DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Murder Rap – PARTE QUATRO: A CONSPIRAÇÃO


Dois dos mais notórios casos não resolvidos nos anais do crime americano, os assassinatos de Tupac Shakur e Biggie Smalls têm sido objeto de investigações exaustivas, especulação implacável e uma rede emaranhada de rumores desenfreados, conspirações cruéis e segredos obscuros.
Agora, pela primeira vez, a verdade por trás desses casos sensacionais é descoberta no livro Murder Rap, um relato cruel e fascinante de como um detetive policial dedicado e dirigido liderou a força-tarefa que finalmente expôs os fatos chocantes por trás da morte desses dois ícones da música rep.
Edificado por Greg Kading, um detetive muito decorado do Departamento de Polícia de Los Angeles, designado para resolver os homicídios, o livro Murder Rap desvenda um conto torcido de música, dinheiro e assassinato, finalmente respondendo a questão de quem matou Biggie e Tupac e por quê. Com acesso a material nunca visto antes, incluindo as confissões dos envolvidos diretamente nos assassinatos, a saga fascinante de Kading leva leitores diretamente dentro da investigação de casos frios, apresenta um elenco de personagens inesquecíveis e fornece novas evidências convidadas para as suas conclusões explosivas.
Um drama-crime de verdade, o verdadeiro sucesso do crime, as revelações mordazes de Murder Rap certamente irão fazer as manchetes.


O conteúdo aqui traduzido foi tirado do livro 
Murder Rap, do detetive Greg Kading, do Departamento de Polícia de Los Angeles, sem a intenção de obter fins lucrativos. — RiDuLe Killah


Palavras por Greg Kading



QUANDO EU RECEBI A CHAMADA do detetive Brian Tyndall, não era nenhuma ilusão de que meus superiores tivessem um ataque súbito de determinação de aço para levar o assassino ou assassinos de Biggie à justiça, não importava o que fosse necessário, de uma vez por todas.

O simples fato era que o departamento estava tentando desesperadamente cobrir sua bunda. Eu sabia. Tyndall sabia disso. E também todos os outros que conseguiram manter as curvas e voltas complicadas do caso desde o início. Tinha um monte deles. Não é de se surpreender que tal matança de alto perfil, que se desenrolou sob a fantasia da celebridade, teria atraído mais do que a justa parcela de detetives amadores e teóricos da conspiração. É especialmente verdade, considerando que o caso estava por muito tempo parado, sem respostas plausíveis.

O assassinato de Biggie Smalls foi um daqueles eventos raros na história criminal quando, no vácuo criado pela falta de fechamento, tudo, não importa o quão exagerado, parece de alguma forma possível. Quando a verdade está faltando em ação, qualquer coisa pode ocupar seu lugar. A morte de Biggie foi um dano colateral na longa guerra entre Bloods e Crips; foi um retorno para a sangrenta morte de Tupac Shakur em Las Vegas; era uma lição objetiva da Nação do Islã para o fugitivo mundo do rep: antes de terminar, tudo o que faltava era alienígenas espaciais, a CIA ou um rumor Biggie-está-vivo tornando-se viral no ciberespaço.

Mas foi um detetive do L.A.P.D. chamado Russell Poole, que havia apresentado o que era, de longe, a mais atraente e convincente teoria sobre o que realmente aconteceu e por quê. Era simples e elegante e se encaixava nas agendas de muitas das facções que viam a morte de Biggie Smalls através da lente do racismo, da guerra de classes e da desconfiança de longa data dos poderes entrincheirados que dirigiam Los Angeles. Simplificando: os policiais fizeram isso.

Em todos os aspectos importantes, Poole era um agente de polícia por excelência, o que deu suas alegações de uma conspiração dentro da força um anel convincente da verdade. Para muitos envolvidos no caso, ele se tornou o denunciante final, um informante com a coragem de derrubar a organização à qual ele dedicou sua vida profissional.

