DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

N.W.A reflete sobre ‘Efil4zaggin’, o álbum mais perigoso de 1991 (Maio de 2016)


Palavras por Kory Grow



“Quando paramos, o grupo era o número um na parada da Billboard”, diz DJ Yella, do N.W.A. “Quero dizer, grupos não terminam no Número Um. Eles terminam no Número 1.000.”

“Foi, tipo, merda — todas as coisas boas chegaram ao fim”, diz o companheiro do grupo MC Ren.

N.W.A lançou seu segundo e último álbum, Efil4zaggin — pronunciado pelos membros sobreviventes como “Niggaz4Life”, em 28 de Maio. Eles tentaram fazer o impossível e único e brilhante e controverso grito de batalha do gangsta rep de 1988, Straight Outta Compton. Apesar de terem desfeito o grupo antes de sair, cumpriram sua missão: Efil4zaggin conquistou o primeiro lugar da Billboard por uma semana e foi premiado com platina no final daquele ano. “O inferno aparentemente congelou”, declarou a Rolling Stone.

Embora a produção de Efil4zaggin não tenha sido documentado especialmente no filme biográfico Straight Outta Compton (2015), foi um triunfo sonoro que forneceu uma base crucial para o som G-Funk que o produtor e repper Dr. Dre inauguraria no ano seguinte. A fascinante história do LP começa com Dre e Yella trocando samples em grande parte em favor da gravação de instrumentos reais, para um som mais firme, profundo que acabaria por transformar o gangsta rep na música popular de sua preferência na América. Eles fundiram metal com soul (“Real Niggaz Don’t Die”), escreveram suas próprias trilhas sonoras de terror (“Approach to Danger”) e se entregaram a doces sexuais preciosos (“She Swallowed It”). A história termina com o grupo lentamente implodindo como Dre e o associado D.O.C. procurando criar suas próprias pastagens mais verdes. É muito grande para caber em um filme.

“Acho que a história contou muito bem no filme, é bem próxima”, diz Yella. “Mas havia tanta coisa acontecendo com esse álbum. Ele teria que entrar em uma ‘Part Two’.”

Para todo o sucesso surpresa e notoriedade o auto-proclamado “Grupo mais perigoso do mundo” alcançou com o revolucionário Straight Outta Compton de 1988, de placas de platina para suportar ameaças do FBI, essa versão do N.W.A não passaria da década. Ice Cube, o MC por trás de algumas das letras mais cabulosas do grupo, entrou em conflito com Eazy-E e Jerry Heller sobre o pagamento e desistiu no final da turnê de 1989. “Ele nem mesmo voltou para Los Angeles com todos os outros”, diz D.O.C., o repper e sócio do Texas que escreveu algumas das letras do grupo. “Acabou depois disso. Não havia mais Cube.”

Implacáveis, os membros do N.W.A seguiram em frente. Dr. Dre esteve ocupado em 1989, produzindo a clássica longa-metragem de D.O.C., No One Can Do It Better e a estréia auto-intitulada da cantora de R&B Michel’le. No início do ano seguinte, ele trabalhou em Livin’ Like Hustlers, a primeira gravação do Above the Law, a equipe pioneira da área de Los Angeles que previu o som do G-Funk. Em pouco tempo, o N.W.A se reagrupou para gravar sua própria declaração de intenções, o EP 100 Miles and Runnin’.

“Nós estávamos apenas tentando colocar algo para que todos soubessem que ainda estávamos vivos”, diz Ren.

Eazy-E e MC Ren com N.W.A em Londres, 1991.

O EP continha quatro novas músicas com um som visivelmente diferente do que Straight Outta Compton. Onde faixas como “Fuck tha Police” e “Gangsta Gangsta” continham várias camadas de samples, a música nos prêmios do EP como “Real Niggaz” e “Just Don’t Bite It” soava mais profunda, clara e jazzística. Como a indústria da música começou a policiar pesadamente o uso de samples no rep, Dre e Yella decidiram trazer músicos para tocar os sons que tinham em suas cabeças e replicar e ajustar alguns dos samples que eles usariam de outra maneira. Foi um ponto de virada para Dre.

Depois de uma turnê com Michel’le, o baixista Colin Wolfe tornou-se amigo do N.W.A, e Dre começou a convidá-lo para tocar baixo e teclados, além de ajudar na engenharia. Wolfe mais tarde co-escreveu várias faixas no The Chronic. No entanto, na época de 100 Miles, ele encontrou-se refigurando um músico lendário que estava hesitante em ter sua música ancorando um som sobre boquetes.

