DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Scarface, Warren G, Big Daddy Kane, e mais contam algumas de suas histórias favoritas com Tupac


13 de Setembro de 1996 é um dia que será eternamente imortalizado na história do hip-hop como o dia que uma lenda nos deixou. Tupac Shakur tinha 25 anos no momento da sua morte, deixando um legado tão rico em lirismo como em atitude, um homem que ajudou a definir um som e que liderou um movimento, que é amplamente considerado um dos melhores reppers de todos os tempos e uma das personalidades mais envolventes que o hip-hop já viu. Seu legado é enorme — tanto para aqueles que o conheceram como para aqueles que não o fizeram — e sua sombra existe em grande parte do que a Costa Oeste tem feito nos últimos 20 anos.

Desde a sua morte, sua mãe Afeni ajudou a colocar numerosos álbuns póstumos, livros de sua poesia, e geralmente ajudou a preservar seu legado. Buckshot, um dos poucos que passaram o tempo com ’Pac no estúdio de gravação, concordou em falar com a condição de que o papel de Afeni em seu legado também fosse lembrado — “sua mãe é nossa mãe”, ele disse. “Porque Tupac é o filho do hip-hop, então devemos sempre louvar a mãe que deu à luz ao filho do hip-hop.” Ela e Buck, eram duas das quais o impacto de Tupac foi incomensurável. A XXL falou com um punhado de reppers que o conheciam ou estavam ao seu redor durante sua vida, reunindo histórias favoritas e anedotas pequenas em torno de seu amigo falecido. Leia mais para ver os gostos de Scarface, Big Daddy Kane, Warren G, MC Lyte e mais sobre os bons momentos, dos tempos positivos que ajudaram a fazer de Tupac quem ele era: uma lenda. — XXL Staff (@XXL)


Scarface: ’Pac e eu costumávamos gravar juntos, houve uma vez que estávamos no estúdio gravando “Smile” e ele cuspiu seu verso, e o engenheiro não ligou o microfone, não o gravou. ’Pac simplesmente tirou os fones de ouvido e você podia ouvi-lo gritando com ele, o engenheiro estava tentando se desculpar, disse “me desculpa” e ’Pac foi como, “Você não tem muitos ‘Me desculpa’ lá fora.” [Risos] Ele não estava intimidante para gravar, ele tinha tudo pronto, o vinho no estúdio, a comida, tudo.

Lembro de que costumávamos fazer uma turnê, ele estava se abrindo para mim, e ele ficou tão louco que eles fechariam o show antes que eu chegasse ao palco para fazer meu dinheiro. Depois de um tempo, eu saía primeiro, eu abria para ele apenas para que eu pudesse sair e ganhar meu dinheiro. Lembro de que estávamos em Milwaukee uma vez, e esses caras vieram e vasculharam todo o hotel procurando por ele. Não é seu quarto, todo o hotel. E ele estava no meu quarto e eu pensei, Eu não quero nenhuma parte disso! Eu não estava tentando descer as escadas e lutar com todos esses caras. [Risos] Mas isso foi apenas ’Pac. A última vez que o vi foi provavelmente aquele verão logo antes de morrer, ele acabaria de aparecer no estúdio. Ele estava me cobrando porque ele queria ir ao clube, e eu não estava terminando músicas rapidamente o suficiente para ele.

MC Lyte: Fui a Dannemora [prisão] para visitá-lo quando ele foi encarcerado [em 1995]. Para sentar-se e conversar com ele, você está falando sobre um homem que foi tão criativo, tantos pensamentos, que eu tenho certeza que ele percorreria sua cabeça no diário, mas até mesmo sendo encarcerado e deixado com caneta e bloco. E apenas para ler alguns dos poemas que ele escreveu, esse foi um momento que mudou a minha vida. E também por vê-lo lá, um pássaro enjaulado pronto para voar, mas ainda tem que aprender lições. E acho que até certo ponto escolhemos as lições que precisamos aprender.

Mas essa era uma boa lembrança, por realmente estar com ele com nada mais. Sim. Ninguém vai a Dannemora, a menos que você vá ver alguém na prisão. Foi apenas sincero. Faz anos e anos atrás — não me lembro das palavras, lembro do sentimento, lembro do que senti, e era apenas um derramamento de seu coração. Ele fez isso muito bem, pode mostrar a ele mesmo realmente quem ele era como pessoa através de suas letras, e não há muitos que fazem isso. Ele certamente era um deles.

Warren G: Cara, faz muito tempo. A primeira vez que nos encontramos foi há algum tempo. Eu fiz uma música na trilha sonora de Poetic Justice chamada “Indo Smoke” e o som explodiu e foi realmente o single da trilha sonora. Era realmente popular em torno de L.A. Um dos caras que era o supervisor de música na trilha sonora me disse que Tupac gostou do registro e queria me parabenizar.



