DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Entrevista para o 20º Aniversário da XXL Magazine: Future

Foto por Travis Shinn


Da trap house Ellen, da Dungeon Family até o topo das paradas da Billboard, Future tem estado em todos os lugares.

Há pouco mais de cinco anos, Hendrix foi nomeado XXL Freshman em 2012, juntamente com Macklemore, Danny Brown, French Montana e muito mais. Com seu vocal distorcido, um talento para o estilo, uma composição de música dinâmica e uma ética de trabalho inigualável, Future tornou-se um dos artistas de uma geração, recebendo registros de platina para vários singles e projetos como o DS2 e HNDRXX.

Com a onipresença da cultura do hip-hop e seu sucesso contínuo, Future não precisa ir muito longe para se ver ou se ouvir de alguma forma. Ainda assim, Hendrix aprecia a oportunidade de aparecer na capa de uma revista, que, em conjunto com sua proeminência, é por isso que ele recebeu sua própria capa para o 20º Aniversário da XXL.


Mesmo que ele seja uma dos Freshman mais bem sucedidos da XXL (em 2012), as coisas foram um pouco sinistras entre a XXL e o Future. Após ser capa pela primeira vez no outono de 2015, ele se esquentou. É assim que funciona frequentemente entre reppers e uma revista nos dias de hoje. Nem sempre foi assim, mas os tempos mudarma e quem é melhor para falar sobre as tendências do que Future? Isso faz parte do encanto dos nativos de Atlanta. Seis álbuns solo e treze mixtapes mais tarde, está tudo no puro amor entre Future e XXL. O relacionamento só tende a crescer graças a esta celebração de garrafas para o grande aniversário dessa revista que tanto soma para o mundo da música.
Entrevista: Vanessa Satten

XXL: Quem você acha que tem sido o mais influente no hip-hop nos últimos 20 anos?

Future: São vários, eu teria que responder isso falando de gravadoras. No Limit [Records], Ruff Ryders [Entertainment], Cash Money [Records], Roc-A-Fella [Records], Bad Boy [Records]. São muitos. Mas se eu tivesse que nomear um agora, eses seriam os únicos.

O que você acha do seu papel no hip-hop hoje? Se as pessoas tivessem que colocá-lo como um personagem no hip-hop, como você se descreveria?

Sinto que sou um formador de tendências. Esse é o meu papel. Sou apenas eu. Essa é apenas a minha personalidade. Definir a tendência ou simplesmente querer ser díspar e criar a partir do que aconteceu anteriormente com outros artistas. Levando o que fizeram e criando do meu jeito, dando o meu próprio toque. E, sendo inspirado por tantos artistas, mas ao mesmo tempo indo em uma direção díspar no que diz respeito à minha ética de trabalho, como eu dropo a música, como eu gravo, o tempo dela, tudo.
Algumas pessoas pensam que a geração atual não respeita aqueles que vieram antes. Você acha que isso é verdade ou afável, inventado ou amplificado?

É provável que seja inventado ou amplificado. São tantas coisas em movimento e tantos artistas díspares. Sinto que o respeito sempre esteve lá. Você não pode superar isso.

De volta aos dias atuais, provavelmente quando você estava chegando e antes, muitos dos seus predecessores tiveram que lidar com marcas e empresas que não queriam se afiliar com o hip-hop. Hoje em dia, é uma primazia para os anunciantes se afiliarem para parecer afável. O que você acha desse fato de que as marcas querem estar com os reppers e com o hip-hop para se comunicar com seus fãs?

Eu acredito que o hip-hop tornou-se popular com o passar do tempo, e como é popular, [os anunciantes] tentam coisas novas e [estão] tentando maneiras díspares de marcar seus produtos. Então, estão apenas dando aos artistas do hip-hop um acordo endossado e negócios díspares que não estavam por perto. Acho que é bom porque é popularidade. Ele compete com R&B. Ele compete com o rock. Ele compete com o pop para poder ter esses mesmos negócios. É um bom momento.

A música hip-hop está imensa agora. Quanto mais você acha que pode ficar?

Pode ser imensa como as pessoas permitirem. Os fãs, esse será o apogeu disso, [de] até onde ele pode chegar. Vai crescer ainda mais ao longo do tempo porque é uma geração mais jovem. Tudo na medida em que a presença online e a internet são muito grandes agora, toda essa rapaziada está assumindo. Se você estiver em uma determinada faixa etária, você realmente não usa tanto a internet quanto uma criança. Parece que [o hip-hop] tem mais reconhecimento porque os jovens estão baixando músicas e tendo telefones. Eles têm acesso à música.

Como o hip-hop mudou sua vida? E há alguma coisa ruim nisso?

O bom é que eu posso cuidar da minha família, ajudar, poder criar meus lances e fazer algo que eu amo fazer. O ruim é que eu não posso ficar muito tempo com os meus filhos.

Quais são as maiores lições que você aprendeu com a fama?

Você não pode deixar isso chegar até você. Você deve ser maior que a fama. Você deve ser maior que a palavra.

Quais são as suas chaves para a longevidade no hip-hop? Como você se vê relevante nos próximos 20 anos?

Apenas continue trabalhando e seja consistente. A consistência, eu sinto, é a chave para tudo.


Manancial: XXL Magazine

1 comentário: