DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Murder Rap – PARTE UM: HIT ’EM UP


Dois dos mais notórios casos não resolvidos nos anais do crime americano, os assassinatos de Tupac Shakur e Biggie Smalls têm sido objeto de investigações exaustivas, especulação implacável e uma rede emaranhada de rumores desenfreados, conspirações cruéis e segredos obscuros.
Agora, pela primeira vez, a verdade por trás desses casos sensacionais é descoberta no livro Murder Rap, um relato cruel e fascinante de como um detetive policial dedicado e dirigido liderou a força-tarefa que finalmente expôs os fatos chocantes por trás da morte desses dois ícones da música rep.
Edificado por Greg Kading, um detetive muito decorado do Departamento de Polícia de Los Angeles, designado para resolver os homicídios, o livro Murder Rap desvenda um conto torcido de música, dinheiro e assassinato, finalmente respondendo a questão de quem matou Biggie e Tupac e por quê. Com acesso a material nunca visto antes, incluindo as confissões dos envolvidos diretamente nos assassinatos, a saga fascinante de Kading leva leitores diretamente dentro da investigação de casos frios, apresenta um elenco de personagens inesquecíveis e fornece novas evidências convidadas para as suas conclusões explosivas.
Um drama-crime de verdade, o verdadeiro sucesso do crime, as revelações mordazes de Murder Rap certamente irão fazer as manchetes.


O conteúdo aqui traduzido foi tirado do livro 
Murder Rap, do detetive Greg Kading, do Departamento de Polícia de Los Angeles, sem a intenção de obter fins lucrativos. — RiDuLe Killah


Palavras por Greg Kading



MIRACLE MILE É UM dos endereços mais famosos e familiares de Los Angeles. Uma imponente faixa que vai subindo a avenida, museus e edifícios históricos, corre pela Wilshire Boulevard diretamente do coração de Beverly Hills. Ao longo da ampla via de seis pistas, o creme da sociedade de L.A. — estrelas de cinema e figuras esportivas, políticos e magnatas — vem a ver e ser visto, em uma incessante rodada de galeria abertas, eventos de caridade e oportunidade de fotografar famosos nos clubes noturnos.

O Petersen Automotive Museum é uma adição tardia, mas de prestígio, ao Miracle Mile, e um dos principais locais da cidade para festas de alto perfil. Localizado no canto sudeste de Wilshire Boulevard e a Avenida Fairfax, sua estrutura de estacionamento está a um outro quarteirão da Fairfax, a parte traseira estilizada do Petersen. A fachada da frente fica diretamente na rua da loja de departamentos Art Deco May Company, o novo complemento banhado a ouro para o Museu de Arte do Condado de Los Angeles.

O museu, inaugurado em 1994, possui cinco galerias giratórias que destacam uma matriz inestimável de carros antigos, uma mostra de última geração para design e tecnologia automotiva e um centro de conferências com cobertura de vidro. Mas é o segundo andar do museu, o Grand Salon, que torna o Petersen ideal para o tipo de eventos com celebridades para os quais o Miracle Mile é mais conhecido. O piso de ônix polido, decoração de inspiração automática e exibições de carros de luxo e conceito únicos são a configuração perfeita para galas, recepções e funções de gravata preta. Desde o momento em que abriu as portas, o Petersen foi o cenário de escolha para as ocasiões sociais mais prestigiadas de L.A.

Na noite de 9 de Março de 1997, foi uma dessas ocasiões. Na noite anterior, no Auditório Shrine do centro da cidade, o décimo primeiro Annual Soul Train Music Awards apresentou uma nova geração de superestrelas da música negra. Embora os anfitriões do programa incluíssem o R&B Great Gladys Knight dos anos sessenta, e o programa incluísse um Prêmio de Patrimônio ao lendário cantor de soul Curtis Mayfield, ficou claro para todos na casa que a tocha estava sendo aprovada.

E entre os portadores da tocha mais significativos foi um repper de 1,90 de altura, 360 quilos, nascido no Brooklyn, chamado Christopher George Latore Wallace, também conhecido como Biggie Smalls (depois de um personagem no filme de 1975, Let’s Do It Again), também conhecido como Frank White (o herói do filme de 1990, Rei de Nova York), também conhecido como The Notorious B.I.G., ou a.k.a, simplesmente, Biggie.