Então um dia recebi essa ligação e eu estava no telefone na casa da minha irmã. Naquela época eu não tinha dinheiro. Tinha um disco, mas ainda não havia feito nada. Eu estava relaxando na casa da minha irmã e recebi uma ligação e era esse cara que disse, “É Warren?” E eu era como, “Yeah, sou eu.” E ele era como, “É Tupac.” E eu era como, “Tupac? Você não é Tupac.” Ele era como, “Mano, este é Tupac.” E eu era como, “Nah, eu não acredito em você, cara.” Ele era como, “Warren, este é Tupac Shakur. Você produziu a música ‘Indo Smoke’ para a trilha sonora de Poetic Justice?” Eu disse, “Yeah.” E ele disse, “Eu realmente gostei disso e eu quero trabalhar com você.” Então eu pensei, tudo bem, isso é legal.

Eu liguei para Paul Stuart para verificar se era real, que era o supervisor da música no projeto, e descobri que era real, então peguei minha MPC 60, minha technic 1200 e meus registros, e fui até um estúdio chamado Echo Sounds que tinha em Los Feliz. Quando cheguei lá e entrei no estúdio, estava ’Pac. Foi de verdade o negócio. Era ele.

Eu tinha meus óculos e havia uma perna quebrada em meus óculos. Entrei com todas as minhas coisas e fiquei sentado e conversamos por um tempo. Ele estava perguntando o que estava acontecendo comigo e eu estava rodando um pouco por aí durante esse tempo, porque eu não estava mais com Snoop e com Dre e eu senti que não tinha as pessoas com quem comecei, então eu estava um pouco decepcionado. Eu falei sobre isso e falei sobre algumas coisas que eu estava passando. Me envolvi em um tiroteio com um cara naquela época. Então eu falei sobre todas essas coisas e nós estamos conversando.

Então ele era como, “Cara, você tem uma batida?” Ele queria ouvir algumas, então eu botei para tocar algumas e ele escolheu uma. Na verdade, foi “Wind Parade” de Donald Byrd. Ele era como, “Eu gostei dessa.” Então eu era como, “Tudo bem.” Peguei, separei todos os sons, testei tudo e colocamos para gravar. Estávamos relaxando e ele disse ao engenheiro para jogar a batida, então o cara jogou a batida e então ele ficou sentado lá, absorvendo. Ele estava apenas delirando e delirando. Então ele disse, “Pare. Estou pronto para gravar.” Então ele entrou. Foi quando ele gravou “Definition Of A Thug Nigga”.

Ele fez a música e eu comecei a colocar os scratches nele e fazendo a minha parte depois de colocar seus vocais. Nós estávamos relaxados e em seguida entraram muitas mulheres e fumamos uma blunt — e eu nem fumo blunts — mas estava fumando blunts com ele e bebendo e passando um bom tempo. Então Mack 10, Mackadocious — seu nome era Mack Kimble, mas nós o chamamos de Mackadocious —, Big Psych, Little Psych e Rated R, todos entraram no estúdio e estavam tristes. Um de seus amigos foi morto, Kato. Então [Tupac] virou-se para mim e ele era como, “Warren, você tem algo sentimental? Eu quero fazer uma música para o meu garoto.” Foi quando eu fiz “How Long Will They Mourn Me”. Depois disso. Eu produzi isso, então liguei para Nate Dogg. Eu disse, “Nate, estou com Tupac no Echo Sounds. Você pode vir aqui? Você tem o endereço.” Então Nate apareceu e ele cantou no refrão. Ele veio e pregou isso.

Então quando nos conhecemos conversamos e passamos um excelente momento. A partir desse dia, ele manteve contato comigo e ficamos em contato. Eu fiz mais alguns registros para ele depois disso. Mas essa foi a primeira vez que o conheci e acho que ele era um cara incrível. Um trabalhador entusiasmado e fugaz. Apenas um cara legal. Ele tinha a palavra. Ele disse que continuaria trabalhando comigo e ele fez. O que foi tão louco foi depois que recebi uma ligação do MC Breed, que era um de seus melhores amigos, e acabei fazendo outra música com ele chamada “You Gotta Get Yours, I Gotta Get Mine”, que integrou o álbum de Breed. Mais uma vez eu estava lá com Pac e essa foi uma das primeiras vezes em que recebi algum dinheiro real. Eles me deram $8 mil dólares em dinheiro e pensei que tinha um milhão de dólares. Ele foi um dos primeiros caras que acreditaram em mim, Warren G, como produtor e ele respeitava minha música e nós levamos a um nível superior. Agora temos clássicos que não pararão de tocar. Eles sempre podem tocar.