“Quando fizemos a primeira [‘Just Don’t Bite It’], a música abaixo era Watermelon Man, de Herbie Hancock, e era foda para caralho”, lembra Wolfe. “Mas quando Herbie ouviu, ele ficou tipo, ‘Oh, meu Deus.’”

“Herbie Hancock nos ligou no estúdio e disse que não poderíamos usar”, diz Yella. “Dre e eu nos entreolhamos: ‘Por quê?’ Eu acho que a esposa dele disse alguma coisa... e ele não nos deixou usar. Nós ficamos tipo, ‘Sério?’”

“Ele não sabia que estava recusando alguns ícones na indústria do hip-hop na época”, diz Wolfe. “Como ele saberia disso?”

Outra adição ao estúdio na época foi Mike “Crazy Neck” Sims, um guitarrista de Jazz e baixista que ganhou seu apelido de Dre depois de mudar sua cabeça para o groove das faixas que ele estava gravando. Ele também encontrou-se preenchendo o papel de “cara branco brega” e policial racista em alguns dos skits do álbum. “Eles nunca escreveram o que eles queriam que eu dissesse, eles apenas me diziam o que dizer”, lembra ele. “Foi divertido. Eu também estava um pouco nervoso às vezes porque eles me diziam a palavra NIGGA em uma sala cheia de irmãos me encarando”, Sims ri. “Eu estava tipo, ‘Ei, esse não sou eu dizendo isso. É um personagem.’ Eles me disseram algumas coisas que foram terríveis.”



“Eazy-E me disse: ‘Você vai ter que ser o artista principal deste álbum.’” — MC Ren



Além da música, o grupo também teve que preencher o vazio deixado por Cube. Isto colocou uma responsabilidade maior sobre Ren e sobre D.O.C., que se tornaram letristas principais do N.W.A. “Eu sabia que tinha que aumentar o nível”, diz Ren. “Os reppers eram apenas eu, E e Dre naquele momento; E Eazy me disse em certo ponto: ‘Você vai ter que ser o artista principal deste álbum.’ Então eu sabia que tinha que ir lá e fazer algo louco. ... Eu ouvia os outros grandes MCs e trabalhava na minha dicção o tempo todo. Eu estava ouvindo Chuck D, KRS-One, Rakim, Big Daddy Kane, todos os grandes, estudando-os. Minha voz tinha que ser firme. Não havia espaço para erros.”

Um amigo de Dre, D.O.C. mudou-se de Dallas para Los Angeles em meados dos anos 80 e encontrou-se elaborando palavras para o produtor e Eazy-E. “Dre escreveu seus próprios reps por dois dias quando eu cheguei a L.A., e ele nunca mais escreveu seu próprio lance”, disse D.O.C. O repper fez uma breve aparição em “Parental Discretion Iz Advised” do Straight Outta Compton, mas na maior parte do tempo ficou nos bastidores. Em Novembro de 1989, ele foi hospitalizado depois que ele bateu em uma árvore enquanto dirigia bêbado sem cinto de segurança. Suas cordas vocais foram cortadas no acidente, transformando sua voz em uma voz rouca e colocando um amortecedor em sua carreira de rep. No entanto, ele continuou escrevendo para o grupo.

“Eu só conseguia sussurrar”, lembra ele. “Então eu não pude gravar as letras para eles mais. Então eu desenvolvi um código onde você poderia decifrar onde as letras iriam. Eu coloquei um 0 sobre o downbeat e dois, três e quatro correspondiam às suas batidas. Dre aprendeu a seguir. Com Eazy, eu apenas sussurrei em seu ouvido e ele disse: “Eu estava tentando dar a esses caras o melhor trabalho que eu poderia, considerando o estado de espírito. Era uma maneira de se sentir normal.”

D.O.C. demonstra como anotou as batidas da linha de abertura do Dr. Dre em “Appetite for Destruction”.

“Eu não vim da experiência da Costa Oeste, vim de Dallas e eu era introvertido e um nerd”, ele diz. “Eu estava escrevendo a partir da minha imaginação e histórias que recebi desses caras. Quando escrevi para Eazy, escrevi para o personagem. Todo mundo sabia que Eazy amava garotas, então eu o faria algo engraçado, mesmo que fosse um tanto misógino.”

