DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE DOIS


Leia sobre os assassinatos de Tupac Shakur e Christopher Wallace dos arquivos de Russell Poole. Ele temia que os livros de assassinato fossem estripados quando ele deixou a polícia de Los Angeles, então ele levou seus arquivos com ele. Agora você pode ver o que estava nesses arquivos. Os assassinatos poderiam ter sido resolvidos há muito tempo, mas isso levaria a um lugar muito ruim para tantos envolvidos. Aprenda a verdade que custaria a vida de Russell.




LIDANDO COM O DIABO

DIABO NEGOCIANDO CARTAS QUE NÃO ESTÃO NO NÍVEL




Michael Harris estava começando a enviar bandidos para visitar Suge solicitando o reembolso do investimento original e os lucros da gravadora. O círculo íntimo de Suge os estava afastando.


“Aparentemente Suge havia cruzado com Harry-O e Lydia Harris quando ele trocou da Time Warner pela Interscope para distribuição. Ele de alguma forma conseguiu refazer os contratos e cortá-los de tudo. Ele até negou que eles fizessem parte da gravadora. Ele pegou o telefone que foi designado para aceitar as ligações de Harry-O, colocando um bloqueio para que não houvesse mais telefonemas de coleta.”

O acordo original para a Death Row Records era uma parceria entre The D.O.C. (35%), Dr. Dre (35%), Suge Knight (15%) e Dick Griffey (15%). “Eu fui a primeira a assinar com a gravadora, mas muitas coisas não foram gravadas na pedra quando eu fui para lá. Eu conheci Dick Griffey, e uma das primeiras coisas que ele pediu foi que eu cantasse para ele. Então eu cantei para ele. E então, havia essa entidade que começamos a chamar de estúdio. Nós não tínhamos muito dinheiro no começo; nós tínhamos algum, mas não muito.” — Jewell. Quando D.O.C. teve seu acidente e não pôde mais cantar seu valor para o empreendimento foi severamente diminuído e sua porcentagem evaporou. Michael Harris, a.k.a “Harry-O”, inventou o dinheiro inicial, alguns dos quais compensaram Dick Griffey, e a Death Row foi originalmente formada como uma subsidiária da Godfather Entertainment. Lydia Harris esteve envolvida na gravadora desde o início e a Death Row Records deu à luz ao The Chronic. Ao mesmo tempo, houve um processo movido pela Ruthless Records para o papel de Knight em tirar Dr. Dre, The D.O.C. e Michel’le do selo. Logo antes de The Chronic ser lançado, a Death Row Records era oficialmente constituída como uma corporação com dois detentores de ações iguais: Suge Knight e Dr. Dre. Michael e Lydia Harris estavam fora. Existe uma disputa oficial desta conta. Waymond Anderson fala sobre Suge Knight e Death Row Records na verdade lavando dinheiro para Michael e Lydia Harris em vez de colocar o dinheiro inicial. Em ambos os casos, Michael Harris ficou chateado com o fato de a Death Row Records ter alcançado um sucesso estratosférico e não ter tido um gostinho dos lucros. Ele levou isso pessoalmente. David Kenner estava mentindo para Harris e colocando a culpa nos pés de Suge Knight. Michael Harris havia sido condenado por porte de drogas, estabelecendo um dos maiores grupos de tráfico de drogas nos Estados Unidos. Ele tinha laços com muitas das gangues que distribuíam seu produto. Ele era um homem perigoso e muito furioso com Suge Knight. Mesmo que Harris estivesse encarcerado, ele tinha um longo alcance da prisão e dinheiro para fazer as coisas acontecerem.

Waymond Anderson diz que Michael e Lydia Harris fizeram parte de um plano para derrubar a Death Row Records no momento em que Tupac Shakur foi morto.

