DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Tupac: ‘Não tenho medo da morte. Meu único medo é voltar reencarnado’


Em 15 de Janeiro de 1995, na espera da sentença na prisão da cidade de Rikers Island, Tupac deu uma entrevista exclusiva ao Kevin Powell para a VIBE. No assento, Tupac envolveu Biggie, Puffy e Harrell na emboscada, embora não estivesse claro sobre o motivo de tal traição. A entrevista de Powell, que apareceu na edição de Abril de 1995, colocou o mundo do hip-hop no fogo. Combs e Biggie negaram veementemente seu envolvimento, mas tomaram a decisão de não alimentar a tempestade com mais palavras.


Palavras por Kevin Powell


“As pessoas sempre esquecem, ele tinha apenas 25 anos quando ele foi morto, quando ele morreu; você ainda está se figurando”, diz Powell. “Então, eu senti que meu trabalho como jornalista da revista VIBE, como repórter, como entrevistador era, pelo menos, dar espaço a Tupac para contar seu lado da história.”


Vibe Magazine de Abril de 1995 – Ready To Live



Era uma fria manhã de Janeiro quando eu fiz o caminho para Rikers Island para uma conversa com Tupac Shakur, quais seriam suas primeiras palavras para qualquer jornalista desde que foram filmadas no último 30 de Novembro. Depois de passar por uma série de pontos de controle e detectores de metais, cheguei numa sala de conferência branca sombria no mesmo prédio onde Tupac estava mantendo uma fiança de $3 milhões. Dentro de semanas, ele receberia uma sentença de um ano e meio para uma condenação por abuso sexual em seu caso de estupro de Nova York. Tupac mergulhou na sala sem uma coxa, apesar de ter sido ferido recentemente na perna, entre outros lugares. Vestido com uma camisa branca da Adidas e uma calça jeans azul bem larga, ele parecia mais alerta do que já esteve em todas as nossas entrevistas e encontros. Ele me olhou nos olhos quando falamos e fumamos um Newport atrás do outro. “Estou meio nervoso”, ele admitiu em um ponto. Tupac disse que me convocou porque “esta é a minha última entrevista. Se eu for morto, eu quero que as pessoas saibam de cada detalhe. Eu quero que eles saibam a história real.”


Kevin: Como você se sente depois de tudo o que passou nas últimas semanas?

Tupac: Bem, os dois primeiros dias de prisão, eu tive que passar pelo que é a vida quando você está fumando erva durante o tempo que eu tenho e então você pára. Emocionalmente, era como se eu não conhecesse. Eu estava sentado em uma sala, como se houvesse duas pessoas na sala, malignas e boas. Essa foi a parte mais difícil. Depois disso, a erva estava fora de mim. Então, todos os dias eu comecei a fazer, como, mil flexões. Eu estava lendo livros inteiros em um dia e escrevendo, e isso estava me deixando em paz. Então eu comecei a ver minha situação e o que me trouxe aqui. Embora eu seja inocente da acusação que me deram, não sou inocente em termos da forma como eu estava agindo.

Você poderia me dizer especificamente o que você quer dizer?


Eu sou tão culpado por não fazer nada como sou por fazer as coisas. Não com este caso, mas apenas na minha vida. Eu tinha um trabalho a fazer e nunca apareci. Eu estava tão assustado com essa responsabilidade que eu estava fugindo disso. Mas vejo agora que, se eu me exibo por trabalho ou não, as forças do mal estarão em mim. Eles vão chegar 100 por cento, então, se eu não tiver 100 por cento de coração puro, eu vou perder. E é por isso que estou perdendo. Quando cheguei aqui, todos os prisioneiros estavam dizendo, “Foda-se aquele gangsta repper.” Eu não sou um gangsta repper. Eu faço rep sobre coisas que me acontecem. Fui baleado cinco vezes, você sabe o que estou dizendo? As pessoas estavam tentando me matar. Foi realmente assim. Não me vejo especial; eu só me vejo tendo mais responsabilidades do que o próximo homem. As pessoas me parecem fazer coisas por elas, ter respostas. Meu cérebro estava meio morto de tanto fumar maconha. Eu estava no meu quarto de hotel, fumando demais, bebendo, indo para os clubes, ficando entorpecido. Isso era como na prisão para mim. Eu não estava feliz nas ruas. Ninguém pode dizer que me via feliz.

Quando falei com você um ano atrás, você disse que se você acabasse na prisão, seu espírito morreria. Você parece que está dizendo o contrário agora.

