DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Hip-Hop vs. Ronald Reagan (Janeiro de 2012)



Palavras por Walter Crunkite



Talvez nenhuma figura assim divida o povo americano como Ronald Reagan. A cultura do rep e do hip hop há décadas cita a era Reagan como uma virada decisiva e perigosa na história moderna dos Estados Unidos, enquanto os republicanos conservadores veem o falecido presidente como uma espécie de salvador cujo conservadorismo radical restaurou o país. Embora a cultura Hip Hop e os republicanos conservadores discordem sobre o efeito de Reagan e as políticas de seu governo no país, ambos concordam que Reagan transformou o país e definiu o curso no qual a nação permanece. Os anos 80 podem ter acabado, mas continuamos a viver na Era de Reagan.


Não chame isso de um retorno


Um foco recente de reppers na Era Reagan e suas consequências renova a crítica anti-Reagan tão historicamente predominante no Hip Hop. O álbum de Kendrick Lamar, Section.80, é uma meditação sobre a geração nascida na década de 1980, que ele chama de “filhos de Ronald Reagan”. Quase oito anos depois de sua morte, o presidente parece encontrar seu caminho cada vez mais em letras de rep. Wale mencionou Reagan várias vezes em músicas. Kool AD, do Das Racist, retorna a Reagan com mais frequência.

Sejam os reppers que atingiram a maioridade durante a administração Reagan (por exemplo, Jay-Z, Scarface, Kanye) ou aqueles nascidos durante os anos 80 de Reagan (por exemplo, Wale, Kendrick, Juelz Santana), o consenso é que a Era Reagan constituiu um divisor de águas na vida americana, especialmente no bairro. Republicanos, especialmente os do Tea Party, concordam. Eles também consideram a era Reagan como a época, a chamada “Revolução Reagan”. Reagan “tornou o americano grande novamente”. O falecido presidente é considerado uma espécie de profeta ou santo. Ele é como Tupac, Biggie, Dilla e Pun em um. Ele se tornou ainda mais venerável na morte, e não é surpresa ouvi-lo ser invocado dezenas de vezes nos debates republicanos. E com uma boa razão: Reagan mudou o país para o que os conservadores imaginavam. Ele foi tão bem sucedido que todos os presidentes desde ele (incluindo Obama) aderiram em grande parte ao roteiro. É quase impossível exagerar a influência do falecido presidente sobre o Partido Republicano e a direção do país nos últimos trinta anos.

Ficamos tão impressionados com a história da grandeza inatacável de Reagan que a narrativa conservadora prevalece em grande parte. “A Era Reagan é quando a coisa ficou ótima”, conta a história, e quase todo o estabelecimento da mídia aderiu de maneira bastante fiel a alguma versão dessa história. Então, por que a rixa dos reppers com Reagan e seu legado? Por que a história de Reagan é contada por reppers tão dramaticamente diferente do que a contada por republicanos conservadores e até americanos mais amplamente?


Reagan no Rep


– Jay-Z: “I blame Reagan for making me into a monster”

– Wale: “Shit ain’t been the same since Ronald Reagan” e, ecoando Jay-Z, “I just blame it on a man named Reagan.” Até mesmo o nome do chefe do selo de Wale, Rick Ross, é devido a Reagan, assim como é Freeway.

– Scarface: “Reagan never planned for us to rise.”

– Kanye: “How we stop the Black Panthers?/ Ronald Reagan cooked up an answer.”

– Boots Riley do The Coup liga Reagan aos crimes genocidas de Saddam Hussein.

– Jay-Z, Yaasin Bey (Mos Def) e Immortal Technique encontram pouca diferença entre a turma de Reagan e Osama bin Laden. Antes de haver Bin Laden, havia Reagan, diz Jay-Z.

– Pusha T: “The Ronald Reagan era was a tough time and a detrimental time to the black community”, especialmente devido ao “Cocaine Ronald gave us.”

– Kendrick Lamar e Ab-Soul: “Blame Reagan”

– Brother Ali cita isso abruptamente: “Motherfuck Reagan.”

– A cena de abertura do filme de 1991 Boyz n the Hood (estréia de Ice Cube no cinema) apresentam um cartaz de reeleição Reagan/Bush feito com ignominiosamente com buracos de bala como um pôster “Wanted” do oeste selvagem. Veja como o amigo de Tre oferece um “foda-se” pessoal ao presidente.


