DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Entrevista com Gucci Mane diretamente da Fulton County Jail (Março de 2010)

[Este artigo foi originalmente publicado em Março de 2010 pela XXL]


Palavras por Vanessa Satten


Se ele é um homem livre ou encarcerado, Gucci Mane é o repper mais respeitado de Atlanta. Ele também vivia no estúdio, como indicado em seu recente anúncio de liberar três mixtapes de uma só vez em 13 de Agosto. O grande Guwop, que consegue sempre nos surpreender, deu um olhar aprofundado de sua jornada em 2008. Isso foi quando ele estava preso por não conseguir completar seu serviço comunitário. Sua libertação alguns meses depois significou uma outra onda de sua música que inundou as ruas. Aqui, Gucci fala sobre o álbum The State vs. Radric Davis, sua história de vida, rixa com Young Jeezy e muito mais.


Com sua carreira em alta velocidade, Gucci Mane foi trazido de volta à terra por mais um período na prisão. XXL o visitou enquanto seus calcanhares esfriavam.


Gucci Mane fala por trás de uma janela de vidro em uma sala de visitas na Fulton County Jail de Atlanta. Ele tem muito o que falar. Duas semanas depois de disponibilizar seu quarto álbum, intitulado The State vs. Radric Davis, através da Warner Bros., a estrela do rep de 29 anos se senta com um uniforme azul com o cabelo levemente crescido. Ele recebeu a sentença em 12 de Novembro de 2009, por uma violação de liberdade condicional, e foi escoltado diretamente para a prisão, onde ele estará durante pelo menos os próximos quatro a seis meses como preso n.° 0936417.

Infelizmente, isso não é novidade para Gucci Mane. Quando se formou na escola secundária Ronald E. McNair de Atlanta em 1998, obteve uma bolsa de estudos completa para a Georgia Perimeter College. Mas durante o ano de Novembro, ele foi pego com 90 sacolas de cocaína em pedra e ficou preso por três meses. Ele perdeu sua bolsa de estudos. Então, em sua saída, ele voltou seu foco no rep. Gucci passou cinco anos na cena underground de mixtape de Atlanta, antes de assinar com o selo independente local Big Cat Records para seu primeiro álbum, Trap House (2005).

O primeiro single do álbum foi o hit “Icy”, que tem Young Jeezy como participação. Infelizmente, o sucesso da música levou a uma rixa para ver quem ficaria com o crédito da mesma, e Jeezy logo colocou uma recompensa na corrente “So Icey” de Gucci Mane em uma faixa diss, “Stay Strapped”. Gucci respondeu com sua própria diss, “Round One”. E assim por diante.

10 de Maio de 2005, Davis foi atacado por um grupo de homens em uma casa em Decatur, Geórgia. Gucci conseguiu pegar sua própria arma, disparou alguns tiros e escapou. Três dias depois, um dos assaltantes, Henry Lee Clark III, supostamente um associado de Jeezy, foi encontrado morto atrás da Columbia Middle School.

Gucci foi preso, acusado de assassinato e solto após pagar fiança de $100.000, no dia 24 de Maio. Dois meses depois, ele foi preso novamente, depois de bater em um promotor de clube com um bastão de beisebol. Sem chance de fiança, ele ficou preso até Outubro por acusações de agressão e foi condenado a seis meses, com crédito pelo tempo servido. Ele foi solto em Janeiro, entrou em liberdade condicional e com 600 horas de serviço comunitário. Logo antes de sair, as acusações de homicídio contra ele foram removidas.

Em 2006, Gucci disponibilizou seu segundo álbum, Hard to Kill, e cortou qualquer tipo de vínculo com a Big Cat. No ano seguinte, ele assinou um contrato de selo para o seu So Icey Entertainment com Asylum Records (uma subsidiária da Warner Bros, a Atlantic Records) e Back to the Trap House, que incluiu o belo hit “Freaky Gurl (Remix)” com Ludacris e Lil’ Kim.

Mas, em vez de voltar para a Trap House, voltou para a casa da prisão. Em 12 de Setembro de 2008, Gucci foi condenado a um ano na Fulton County Jail por não ter completado seu serviço comunitário, após realizar apenas 25 das 600 horas.