Esse era o viciado falando. O viciado sabia que se eu fosse à prisão, então não poderia viver. O viciado em Tupac está morto. O fabricante de desculpas em Tupac está morto. O Tupac vingativo está morto. O Tupac que aguentaria e deixaria as coisas desonrosas acontecer está morto. Deus me deixa viver para mim fazer algo extremamente extraordinário, e é isso que eu tenho que fazer. Mesmo que me dê a sentença máxima, ainda é meu trabalho.

Você pode nos levar de volta àquela noite no Quad Recording Studios na Times Square?

A noite do tiroteio? Certo. Ron G. é um DJ aqui em Nova York. Ele me disse, ‘’Pac, eu quero que você venha para minha casa e coloque este rep para as minhas fitas.’ Eu disse, ‘Tudo bem, eu irei de graça.’ Então eu fui para a casa dele — eu, Stretch, e alguns outros homeboys. Depois que eu fiz a música, recebi uma mensagem desse cara, Booker, me dizendo que ele queria que eu participasse de uma música de Little Shawn. Agora, esse cara eu ia cobrar, porque eu podia ver que eles estavam me usando, então eu disse, ‘Tudo bem, você me paga e eu vou fazer a música.’ Ele disse, ‘Eu tenho o dinheiro. Venha.’ Eu parei para pegar um pouco de maconha, e ele me mandou mensagem de novo. ‘Onde você está? Por que você não vem?’ Eu disse, ‘Estou indo, cara, aguarde.’

Você conhece esse cara?

Eu o conheci através de algumas pessoas sinistras que conhecia. Ele estava tentando se tornar legítimo e tudo isso, então pensei que estava fazendo um favor a ele. Mas quando eu liguei para ele para obter instruções, ele disse, ‘Eu não tenho o dinheiro.’ Eu disse, ‘Se você não tiver o dinheiro, não vou aí.’ Ele desligou o telefone, Então ele me ligou de volta, ‘Eu vou ligar para [o CEO da Uptown Entertainment] Andre Harrell e certificá-lo de pegar o dinheiro, mas vou lhe dar o dinheiro do meu bolso.’ Então eu disse, ‘Tudo bem, eu estou a caminho.’ Enquanto caminhamos até o prédio, alguém gritou do topo do estúdio. Foi o Lil’ Cease, o braço direito de Biggie. Esse é o meu homeboy. Assim que o vi, todas as minhas preocupações com a situação estavam relaxadas.

Então você está dizendo que entrando nisso...

Eu me senti nervoso porque este cara conhecia alguém com quem eu tinha uma grande rixa. Eu não queria contar à polícia, mas posso dizer ao mundo. Nigel me apresentou a Booker. Todos sabiam que eu era abrupto quando o assunto é dinheiro. Todos os meus shows foram cancelados. Todo meu dinheiro dos meus registros estava indo para advogados; todo o dinheiro do filme estava indo para minha família. Então eu estava fazendo esse tipo de coisas, fazendo rep para uns caras e recebendo pagamento.

Quem é esse cara chamado Nigel?

Eu estava por aí com ele o tempo todo quando eu estava em Nova York fazendo Above the Rim. Ele veio até mim. Ele disse, ‘Eu vou cuidar de você. Você não precisa entrar em mais problemas.’

Nigel também não é conhecido como Trevor?

Certo. Há um Trevor verdadeiro, mas Nigel assumiu os dois apelidos, você entende? Então foi com quem eu estava por aí — fiquei perto deles. Eu costumava me vestir com calças largas e tênis. Eles me fizeram compras; foi quando comprei o Rolex e todas as minhas jóias. Eles me tornaram maduros. Eles me apresentaram a todos esses gangsters no Brooklyn. Conheci a família de Nigel, fui à festa de aniversário de seu filho — confiei nele, você sabe o que estou dizendo? Eu até tentei adicionar Nigel no filme, mas ele não queria estar no filme. Isso me incomodou. Não conheço nenhum nigga que não queira estar no cinema.

Podemos voltar ao tiroteio? Quem estava com você naquela noite?

Eu estava com meu homeboy Stretch, seu mano Fred e o namorado da minha irmã, Zayd. Não é meu guarda-costas; eu não tenho guarda-costas. Chegamos ao estúdio, e há um cara afastado com uma roupa do exército com o chapéu quase tapando o rosto com a aba. Quando caminhamos até a porta, ele não olhou para cima. Nunca vi um homem negro não me reconhecer de uma forma ou de outra, seja com ciúmes ou respeito. Mas esse cara olhou para ver quem eu era e virava o rosto. Ele não disparou porque tinha acabado de fumar maconha. Não estava pensando que algo acontecesse comigo no corredor. Enquanto eu e Stretch estávamos aguardando para entrar, vi um cara sentado numa mesa lendo jornal. Ele também não olhou.