D.O.C. reivindica a responsabilidade de escrever a rima que desencadeou uma das mais lendárias guerras do hip-hop no disco. Em “Real Niggaz”, a única faixa de 100 Miles que também apareceria no Efil4zaggin, Dre fala sobre seu ex-colega de grupo Ice Cube, “We started out with too much cargo/ So I’m glad we got rid of Benedict Arnold”. D.O.C. mais tarde escreveria um verso em “Always Into Somethin’” de Efil4zaggin que se referia a “your bitch O’Shea”, usando o nome real de Ice Cube. Na batalha de palavras que se seguiram, D.O.C. diz que Cube nunca foi alvo dele. “Ele nunca me atacou como ele fez com os outros, porque eu acho que Cube sabia que eu estava apenas fazendo o meu melhor para fazer um trabalho”, diz Doc. “Seria como espancar uma pessoa que não tivesse todas as suas capacidades para revidar.”

Ice Cube retornou com a venenosa “No Vaseline” mais tarde naquele ano, mas o tempo provou que todos os envolvidos na faixa diss já seguiram em frente. Mas é um período que ainda é cru para alguns membros. “Você está tentando começar alguma coisa”, Ren diz à Rolling Stone quando o assunto aparece. “Eu não quero nem falar sobre isso, cara.”

Yella diz que a representação cinematográfica da reação do N.W.A a “No Vaseline” foi correta, pelo menos para ele. “Eu disse: ‘Ei, ele nos pegou’”, diz o DJ. “Foi exatamente como o ator fez. Quando o grupo terminou, as diferenças desapareceram.”

Quando saiu em Agosto de 1990, o EP 100 Miles and Runnin’ chegou ao número 27 na parada de álbuns e foi certificado como ouro em três meses, eventualmente ganhando disco de platina. Mas foi apenas o preâmbulo. Na introdução da versão do 100 Miles de “Real Niggaz”, Dr. Dre prometeu: “Espere até que a porra do álbum saia. Nós vamos ter um pouco mais dessa merda boa, a merda que você não pode lidar. ... Nós não terminamos.”

“Eu resolvi escrever Niggaz4Life de trás para frente quando estávamos no ônibus da turnê juntos em 1989. Eu escrevi em um pedaço de papel e colei no espelho, e eu fiquei tipo, ‘Ei.’ Nós não sabíamos se seria o título do álbum ou não, mas eu me lembro de ter o nome.”

“Indo para Niggaz4Life, sabíamos o que tinha que ser”, diz Ren. “Foi: ‘É isso que todo mundo pensa sobre nós. É isso que pensamos sobre nós mesmos. É assim que o nosso grupo está.’”

O grupo passou meses no estúdio — trabalhando das 10 da manhã às 7 da noite — em um álbum que eles esperavam que superasse o Straight Outta Compton. Tudo começou com os títulos das músicas de debate. Wolfe lembra “The Dayz of Wayback”, “One Less Bitch”, “Alwayz Into Somethin’” como músicas que foram tituladas primeiro.

Ren trouxe o título “Apetite for Destruction” para o grupo para o que se tornaria um hino sincopado e funky para o caos violento. “Eu inventei isso do Guns N ’Roses”, ele diz. “Nós saímos com eles uma vez. Eles tiveram um show no Forum em Inglewood, e nós fomos sair com eles antes e depois do show. Ouvimos dizer que Axl era um fã do N.W.A.”

“Eu me lembro de ter ficado com dor de cabeça por três dias, a música estava muito alta”, diz Yella.

“Eles foram muito legais”, lembra Ren. “Eu lembro de ter falado com Axl nos bastidores do vestiário e ele começou a fazer freestyle. Não consigo lembrar como foi, mas ele arrebentou numa rima lá.”

“Nós deveríamos fazer alguns shows com eles, mas nosso empresário ficou muito ganancioso”, diz Yella. “Eles queriam papgar $25.000 por 10 minutos, mas nossa administração queria $50.000, então não rolou. Poderíamos ter acabado fazendo um monte de shows com eles.” O então empresário Jerry Heller disse à Rolling Stone que não se lembra de uma oferta sólida para os shows do Guns ’N Roses, mas que “provavelmente” teria pedido mais de $50 mil, já que achava que valia a pena.