Embora ele não tenha sido indicado em nenhuma categoria, não havia dúvida de que Biggie Smalls representava o futuro da música. Seu segundo álbum, um conjunto de dois discos intitulado Life After Death, estava a duas semanas de seu lançamento altamente antecipado e a faixa já intencionalmente vazada “Hypnotize” era um enorme sucesso de rádio. Foi fácil ouvir o porquê. Com um refrão baseado em um sample do instrumental “Rise” de Herb Alpert, a música era uma vitrine perfeita para o flow solto e fácil de Biggie e suas rimas autobiográficas convincentes. Em poucos dias do lançamento oficial, “Hypnotize” subiu como um foguete para o número um das paradas musicais.



Biggie foi convidado para os prêmios para apresentar o troféu para o Best Female Abcalist. Compartilhando o pódio com ele naquela noite estava Sean “Puffy” Combs, montando alto com seu próprio single de cartaz e estréia de gravação, “Can’t Nobody Hold Me Down”. Combs, um empreendedor musical multitarefado, foi um jogador importante para que a cena de rap explodisse. Com sua própria série de alias, incluindo Puff Daddy e P. Diddy, Combs era mais conhecido simplesmente como Puff por seu hábito de infância de “bufar e soprar” quando ele ficava com raiva. O nativo do Harlem, filho de um traficante de drogas assassinado, Combs começou sua ascensão meteórica como um promotor de shows antes de emergir com seu próprio selo, Bad Boy Records, em 1993. A primeira assinatura da empresa: Biggie Smalls.

Combs já passaria a supervisionar todos os aspectos da carreira de Biggie, co-escrevendo e produzindo conjuntamente “Hypnotize”, juntamente com os sucessos subsequentes do Life After Death, “Sky’s the Limit” e “Mo Money Mo Problems”, faixas que deviam muito de seu sucesso ao estilo de produção polida de Combs. Combs, de fato, passaria quase sozinho a tocar a música rep no mainstream, ajudando a criar o gênero suave e hipnótico do hip-hop comercial, a forma mais bem sucedida de música popular desde o Rock.

Mas no Shrine Auditorium naquela noite, era difícil imaginar que o estilo de vida dos gangsters celebrado na música de Biggie Smalls pudesse, em qualquer extensão, ser considerado em termos de pop convencional. O que Biggie e Puff estavam formulando no estúdio e no palco redefiniria o que constituía um entretenimento socialmente aceitável. Era cru, profano e despreocupadamente na sua cara.

Seu efeito polarizador foi sublinhado pelo fato de que nem todos na audiência naquela noite cumprimentaram Biggie e Puff com saudações extáticas. Enquanto eles estavam para apresentar o prêmio para Toni Braxton, poderiam ser ouvidas muitas vaias e gritos de “West Side!” sob o teto alto teto do salão.

“E aí, Cali?” Biggie murmurou, inclinando-se no microfone. Mas as vaias só aumentavam conforme ficava mais alta a tensão que se espalhou pelo auditório. Os sinais das gangues da Costa Oeste estavam enaltecidos no brilho das luzes da TV. Era óbvio que Notorious B.I.G. e seu mentor, Puff Daddy, estavam em território hostil.

Biggie, na verdade, estava acampando na porta do inimigo durante quatro meses antes do show do prêmio. Ele completou a gravação de Life After Death em um estúdio de Los Angeles e passou a gravar o vídeo para “Hypnotize”, uma fantasia de $700,000 dólares que co-estrelou Puffy Combs, usando locais no centro de Los Angeles e Marina Del Rey.

Acompanhá-lo em todos os lugares foi sua grande posse, incluindo membros de um grupo de rep composto de amigos variados, seu bairro do Brooklyn, conhecido como Junior M.A.F.I.A. (Junior Masters At Finding Intelligent Attitudes). Seu álbum de estreia em 1995, Conspiracy, foi produzido por Biggie e apresentou os sucessos da venda de platina “Player’s Anthem” e “Get Money”, no qual ele participa. Entre aqueles que escoltaram Biggie para a Costa Oeste foi o primo dele, da Junior M.A.F.I.A., James Lloyd, a.k.a “Lil’ Cease”, e Damien Buder, a.k.a “D-Roc”, que estava constantemente ao lado de Biggie.