Estes homens eram negros?

Homens negros com aparentemente 30 anos de idade. Então primeiro eu pensei, Esses caras devem ser seguranças de Biggie, porque eu poderia dizer que eles eram do Brooklyn por causa de suas fardas do exército. Mas então eu disse, Espere um minuto. Até mesmo os garotos de Biggie me amam, por que eles não olham para cima? Apertei o botão do elevador, me virei e foi quando os caras saíram com as armas — duas 9 mms idênticas. ‘Ninguém se mexe. Todo mundo no chão. Você sabe que horas são. Passa tudo.’ Eu estava pensando, O que devo fazer? Eu pensei que Stretch iria reagir. Do que eu sei sobre o elemento criminoso, se os niggas vão roubá-lo, eles sempre vão pegar o grande nigga primeiro. Mas eles não tocaram no Stretch; eles vieram diretamente para mim. Todos caíram no chão como batatas, mas eu praticamente congelei. Não era como se eu fosse frouxo ou nada; eu simplesmente não conseguia deitar no chão. Eles começaram a me agarrar para ver se eu estava amarrado. Eles disseram, ‘Tire suas jóias!’, e eu não ia tirá-las. O cara de pele clara, aquele que estava de pé, estava sobre mim. Stretch estava no chão e o cara com o jornal estava com a arma apontada para ele. Ele estava falando com o cara de pele clara, ‘Atira nesse filho da puta! Foda-se!’ Então eu fiquei assustado, porque o cara tinha uma arma no meu estômago. Tudo o que eu pude pensar era mijar nas calças. Eu puxei meu braço ao redor dele para mover a arma para o meu lado e atirar nele. Ele disparou e a arma torceu e foi quando eu fui atingido pela primeira vez. Eu senti na minha perna; eu não sabia que havia sido baleado nas minhas bolas. Eu caí no chão. Tudo na minha cabeça era, ’Pac, finja que você está morto. Nada mais importava. Eles começaram a me chutar, bater em mim. Eu nunca disse, ‘Não atire!’ Eu estava quieto como o inferno. Eles estavam tirando minhas coisas enquanto eu estava deitado no chão. Eu tinha meus olhos fechados, mas eu estava tremendo, porque a situação me fazia tremer. E então senti algo na parte de trás da minha cabeça, algo muito forte. Eu pensei que eles me pisoteariam ou me disparariam com a pistola e eles estavam pisando minha cabeça contra o chão. Eu via tudo branco, apenas branco. Eu não ouvi nada, não senti nada, e eu disse a mim mesmo, Estou inconsciente. Mas eu estava consciente. E então eu senti isso novamente, e eu podia ouvir as coisas agora e eu podia ver as coisas e eles estavam me trazendo de volta à consciência. Então eles fizeram isso novamente, e não consegui mais ouvir nada. E não consegui ver nada; era tudo branco. E então eles atiraram em mim novamente, e eu podia ouvir coisas e eu podia ver coisas e eu sabia que estava cônscio novamente.

Você já os ouviu dizer seus nomes?

Não. Mas eles me conheciam, ou então eles nunca viram minha arma. Era como se eles estivessem bravos comigo. Pude senti-los me chutando e me pisoteando; eles não atingiram ninguém mais. O foco era eu; eles estavam chutando forte. Então eu estava inconsciente, e não sentia nenhum sangue na minha cabeça ou nada. A única coisa que senti foi o meu estômago doendo muito mal. O namorado da minha irmã virou para mim e indagou, ‘Yo, você está bem?’ Eu disse, ‘Sim, eu fui atingido, eu fui atingido.’ E Fred estava dizendo que eu havia sido atingido, mas essa foi a bala que atravessou minha perna. Então me levantei e fui à porta e — a merda que me deixou mais puto ainda — assim que cheguei à porta, vi um carro da polícia parado lá. Eu estava dizendo, ‘Uh-oh, a polícia está chegando, e eu ainda não subi as escadas.’ Então, esquecemos o elevador e subimos as escadas. Eu estava mancando e tudo, mas não sentia nada. Estava dormente. Quando subimos as escadas e chegamos no estúdio, olhei ao redor, e isso me deixou com medo.

