DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Tupac Shakur: ‘Eu não sou um gangster e nunca fui’ (Outubro de 1995)


25 de Outubro de 1995, por Chuck Philips | Escritor de artigos pessoais


Balançando a cabeça e sorrindo, o repper de 24 anos exibe a grandiosidade de um dueto funky chamado “2 of Amerikaz Most Wanted”, que havia acabado de finalizar com o colega de selo Snoop Doggy Dogg.

É a 14ª música que Shakur registrou desde quando saiu da prisão. Death Row Records, que recentemente assinou um contrato com Shakur, pagando $1,4 milhões de fiança em 12 de Outubro [de 1995] para tirá-lo da prisão de segurança máxima de Riker Island, onde ele cumpriu pena de 4 anos e meio por duas acusações de abuso sexual. As acusações deram origem a um incidente de 1993 em um hotel em Manhattan, no qual Shakur e um associado foram acusados — não condenados — de segurar uma fã enquanto um terceiro homem abusava dela sexualmente. Shakur foi condenado por duas acusações de abuso sexual de primeiro grau por tocar ofensivamente sem consentimento na vítima.

Shakur nega as alegações, mas foi avisado pelos seus advogados para não discutir o caso durante sua primeira entrevista desde sua libertação. Foi o maior em uma série de confrontações envolvendo o repper, que foi baleado cinco vezes em Novembro de 1994 por um ladrão em Nova York. Ele também enfrentava acusações criminais em outras quatro ocasiões desde Março de 1993.

Shakur aparece como um homem de muitas contradições — alguém que tem as palavras tatuadas em seu estômago, mas queixa-se por ser mal interpretado pela mídia como um gangsta repper.

Sua música mais vendida, que abrange temas que vão desde tiroteios policiais até gravidez na adolescência, polariza os ouvintes. Tem sido amplamente aclamada por numerosos críticos e frequentemente atacada por grupos de pais e políticos. Enquanto Shakur estava na prisão, seu último álbum, Me Against the World, entrou nas paradas pop nacionais na posição #1 e ocupou esse cargo por um mês. Ele vendeu cerca de 2 milhões de cópias, condecorado pelo single Top 10 “Dear Mama” — um poema para a luta das mães solteiras. Algumas de suas músicas mais violentas foram acusadas em um processo civil pendente do Texas por influenciar um adolescente ladrão de carros a matar um soldado do estado.

Vestido com um suéter e uma bandana, Shakur — que esperava dropar um novo álbum no Natal, poucos dias antes de os argumentos começarem em seu apelo — falou sobre prisão, mídia e sua música.


LA Times: Como se sente livre de novo?

2Pac: Estou extremamente feliz por ter saído. Foi difícil ficar na prisão, ouvindo Jay Leno e Rush Limbaugh e todos fazendo piadas sobre mim quando fui baleado. E assistindo a mídia divulgar todos os tipos de mentiras sobre mim, dizendo até que eu fui estuprado na prisão. Isso nunca aconteceu. Mas pelo menos enquanto eu estava trancado, todos os presos me davam incentivo, e também muitas mães e filhos, que me escreveram cartas de apoio.

Uma das melhores cartas que recebi veio do [ator] Tony Danza. Eu nunca conheci o cara, mas ele me escreveu para dizer que ele gostava do meu álbum e era para eu manter a cabeça erguida e simplesmente sair mais forte. Não posso dizer o quão grande isso me fez sentir.

Como você olha para trás nesses últimos anos turbulentos?

Foi muito tempo de estresse e drama, cara. Muita coisa aconteceu. Fui baleado cinco vezes por alguns caras que estavam tentando me tirar de cena. Mas Deus é ótimo. Ele me deixou voltar. Cometi alguns erros. Mas estou pronto para seguir em frente.

Você escreveu este novo álbum [Me Against the World] na prisão?

Não. Eu só escrevi uma música lá. Mas eu vivia no estúdio desde quando eu saí. Eu e meu produtor Johnny “J”. continuamos trabalhando nas músicas novas. Então voltamos cedo pela manhã e começamos de novo. Você poderá sentir todos os 11 meses do que eu passei neste álbum. Estou desafogando minha raiva.