Filho de um veterano veterano do condado de Los Angeles, Poole iniciou sua carreira na área de aplicação da lei em 1981, aumentando rapidamente nas filas de detetive em 1987 e supervisor de detetive em 1996. Ele trabalharia como investigador de homicídios em South Bureau, Wilshire e a Robbery-Homicide Division por mais de nove anos e foi o principal detetive em centenas de casos. Ele ajudou a resolver o assassinato de Ennis Cosby em 1997, filho do comediante Bill Cosby, e foi parte da equipe que investigou o sangrento tiroteio de assalto ao banco de North Hollywood no mesmo ano. Altamente respeitado e muito decorado, Poole era um policial de um policial, um oficial extremamente profissional com dedicação incansável e uma firme crença nas suas próprias capacidades.

O papel de Poole no caso Biggie Smalls começou nove dias após a morte de Christopher Wallace em um contexto completamente não relacionado ao próprio assassinato. Ele e seu parceiro, Fred Miller, foram designados para a investigação de homicídios do oficial Kevin Gaines do L.A.P.D. Gaines, que tinha uma história de comportamento agressivo, havia sido morto quando instigou um incidente de raiva na estrada com outro policial, um detetive secreto chamado Frank Lyga. O incidente do policial envolvia um elemento racial complicado: Gaines era negro e Lyga era branco. Havia alguns dentro da força, principalmente amigos e antigos parceiros de Gaines, que imediatamente aceitaram a motivação racial e lançaram sua própria investigação não oficial para provar isso. Mas para Poole, o significado do caso chegou muito mais profundo.

No início de sua pesquisa, Poole descobriu que Gaines tinha uma namorada chamada Sharitha Knight, a esposa separada do fundador da Death Row Records, Suge Knight. Seguindo seus instintos, Poole começou a olhar de perto os antecedentes do oficial morto, descobrindo entre outros detalhes intrigantes que Gaines favoreceu ternos caros, dirigiu um Mercedes e frequentou o Monty’s Steakhouse, um restaurante em Westwood conhecido como um local de diversão da Death Row.

Foi nesse ponto que Poole sentiu que ele tinha“algo diferente de sua investigação ordinária..." O que esse “algo” se tornaria era uma elaborada triangulação de rep, gangues e policiais corruptos,
levando Poole a acreditar que Gaines tinha vínculos diretos para atividades criminosas da Death Row. “Ele cruzou a linha”, ele mais tarde afirmou em uma entrevista de 2001 com a Frontline. “Ele manchou o distintivo.” E Gaines não foi o único a eventualmente ser incluído na abrangente teoria da conspiração de Poole.

Um mês após a morte de Biggie, a investigação — que até então tinha sido tratada por detetives de Wilshire — foi entregue à Robbery-Homicide Division. Russell Poole foi nomeado como um dos dois detetives principais. A partir desse momento, Poole assiduamente trabalhou para descobrir qualquer conexão que pudesse vincular as duas investigações.

Por toda a falta de evidências sólidas ou suspeitas, uma teoria do tipo tomou forma pelo tempo em que Poole chegou a bordo. Como um relatório de progresso inicial afirmou: “A investigação revelou a possibilidade de uma briga contínua entre a empresa de gravação da vítima (Bad Boy Entertainment) e Death Row Records de propriedade de Marion “Suge” Knight. A disputa é alimentada pelo fato de que Death Row é constituída por membros de gangue dos Bloods e que Bad Boy é composta por Crips...”

Isso não era inteiramente verdade. O suposto uso de Crips de Puffy como segurança para shows na costa oeste dificilmente constituía a participação na gangue. Mas, pelo menos, surgiam as hipóteses de uma ênfase viável, uma que Poole levaria com interesse ávido. Ele já havia girado seu foco para Suge Knight como resultado do caso Gaines. A partir desse momento, as duas investigações estavam inexoravelmente ligadas em sua mente.