Por quê?

Porque Andre Harrell estava lá, Puffy [CEO da Bad Boy Entertainment] estava lá, Biggie... havia cerca de 40 niggas lá. Todos tinham jóias. Mais jóias que eu. Eu vi Booker, e ele teve esse olhar em seu rosto como se ele estivesse surpreso ao me ver. Por quê? Acabei de tocar o sinal sonoro e disse que estava subindo as escadas. Little Shawn estava chorando à vera, e eu me perguntei, Por que eu fui baleado e Little Shawn está chorando? Ele estava chorando incontrolavelmente, dizendo, ‘Ai meu Deus, ’Pac, você tem que se sentar!’ Eu estava me sentindo estranho, como, Por que eles querem me fazer sentar?

Porque cinco balas perfuraram seu corpo.

Eu não sabia que havia sido atingido na cabeça ainda. Não senti nada. Abri minhas calças, e pude ver a pólvora e o buraco na minha cueca Karl Kani. Eu não queria tirá-la para ver se meu pau ainda estava lá. Acabei de ver um buraco e pensei, ‘Puta merda. Me dê um pouco de maconha.’ Liguei para minha namorada e eu era, como, ‘Yo, acabei de ser baleado. Ligue para minha mãe e diga a ela.’ Ninguém se aproximava de mim. Percebi que ninguém iria olhar para mim. Andre Harrell não olhava para mim. Eu estava indo jantar com ele nos últimos dias. Ele até me convidou para o set do programa de TV New York Undercover, dizendo que ele iria me dar um emprego. Puffy estava de pé também. Eu conhecia Puffy. Ele sabia o quanto eu tinha feito para Biggie antes de ele aparecer.

Então as pessoas viram sangue em você?

Começaram a me dizer, ‘Sua cabeça! Sua cabeça está sangrando.’ Mas eu pensei que era uma chicoteada com a pistola. Então veio a ambulância e a polícia. O primeiro policial que eu olhei para ver foi o policial que tomou posição contra mim na acusação de estupro. Ele tinha um meio sorriso no rosto, e ele estava olhando minhas bolas. Ele disse, ‘E aí, Tupac? Como isso está pendurado?’

Quando cheguei ao Hospital Bellevue, o médico estava dizendo, ‘Oh, meu Deus!’ E eu assustado, perguntei, ‘O quê? O quê?’ E eu estava ouvindo ele dizer a outros médicos, ‘Veja isso. Tem uma pólvora aqui.’ Ele estava falando sobre minha cabeça: ‘Esta é a ferida de entrada. Esta é a ferida de saída.’ E quando ele fez isso, eu poderia realmente sentir os buracos. Eu disse, ‘Ai meu Deus. Eu podia sentir isso.’ E foi quando eu disse, ‘Puta merda. Eles atiraram na minha cabeça.’ Eles disseram, ‘Você não sabe quão sortudo você é. Você foi baleado cinco vezes.’ Foi estranho. Eu não queria acreditar nisso. Eu só conseguia lembrar daquele primeiro tiro, então tudo ficou em branco.

Em algum ponto você achou que ia morrer?

Não. Juro por Deus. Para não parecer assustador ou nada — senti que Deus cuidou de mim desde a primeira vez que os niggas puxaram a arma para fora. A única coisa que me machucou foi que Stretch e todos se deitaram no chão. As balas não me machucaram. Nada doeu até eu me recuperar. Eu não podia andar, não conseguia me levantar e minha mão estava fodida. Eu estava olhando as notícias e estavam todos mentindo sobre mim.

Me conte sobre a cobertura que o incomodou.

A nº 1 que me incomodou foi quando aquele cara que escreveu aquela merda dizia que fingi tudo isso. Que eu tinha programado, era uma cena. Quando li isso, comecei a chorar como um bebê, como uma puta. Não podia acreditar. Aquilo me deixou em pedaços. E então a notícia estava tentando dizer que eu tinha uma arma e eu tinha atirado em mim. Em vez de dizer que eu fui uma vítima, eles estavam dizendo isso como se eu tivesse feito.

E sobre todas as piadas dizendo que você perdeu um de seus testículos?

Isso realmente não me incomodou, porque eu pensava, Merda, eu vou ter que pegar a última risada. Porque eu tenho mais insanidade do que todos esses niggas. Meus médicos disseram, ‘Você pode ter bebês.’ Eles me disseram depois que uma cirurgia exploratória foi feita: ‘Não tem nada de errado. Atravessou só a pele e por fora.’ A mesma coisa na minha cabeça. Foi só através da minha pele e por fora.