Solto em liberdade condicional em Março, Gucci ficou ocupado — inundando as ruas e a internet com novas músicas e vídeos, colaborando com grandes artistas como Black Eyed Peas e Mariah Carey, construindo a equipe So Icey Entertainment com OJ Da Juiceman e Nicki Minaj, e iniciando uma nova casa para abrigar seus chegados, a 1017 Records.



XXL: Você já havia pensado que seria assim que você faria o seu primeiro lançamento de grande selo, da prisão?

Gucci Mane: Meu status agora, com o meu álbum, é que eu estou muito, muito grato. Eu fiquei fora da prisão por oito meses, e naquele tempo, eu consegui trabalhar com muitos artistas com os quais eu sempre quis. Coloquei minha gravadora em conjunto; minha nova situação com a Warner fluiu bem. Eu construí muita expectativa, trabalhei duro nesses oito meses, e estou satisfeito com o reconhecimento que estou recebendo. Estou no auge da minha carreira agora. É apenas uma bênção ter pessoas que desejam comprar suas coisas. Mas no pouco tempo que cheguei aqui, eu realmente posso lidar com isso. É apenas um pequeno passo de onde eu tenho que ir.

Após sua prisão mais recente, seu advogado disse que seu teste para cocaína e maconha deu positivo. Mas quando visitei você, você disse que realizou testes limpos por meses e que esses encargos eram antigos.

O meu exame de urina foi há seis meses atrás. Eu acho que o resultado foi só para maconha. Mas definitivamente não era de cocaína. Nunca usei cocaína. Isso não é verdade. Eu parei de fumar e parei de beber. Nos últimos seis meses, não usei drogas e continuarei a reivindicar sobriedade. É por isso que eu disse isso no BET Awards. Porque é algo que eu tornei parte da minha vida. Então, mesmo quando eu sair daqui, eu planejo continuar com isso, e estou orgulhoso de mim mesmo por isso. Isso me deu paz, mesmo na situação em que eu estou agora. Eu sei que você tem que ser otimista. Mesmo que você esteja passando por algo que você espera ser bom e que acaba mal, você precisa saber que vai ficar bem.

O que você acha que foi, durante esses oito meses, esse resultado na antecipação deste álbum?

Eu penso, ao longo dos anos, quando eu comecei minha carreira, haviam muitas situações de quando eu estava afastando as pessoas de mim. Isso fez com que as pessoas tivessem uma curiosidade sobre mim, mas um leve medo de trabalhar comigo. Então, como as pessoas me conheciam e divulgavam a indústria de que eu era um homem de trabalho duro... que eu era um grande empresário e sempre mantinha minha palavra em todas as transações comerciais que fazia — que abriu as pessoas para querer trabalhar comigo. E uma vez que eles entraram no estúdio comigo ou lidamos com negócios juntos, isso foi bem. Mas comparado com o que eles estavam ouvindo, porque as pessoas estavam meio que me difamando. Então, demorou anos e anos para que isso acabasse. Mas uma vez que as pessoas abriram a porta para que eu trabalhasse com eles, as coisas fluíram. Eu tinha o talento. E esse tempo todo, enquanto eles estavam com medo de lidar comigo ou trabalhar comigo, eu estava melhorando. Então eu acho que as coisas acontecem... Nunca será possível questionar como as coisas acontecem. Mesmo sendo difícil lutar o tempo todo, fazendo isso sozinho de forma independente, uma vez que eu atravessei essa porta, eu apenas acabei chegando bem lá.

Permitir que a história de vida seja exposta tornou-se uma parte muito importante para os artistas de rep. Os fãs estão muito familiarizados com as histórias de vida de pessoas como Eminem, 50 Cent e Jay-Z. Você acha que sua história é conhecida? Você quer que seja?