Essa conexão só se tornaria mais substancial para Poole, pois continuou a aprofundar as circunstâncias do assassinato de Biggie, convencendo-se de que o drive-by fora do Petersen era uma operação sofisticada muito além das capacidades dos gangsters locais para planejar e executar.


[drive-by: Um tiroteio realizado por membros de gangue em um veículo a motor que se move lentamente e que, em seguida, se afasta da cena.]


“Desde que comecei no caso Biggie Smalls”, ele mais tarde contou a Randall Sullivan em LAbyrinth, um livro de 2002 relatando a teoria de Poole sobre o assassinato, “Eu continuava encontrando esses relatórios de criminalidade em que os perpetradores usavam rádios e scanners da polícia... Suge Knight e seus bandidos usaram-nos para monitorar os policiais... Havia todos esses relatos sobre as pessoas da Death Row nos usando e em torno de seus estúdios em Tarzana.” Os relatórios foram significantes para Poole, dado que, no rescaldo do disparo de Biggie, houve um rumor persistente de que os rádios da polícia haviam sido usadas como parte de uma operação de precisão.

Os relatos de testemunhas de conversas de escavação auditiva fora do Petersen não foram a única indicação para Poole de uma conspiração criminosa. Havia a pergunta intrigante, por exemplo, de como o atirador, sozinho no Impala preto a uma quadra da entrada do museu, teria conhecido exatamente o veículo com o qual Biggie havia entrado e o lugar que ele ocupava através das janelas fortemente matizadas. O tiroteio aleatório do Chevy Blazer na South Orange Avenue, ouvido mais cedo na noite, poderia ter sido um desvio para distrair a polícia e os guardas de segurança do alvo real. A investigação de Poole estava ganhando uma vida própria e o policial veterano tinha certeza de que ele estava em um grande avanço. As dimensões desse avanço estavam a ponto de serem expandidas por uma ordem de grandeza.

No final de 1997, enquanto Poole ainda estava trabalhando ativamente nas investigações de Gaines e Wallace, a notícia chocante quebrou que um policial foi preso por um assalto a banco que arrecadou $722 mil dólares, um dos maiores ataques da história da cidade. Seu nome era David Mack, um veterano oficial do Departamento de Polícia de Los Angeles. Ele e seu único sócio, Rafael Perez, logo disputam a duvidosa distinção de serem os policiais desonestos mais famosos da América.

Após sua prisão, os investigadores da Robbery-Homicide começaram a cavar extensivamente Mack à fundo. Uma busca em sua casa apresentou o Tec-9 que ele usou no assalto, bem como um grande pedaço de dinheiro sob o tapete. Mas quando Russell Poole apanhou o que mais havia sido descoberto, outras peças cruciais do que ele estava preparando meticulosamente pareciam cair exatamente no lugar.

Primeiro e acima de tudo, o Chevy Impala preto de Mack, conduzido no assalto ao banco, mas também — e de incalculável maior significado para Poole — a mesma marca de veículo usado no drive-by de Biggie. Como se isso não bastasse para ressaltar a crença de Poole de que ele tinha uma grande conspiração entre policiais e gangsters em suas mãos, houve a bizarra descoberta de que os oficiais de investigação descreveram como um “santuário” para Tupac Shakur na casa de Mack, um altar de cartazes e parafernália dedicada ao repper morto. Igualmente tentador era um terno feito de carmesim brilhante que havia aparecido no extenso guarda-roupa do policial. Vermelho, é claro, era a cor da gangue Blood e a roupa era quase idêntica à usada por Suge Knight. Além disso, foram as entradas críticas no registro do dever de Rampart, detalhando uma série de dias de doença que Mack tomara antes do assassinato de Biggie.

Mais uma pista chave para Poole teve a ver com o fato de que David Mack era um muçulmano declarado. Mais de uma testemunha ocular do assassinato de Wallace descreveu o atirador como vestido com um terno e uma gravata. Era uma gravata-borboleta, a mesma gravata favorecida pelos muçulmanos negros, que acrescentou peso crucial à conjetura de Poole de uma conspiração L.A.P.D./ Nação do Islã/Death Row para matar o repper.