Você já teve muita dor desde então?

Sim, tenho dores de cabeça. Eu acordo gritando. Tenho tido pesadelos, achando que ainda estão me atirando. Tudo o que vejo são niggas puxando armas, e eu ouço o cara dizendo, ‘Atira nesse filho da puta!’ Então eu acordei suado para caralho e disse, Porra, eu tenho uma dor de cabeça. O psiquiatra de Bellevue disse que é o estresse pós-traumático.

Por que você saiu do Bellevue Hospital?

Saí de Bellevue na noite seguinte. Eles estavam me ajudando, mas eu me senti como um projeto de ciência. Eles continuaram entrando, olhando meu pau e porra, e essa não era uma ótima posição. Eu sabia que minha vida estava em perigo. A Fruit of Islam estava lá, mas eles não tinham armas. Eu sabia de que tipo de niggas eu estava lidando. Então eu deixei Bellevue e fui para o Metropolitan. Eles me deram um telefone e disseram, ‘Você estará seguro aqui. Ninguém sabe que você está aqui.’ Mas o telefone tocava e alguém dizia, ‘Você ainda não está morto?’ Eu pensava, Droga! Aqueles filhos da puta não têm piedade. Então eu me verifiquei e minha família me levou para um lugar seguro, alguém que realmente se importou comigo na cidade de Nova York.

Por que você foi ao tribunal na manhã depois que você foi baleado?

Eles vieram à cama e disseram, ‘’Pac, você não precisa ir ao tribunal.’ Eu estava pensando, Não dá. Eu senti como se o jurado não me visse, eles pensassem que eu estava fazendo um show ou alguma merda. Porque eles não sabiam que eu havia sido baleado. Então eu sabia que eu tinha que aparecer, não importaria como. Juro por Deus, a coisa mais distante da minha mente era a compaixão. Tudo o que eu podia pensar era, Levante-se e lute pela sua vida como você luta pela sua vida neste hospital. Quando cheguei no tribunal, me sentei lá em uma cadeira de rodas, e o juiz não estava me olhando nos meus olhos. Ele nunca me olhou nos meus olhos todo o julgamento. Então o júri entrou e do jeito que todos estavam agindo era como uma situação comum. E eu estava me sentindo tão milagroso que estou vivendo. E então eu começo a sentir que eles vão fazer o que eles vão fazer. Então fiquei entorpecido; eu disse, eu tenho que sair daqui. Quando eu saí, os câmeras estavam me apressando e tropeçando na minha perna e tal. Eu disse, ‘Vocês filhos da puta são como abutres.’

Podemos falar sobre o caso do estupro?

OK. Nigel e Trevor me levaram para o de Nell. Quando chegamos lá, fiquei imediatamente impressionado, porque era diferente de qualquer clube em que estive. Não estava lotado, havia muito espaço, havia mulheres lindas lá. Eu conheci Ronnie Lott dos New York Jets e Derrick Coleman dos Nets. Eles estavam se aproximando de mim, dizendo, ‘’Pac, estamos orgulhosos de você.’ Eu me senti tão muito bem naquela noite, porque eles eram heróis das pessoas e eles diziam que eu era seu herói. Eu me senti acima e além, como se eu estivesse brilhando. Alguém me apresentou a essa garota. E a única coisa que notei sobre ela: Ela tinha grandes seios. Mas ela não era atraente. Meu homie Money veio até mim e disse, ‘Essa garota quer fazer mais do que conhecê-lo.’ Eu já sabia o que isso significava: Ela queria foder. Deixei os manos ali e fui até a pista de dança sozinho. Estava tocando música jamaicana, e eu estava fazendo dançando do meu jeito. Então esta menina veio e começou a dançar — e a merda que era estranha, nem sequer me veio de frente — primeiro, ela veio roçando a bunda em mim. Então eu estava dançando com essa música reggae; você sabe o quanto isso é sensível. Ela começou a tocar no meu pau, nas minhas bolas, ela abriu meu zíper, ela colocou suas mãos em mim. Há uma parte pequena e escura em Nell, e eu via pessoas lá fora, fazendo isso, então ela começa a me empurrar dessa maneira. Eu sabia que horas eram.

