DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Revisão: ‘Still Brazy’ coroa YG como o único gangster repper desta geração


YG é um homem adulto, embora seu apelido “Young Gangsta” possa sugerir o contrário. Seis anos depois de pisar na cena musical com o liricamente diluído, ainda ineficazmente infeccioso “Toot It and Boot It”, o mundo em geral está finalmente olhando para o repper nascido Keenon Daequan Ray Jackson como um êxtase do rep, não apenas um MC regional confinado a enaltecer narrativas de armas e hinos de clubes de strip-tease.

Quando YG dropou seu álbum de estúdio de estréia My Krazy Life, as ruas e os céticos estavam ansiosos pelo seu esforço de segundo ano, pronto para escolher uma parte, sendo ou não, o disco de 14 faixas obteve 61 mil cópias vendidas na primeira semana e um n° 1 no gráfico R&B/Hip-Hop da Billboard.

YG sofreu alguns anos atrás, testemunhando as complexas apostas de fama e inimigos de primeira mão e experimentando seu primeiro gosto de amor incondicional com o nascimento de sua filha, Harmony. Ele surgiu publicamente com o colaborador de longa data e o amigo DJ Mustard, cujos 808s fortemente enfiaram sua estréia e colocaram o South Los Angeles de volta no mapa. Há alguns anos, o repper foi vítima no fogo cruzado de balas de perto, correu para o hospital com um trio de feridas de guerra provenientes de um único tiro que ricochetava do quadril para a virilha. E em Maio de 2015, outro acontecimento quase fatal ocorreu quando tiros AK-47 foram disparados no set de seu vídeo musical em Compton. Desta vez YG se afastou ileso.

Tão louco e tão importante como tudo isso soa, ocorrências como essas são como um ruído branco para uma cidade que é notória por sua história histórica violência de gangues. No entanto, eles também servem como lembranças firmes de que, não importa o quão próxima e querida L.A. pode ser para o coração de YG, a casa tem limitações, ou pelo menos para a média de Joe. Mas para o descarado membro dos Tree Top Piru Blood de 28 anos, que se maravilha em ser “forte para matar”, ele ainda se sente à vontade e em seu elemento no peito de Bompton. Esse mesmo golpe, a tenacidade fazer-ou-morrer é o alicerce do qual a Still Brazy foi concebido.

O destemor de YG chega a ferver como por exemplo na faixa “Don’t Come To LA”, depois que seu pai adverte sua mãe para se afastar de Los Angeles com a esperança de manter sua semente segura. Uma melodia visceral, rastejante, as marcas das faixas em Still Brazy com fita amarela e luzes da polícia vermelha. “I don’t give a fuck who you niggas paying. Who name you saying, you ain’t good around here/ Cause y’all niggas fucking up the rep. Y’all playing with the set, it’s really war round here”, ele canta. É um sinal de alerta extrovertido, não tão acolhedor, que exige que os reppers AD e Bricc Baby, de Compton, engrossem o tratado da zona de exclusão da cidade, nenhum mantra de fora.  “You walk around like you can’t get touched. But JFK was a president and still got his ass bust”, Baby cospe, sincronizando as músicas terminando com uma série de tiros de armas e um grito desesperador de uma mulher.

O LP então progride em um conto emocionante arrancado de um caderno dos casos corruptos e em grande parte especulativos do L.A.P.D. sobre os assassinatos de Tupac e Biggie (“Who Shot Me?”), e um recibo de sua realidade cheio de zoeiras (“Word Is Bond”). O primeiro single do álbum, “Twist My Fingaz”, é um tesouro comemorativo de G-funk que se casa com a agressão natural de YG e com as ondas ensolaradas e paradisíacas que a Costa Oeste infame emite, atadas com letras diretas: “I’m the only one who made it out the West without Dre/ The only one that got hit and was walking the same day.”




Em 15 minutos através do álbum, é evidente que YG instalou-se em seu próprio encaixe em meio a um ambiente perturbador. A produção, que engrandece o trabalho de Mustard, é imprudente, mais old school e caseira. Há Terrace Martin afastando as teclas do piano, adicionando um elemento funky e um tingido-de-jazz; DJ Swish salpicando seu ritmo, diminui a sensibilidade com “Gimme Got Shot; e 1500 ou Nothin’ contribuindo com sua experiência de produção para “I Got a Question” e “She Wish She Was”.

Still Brazy também é um disco sobre o relacionamento de YG com a América. “FDT (Fuck Donald Trump)”, “Blacks and Browns” e “Police Get Away Wit Murder” são dedicados ao repper emergindo como uma nova voz convincente que não poupa ninguém quando se trata da brutalidade policial, perfil racial, as reações fatais na cadeia Reaganomics e o sistema educacional falido:


We killing ourselves, they killing us too/ They distract us with entertainment while they get they loot
They never gave us what they owed us, put liquor stores on every corner
Welcome to Lost Skanless, California



A abordagem de YG nunca é um elogio. Ele humaniza seu povo e sua cidade natal na esperança de transmitir uma mensagem mais profunda que os jovens possam entender. Ele não glamoriza a vida dos gangsters, encerando poeticamente sobre suas experiências da vida real. Se N.W.A falou para Gen X, YG fala para Gen Y como o único gangsta repper que não tem culpa em ser ele mesmo: um membro dos Bloods jovem, negro e sem remorso.

Como My Krazy Life relatou o ciclo de 24 horas de vida está tratado na linha de frente de Bompton, Still Brazy é um vislumbre mais claro, mais coeso e confidencial na alma de Jackson: as coisas que o motivam, os homies que o detêm (e alguns dos homies com os quais ele teve que se separar), e o que o mantém até tarde da noite. Nós nunca nos conscientizamos se ele conseguiu a paz ou como ele lida com a paranóia, nem com suas aspirações e estado emocional, mas o álbum está baseado no crescimento, tanto lírico como pessoalmente.




Manancial: Vibe

Sem comentários