Eu não acho que minha história é tão conhecida como a desses artistas. Mas eu sinto que, de certa forma, as pessoas me conhecem melhor do que conhecem essas pessoas citadas na pergunta. Por muitos dos meus fãs, eles sentem que me conhecem. Eles sentem que podem lidar comigo. Sou mais tocável do que muitos desses artistas. Eu sou, tipo, um menino ao redor — um cara com o qual você pode se relacionar. E muitos desses caras, eles não podem se relacionar com as pessoas. Mesmo sabendo suas histórias dentro e fora, elas não podem se relacionar com as pessoas. E comigo sendo das ruas — honestamente, com a vida que vivi, algumas coisas que eu nem sequer posso compartilhar —, elas respeitam isso. Mas para algumas pessoas que estão apenas aprendendo sobre mim, há uma espécie de mística para mim, uma curiosidade que eu acho atrativa para mim, querer me conhecer. E eu dou-lhes pedaços e pedaços disso. Quando se trata de mim e Deus coloca no meu coração para compartilhar algo com alguém, eu faço isso, mas isso não é algo que eu me sinta compelido a fazer. Eu não acho que isso é uma exigência de ser um artista — para expor tudo aquilo que está em seu armário sobre tudo o que você passou. Eu não sinto que você tem que fazer isso. Isso é tudo se você quiser. Se você acha que pode ajudar alguém fazendo isso, é uma boa razão para fazer. Mas para fazer para mostrar que sou mais sinistro do que esse outro artista ou que sou mais real, não sinto que tenho que fazer isso, porque sei onde estou na minha comunidade.

Houve problemas de longa data entre você e Young Jeezy. A percepção pública é que tudo começou pela disputa dos direitos da música Icy. E depois do incidente do tiroteio, em Maio de 2005, porque o homem que foi morto, Henry Lee Clark III, era um associado de Jeezy. Alguns especularam que os problemas recentes de Jeezy com o DJ Drama são porque Drama colaborou em mixtapes com você. Quais são seus pensamentos sobre a situação com o Jeezy?

Essa situação comigo e com esse nigga, isso simplesmente aconteceu. Eu definitivamente não esperava que isso resultaria nisso quando entramos no estúdio e fizemos essa música. Então, é como se pudéssemos manter isso acontecendo para sempre ou podemos concordar em discordar e continuar. Comigo, já finalizei. E muitas pessoas da minha equipe, eles seguem o líder, o que eu fiz. Então, se eu não falar nisso, eles não vão falar sobre isso. E ninguém pode pressionar meus botões para me induzir fazer qualquer coisa. Então, independentemente de alguém gravar diss ou não gostar de mim, isso não me faz desgostar deles. Em vez disso, eles não gostam de mim.

Eu e ele estamos em dois lugares diferentes agora. Houve um tempo em que, honestamente, eu estava com raiva, chateado, e eu gravei muitas diss para ele. Mas agora não sinto isso. Gravei faixas assim para ele e para muitas outras pessoas. Mas agora não estou mais nisso. Estou demasiado focado em tentar manter minha gravadora nos negócios e manter minha família no mesmo caminho, manter tudo em andamento e permitir que Deus continue me abençoando. Então eu não gosto de entrar em muitas coisas negativas. E isso é apenas negativo. Embora possa vender trilhões de discos, não é apenas o caminho que quero peregrinar. Quero mostrar às pessoas que Gucci é um compositor talentoso, que ele é um grande intérprete, e que ele é um homem que trabalha duro e construiu seu império literalmente sem nenhuma ajuda. E eu sinto que é uma história que pode ajudar muitas pessoas. Muitos irmãos negros precisam ouvir isso. Muitos dos [diferentes] irmãos negros precisam ouvir isso — e irmãs. Então essa é a música que eu gosto de cantar. É muito fácil ficar raivoso e negativo, e é difícil dizer que você ficou magoado. E as pessoas não fazem isso. Então, eu gostaria de ser a primeira pessoa a dizer que vou fazer isso, e talvez as pessoas sigam a minha liderança.

Mesmo que as acusações de homicídio contra você tenham sido descartadas, seu advogado falou sobre a dificuldade que você está tendo com seu papel na morte de Henry Lee Clark.

Nunca glorifiquei essa situação, entende? Eu raramente vou gravar rep sobre isso. Mas, ao mesmo tempo, você sabe, sempre vai me incomodar ter na consciência de que alguém tenha perdido a vida. Você sabe, mesmo que eu não diga nada sobre isso ou fale sobre isso, isso sempre me incomoda e me incomodará até eu morrer. Essa foi uma situação que eu não queria que acontecesse, e também era uma situação que não queria que ninguém ficasse sabendo. Mas algumas coisas acontecem por algum motivo. E o passado, não posso voltar... Não consigo editar o passado. Eu só posso tentar usar essa situação para me ajudar a ajudar outra pessoa, então eles não estão nessa situação, porque quem quer ser preso? E por uma acusação de homicídio, e provavelmente enfrentam a pena de morte por uma acusação, porque isso poderia ser assim. A lei dizia que eu estava certo, mas ainda carrego essa morte comigo. E eu ainda tenho que levar isso para o túmulo comigo. Algumas pessoas vão ver isso e acham que é uma merda de um cara durão. Mas o cara durão é a pessoa a dizer: “Merda, cara, eu não gostaria ver isso em você. Não vá por aquela estrada, pequeno irmão. Tente ficar na escola. Tente fazer algo útil você mesmo.” Você pode ser um repper. Você pode ser um produtor. Crianças, vocês podem ser executivas. Você pode ser o que for. Você pode ter a revista XXL. Fazer algo positivo com sua vida. Levante sua família, seja um bom irmão, seja um bom pai, seja um bom filho para sua mãe. Isso é uma parada muito difícil para mim.