O Cartel de Reagan


A maior parte da crítica do Hip-Hop sobre Reagan surge do Caso Irã-Contras. A primeira linha de Jay-Z acima continua: “Eu culpo Oliver North e Irã-Contras.” Hov está se referindo a uma rede de atividades suspeitas em que a administração de Reagan facilitou a venda de toneladas de cocaína para dentro dos EUA no auge da epidemia do crack. Um traficante de cocaína de Los Angeles chamado “Freeway” Ricky Ross (parece familiar?) serviu como um dos principais canais através dos quais a cocaína barata inundou o bairro. Diz-se que Ross desenvolveu uma cadeia de distribuição que abrange todo o trajeto até a East Coast. No final, as operações estenderam-se da Colômbia para Panamá e Honduras, para Miami e para os Estados Unidos. O general hondurenho José Bueso-Rosa— conhecido pelo governo dos EUA por liderar “o caso mais significativo de narcoterrorismo já descoberto” — foi contratado e protegido pelo homem de Reagan, Oliver North, bem como pelo presidente panamenho Manuel Noriega (o verdadeiro Noriega), então conhecido por ser um jogador significativo no cartel de Medellín de Pablo Escobar. Embora, naturalmente, não seja inteiramente devido à assistência da administração Reagan, o preço do quilo caiu drasticamente de $60.000 para apenas $9.000 durante a Era Reagan, devido ao aumento fantástico na oferta da América Central e do Sul.

Então, quando Kanye diz, “Reagan cooked up an answer”, Jay-Z diz “Ronald Reagan got Manhattan the blow, ou o irmão Ali diz, “I never sold base, motherfuck Reagan”, todos eles estão se referindo ao movimento de cocaína da equipe Reagan no bairro.

Mas por que a administração de Reagan faria algo tão arriscado quanto facilitar uma operação maciça de tráfico de cocaína? Por que a turma de Reagan faria isso com os cidadãos americanos, especialmente com a incipiente epidemia do crack que assola o centro da cidade? Alguns argumentaram que o projeto era uma espécie de guerra psicológica e química implantada para neutralizar e enfraquecer o bairro e afastar a rebelião urbana. Uma década antes, o FBI, através de sua operação COINTELPRO, havia processado uma guerra virtual contra os Panteras Negras e outros grupos de direitos civis, aprisionando e assassinando vários combatentes da liberdade e forçando outros ao exílio. Mas, embora seja certamente crível que o FBI tenha mantido uma operação subterrânea do COINTELPRO após os anos 60, a Pantera Mumia Abu Jamal foi detida pelo Estado em 1981, muito depois de a COINTELPRO ter sido forçada a ser fechada. É duvidoso que a operação de cocaína de Reagan tenha sido expressamente destinada a continuar essa guerra na América Negra. O que é muito mais provável é que Reagan e sua equipe simplesmente não deram a mínima para quem seria prejudicado. Aqueles afetados pela epidemia do crack eram apenas danos colaterais em uma guerra maior sendo travada, a busca de um império corporativo global.


“Contras, o Shah e a CIA”


O tráfico de cocaína foi para financiar uma guerra ilegal que estava sendo processada pela administração Reagan na Nicarágua, destacada na música “Watchout”, do Immortal Technique. É aí que entram os Contras. Um comércio de armas clandestino e ilegal para o Irã parcialmente financiava os Contras, e o tráfico de cocaína fornecia o resto: narcotráfico e tiroteio. O exército Contra era uma força ilegal reunida por facções da CIA, do Pentágono e da Casa Branca para combater um crescente movimento revolucionário na América Central. Por décadas (ou séculos, na verdade), as Américas Central e do Sul foram efetivamente uma plantação para os Estados Unidos. Antes de haver a China para fornecer mão-de-obra barata e neo-escrava, havia a América Latina. Países inteiros foram efetivamente comprados por corporações do norte. É daí que vem o termo “república das bananas”, de empresas que essencialmente compram países inteiros para operar essencialmente como vastas plantações, muitas vezes com um “presidente” instalado e apoiado por Washington como superintendente. Uma pesquisa rápida no Wikipedia sobre “Jacobo Arbenz” ou “Salvator Allende” ilustrará o tipo de coisa que estava acontecendo ao longo de todo o final do século XX. Políticos em Washington — especialmente os mais leais às grandes corporações — se acostumaram a escolher efetivamente quais líderes comandariam a América Latina. Apenas um ano antes da eleição de Reagan na Casa Branca, a rebelião sandinista da Nicarágua expulsa o superintendente de Washington — o regime de Somoza de quatro décadas — com a promessa de buscar uma nova Nicarágua que beneficie todos os seus cidadãos, não apenas os ricos amigos capitalistas de Washington.

Encontro de 1983 do vice-presidente de Reagan, George Bush, e Manuel Noriega, do Cartel de Medellín.

Embora os sandinistas fossem consideravelmente imperfeitos, representavam uma revolução global incipiente contra uma formação crescente chamada Consenso de Washington, uma ordem mundial governada por uma rica elite corporativa. Reagan representou também uma espécie de revolução global — uma das corporações e bancos contra o povo do mundo. O tipo de economia que o movimento Occupy enfrenta estava apenas começando a ser construído por Reagan, sendo testado em países da América Latina. Necessário para a experimentação econômica pela elite eram coisas como a Guerra Contra, seu financiamento de narcotráfico e a crise resultante no interior da cidade americana. O centro da cidade estava pagando o preço dessa nova ordem mundial muito antes que os efeitos contemporâneos — execuções de hipotecas, crises de Wall Street, desemprego, etc. — assolassem a população em geral.


