DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

O narcotráfico na Colômbia – PARTE DOIS: OS PIONEIROS



Por Adolfo León Atehortúa Cruz e Diana Marcela Rojas Rivera



O conteúdo deste artigo abrange as primeiras décadas do tráfico ilícito de drogas realizadas da Colômbia para os Estados Unidos. Sua singularidade reside na análise dos mecanismos utilizados pelos atores em análise (os pioneiros e os grandes chefes) para responder aos desafios impostos pela sua atividade ilícita e pela perseguição contra ela.


O conteúdo aqui traduzido foi tirado do livro O narcotráfico na Colômbia – Pioneiros e Capos, por Adolfo León Atehortúa Cruz e Diana Marcela Rojas Rivera, sem a intenção de obter fins lucrativos. — RiDuLe Killah




OS PIONEIROS




Embora o contexto descrito facilite e exija a participação de novos sortimentos e mercados para o tráfico ilícito de drogas, é necessário especificar essa hipótese. A Guerra do Vietnã é, acima de tudo, um motor — indutor do consumo ilícito e do tráfico de drogas nos Estados Unidos. Não é uma causa única ou suficiente. Tornou-se, simplesmente, o fenômeno que impulsionou um consumo maciço de heroína e maconha que exigiu novos fornecedores para uma rede de tráfico destinada a se expandir. Na América do Norte, deve-se notar, foi um importante mercado de antecedência heroína herdado do mercado ilícito de uísque uma organização com tentáculos internacionais sob a direção de Lucky Luciano, Meyer Lansky e Bugsy Siegel, sucedidos por Frank Costello. Embora alguns autores tenham encontrado ligações de colombianos com o dito aparato, a proporção de sua participação não parece decisiva nem essencial. A maconha, da mesma forma, havia sido introduzida por imigrantes mexicanos em Nova Orleans e desde o começo do século XX um pequeno grupo de índios ocidentais e amantes negros do Blues e do Jazz.

A expansão do mercado de maconha, como consequência da Guerra do Vietnã e dos movimentos juvenis pacifistas, trouxe o produto colombiano para as ruas norte-americanas de diferentes maneiras. Alguns eram tão simples que simplesmente retiravam uma cultura ancestral e deslocavam o produto cru em pequenas quantidades, aproveitando a engenhosidade aduaneira da época. Outros foram financiados por americanos e mal cumpriram o papel de “empacotadores” ou “exportadores”. Os maiores fizeram o seu caminho usando a rede de contrabando existente e apoiados pela qualidade de um produto que começou a ser conhecido sem ficção. A maconha “Punto Rojo” e a “Santa Marta Gold” logo ganharam a apreciação dos consumidores, sobre as variedades mexicanas.

Para alguns autores, voluntários do Corpos de Paz, enviados pela Aliança para o Progresso no início dos anos 60, tornaram-se os melhores propagandistas e parceiros para a promoção do produto e a configuração do vasto tecido do tráfico. Famílias antioquenas e costeiras construíram rotas de marimberas que partiam do Golfo de Urabá ou La Guajira com toneladas de maconha prensada em barcos alugados ou mesmo roubados. Eles surgiram, na maioria dos casos, como simples atacadistas da Colômbia, sem intervir nas redes de distribuição norte-americanas. Sua atividade foi acompanhada por buscadores históricos de esmeraldas e contrabandistas que encontraram na maconha uma perspectiva melhor para o seu fácil enriquecimento. Pouco tempo depois, os lucros permitiram maior independência e aeronaves foram usadas para decorar o aeroporto “Simón Bolívar” ou pistas clandestinas localizadas na costa do Atlântico à noite.

Outros autores nos oferecem testemunhos interessantes sobre esse primeiro estágio do narcotráfico entre a Colômbia e os Estados Unidos. Um arrependido contrabandista cubano, Luis García “Kojak”, narrou sua participação no negócio e mostrou dentro das incipientes organizações colombianas. Algumas crônicas esculpiram a incrível imagem dos “marimberos” e suas façanhas para levar a “mota” aos estados do sul da União. Outros apontaram seu próprio nome, embora sem muita base, para os principais exportadores de maconha: o Dávila Armenta e Dávila Jimeno, o Lafaurie González, Yesid Palacios e Julio Calderón, entre outros. Mas, além de todas as evidências, a guerra entre os marimberos ou o confronto histórico entre as famílias Cárdenas e Valdeblánquez sobre a disputa pelo comércio de grama e contrabando em La Guajira, não podia ser ignorada pelos registros da imprensa.