A comitiva se estabeleceu no Hotel Four Seasons, onde ficaram duas semanas antes de serem expulsos depois de uma briga entre a estrela do rep e sua namorada Tiffany Lane. Eles haviam entrado e saído de vários hotéis nos próximos dias, finalmente terminando no luxuoso Westwood Marquee, antes dos Soul Train Awards.

Desde o momento em que pôs os pés em Los Angeles, Biggie também estava cercado por uma falange de guarda-costas profissionais. Puffy Combs contratou Ken Story, dono da T.N.T. Protection Service, baseada em Los Angeles, para segurança 24 horas, começando com a chegada de Biggie ao aeroporto. Também de plantão tinha Paul Offord, chefe de segurança da Bad Boy Records, e Reggie Blaylock, um policial de Inglewood, retido por Story para fornecer proteção adicional. Como resultado, nunca houve menos de meia dúzia de pesos pesados ​​seguindo o repper e sua equipe onde quer que fossem. “Nós tomamos precauções”, disse Combs à MTV News em resposta a uma pergunta sobre a retenção dos serviços de um policial fora de serviço. “As pessoas que defendem esta cidade, contratamo-los para nos proteger e defender.”

Combs teve boas razões para garantir proteção e defesa. À medida que a popularidade da música rep começou a se concretizar no início dos anos noventa, seus promotores e produtores fizeram grandes esforços para minimizar a controversa rivalidade entre os contingentes da Costa Oeste e Costa Leste. Não era mais do que um golpe de publicidade, eles insistiam, projetados para vender mais discos criando competição e deixando os fãs escolherem os lados.

Os fatos, como se ouviu claramente na própria música, sugeriram o contrário. A legitimidade do rep como expressão autêntica da vida nas ruas e do instinto de gangue dificilmente poderia ser exagerada. Dada essa credibilidade, não surpreende que os artistas do rep tinham uma identificação intensa com as próprias gangues e, assim como os gangsters da cidade interna defendiam seu território, as equipes da Costa Oeste e da Costa Leste também defendiam seus campeões regionais do rep. Apesar dos protestos dos chefes dos selos e seus publicitários, o conflito das duas costas foi muito real e cada vez mais mortal.

Nada ressaltou o potencial letal das guerras de rep mais do que a morte de Tupac Shakur em Las Vegas, em 7 de Setembro de 1996. Apesar da enorme popularidade de Biggie, era Tupac que estava programado para o estrelato mundial do rep, graças ao seus olhares bem carismáticos e estilo de intenso de fazer rep, impulsionado e volátil. No Soul Train Awards, foi o multi-platina de Tupac, All Eyez On Me, que seria homenageado, embora póstumo, como o melhor álbum do ano. Seu assassinato lançou um alívio acentuado pela intensa rivalidade entre o império da Bad Boy de Puffy Combs e sua contraparte da Costa Oeste, Death Row Records, de propriedade e operado pelo nativo de Compton e por um único atleta defensivo da UNLV, Marion “Suge” Knight. Assim como Biggie era a jóia da coroa na lista da Bad Boy, Tupac tinha sido o principal recurso da Death Row. O persistente zumbido na rua foi que o tiroteio, ainda não resolvido seis meses após o fato, foi motivado pela ambição de Puffy Combs para governar o mundo do rep, eliminando a competição e estabelecendo o domínio da Costa Leste de uma vez por todas. Enquanto Puffy aparentemente não estava disposto a dignificar o rumor com uma resposta, uma declaração que ele fez após outro incidente do tiroteio dirigido a Shakur em 1994, em que houve rumores de que Puffy estava envolvido, poderia resumir sua atitude em relação a tais acusações. “Essa história, além de ridícula é completamente falsa”, ele insistiu.