Nós fomos para um canto. Ela foi me masturbando. Levantei minha camisa enquanto estava dançando, mostrando minhas tatuagens e tudo. Ela começou a beijar meu estômago, beijando meu peito, me lamber e tudo mais. Ela foi descendo, e eu pensando, Puta merda. Ela puxou meu pau para fora; ela começou a chupar meu pau na pista de dança. Essa merda me provocou. Eu não estava pensando, Isso vai ser um caso de estupro. Eu estava pensando, Esta será uma boa noite. Você sabe o que eu estou dizendo? Logo que ela acabou com isso — o suficiente para me deixar excitadíssimo — nós saímos da pista de dança. Eu disse a Nigel, ‘Eu tenho que sair daqui. Estou prestes a levá-la para o hotel. Te vejo mais tarde.’ Nigel disse, ‘Não, não, não. Eu vou levá-lo de volta.’ Nós dirigimos para o hotel. Subimos as escadas e fizemos sexo, muito rápido. Assim que eu saí, foi isso. Eu estava cansado, estava bêbado, eu sabia que tinha que me levantar cedo pela manhã, então eu perguntei a ela, ‘O que você vai fazer? Você pode passar a noite ou pode sair.’ Ela me deixou seu número e tudo ficou de boa. Nigel estava passando no meu quarto todas essas noites. Quando ele descobriu que ela chupava meu pau no chão e nós fazíamos sexo, ele e Trevor ficaram pálidos!

Trevor é uma grande aberração; ele estava ficando louco. Tudo o que ele continuava me perguntando era, ‘Você meteu naquela bunda?’ Ele estava ouvindo todas as nossas particularidades

O que aconteceu na noite da suposto estupro?

Tínhamos um show para fazer em Nova Jersey no Clube 88. Este cara disse, ‘Eu estarei lá com uma limusine para buscá-lo na meia-noite. Nós fomos às compras, nos vestimos, estávamos todos prontos. Nigel estava dizendo, ‘Por que você não liga para ele?’ Então estávamos todos sentados no hotel, bebendo. Eu estava à espera do show, e de Nigel, ‘Liguei para ela. Quero dizer, ela me ligou, e ela está a caminho.’ Mas eu não estava pensando nela para rolar algo pela segunda vez. Estávamos assistindo TV quando o telefone tocou, e ela estava lá embaixo. Nigel deu a Man-man, meu gerente, algum dinheiro para ela pagar o táxi, e eu disse, ‘Deixe que a vadia pague por seu próprio táxi.’ Ela subiu as escadas parecendo tudo legal, vestida toda provocativo e tal, como se ela estivesse pronta para um baile colegial. Então estávamos todos sentados lá falando, e ela estava me deixando desconfortável, porque em vez de sentar com Nigel e eles, ela estava sentada no braço da minha cadeira. E Nigel e Trevor estavam olhando para ela como uma galinha, como ela é, como, comida. É uma situação realmente desconfortável. Então estava pensando, Okay, eu vou levá-la para o quarto e fazer uma massagem. Então entramos no quarto, deitei debruçado na cama, e ela foi massageando minhas costas. Eu virei. Ela começa a massagear minha frente. Isso durou cerca de meia hora. No meio, parávamos e nos beijávamos. Eu estava pensando que ela estava prestes a realizar outro oral em mim. Mas antes que ela pudesse fazer isso, alguns niggas entraram, e eu congelei mais do que ela congelou. Se ela dissesse alguma coisa, eu teria dito, ‘Aguente, me deixe terminar.’ Mas não pude dizer nada, porque ela não estava dizendo nada. Como faço para dizer ‘Espera aí!’ numa situação dessa? Soaria como se ela fosse minha garota. Então eles vieram e eles começaram a tocar sua bunda. Eles estavam dizendo, ‘Oooh, ela tem uma bela bunda.’ Nigel não estava tocando nela, mas eu pude ouvir sua voz dizendo, ‘Tira a roupa dela, tira a calcinha.’ Eu levantei e saí do quarto. Quando eu fui para a outra suíte, Man-man me disse que Talibah, meu publicitário na época, estava lá por algum tempo e estava esperando no quarto daquela suíte. Eu fui ver Talibah e conversamos sobre o que ela estava fazendo durante o dia, então eu fui e deitei no sofá e fui dormir. Quando acordei, Nigel estava de pé sobre mim dizendo, ‘’Pac, ’Pac’, e todas as luzes estavam acesas em ambos os quartos. Todo o humor mudou, entende o que estou dizendo? Eu estava me sentindo como um drogado. Eu não sabia quanto tempo havia passado. Então, quando acordei ele me disse, ‘Você vai à polícia, você vai à polícia.’ Nigel sai pela sala e volta com a garota. Suas roupas estavam inteirinhas; não tinha nada rasgado. Ela estava desapontada, chorando histericamente. ‘Por que você os deixou fazer isso comigo?’ Ela não faz sentido. Eu disse, ‘Eu não tenho tempo para essa merda aqui. Você precisa relaxar longe daqui.