Mais tarde Anderson disse: “Havia dinheiro que foi lavado pela Death Row Records por Lydia enquanto Michael Harris estava na cadeia, e depois eles voltaram e tentaram dizer que deram dinheiro a Suge para iniciar a Death Row Records, o que é totalmente falso. Muitas pessoas não entendem a dinâmica ou a mecânica de como a indústria fonográfica funciona. Você pode obter um registro de sucesso e uma gravadora lhe adiantará 25 milhões de dólares na manhã seguinte. Então não havia razão para Suge tem que conseguir dinheiro para drogas para começar isso. Criminosos forneceram dinheiro suficiente para desenvolver sua gravadora, mas, ao mesmo tempo, quando você cresce nas cidades do interior da maneira mais difícil, é difícil se afastar dos indivíduos. Então Suge ainda participou com pessoas que estavam envolvidas em atividades criminosas, e ao fazer isso ele lavou algum dinheiro para Michael Harris, e depois ele voltou para mordê-lo na bunda para onde ela e Michael sentiam que eles deviam receber lucros a partir da Death Row Records. E quando Suge basicamente a expulsou, Michael e ela tomaram isso muito pessoal, e de lá foi tentando voltar a Suge Knight.

Waymond Anderson, embora não confiável, parece confirmar que houve um plano para assumir a Death Row Records. Ele afirma que o enredo foi por Lydia e Michael Harry-O. Harry-O era afiliado à Freeway Rick Ross e ambos eram afiliados aos Crips com quem trabalhavam para transportar suas drogas pelo país. Não é exagero pensar que Michael Harris poderia facilmente ter encontrado pessoas que ele conhecia de sua droga sendo transportada para derrubar a Death Row Records. Ele poderia facilmente ter contatado Reggie Wright Jr. como é indicado na carta de confissão para realizar seu plano. Robert J. Frank pergunta a Anderson em seu depoimento: Você indicou que Michael Harris, eu acho que você disse Lydia Harris, e quem  quem mais você pode citar como parte dessa conspiração? Anderson respondeu: É tudo o que posso fazer — neste momento.



ELE ERA O REI, ELE USAVA A COROA

TRAIDORES O DERRUBARAM



Suge tinha sido um protegido de Dick Griffey, que fundou a Sound of Los Angeles Records, comumente conhecida como SOLAR. Suge trouxe Mario Johnson, a.k.a “Chocolate” para a SOLAR, alegando que Johnson havia escrito “Ice, Ice Baby” para Vanilla Ice. Griffey imediatamente entendeu a afirmação. Suge confrontou Ice sobre a alegação do que se tornou lenda da indústria musical e da sabedoria de Suge Knight e, como a maioria das lendas, é contestada. A alegação de que Suge balançou Vanilla Ice pelos tornozelos da sacada da Riot House (adicionando à história da música) para fazê-lo assinar os pagamentos de royalties se tornou um dos cartões telefônicos que Suge Knight nunca precisou apresentar sempre que ele se encontrava com alguém ligado à música. A reputação de Suge o precede até hoje.


Mas Suge teve uma falha fatal — sob aquela pele grossa. Suge Knight tinha um coração. Quando Suge Knight andava no alto, todos aqueles ao seu redor se beneficiavam. Todos os anos, no Dia de Ação de Graças, ele dava perus para a comunidade todos os anos, no Natal, ele comprava brinquedos para as crianças e, no dia das mães, organizava um almoço para 500 mães solteiras. Quando Suge Knight tinha dinheiro, espalhava pela comunidade. Quando Suge estava preso no Natal de 1996, ele autorizou $50 mil para serem usados ​​em brinquedos para as crianças de Compton. Apenas $3 mil realmente chegaram às crianças. Reggie e seus amigos, todos vivendo vidas de privilégio, roubando o resto para o seu próprio Natal. Suge foi responsável por dar todas as oportunidades de seus amigos dentro da empresa e por iniciar novos empreendimentos para manter seus amigos empregados.

Por dentro Suge Knight estava calmo. Ele argumentou que ele havia criado aquele equilíbrio delicado dentro da gravadora. “Suge corria na gravadora com um punho de ferro. Ele precisava opinar em tudo que acontecia na Death Row. Não importa o que uma pessoa precisasse ou quisesse da gravadora, se eles não tivessem a aprovação de Suge, isso não poderia acontecer até que eles a recebessem.” Ele precisava ser duro ou as forças criminosas o dominariam. Mas não muito duro ou ele enfrentaria prisões. Até agora, a equipe que ele montou o isolou da carreira, acabando com as complicações. Eles estavam de costas — ele podia relaxar e aproveitar uma noite em Las Vegas para celebrar sua celebridade. O drama da gravadora estava em andamento — ele gostava —, ele ansiava por isso — e às vezes ele causava isso.