Big Daddy Kane: Eu o conheci quando ele estava dançando pelo Digital Underground, tive uma turnê chamada Shine For The City na estrada, e eles eram um dos grupos nela. Ele costumava estar com Scoob e Scrap todas as noites e, eventualmente, chegamos a falar, ele estava me dizendo que ele iria fazer suas próprias músicas logo, e ele tinha uma direção diferente, que ele não podia esperar para sair, esse tipo de coisa. Ele parecia um irmão muito interessante. Um verdadeiro aluno sério do jogo, prestando atenção ao que está acontecendo. Durante esse tempo, o Digital Underground declarou a guerra a todos os outros grupos [na turnê], então depois do show todas as noites tínhamos lutas de armas de água, eu e minha equipe, Digital Underground, Queen Latifah e sua equipe, MC Lyte e sua equipe, apenas na luta de armas de água todas as noites. Então, ficamos juntos muitas vezes. De tempos em tempos nos víamos.

Ele é um cara com o qual eu tenho muito respeito, porque antes de sua morte, Suge Knight queria me assinar no que ele estava começando chamado Death Row East, e ’Pac foi uma das principais pessoas [dizendo], “Nós precisamos ter Kane”, e mostrou muito amor. Nós fomos a Las Vegas para ver uma briga de Tyson e acabamos indo na Death Row Records para gravar músicas no estúdio, fizemos um monte de trabalho em uma noite. Então eu não tinha nada além do maior respeito pelo cara. Não era a luta de Tyson que ele estava [logo antes de morrer], mas antes disso. Nós estávamos em Las Vegas naquela noite, era eu, Tupac, Suge, Hammer e Eric B. Nós realmente fomos para Vegas, e nós estávamos sentados lá falando sobre fazer músicas juntos, e Suge era como, Merda, por que vocês não vão lá e fazem isso então? E então eu e ’Pac fomos lá e fizemos algumas músicas.

Buckshot: Nós fomos para Las Vegas. Quando ’Pac disse a Suge que se todos não tivessem uma passagem para entrar no mesmo avião, ao mesmo tempo, ninguém ia. Era tudo ou nada. E Suge era como, “Nah, nigga. Eu ouço você, mas isso não faz sentido.” Então, o que você acha? Você acha que ’Pac não fazia brincadeira? Esse nigga pegou as passagens, andou para lá e para cá e arrancou as merdas. Eu estava sentado lá dizendo-lhe, estava dando a vibração, “Vai, nigga. Nós estamos bem. Nós podemos segurar a onda.” Eu realmente não queria essa vibração. Eu realmente não precisava ser a causa daquela merda lá. Todos nós éramos o motivo para que Suge dissesse, “Yo, escute. Você entra em um avião com Snoop. Nós e Snoop. Tenha Buck e Dru [Ha] e LS (Louisville Sluggah) e outra pessoa que estava conosco. Havia poucas pessoas. Diga aos niggas para pegarem o próximo avião. Para entrar em outro avião. Todo mundo tem que entrar no avião da Death Row.” Então ’Pac era como, “Nah, se todos nós não vamos juntos, se toda a minha equipe não estiver juntos quando chegarmos [naquele avião], não vou.” Então, eu disse, “Pac, maioria provavelmente vai.” A próxima coisa que eu vi era esse nigga estressado, raivoso. Ele tormenta para nós, tudo o que ele faz é dizer, “Vamos.” Eu não falei nada. Eu simplesmente me virei e o mantive em movimento. Como, ninguém disse nada. Quando Pac continuou, todos andaram logo atrás dele. Não dissemos nenhuma palavra. O general disse que ía, então nós saímos. Foi quando fomos ao estúdio naquela noite e gravamos a música “Never Call U Bitch Again”.

Eu estava firme. Essa foi a primeira vez que eu fiquei tão bravo em olhar para ’Pac nunca estando feliz. Até tirei os fones de ouvido. Eu nem sequer me movia. Eu basicamente dei a vibração de que não podia fazer isso. Não conseguia gravar isso. Eu estava tentando gravar e agir como se tudo estivesse bom. Não sabia o que estava acontecendo. Tudo o que estava acontecendo, obviamente era muito pesado para eu ser como, “Yo, não importa. Vamos continuar gravando.” Pac estava quieto. Nunca mais o vi assim. Fiquei quieto porque não gostava de vê-lo assim. Eu não gostava de vê-lo tão chateado e silencioso a ponto de ele realmente não estar falando com ninguém. É por isso que eu estava tipo, “Yo, foda-se isso.” Eu tirei os fones de ouvido. Enrolei, passei a blunt para ele e acabamos de passar o dia.




Manancial: XXL Magazine

Sem comentários