Uma vez que os títulos foram decididos, Dre e Yella trabalhariam na música. Sims aprendeu cedo a nunca desafiar a orelha de Dr. Dre. “Eu me lembro de trabalhar na ‘Niggaz 4 Life’, nós tínhamos a linha de baixo e ele me mostrou uma parte da guitarra. Sendo o cara que estudou música na faculdade, eu disse a ele: ‘Dre, eu não acho que vai funcionar.’ E ele olhou para mim e disse: ‘Apenas toque isso, filho da puta.’ Então eu fiz e isso me surpreendeu porque funcionou de uma forma que eu nunca teria feito. Foi inacreditável. Foi quando eu soube que aquele cara era um gênio. Ele ouviu isso em sua cabeça. A partir desse momento eu nunca o questionei sobre qualquer coisa. Foi humilhante. Esse momento mudou a minha vida.”

Wolfe se lembra de Dre tocando várias faixas do Parliament, Roy Ayers, Bill Withers, Isaac Hayes e “Bonita Applebum” de A Tribe Called Quest, entre outros, para se inspirar no estúdio. Foi nessa época que Wolfe comprou o primeiro teclado Moog da equipe, um instrumento cujos sons penetrantes se tornariam a parte mais importante no The Chronic. “Às vezes ouvimos um registro que gostamos e mudamos uma ou duas notas do groove para torná-lo nosso”, lembra Wolfe. “Se não estivesse funcionando, nós dávamos um jeito e descobriríamos alguma coisa.”

Uma faixa, a comédia de Eazy-E “I Would Rather Fuck You”, encontrou Wolfe e seus colegas músicos resgatando completamente “I Would Be With You”, de Bootsy Collins. “Essa é a coisa que eu cresci ouvindo”, diz Wolfe. “Então eu fiquei acordado a noite toda praticando, apenas para conseguir esse ritmo certo. Bootsy é uma lenda. Não pode ser meio-passo em algo assim.”

As sessões eram geralmente relaxadas, e os músicos geralmente apareciam nas sessões mais cedo do que os reppers. Às vezes, haviam grandes grupos de pessoas no saguão — a área do estúdio estava sempre quieta — e outras vezes era mais frio. Wolfe e D.O.C. se lembram de encontrar Snoop Doggy, um amigo de Warren G, nessa época, embora Dre não estivesse interessado em trabalhar com ele na época. Metros do baterista Zigaboo Modeliste, o trompetista de Rose Royce, Kenny Copeland e até mesmo Bootsy Collins pararam para as sessões, embora nem Wolfe nem Sims se lembrem de suas gravações terem sido escolhidas. “Eles levaram Bootsy para fora por três ou quatro dias”, diz Sims. “Eu comecei a tocar seu baixo, o que foi incrível.”

Heller raramente aparecia, e Eazy-E, que estava na Ruthless Records na época, geralmente vinha apenas quando precisava gravar. O biográfico Compton mostra Eazy-E agitado durante as sessões, gritando para todos no estúdio que eles tinham que competir com Cube. No entanto, este não foi o caso.

“Eles tiveram que fazer aquela coisa de Hollywood um pouco”, diz Yella.

“Merda, ele era legal”, diz Ren. “Ele só estava lá zoando, brincando. Eazy sempre tinha piadas.”

“Eu não me lembro de Eazy ter ficado estressado, porque Eazy estava ganhando todo o dinheiro”, D.O.C. diz com uma risada. “Ele não precisava se preocupar com a música, porque ele não estava fazendo nada disso. Eazy era um dude abençoado.”

N.W.A presente no MTV Video Music Awards, Setembro de 1991.

As letras que Ren e D.O.C. escreveram eram às vezes violentas e indecentes, incluindo a lasciva “She Swallowed It”, e a sequela-amorosa de Ren “Just Don’t Bite It”.

“Era apenas diversão”, ele diz vagamente. “Naquela época eu era jovem, com meus 20 e poucos anos. Nós estávamos em turnê, jovens, coisas estavam acontecendo.” Ren se arrepende de ter escrito alguma das letras mais notoriamente misóginas do N.W.A? “Há algumas”, ele diz. “Eu não quero falar sobre quais, mas há algumas. Estou mais velho agora.”