Mas você é visto como um artista da rua”. Mainstream do hip-hop entrou em uma direção diferente ao longo do ano passado ou assim. Saiu das ruas e se tornou algo mais limpo — Kanye West, Drake, Wale, Kid Cudi. Você se vê representando o outro lado, trazendo de volta para o elemento de rua novamente?

Gostaria apenas de dizer que eu concordo muito com você. Para ser sincero, sou fã da música de todos citados. Gosto de Wale, eu gosto do Kanye, eu gosto do Kid Cudi. Mas, ao mesmo tempo... eu sinto que a música reflete a vida. O que Kanye, Kid Cudi e quem você acabou de chamar, a vida que eles levam é que os fazem gravar a música que eles gravam, sabe o que estou dizendo? E a vida que eu levo me faz fazer a música que faço. Eu não acho que você tenha que matar ninguém ou vender drogas para ser da rua. Quando penso em ser do bairro, penso em ser engenhoso. Isso é o que o bairro é para mim. Você pode ser do bairro e ser o homem mais rico do mundo. Você não precisa ser quebrado para ser do bairro. É como pegar algo pequeno e tornar isso em algo imenso. Tipo, sua mãe tirando restos e fazendo o jantar de Ação de Graças fora disso, quando você não tinha nada. Mas agora você tem um milhão de dólares, e você está tentando transformar isso em $500 milhões. É a mesma atitude tipo, Eu tenho que trabalhar com o que tenho, e tenho que transformar isso em algo. É assim que me sinto quando faço minha música.

Você se sente de alto perfil?

Definitivamente. Eu tenho muita notoriedade. Sinto que sou mais infame do que famoso. Quando você diz Gucci Mane, você pode obter sentimentos mistos. Você pode ter sentimentos de louvor e amor, você pode ter sentimentos de ódio e julgamento, entende? E eu trouxe um pouco disso para mim mesmo, e alguns que eu não levei para mim. Então eu apenas sinto que essa é a verdade.

Durante a nossa visita, você falou sobre o encerramento, a necessidade de encerrar os fatos do passado para que você esteja pronto para falar sobre as coisas em sua vida publicamente. Como você consegue esse encerramento, para avançar?

Bem, eu digo que o encerramento é como ter paz dentro de mim. Muitas coisas eu não queria lidar, tampouco pensar. Eu tentava tirá-los da minha cabeça, apenas trabalhar e me consumir com meu cronograma e gravações e apenas todos os requisitos necessários para ser um artista, então eu não precisava lidar com o que estava acontecendo comigo pessoalmente. Eu tive que chegar ao ponto em que eu disse que queria lidar com isso. E uma vez que fiz isso, isso me fez um artista melhor.

É uma percepção comum de que ir à prisão pode, de fato, ajudar a carreira de um repper, torná-la mais quente. Mas ao longo da história, isso nem sempre foi o caso. Você acha que a prisão torna os reppers quentes?

Eu sinto que a prisão torna alguém mais desgostoso da vida. Mas nesta situação, vai me melhorar. Por ter tido tempo para deixar minha mente clara, analisar minha vida, reorientar o que devo fazer. Basta fazer uma pausa mental e fisicamente, descansar um pouco. Porque quando eu sair, eu planejo ir firme. Não haverá muito descanso, então eu também conseguirei o máximo que puder agora, porque quando eu sair, eu realmente vou revelar isso. Não é para ninguém. Não é uma coisa louca comigo. É só, Está bem, essa é a situação, e poderia ter sido pior. Se poderia ter sido pior, então tenho que agradecer por ser o que é, e tenho que melhorar. E é isso que eu vou fazer.