Independentemente de Puffy realmente ter tido uma mão na morte do repper, Tupac, por sua vez, provocou mais que uma provocação suficiente. Em “Hit ’Em Up”, seu single de 1996, por exemplo, ele atacou todo o estabelecimento do rep da Costa Leste, chamando várias figuras-chave, incluindo Biggie, Lil’ Cease e Puffy, pelo nome. “Die slow, motherfuckers”, ele cospe no outro prolongado da música. Isso era algo incrivelmente novo, mesmo para o gangsta rep. Em faixas como “Hit ’Em Up” e outras, Tupac estava fazendo algo mais do que simplesmente se juntar ao jogo de vanglória que a maioria dos reppers fazia. Ele estava se gabando, humilhando seus rivais em público e todos, mas ousando-os a vir atrás dele nesta escalada de guerra de palavras e de ritmo. A segurança confiável era mais do que simplesmente prudente. Era uma questão de vida e morte. Mas Puffy pode ter inadvertidamente aumentado o risco inerente em chegar à Califórnia ao escolher os lados em outro conflito de gangues de longa duração, este entre os notórios BloodsCrips de L.A. Enquanto a Costa Oeste  apresentava a turnê Summer Jam de 1995, Combs teria contratado Crips para atuar como guarda-costas para paradas de estádios em Anaheim e San Diego. Entre os nomes mais prominentes e persistentes, Duane Keith Davis, um nativo de Compton conhecido nas ruas como “Keffe D”, e seu sobrinho, Orlando “Baby Lane” Anderson.




Empregando Crips como Keffe D e Baby Lane, foi outro rumor teimoso que Combs descartou. “Nós nunca usamos Crips”, afirmou a MTV News, “ou qualquer outra facção de gangues para fazer segurança para nós.” Em uma entrevista subsequente, quando perguntado se ele poderia ter sido apresentado a Keffe D e outros sem terem dito que eles eram Crips, Combs insistiu, “Sendo um jovem celebridade negro você tem milhares de conhecidos... Eu não posso dizer quem eu conheci... não é como se todas as pessoas da gangue usassem bandanas coloridas em suas cabeças.” Mas um agente da imprensa para a gravadora mostrava mais equívoco. Quando pressionado para saber se era Biggie quem poderia ter, sem o conhecimento de Puffy, contratado Crips como proteção, o publicitário respondeu, “Como família, Bad Boy não os usou”, implorando a questão de quem, exatamente, era um membro da família Bad Boy.

Talvez o motivo pelo qual o rumor tenha enraizado e propagado fosse que tal movimento teria feito um certo tipo de sentido. Davis e sua equipe estavam bem documentados, membros ativos em uma das gangues mais violentas de Compton, bandidos de sangue frio, nascidos e criados nas ruas mais sensuais do sul de Los Angeles. Se alguém soubesse o território e como navegar, seria Keffe D e seu grupo.

Se Puffy realmente tivesse contratado Crips como sua proteção da costa oeste, ele teria se colocado diretamente no meio de uma das rixa mais violentas na história criminal americana, a guerra selvagem entre os Bloods e os Crips. O mestre da Death Row, Suge Knight, teve uma associação longa e estreita com um subconjunto dos Bloods chamado MOB Piru. Ao recrutar Crips para segurança, Combs teria efetivamente escolhido os lados contra os Bloods e, mais especificamente, a MOB Piru, que servia como agentes fervorosamente leais de Suge. É uma outra consideração que empresta credibilidade à afirmação de que Puffy contratou membros de gangues como proteção. “Se a Death Row está sendo representada por Bloods”, mantém o ex-guarda-costas Tupac Shakur Frank Alexander, “pode ​​ser compreensível ter a gangue rival em seu emprego. É lógico que esses caras não hesitariam em lutar contra o adversário.” Sob tais circunstâncias, Puffy Combs teria entrado no ninho de zangão de sua própria invenção e trazendo Biggie com ele por sua parte. Biggie também tinha segurança sobre sua mente como ele fez as rodadas de entrevistas e aparições na imprensa no início das festas Soul Train. “O estilo de vida dos reppers devem estar mais protegidos”, ele disse a um repórter do Los Angeles Times, com a recente morte de Tupac claramente em sua mente. Os dois tinham sido, uma vez, amigos íntimos. “Um tiroteio não deve acontecer.”