Pare de gritar comigo e olhar para mim toda louca.’ Ela disse, ‘Essa não é a última vez que você vai me ouvir’, e bateu a porta. E Nigel disse, ‘Não se preocupe com isso, ’Pac, não se preocupe. Eu lidar com isso. Ela apenas tropeçou.’ Perguntei-lhe o que aconteceu, e ele disse, ‘Muitos niggas.’ Você sabe, eu não estou nem viajando mais, você sabe? Niggas começaram a descer as escadas, mas ninguém voltou para o andar de cima. Eu estava sentado no andar de cima fumando minha maconha, pensando, Onde será que estão todos? Então recebo um telefonema do Talibah da portaria, dizendo, ‘A polícia está aqui embaixo.’

E foi o que te fez parar na prisão. Mas você está dizendo que você nunca fez nada?

Nunca fiz nada. A única coisa que vi foram os três deles lá e aquele nigga falando sobre o quão grande era a bunda dela. Levantei, porque o nigga parecia doente. Eu não sei se ela está com esses niggas, ou se ela está brava comigo por não protegê-la. Mas eu sei que me sinto envergonhado —  porque eu queria ter feito parte daquilo e porque eu não queria que nenhum mal fosse feito —, mas eu não disse nada.

Como você se sentiu sobre as mulheres durante o julgamento, e como você se sente sobre as mulheres agora?

Quando a acusação surgiu pela primeira vez, passei a odiar mulheres negras. Senti como se eu tivesse colocado minha vida na linha. Na época em que fiz ‘Keep Ya Head Up’, ninguém tinha músicas sobre mulheres negras. Eu coloco ‘Keep Ya Head Up’ do fundo do meu coração. Foi real, e eles não defenderam-na. Eu senti que deveriam haver mulheres em todo o país falando sobre ‘Tupac não poderia ter feito isso.’ E as pessoas estavam realmente me perguntando, ‘Você fez isso?’ Então, indo ao julgamento, comecei a ver que as mulheres negras que estavam me ajudando. Agora eu tenho uma nova visão delas, porque aqui é as principais guardas femininas são negras. Elas não me dão nenhum favor extra, mas elas me tratam com respeito humano. Elas estão me dizendo, ‘Quando você sair daqui, você precisa mudar.’ Elas me colocam no telefone com elas, crianças. Você sabe o que eu estou dizendo? Elas me dão amor.

O que acontecerá se você tiver que cumprir a pena?

Se acontecer, eu vou servi-la como um soldado. Claro, meu coração estará quebrado. Eu estou despedaçado, mas eu tenho que servi-la como um soldado.

Eu entendo que você completou recentemente um novo álbum.

Fazendo rep... Eu nem tenho a emoção de fazer mais isso. Quero dizer, aqui não me lembro da minha letra.

Mas você está apagando o álbum, certo?

Sim. É chamado de Me Against the World. Então essa é a minha verdade. Esse é o meu melhor álbum ainda. E porque eu já fiz isso, posso ser livre. Quando você faz álbuns de rep, você precisa se treinar. Você precisa estar constantemente no caráter. Você costumava ver os reppers falando com toda essa merda, e então você os vê em ternos e tal no American Music Awards. Eu não queria ser esse tipo de nigga. Eu queria manter isso real, e foi o que eu pensei que estava fazendo. Mas agora essa merda está morta. Esse lance de Thug Life caiu...; eu fiz isso, coloquei no meu trabalho, organizei. Mas agora essa merda está morta.

Quais são seus planos após a prisão?

Eu vou me juntar com Mike Tyson quando sairmos. Me juntar ao Monster Kody [agora conhecido como Sanyika Shakur] da Califórnia. Vou começar uma organização chamada Us First. Eu vou salvar esses jovens niggas, porque ninguém mais quer salvá-los. Ninguém veio para me salvar. Eles apenas observam o que aconteceu com você. É por isso que a Thug Life para mim está morta. Se é real, então deixe alguém representá-la, porque estou cansado disso. Eu a representei demais. Eu era Thug Life. Eu era o único nigga lá fora colocando minha vida na linha.

Alguém já esteve lá por você?