Como você sentiu sua primeira noite de volta à cadeia, há duas semanas?

Eu fui ao tribunal às 13:00, e quando cheguei à minha cela, foi por volta das 00:30 ou 1:00 da manhã. Eu estava definitivamente cansado. Passando pelo processo de reserva, processamento, impressão digital, mudança e uso do telefone no andar de baixo. No momento em que me levaram para o andar de cima, para onde estou agora, na verdade não tive tempo de pensar em nada. Apenas queria me deitar, porque eu tive um dia agitado, fisicamente e mentalmente. Quando acordei e comecei a perceber que era aqui que eu tinha que fazer minha casa nos próximos dois meses, ou talvez um ano mais, eu estava em paz com isso. Tive tempo para pensar sobre isso. Eu não estava falando sobre, porque poderia ter sido muito pior.

Como você prepara sua família para a possibilidade de entrar na prisão? Quem cuida deles?

Estou sempre planejando um dia chuvoso. Isso é algo que eu aprendi com minha mãe, você sabe, então estou sempre planejando a tragédia, o pior. Se houver um furacão, um tornado, uma morte na família ou minha morte infeliz, é parte da vida. Ou prisão, ou um acidente de carro, ou algo assim. Você sempre tem que manter algo preparado para cuidar da sua família. É assim que deve ser, se você é o homem da casa. E isso é definitivamente o que eu sou, então...

Eu entendo colocar coisas para um dia chuvoso. Mas, preparando-se para a sua própria morte, é pesado.

Sim, porque tenho um menino que tem dois anos de idade. Tenho um irmãozinho com 13 anos de idade. Eu tenho uma mãe, e ela não é casada. Eu tenho uma sobrinha, e eu a amo; ela tem seis anos de idade. Penso neles todos os dias. Penso neles constantemente. É por isso que eu trabalho tão duro. Então, um dia, poderei me certificar de que eles estarão bem ocupados pelo resto de suas vidas... Eu adoro ser esse cara. Então, agora, minha chance é sempre mostrar algo positivo. Eles podem ter a mensagem mista que Gucci passou por tudo isso e isso é o que é preciso para ter sucesso. E eu vou mostrar que há uma maneira totalmente diferente de você avançar. A maneira que eu optei não é a única maneira de chegar lá.

Então você quer ser um modelo a seguir?

Eu definitivamente quero, mas eu sinto isso, agora mesmo, não sou o melhor modelo que eu possa ser. Espero que eu possa vir a ser um modelo melhor e ser esse modelo a seguir ao qual todos desejam procurar.

Você olha para o que você teve problemas no passado, as coisas que você fez, como errado? Ou simplesmente, tipo, você viveu isso, e é isso que você é?

Tipo, para cada decisão que você faz, você vai ser julgado sobre isso. Porque alguém vê isso. Mesmo se você não for pego pelo juiz, Deus está de olho. Nada passa despercebido. E eu acredito que muito do que você expõe acaba voltando. Há muitas coisas que eu fiz, que simplesmente não estavam corretas. Eu fui punido por isso. Há coisas que as pessoas nunca sabem. Mas eles estavam errados. E ainda consigo a reação disso. Mas eu sou homem o suficiente para dizer que eu fiz essas decisões e que eu tenho que suportar isso e tentar atravessar essa tempestade até o sol sair de novo. E quando ele sair, então todos podem ser felizes. Mas, para chegar em algum lugar, você precisa passar por algo ou você nunca vai conseguir nada. Então vou passar por essa merda e conseguir.

Há um famoso vídeo do YouTube — que foi assistido mais de 520,000 vezes — de você batendo numa garota no palco. Quer dizer algo sobre isso?

Isso foi, eu acho, em 2005, e foi em uma festa. Essa era uma garota que eu conhecia, e ela me jogou algo e me atingiu com isso. E quando ela fez, eu reagi rapidamente, e nunca tinha posto minhas mãos em uma mulher na minha vida antes desse incidente. Me desculpei com ela e fiz as pazes com ela, e desde então recuperamos nossa amizade. Mas foi um incidente infeliz, e peço desculpas a quem viu e ficou ofendido por isso. Porque é definitivamente algo de que não estou orgulhoso.

Você dropou muitas mixtapes antes do álbum. Uma delas, Movie 3: The Burrrprint, apresentou um skit (paródia) onde você se perguntou sobre uma pesquisa se Jay-Z é o repper mais quente no jogo. Sua resposta foi: “Não, isso é uma mentira.” Qual foi o motivo do seu skit?