Notorious B.I.G. não era estranho à malversação criminal. Em 1991, ele havia sido preso em Raleigh, Carolina do Norte, e se declarou culpado de três acusações por posse de drogas. Quatro anos depois, em Camden, Nova Jersey, foi levado por assalto e roubo. Ele acumulou outra acusação de assalto na cidade de Nova York em 1996, acrescentando uma conta de posse de armas. Biggie também foi seguido para Los Angeles pelos investigadores da NYPD que examinam acusações de narcóticos e armas como parte de uma investigação multi-agência do júri de Teaneck, Nova Jersey, onde o repper mantinha uma casa imensa e espetacular.

Apesar da recepção menos contente que Biggie e Puffy receberam no Soul Train Awards, o resto da noite passou sem incidentes. Se o repper foi abalado pelos cachorros no Santuário, ele não mostrou isso. Ele não teve tempo. Havia uma enxurrada de detalhes que precisavam de sua atenção nos dias que antecederam o lançamento de Life After Death. Inicialmente, ele estava preparado para voar para Londres para a promoção avançada do álbum, mas cancelado no último minuto para terminar os toques finais no estúdio. Naquela noite, ele também concordou em adicionar um verso para “It’s All About The Benjamins”, uma música remixada do álbum de Puffy Hell Up in Harlem, depois mudado para No Way Out. Sua agenda ocupada também incluiu uma entrevista na revista Vibe no Westwood Marquee.

Enquanto assistia a transmissão atrasada do programa de premiação na televisão, Biggie respondeu as perguntas do repórter em sua característica voz profunda e ressonante. Ele parecia em um clima particularmente pensativo naquela noite, revelando abertamente, entre outras coisas, seus sentimentos ambivalentes em relação a sua esposa, Faith Evans.

Ele conheceu a cantora e compositora da Flórida em uma sessão de fotos quando Puffy a assinou em 1994 como a primeira artista feminina na Bad Boy Records. Nove dias depois, eles se casaram e, em Outubro de 1996, eles tiveram um filho, Christopher Jr. No entanto, a relação já estava caindo aos pedaços. Biggie percorreu regularmente Evans e teve um caso breve e tempestuoso com Kimberly “Lil’ Kim” Jones, a quem ele conhecia desde quando começou a fazer parte da Junior M.A.F.I.A. Na verdade, uma das humilhações mais doloridas na “Hit ’Em Up” de Tupac foi quando o repper disse ter tido relações sexuais com Faith Evans enquanto ela ainda era esposa de Biggie.

O relacionamento preocupado de Biggie com as mulheres estava em marcado contraste com sua devoção total a sua mãe, Voletta Wallace. Ele ligava para ela quase todos os dias durante a sua estadia em L.A, mantendo-a atualizada sobre os últimos desenvolvimentos em sua carreira de redemoinho. Não é surpreendente, considerando que a nascida jamaicana Voletta não era apenas a sua maior fã, mas o criou sozinho desde os dois anos. A tragédia persistente do gueto do pai ausente — neste caso, um soldado e um político jamaicano de baixo nível chamado George Latore — criou o forte vínculo entre mãe e filho muito comum em famílias quebradas. Só seria intensificado pelas duas lutas de Voletta com câncer de mama e seu abraço fervoroso da doutrina da Testemunha de Jeová, que, entre outros princípios, afirmou que aqueles que ascendiam ao céu após o Armagedom representariam 144,000 estranhos.

Em sua conversa telefônica com ele naquela noite, Voletta expressou sua surpresa de que seu filho ainda estivesse na Costa Oeste, ao invés de ir para Londres como planejado. Ele cancelou a viagem, ele respondeu, com as preocupações de que os arranjos de segurança do Reino Unido eram inadequados, mas continuou a assegurar-lhe que estava sendo bem protegido em Los Angeles. “Nós temos policiais fora de serviço que nos protegem”, ele disse a ela, referindo-se aparentemente ao Reggie Blaylock.

Quaisquer medos e falsos confortos que Biggie tenha expressado em seu telefonema para sua mãe, eles pareciam ter desaparecido à medida que a noite passava. Depois, ele e seu colega se aventurarão a participar de um show tardio de Donnie Brasco. As primeiras horas da manhã encontraram Biggie de volta ao estúdio, trabalhando em faixas para o novo álbum de Puffy, acrescentando o diálogo e a imagem do filme que ele acabara de ver, tudo em seu flow rico e circulante.





PARTE DOIS: O INCIDENTE




Manancial: Murder Rap

Sem comentários