O tráfico ilegal de maconha, no entanto, não se estendeu ao longo do tempo. Até meados da década de 1970, o principal exportador para os Estados Unidos era o México. Devido à perseguição dos traficantes neste país, que incluiu fumigações em massa com paraquat e à suavidade do produto colombiano, a primazia foi transferida para a Colômbia. Mas a “bonança” era uma flor de um dia. Segundo algumas fontes, o consumo de maconha no norte do país começou a declinar a partir de 1977, substituído pela cocaína. Ao mesmo tempo, o consumidor passou a preferir variedades “sem sementes”, produzidas na Jamaica ou nos próprios Estados Unidos.

Em meados dos anos noventa, o México foi novamente o principal exportador para os Estados Unidos, até que a variedade doméstica quase deslocou as importações. A variedade californiana alcançou uma maior concentração de tetraidrocanabinol (THC), o que a tornou mais psicoativa e desejada em sua própria clientela. Não obstante, a parte grossa dos dólares produzidos pela bonança marimbera foram legalmente trocados através da chamada “janela sinistro” do Banco da República, um mecanismo criado pelo governo de Alfonso Lopez Michelsen (1974-1978), que permitiu a captura da moeda estrangeira sem qualquer dúvida. A baixa taxa de câmbio no mercado negro influenciou a reavaliação do peso e prejudicou os exportadores. O banco veio em seu auxílio.

A incursão da cocaína no mercado também influenciou o declínio da maconha. Seus efeitos pareciam mais condizentes com a turbulência do tempo e os executivos “jovens profissionais” reforçavam a demanda. Na época, os imigrantes colombianos faziam parte de redes de distribuição primitivas com cubanos e latinos em Miami ou Nova York e procuravam estender sua influência a outras cidades norte-americanas. No entanto, eles não a fabricaram. Eles adquiriram no Chile, Bolívia ou Peru.

Jaime Caicedo, “El Grillo”, está entre os primeiros traficantes de drogas colombianos. Ladrão de bicicletas, envolveu-se no tráfico de cocaína de maneira artesanal e com pequenas remessas em voos comerciais sob o olhar ainda inocente dos costumes locais e gringos. A prosperidade dos negócios levou-o a vincular-se aos produtores no Peru e na Bolívia e a melhorar a camuflagem de suas remessas, cada vez maior, com a participação de distribuidores norte-americanos. Sua história inspirou o filme El Rey, dirigido por Antonio Dorado. Sua morte violenta também simbolizou o início de confrontos entre traficantes de drogas.

Benjamín Herrera Zuleta, o “Papa negro da cocaína” era, por sua vez, o “avô” de Pablo Escobar e Gilberto Rodríguez no negócio. Detido em Atlanta em 1973, ele escapou da prisão e fugiu para o Chile para reconstruir sua atividade. Os contatos eram ótimos, a fronteira com o Peru e a Bolívia fornecia a matéria-prima e os laboratórios podiam ser camuflados no deserto salgado ou na região andina. No entanto, o golpe de Pinochet e sua busca ao tráfico o forçaram a mudar-se para Lima, onde foi novamente preso em 1975 e deportado para os Estados Unidos. A liberdade obtida com fiança não o distanciou de suas expectativas. Pelo contrário, ele estabeleceu contatos com Martha Upegui de Uribe, a “Rainha da Cocaína” em Medellín, e iniciou a atividade de jovens narcotraficantes em Cali.

Em 1978, os Estados Unidos aprenderam sobre a influência determinante da cocaína na sociedade da Florida. Os chefões do narcotráfico começaram a disputar o comércio de seus produtos e a distribuição atacadista nas grandes capitais. Miami testemunhou uma guerra que envolveu sua polícia corrupta e deixou mais de cem assassinatos. Os intermediários e traficantes do exílio cubano tiveram a pior parte e os colombianos permaneceram sem discussão com o reinado; eles integraram suas operações e capturaram lucros que, reinvestidos, permitiram expandir e impulsionar sua produção e exportação. Em 1976, a DEA estimou entre 14 e 19 toneladas métricas de cocaína que foram contrabandeadas para os Estados Unidos. Três anos depois, em 1979, o consumo fornecido foi estimado entre 25 e 31 toneladas e superior a 50 toneladas em 1980. Os grandes capos já faziam parte do tráfico.






PARTE TRÊS: OS CAPOS




Manancial: O Narcotráfico na Colômbia

Sem comentários