. Mas em 2011 ela e Drake estiveram juntos na capa. E sozinha, esta é a primeira vez. Muito tarde inclusive.
Entrevista: Vanessa Satten


XXL: Qual a sua capa favorita da XXL?

Nicki Minaj: A minha capa favorita é a que eu estou com Drake.

Quem tem sido o mais importante dos artistas do hip-hop nos últimos 20 anos?

Eu acho que vários artistas têm sido importantes por muitos motivos díspares. Mas, como fã de rep, acho que eu diria as pessoas que mais me influenciaram pela forma como eu faço, que definitivamente seria Jay-ZLil Wayne, Foxy Brown, Eminem. Eu diria Nas apenas porque sou do Queens e ele realmente nos colocou no mapa com um outro nível. E Lauryn Hill sempre ocupou um lugar especial no meu coração; pessoalmente, como uma repper. Slick Rick e Doug E. Fresh foram realmente influentes para mim. Salt-N-Pepa também, DJ Spinderella, eles representavam o poder das meninas. Eles eram muito influentes para mim. Sexy, mas diferente. Eu realmente amava isso. E, eles eram do Queens, então isso era foda. Quero dizer, se estamos falando em geral, é claro, Notorious B.I.G., Tupac Shakur. Se estamos apenas falando em geral, também lembro da minha paixão pela Costa Oeste em um certo momento da minha vida, antes de começar a fazer rep. Então, eu tenho que dizer artistas como Snoop Doggy Dogg, Eazy-E, Ice Cube. Lembro quando fui ao estúdio para gravar “Beez In the Trap”, que não escrevi nada. Eu ouvi a batida e fui na cabine e eu estava brincando no início, mas acabei me inspirando em algumas coisas de “Boyz-n-the-Hood” de Eazy-E. E comecei a dizer “Bitches ain’t shit and they ain’t sayin’ nothing”. Só me lembrou a vibração de Porque os caras no bairro são sempre batalhadores. Eu sei que não parece que provavelmente seria correlacionado, mas isso é a inspiração que usei quando fui gravar na cabine. Tinha acabado de gravar o refrão de “Beez In the Trap” e essa foi a minha principal inspiração. Eazy-E, seu jeito, sua voz.

Então, eu teria que tirar o meu chapéu para a vibe da Costa Oeste também porque definitivamente moldou a música.

Agora o hip-hop é mainstream. Billboard informou que atualmente é o maior gênero musical. Quais são os seus pensamentos sobre isso?

Não é nenhuma surpresa para mim porque o hip-hop sempre foi muito proibido. Eu acho que as pessoas consideram que a cultura hip-hop é super credível e autêntica, e acho que as pessoas sempre querem pegar um pedaço do que é autêntico. Então, você sabe, tudo faz sentido.

Por que o hip-hop é tão grande agora? O que você acha sobre as marcas que costumavam não ter nada a ver com o hip-hop agora implorarem para fazer parte dessa cultura?

Não é surpresa porque alcançamos [e] temos tanta influência. Reppers ajudam na venda de roupas, os reppers influenciam as vendas de tudo, tudo o que usamos, dos melhores designers. Eu sei, mesmo com a Chanel, as pessoas reais que trabalham nela disseram aos meus estilistas [que] quando eles foram lá para puxar meu saco uma vez, [eles] disseram: “Tudo o que a Nicki posta no Instagram tem muitas vendas”. Então, é interessante.

Eu acho que certos designers sentem que são maiores do que o rep ou hip-hop, mas nada é maior do que o hip-hop. Ele é, de longe, a maior influência sobre a vida. Quero dizer, isso parece louco, mas o que as crianças usam, como eles falam, as gírias, as danças, tudo.

Qual foi o seu papel no hip-hop?

Meu papel no hip-hop foi super original porque quando meu primeiro álbum saiu, houve muitos momentos em que não havia um álbum de rep feminino que fosse platinado. Não houve uma grande presença do rep feminino antes de eu começar a fazer parte disso. Então, meu papel foi reintroduzir o rep feminino na cultura pop. Eu me almejei com muitas marcas e consegui mostrar que uma repper pode vender músicas. Se era a maquiagem, os batons, se era esmalte de unhas, fones de ouvido ou o que seja. Eu apenas disse: “Quer saber? Estávamos negligenciando as reppers por um bom tempo”. Eu não acho que conseguimos tanto crédito. Eu acho que as mulheres do rep sempre foram boníssimas e influentes, mas acho que eu cheguei em um momento em que os grandes negócios estavam prestando atenção, então eu consegui tirar proveito de muita coisa.

[No] meu primeiro álbum, eu tinha músicas com Eminem, Kanye West. Eu estava no álbum de Kanye em uma música de Jay-Z. Eu tinha muitos nomes para um primeiro álbum. Eu não acho que isso já tinha acontecido em um álbum feminino antes. Lembro de cada verso que escrevi para Roman Reloaded e o enviei para Eminem, e ele enviava um novo verso de volta. Foi competitivo. Foi divertido. Eu acho que todos os grandes artistas masculinos também me trataram com um sentimento de respeito como MC. Eles me levaram a sério. Se eles estivessem em uma faixa comigo, sabiam que tinham que ir sério. Então, estou realmente orgulhosa de trazer isso para o jogo como uma repper.

Quais são as suas chaves pessoais para a longevidade?

Minhas chaves pessoais para a longevidade, acho que há muitas incógnitas. Não acho que haja realmente algo. De vez em quando, uma superestrela entra na indústria e você fica tipo, Uau! Eu não sei. Eu penso que a longevidade não tem um livro específico, entende? É apenas algo que acontece. Quando você entra e a cultura acredita em você, conhece sua história, entende sua história e se relaciona com sua história, eles gostam de ficar com você para vê-lo crescer.

Onde você se vê em 20 anos?

Em 20 anos, essa é uma ótima questão, mas não sei. Casada e com filhos, é claro. Mantendo Deus em primeiro lugar e espalhando amor e alegria.

Onde você vê o hip-hop em 20 anos?

Hip-hop em 20 anos, sinto mais bilionário. Posso ver que haverá mais bilionários em nossa cultura em 20 anos, se formos inteligentes. Reppers, sejam sapientes com seu dinheiro. Pague seus impostos.



Manancial: XXL Magazine

Sem comentários