Uma série das suas músicas lidam com — e algumas pessoas dizem glorificar — tráfico de drogas e violência de gangues. O que você diz às pessoas que dizem que você é uma influência social ruim?

Deixe-me dizer uma coisa, eu não sou um gangster e nunca fui. Eu não sou o ladrão que pega sua bolsa. Eu não sou o cara que rouba seu carro. Não estou com pessoas que roubam e machucam os outros. Eu sou apenas um irmão que luta de volta. Não sou um psicopata violento. Eu tenho um emprego. Eu sou um artista.

Então, por que o lance de gangues e a violência são muitas vezes o foco da sua música?

Nem tudo na vida é bonito, nem tudo é diversão. Há muita matança e drogas. Para mim, um álbum perfeito fala sobre as coisas difíceis e as coisas divertidas e atenciosas. O que eu quero saber, porém, é por que, de repente, todo mundo está agindo como se esse lance de gangues fosse algum fenômeno novo neste país? Quase todos na América estão afiliados a algum tipo de gangue. Nós temos o FBI, a ATF, os departamentos de polícia, os grupos religiosos, os democratas e os republicanos. Todo mundo tem seu próprio pequeno grupo e eles estão todos lá fora guerrilhando em seu próprio caminho.

O que me incomoda é que parece que todas as coisas sensíveis que escrevo passam despercebidas... A mídia não entende quem sou eu. Ou talvez eles simplesmente não possam aceitar. Não se encaixa nas histórias negativas que eles gostam de escrever. Eu sou o tipo de cara que é movido por uma música como “Vincent” de Don McLean, aquela sobre Van Gogh. A letra dessa música é muito profunda. É assim que eu quero fazer minhas músicas soarem. Veja “Dear Mama” — eu aponto diretamente para as cordas do coração dos meus chegados.

Você estudou na Baltimore School of Performing Arts. O seu fundo de teatro influencia sua composição?

Ele influencia todo o meu trabalho. Eu realmente gosto de coisas como “Les Miserables” e “Gospel at Colonus”. E eu amo Shakespeare. Ele escreveu algumas das histórias mais sinistras, cara. Quero enfatizar Romeu e Julieta. Esse é um sério exemplo do gueto. Você tem esse homem Romeu dos Bloods que se apaixona por Julieta, uma mulher que é Crips, e todos em ambos os grupos estão contra eles. Então eles têm que se virar e eles acabam mortos por nada. Um acontecido verdadeiramente trágico.

E veja como Shakespeare brigou com Macbeth. Ele cria um conto sobre a esposa deste rei que convence um homem feliz para persegui-la e matar seu marido para que ele possa assumir o país. Depois de cometer o assassinato, o cara começa a ter delírios como em uma canção do [repper] Scarface. Quero dizer, a esposa do rei apenas atrapalha a vida inteira desse cara por nada. Agora isso é o que eu chamo de vadia.

Por que você usa termos tão depreciativos para descrever as mulheres? Isso não funciona nas mãos dos críticos que dizem que os reppers são misóginos?

Se o calçado se encaixar, isso é o que eu digo. E se todos os caras começarem a reclamar quando as mulheres chamarem todos de cachorros? Na vida real, assim como em Macbeth, todas as mulheres não são apenas puras e verdadeiras. Só porque eu escrevo algumas músicas sobre mulheres ruins, porém, isso não significa que eu odeio as mulheres. Eu escrevi músicas que mostram grande amor e respeito pelas mulheres também. Canções que falam sobre mulheres fortes e honestas e suas dores.

Olhe ao seu redor neste estúdio agora. Tenho mulheres trabalhando na minha música. Eles entendem de onde eu venho. Minha mãe também. Eu sempre toco minha música para ela antes de sair. Por que você acha que eu escrevi “Dear Mama”? Eu escrevi para minha mãe porque eu a amo e senti que devia algo profundo a ela.




Manancial: LA Times

Sem comentários