Da esquerda: Kevin Gaines, David Mack e Raphael Perez.

Essa conjectura foi promovida quando Kevin Hackie, um ex-oficial da Compton School Police Department que enfrentava acusações de falsificação, avançou com a afirmação de que Kevin Gaines, David Mack e Rafael Perez faziam parte da ação prolongada de Suge Knight. Mesmo que nenhum desses policiais se tornasse o verdadeiro assassino, Poole pensou, eles certamente saberiam quem era e talvez tivessem participado da coordenação do sucesso, possivelmente com a ajuda do Fruit of Islam.

À medida que avançava para dentro das coxas dessas investigações entrelaçadas, Poole tornou-se cada vez mais convencido de que ele estava sendo encontrado com determinada resistência do descarado L.A.P.D. Era um caso da lógica circular da conspiração: se sua teoria é rejeitada, é porque os duvidosos estão entre os conspiradores, o que na versão de Poole da conspiração incluiu o próprio nomeado recentemente chefe de polícia, Bernard Parks. Poole ficou impaciente com a relutância do departamento em investigar o vínculo entre David Mack e Suge Knight. Qualquer tentativa que ele fez para mover a investigação extensa nessa direção foi rejeitada em termos inequívocos e ele tomou isso como um sinal de que o descaramento estava bloqueando um grande escândalo dentro do departamento.

Mas havia outra explicação para a relutância oficial em seguir as pistas de Poole. Antes de ser nomeado para dirigir o departamento, Parks tinha sido um vice-chefe do L.A.P.D., cujas funções incluíam supervisionar todas as investigações dos assuntos internos. Se alguma coisa fosse qualificada como uma questão de assuntos internos, era a má conduta criminal de David Mack. Como em qualquer caso que caiu no âmbito dos assuntos internos, todas as constatações foram sujeitas a uma embargo de informação quase completo. Nada que assuntos internos descobrissem durante o curso de sua investigação poderia ser revelado a outros detetives, não importa o quão importante fosse o seu trabalho em andamento. Era uma restrição necessária: Os assuntos internos eram encarregados de investigar os seus próprios e tiveram que ter em conta a possibilidade distinta de que, quando houvesse um policial corrupto, poderia haver outros, tentando desviar ou descarrilar seu trabalho. Por conseguinte, uma parede de silêncio foi erguida, mesmo quando Poole persistiu tentando violá-la.

De certa forma, posso entender sua frustração. Eu estive em seus sapatos, interrompido de informações potencialmente valiosas para as quais apenas assuntos internos estavam privados. Mas é assim que o sistema funciona e é algo com o qual qualquer detetive deve aceitar. O que Poole viu como um encobrimento concertado foi, em vez disso, um precedente bem estabelecido, estabelecendo distinções claras entre todas as várias investigações nas quais ele se envolveu. Tirar David Mack não era a responsabilidade de Poole. Essa responsabilidade pertencia ao FBI, que estava investigando o envolvimento de Mack no assalto bancário. A responsabilidade de Poole era descobrir quem havia matado Biggie Smalls. Se os casos convergiram, a preponderância de evidências revelaria a conexão. Até esse momento, era dever de Poole manter os protocolos estabelecidos.

Poole não viu assim. Em retrospectiva, avaliar o trabalho investigativo do detetive veterano enquanto ele mergulhava cada vez mais profundamente em uma série de circunstâncias notáveis, não é uma tarefa fácil. Sua versão dos eventos — os meios, métodos e motivos do assassinato de Biggie Smalls — parece encaixar perfeitamente. O que acabou por faltar era a objetividade. Ele queria acreditar, e esse desejo, na minha opinião, comprometeu seu julgamento.