Embora o D.O.C. escrevesse uma boa parte de Efil4zaggin, ele sentiu que o N.W.A perdeu um pouco de sua essência quando Cube saiu. “N.W.A foi a realização das ruas tomando consciência da coisa toda em que estava se afogando, e Cube era seu Chuck D”, ele diz. “Quando Cube saiu, se transformou em uma coisa sem cor. Voltou a ser como, ‘O que podemos dizer que poderia chocar as pessoas ou deixar as pessoas com raiva?’ Toda a alma se foi. O raciocínio de por que você estava dizendo ‘nigga’ e todas essas coisas que poderiam ser consideradas vis se foram. A razão pela qual você estava bravo ou chateado foi embora.”

Depois do acidente, D.O.C. lembra estar muito deprimido, com raiva de si mesmo e envergonhado, sentimentos que ele não pôde colocar nas letras. “Eu apenas tentei apertar o parafuso o mais forte que pude e ser um nigga”, ele diz com uma risada. “Eu estava tentando fazer com que esses caras parecessem realmente bons para as pessoas, além das pessoas que se encantam com xingamentos. Eu queria que o jogo de palavras fosse especial para que as pessoas que realmente amam o hip-hop e o rep pudessem entrar nele.”

As sementes do eventual fim do N.W.A foram semeadas quando o grupo ainda estava trabalhando no Efil4zaggin. Quando D.O.C. saiu do hospital, ele comprou uma casa na esquina de Dre, Heller e Eazy. “Então, nós estávamos todos nessa vizinhança que era tão branca quanto a ponto de você chegar e eles estarem escrevendo ‘Nigger vá para casa’ na garagem de Eazy com tinta vermelha e toda essa merda. Eu descobri através de Suge [Knight] que [na administração do N.W.A] tinha se aproveitado de mim ao longo de todo esse processo”, afirma.

Knight, um ex-defensivo de 1,87 para o L.A. Rams, tinha se tornado um guarda-costas e promotor de shows que estava trabalhando com D.O.C. Ele me mostrou que quando eles davam dinheiro para mim, era para aquela casa ou para aquela conta do hospital, eles estavam me pagando com o meu próprio dinheiro e depois me cobraram de volta por esses pagamentos”, diz D.O.C. “Eu disse a Dre. E eu acho que o que formou suas orelhas foi: ‘Bem, [Eazy] fez isso com Cube, ele fez isso comigo, ele poderia estar fazendo essa merda com você’, e Dre pensou sobre isso por um tempo e pediu por sua papelada. Isso começou a fazer a bola rolar.”

De sua parte, Heller diz que é “possível” que Ruthless pagou dinheiro pelas contas do hospital de D.O.C. e depois recuperou de seus royalties. Ele também alega que pagou pessoalmente a casa de D.O.C. e que a recuperou de seus futuros royalties. “Não foi um presente, eu lhe emprestei o dinheiro”, diz Heller. Além disso, ele alega que, uma vez que eles tinham um acordo de distribuição com a Atlantic, o contrato de D.O.C. “se conformava com o que fôssemos obrigados a colocar nele para honrar nosso contrato com a Atlantic”.



“Eu não sei se Suge era o próprio diabo antes do fim, mas ele certamente acabou sendo um filho da puta frio.” — The D.O.C.



“Dre não é manequim”, D.O.C. diz. “Dre estava fazendo 80% do trabalho. Ele queria o devido e foi até esses caras e tentou fazer com que aqueles caras fizessem as coisas da maneira certa, mas Eazy não estava querendo facilitar. Então Suge, Dre e eu decidimos começar a nossa própria coisa juntos e dessa forma sabíamos que finalmente iríamos conseguir o que merecíamos daquela merda.”

Knight, que parou nas sessões do Efil4zaggin apenas algumas vezes, supostamente forçou a mão de Eazy a anular o contrato de Dre. Ele, Dre e D.O.C. em seguida fundaram a Death Row Records, que lançaria o álbum The Chronic, Doggystyle, de Snoop Doggy Dogg, e All Eyez On Me, de Tupac Shakur, entre outros LPs que definiriam o hip-hop em meados dos anos 90. “Suge foi um grande amigo para mim no começo”, D.O.C. diz. “Ele ajudou muito. Mas dinheiro, prestígio e fama mudam as pessoas, então eu não sei se Suge era o próprio demônio antes do final, mas ele certamente acabou sendo um filho da puta frio depois disso. Ele se transformou em algo extremamente negativo.”

Knight estava aguardando julgamento pelo suposto assassinato de atropelamento e fuga associado a uma gravação comercial para promover o filme Straight Outta Compton.