Manhã na América


Simultaneamente, a agenda política interna de Reagan era uma forma daquilo que estava sendo imposto à América Latina: impostos mais baixos e mais baixos sobre os ricos e cada vez menos serviços governamentais para os pobres e a classe trabalhadora. A agenda de política interna de Reagan era impulsionada por um princípio ideológico fundamental: a elite rica não estava sendo cuidada e essa era a razão de todo e qualquer mal econômico. Alternativamente chamada de economia “lado da oferta” ou “gotejamento”, a teoria era que os benefícios concedidos aos ricos e às corporações chegariam ao resto de nós. O comediante D.L. Hughley explica como “gotejamento” parecia para um jovem negro na cidade de Los Angeles:

Todos os programas sociais… foram cortados como resultado de Reagan assumindo o cargo e a ganância se tornou um hobby. Ele era meio que o Moisés de levá-los a se sentir bem em ser homens brancos gananciosos.

Uma das primeiras realizações de Reagan foi atacar o código tributário em favor da elite. As taxas marginais superiores não foram inferiores a 70% (e muitas vezes na faixa de 80-90%) desde a década de 1940. Era 70% o dia em que Reagan entrou na Casa Branca; em seu segundo mandato, foi de 28%. Não surpreendentemente, houve de repente menos dinheiro para os programas que mantinham os americanos menos afortunados pendurados. Programas sociais foram cortados drasticamente para compensar os cortes de impostos dos ricos. Reagan justificou esses cortes draconianos em programas sociais ao criar na mente de americanos afluentes (principalmente) brancos o espectro da “rainha do bem-estar social”. Reagan enganou os eleitores ao acreditarem que programas sociais como assistência social, vale-alimentação e treinamento profissionalizavam a vida muito fácil em famílias do centro da cidade.

A história contada pelo Hip Hop foi totalmente contra a de Reagan. Emergindo do South Bronx (foto abaixo), a música rep anunciou para qualquer um com um toca-discos que as coisas não estavam como disse Reagan. “O hip hop sempre foi político”, lembra o jornalista de Hip Hop Davey D, nascido no Bronx. Grandmaster Flash e o clássico “The Message”, de Furious Five, de 1982, que explicava a todos que estavam ouvindo que as coisas pioravam. Até mesmo a música de Kurtis Blow de 1980, “The Breaks”, foi sobre dificuldades econômicas. O Run-DMC liderou seu álbum de estréia em 1984 com “Hard Times”, uma canção sobre a pobreza nos anos 80.


Reppers que cresceram durante os anos 80 de Reagan — Jay-Z, 2Pac, Biggie, Ice Cube e N.W.A, Scarface e Geto Boys, entre outros — oferecem uma visão rica sobre como a nova negligência urbana afetou famílias e comunidades. Eazy-E, do N.W.A, chamou os reppers de “repórteres clandestinos”, que contavam uma história bem diferente da do noticiário da noite, o que reduziu em 50% o dano de Reagan. Os ouvintes de rep, longe daquelas lutas, receberam histórias das linhas de frente da América de Reagan. “Little Amy told Becky, Becky told Jenny/ And now they all know the skinny.” Os ouvintes de rep sabiam o que os grandes meios de comunicação ainda estavam dormindo: Reagan tinha sido um desastre. “Gotejamento” não funcionou. “Things done changed”, advertiu Biggie, que tinha 8 anos de idade na inauguração de Reagan. E ele estava certo. O capitalismo desenfreado introduzido por Reagan estava enviando empregos dos EUA para a América Central e outros lugares. A cocaína de Reagan contribuiu para uma crise total, que agora era o pretexto para mandar milhões para a prisão. As chamadas “rainhas do bem-estar social”, pelas quais Reagan queria dizer mulheres como Gloria Carter, Afeni Shakur e Voletta Wallace, lutavam na crescente falta de esperança de um país com menos perspectivas econômicas e menos na assistência àqueles que lutavam. Reagan conseguira apenas enriquecer a riqueza e o poder da elite, e isso às custas dos pobres e da classe trabalhadora, especialmente dos jovens negros americanos.

Agora, uma nova geração de reppers continua com a repreensão de Reagan e a ideologia que ele representa. Juntando-se a eles está o movimento Occupy, que não é nada além de um protesto dos mais de 30 anos de Reaganism continuado. O rep se tornou a música da resistência nos EUA e em todo o mundo, e a aliança entre o Occupy Wall Street e o Hip Hop está provando ser uma força poderosa. Jay-Z, Lupe Fiasco, Talib Kweli, Bun B, Russell Simmons e outros emprestaram suas vozes ao movimento, com a mixtape de Lupe, Friend of the People, sendo essencialmente dedicada ao Occupy. “New alert gangs”, adverte Lupe. A Era de Reagan pode finalmente estar chegando ao fim.





Manancial: Rap Genius

Sem comentários