A prova desse lapso pode ser vista, à medida que a investigação prosseguiu, na confiança de Poole em informantes da prisão para apoiar seu caso. No espectro de técnicas de coleta de dados utilizadas pela aplicação da lei, as histórias contadas por qualquer pessoa que serve o tempo são consideradas manchadas pela própria natureza. Embora seja verdade que os informantes que estão atrás das grades podem, e muitas vezes, criar informações úteis, é sempre importante verificar e analisar o que eles dizem. Os presos têm pouco a perder e muito a ganhar se eles parecem estar cooperando com as autoridades ao transmitir informações valiosas. Conhecendo esta regra geral, Poole ignorou isso como seu perigo.

Fotos do informante da prisão Waymond Anderson, cujos altos contos levariam a investigação por vários buracos de coelhos frustrantes e fúteis antes que a verdade por trás do assassinato de Biggie Smalls fosse finalmente descoberta. O primeiro informante a se apresentar no caso Biggie Smalls, apenas três semanas após o assassinato, foi Waymond Anderson, ex-cantor de R&B que passou pelo nome artístico de Suave e foi acusado de assassinato em primeiro grau por incendiar uma lareira e incinerando seu residente. Aguardando o julgamento na instalação de County Jail’s Wayside em L.A., Anderson avançou alegando ter informações relevantes para o caso de Christopher Wallace e esperando trocá-lo por uma cobrança menor ou uma redução em sua sentença.

Enquanto estava em um tanque de espera no Inmate Reception Center no centro da cidade, ele disse aos detetives de Wilshire que, Suge Knight, que também estava sendo processado na instalação por uma violação de liberdade condicional, se aproximou dele de acordo com Anderson, Suge o induziu a usar seus contatos de armas para fornecê-las para o assassinato de Biggie. Ele mesmo disse a Anderson os nomes dos homens-alvo designados: o associado de Knight, Wesley Crockett, seu primo Ricardo Crockett e um ex-policial de Compton chamado Reginald Wright, Jr. Ao mesmo tempo, revelou-se que Anderson estava conversando continuamente com outro preso do Wayside chamado Michael Robinson. Como no caso, Robinson notificou os carcereiros de que ele também tinha informações diretamente no caso Biggie. Na ordem abrir o bico dos informantes, Robinson, atrás das grades por roubo, teve várias informações credíveis acima de Anderson. No passado, ele havia fornecido [informações] altamente confiáveis ​​e foi tão bem pensado por funcionários da lei que, depois de sua morte, anos mais tarde, o FBI avançaria para pagar suas despesas de funeral.

A história de Robinson também eclipsou a de seu colega em grandeza e detalhe da história que contou. O assassinato de Wallace, ele relacionou-se com os investigadores, resultou de um contrato lançado por Suge Knight em retaliação pela morte de Tupac Shakur seis meses antes. O atirador era um assassino por aluguel, um membro do Fruit of Islam, o ramo paramilitar dos muçulmanos negros, um associado dos Crips e um amigo íntimo de um gangster local conhecido como “Stutterbox”. Enquanto o verdadeiro nome do assassino era ou é “Kenny” ou “Keeky”, ele era mais conhecido como “Amir”, “Ashmir”, “Abraham”, ou algo semelhante ao Oriente Médio.

Foi nesse ponto que Poole teve o que ele achou ser a prova decisiva para fazer sua conspiração. O detetive visitou a prisão da cidade de Montebello, onde David Mack estava preso por roubo de banco. Enquanto lá, Poole examinou o registro dos visitantes mantido pelas instalações. Entre os primeiros nomes listados após a prisão de Mack foi Amir Muhammad.

“Amir”. “Ashmir”. “Abraham”. Poole estava convencido de que ele finalmente havia encontrado uma pista que ligava David Mack diretamente ao assassino de Biggie Smalls, como foi identificado, por mais vago que fosse, por um informante da prisão.





PARTE CINCO: HOMICÍDIO CULPOSO




Manancial: Murder Rap

Sem comentários