D.O.C. diz que gostou genuinamente do filme Straight Outta Compton, mas achou que a descrição da separação do N.W.A estava desinfetada demais. “Existem coisas intangíveis que poderiam ter feito a diferença para uma geração mais jovem da indústria fonográfica que eles poderiam ter incluído”, ele diz. “Tipo, ‘Vocês niggas estão fodidos, e vocês estão fodendo um com o outro e você ajudou aqueles brancos a se foderem um com o outro, em vez de serem verdadeiros uns com os outros e honestos um com o outro.’ Nada disso aparece no filme, é como se tudo fosse culpa de Jerry, mas ele só pôde dizer a Eric: ‘Se você fizer isso, pode ganhar todo o dinheiro.’ Coube a Eric realmente fazer isso. As pessoas não podem aprender com os erros sem vê-los.”

Quando Dre começou a discutir contratos com Knight, a queda estava em vigor. “Nós não terminamos o álbum”, diz Wolfe. “Quando foi feito, decidimos deixar o grupo.”



“Se fizéssemos outra turnê, provavelmente teríamos ficado juntos.” — Yella



Falou-se de uma turnê — Ren lembra de trabalhar com designers de produção em um palco quando as coisas se desfizeram — mas Yella diz que a gerência ficou gananciosa. (“Se eu fosse ganancioso, eu teria insistido para que eles saíssem e trabalhassem”, diz Heller, notando que ele foi pago por uma porcentagem dos ganhos. "Não sei por que não fizemos uma segunda turnê”).

“Se fizéssemos outra turnê, provavelmente teríamos ficado juntos”, diz Yella. “Mas muitas pequenas coisas aconteceram com pessoas entrando e falando nos bastidores... Quando mixamos o primeiro lado [do Efil4zaggin], tomamos nosso tempo”, continua ele. “Mas o segundo lado foi um trabalho árduo. Foi quando todas as coisas começaram a rolar porque o grupo estava quase tecnicamente acabado. Aconteceu antes do lançamento do álbum.”

Quando Efil4zaggin saiu, conquistou o segundo lugar e, dentro de um mês, substituiu o Spellbound de Paula Abdul para o Número Um. Foi certificado ouro e platina no mesmo dia. Por esse ponto, porém, N.W.A estava acabado.

“Nós não tivemos uma grande festa”, diz Ren. “As pessoas nas ruas adoraram. Essa foi basicamente a melhor crítica que pudemos obter de qualquer maneira.”

“Eu me lembro de pegar a placa, mas foi isso”, diz Yella. “Nenhum jantar de comemoração. Nada disso.”

“Nós estávamos em uma mansão grande e antiga, começando no The Chronic”, lembra Wolfe, de Dre na época.

The Chronic saiu no outono de 1992, com letras que direcionavam tanto Eazy-E quanto Ice Cube. E disparou de volta com a viciante diss contra Dre “Real Muthaphuckkin G’s” no EP It's On (Dr. Dre) 187um Killa, que tem duas faixas produzidas por Yella — que mais tarde viria a produzir filmes pornográficos. Ren lançou seu primeiro álbum solo, Shock of the Hour, na Ruthless daquele ano. Ice Cube — permanecendo relativamente fora da luta depois de “No Vaseline” — continuou a gravar e logo embarcou em uma carreira de sucesso no cinema. Dre e D.O.C. trabalharam juntos, mas sua amizade rompeu sua amizade recentemente ao trabalhar no álbum de Dre, Compton. “Quando você fala merda para um bilionário presumido, você tem que estar preparado para lidar com as consequências”, disse D.O.C.

Eazy-E, que havia contraído AIDS, morreu em 1995. “Voltamos a nos reunir antes de ele falecer”, diz Ren. “Eu me lembro de eu e Yella dirigindo para a casa dele e fazendo uma demo para a música ‘Tha Muthaphukkin’ Real’. Ele tossia muito quando estávamos na casa dele, e não pensamos nisso. Essa foi a última música que ele fez.” A faixa aparece no álbum postumamente lançado em 1996, Str8 Off tha Streetz Muthaphukkin Compton, lançado por Eazy-E.

Embora os membros restantes se reunissem em várias configurações de gravação e turnês, não rolou nada até a realização do filme Straight Outta Compton que os quatro passariam tempo juntos. O filme se tornou um hit Número Um, atraindo centenas de milhões nas bilheterias.





Manancial: Rolling Stone

Sem comentários