A razão pela qual eu disse isso é porque eu sinto muita gente, ainda dizendo... Mesmo depois de Jay-Z, como com Rick Ross e 50. Por exemplo, se você diz: “Eu não gosto de 50 Cent porque eu prefiro Rick Ross”, ou “Eu não gosto de Rick Ross; eu gosto de 50”, eu sinto que é apenas uma postura ridícula. Se você não gosta de nenhum deles, legal. Se você gosta de um deles mais do que o outro, legal. Mas não goste de alguém simplesmente porque eles não são aliados. Seja seu próprio homem e aja como você se sente! Não deixe ninguém fazer você se sentir de maneira diferente! Até mesmo comigo e Jeezy, as pessoas dizem: “Bem, Gucci, eu não gosto de Jeezy, você sabe o que estou dizendo, eu gosto de você.” E isso vai me fazer fechar a porta de imediato. Porque você não gosta dele, você está comigo? Isso me mostra que você não tem personalidade.

E eles nem sequer conhecem você.

Você não me conhece, mas você não gosta dele, então, como você disse, você vai estar à meu favor só para desprezá-lo. Isso é escroto, e eu sinto que, mesmo com Jay-Z, muitas vezes eu senti que era o tipo de situação que ele estava fazendo. Ele estava dizendo: “Bem, eu gosto de Jeezy, então eu não gosto de Gucci Mane.” E por ele estar dizendo isso, meio que me fez olhar para ele com outros olhos. E [então ele dizendo]: “Eu próprio proclamo ser o maior repper vivo.” E eu apenas sinto que nenhuma pessoa pode fazer isso. Ninguém pode dizer: “Eu sou o melhor do norte”, ou “Eu sou o melhor do sul”, ou “Eu sou o melhor da Costa Oeste.” Você deve deixar os fãs fazerem isso.

Lil Wayne fez isso.

E eu direi o mesmo sobre ele, ou qualquer um. Ou T.I. dizendo que ele é o Rei do Sul. Não é nenhuma vergonha, na verdade. Muitas dessas pessoas que eu nomeio são excelentes artistas e excelentes reppers. Eles são isso. Mas para se auto-proclamar ser algo, como o campeão indiscutível, não é verdade.

Você tem uma vida curta para viver. E se você é um repper, entre na cabine e honre isso. Faça o que você precisa fazer. Faça suas entrevistas. Você nem precisa falar sobre essas coisas tipo, “Eu sou melhor do que todos os outros.” Você pode vender mais CDs do que todos, você pode ser mais aclamado do que todos, você pode ter mais riqueza do que todos, você pode fazer mais músicas do que todos. Isso é algo que pode ser pesquisado e ser encontrado com veracidade. Mas para dizer tipo, “Eu sou o repper mais sinistro.” Que porra é essa que você quer dizer? Quem te contou isso? Você disse isso porque eu aposto que você tem alguém que não concorda com você. E eu simplesmente sou uma dessas pessoas que não concordam com você. E não tenho medo de dizer isso. Eu não estava dizendo isso para não receber uma resposta dele, não quero isso, porque não o conheço. Mas do que ele disse, só estou dizendo que não concordo com ele. Você vai no leste de Atlanta e eles não estão tocando [músicas de Jay-Z]. Então estou falando por mim e muitas pessoas que pensam como eu.

Você está escrevendo na prisão? Fazendo rep?

Comecei a escrever no dia seguinte em que me levantei. Eu estava escrevendo em qualquer pedaço de papel que eu pudesse ter. Eu estava escrevendo naquela parte traseira da minha folha de propriedades. Eu estava escrevendo em cada pedaço de correio de fã que alguém me enviou. Virei e escrevi no envelope. Eu vou escrever para todos os que me enviam uma carta — coisas que eu nunca fiz. Quero ficar ativo aqui, para não deixar o tédio me persuadir. Eu tento ler muito. Isso sempre foi uma coisa que tentei fazer. Qualquer coisa que eu possa fazer para me ajudar como artista quando eu sair, eu vou fazer. Não estou com raiva de tudo o que está ao meu redor aqui. Apenas estou perdendo a minha família e meus fãs e meu trabalho. Mas voltarei.




Manancial: XXL Magazine

Sem comentários