Desde que estive aqui, recebi cerca de 40 cartas. Recebi garotas pequenas me enviando dinheiro. Todo mundo me dizendo que Deus está comigo. Pessoas me dizendo que odeiam os caras que atiraram em mim, que vão rezar por mim. Recebi uma carta, esse cara me disse que desejava estar morto. Mas então eu peguei as pessoas procurando por mim, como Jada Pinkett, Jasmine Guy, Treach, Mickey Rourke. Meu selo, Interscope Records, tem sido extremamente favorável. Até Madonna.

Você pode falar sobre seu relacionamento com Madonna e Mickey Rourke?


Eu estava deixando as pessoas ditarem quem deveria ser meus amigos. Eu me senti como se eu fosse esse grande nigga do Black Panther, eu não poderia ser amigo de Madonna. E então eu dissesse a ela, mesmo que ela tenha me mostrado nada além de amor. Eu me senti mal, porque quando eu fui à prisão, liguei para ela e ela era a única pessoa que estava disposta a me ajudar. Com essa estatura. A mesma coisa com Mickey Rourke — ele fez amizade comigo. Não como negro e branco, como amigo a amigo. E de agora em diante, não será uma coisa estritamente negra comigo. Eu até me desculpei com Quincy Jones por todas as coisas que eu falei sobre ele e suas esposas. Estou me desculpando com os Hughes Brothers... mas não com John Singleton. Ele está me inspirando a escrever roteiros, porque eu quero ser sua competição. Ele me demitiu da Higher Learning e deu minha idéia ao próximo ator.

Você se preocupa com sua segurança agora?

Não tenho medo da morte. Meu único medo é voltar reencarnado. Não estou tentando fazer as pessoas pensarem que estou aqui fingindo, mas toda a minha vida será sobre salvar alguém. Eu tenho que representar a vida. Se você diz que vai ser real, é assim que você precisa ser — ser fisicamente apto, ser mentalmente apto. E quero que os niggas sejam educados. Eu estava conduzindo as pessoas para longe da escola. [Mas] você precisa estar na escola, porque através dela você pode conseguir um emprego bom.

Você acha que a música rep será mais atacada, dado o que aconteceu com você?

Oh, definitivamente. É por isso que eles estão fazendo isso comigo assim. Porque se eles podem me impedir, podem parar mais 30 reppers antes mesmo de nascerem. Mas há algo mais que eu entendo agora: Se realmente estamos dizendo que o rep é uma forma de arte, então devemos ser verdadeiros e sermos mais responsáveis ​​pelas nossas letras. Se você vê toda essa gente morrendo por causa do que você diz, não importa que você não os faça morrer, é importante que você não os tenha salvado.

Você mencionou Marvin Gaye em “Keep Ya Head Up”. Muitas pessoas o compararam com seus conflitos pessoais.

É como eu me sinto. Eu me sinto perto de Marvin Gaye, Vincent van Gogh.

Por que van Gogh?

Porque ninguém apreciou seu trabalho até que ele estivesse morto. Agora vale milhões. Eu me sinto perto dele, como ele estava se emergindo. Ele e Marvin também. Foi assim que eu estava lá. Estou na prisão agora, mas sou livre. Minha mente é livre. A única vez que eu tenho problemas é quando eu durmo.

Então você está grato de estar onde você está agora?

É um presente direto. Essa é a vontade de Deus. E todos que disseram que eu não era nada... meu objetivo é fazer com que eles se envergonhem por terem escrito isso para mim. Porque tenho 23 anos. E eu posso ser o filho da minha mãe, mas em toda a realidade, eu sou filho de todos. Você sabe o que eu estou dizendo? Ninguém me criou; eu fui criado nesta sociedade. Mas não vou mais usar isso como um óbice. Eu vou me arrancar com minhas próprias forças, e eu vou fazer uma mudança. E minha mudança vai fazer uma mudança através da comunidade. E por isso, eles vão ver o tipo de pessoa que eu realmente era. Onde meu coração estava. Esse lance de Thug Life era apenas ignorância. Minhas intenções estavam sempre no lugar certo. Nunca matei ninguém, nunca estuprei ninguém, nunca cometi nenhum crime que não fosse honrado — que não fosse para me defender. Então é o que eu vou mostrar. Eu vou mostrar às pessoas minhas verdadeiras intenções e meu verdadeiro coração. Vou mostrar a eles o homem que minha mãe criou. Eu vou deixá-los orgulhosos.



Manancial: VIBE

Sem comentários