Tudo tinha sido navegado com precisão através de negociações com Dick Griffey, Harry-O, Lydia, gravadoras, artistas, casos criminais e gerenciamento de crises. Quando a faca corta longe de você é uma vista bonita, mas quando a lâmina de dois gumes é empurrada para trás a dor é insuportável… mesmo para um cara durão. Mas o que ele tinha que temer? Ele estava cercado por seus melhores amigos — que permaneceriam leais até o fim. Ou seriam eles? Levou apenas um traidor para perturbar todo esse trabalho, planejamento e assumir riscos. Uma noite em Vegas, tudo desmoronaria. Suge saltou da armadilha para se prender como uma bola de pingue-pongue. Ele não tinha idéia do que estava acontecendo ao seu redor.

Para Suge a lealdade de Neckbone, Jake, Heron, Hen-Dog, Poochie, Buntry e o resto de seus amigos MOB Piru estavam garantidos. Todos eles prometeram perseguir a Money Over Bitches (MOB) e, se necessário, dar suas vidas um pelo outro. A maioria deles permaneceria fiel até o final. Esse fim viria muito cedo para todos eles, mas para Jake, o melhor amigo de Suge, ele seria o primeiro e Suge levou isso longe demais.

Suge Knight fez sua antipatia por Sean Puffy Combs em público. Na noite de 3 de Agosto de 1995, no palco do Source Awards, Suge eleva sua visão diretamente para Sean “Puffy” Combs quando ele diz: “Qualquer artista lá fora que quiser se tornar uma estrela, não precisa se preocupar com produtor executivo tentando aparecer em todas as músicas, em todos os vídeos, dançando neles e tal — venha para a Death Row!” Ele via Combs “como um imitador que estava lançando versões fracas do Produto da Death Row”. No Platinum Clube em Atlanta, houve um confronto entre cinco homens negros, supostamente representantes de Puffy, de um lado e Suge e Jake Robles, do outro. Os cinco homens são ordenados a deixar o clube e Suge e Jake são instruídos a permanecer por 10-15 minutos. A saída aconteceu depois de apenas alguns minutos e Jake foi baleado ao entrar na limusine. Jake daria sua vida protegendo Suge. Suge viu isso como uma tentativa de Puffy de matá-lo.

Puffy afirma que ele estava falando com Suge no momento que os tiros foram disparados; Jake Robles, amigo de Suge, companheiro de Blood e guarda-costas, é morto. Suge acusa Puffy de estar envolvido, mas ele responde: “Do que você está falando? Eu estava aqui com você!” O atirador entrou em uma limusine cheia de amigos de Puffy.

Wolf, guarda-costas de Sean Comb, é culpado pelo assassinato, apesar de um policial de folga estar perseguindo Wolf no estacionamento na hora. Mas de qualquer forma, há um buraco no coração de Suge Knight e isso galvaniza seu ódio por Sean Puffy Combs e aumenta a rivalidade das East vs. West Coasts.

Se “Jake” tivesse vivido, as tensões não teriam aumentado. O papel de Reggie Wright Jr. pode ter sido severamente alterado, dando-lhe muito menos oportunidade de trair Suge. Mas aquela noite em Atlanta galvanizou o ódio de Suge por Sean Combs. Ele estava obcecado em ficar quieto. Ele estava obcecado em fazer Sean Combs ferir o jeito que ele machucou quando perdeu seu melhor amigo. Este assassinato foi um ponto de virada da rivalidade da East Coast com a West Coast.

Jewell diz que Suge guardava rancor: “No fundo eu sabia que ele ainda estava chateado e eventualmente faria algo para me recuperar; era assim que Suge operava. Ele nunca deixa alguém passar por cima dele. Ele se certificava de ter a chance de foder com eles, não importando quanto tempo demorasse.”

“Bruce Richardson, um amigo do ensino médio de Suge, tornou-se um rival, tendo construído sua própria empresa para espelhar a Death Row. Seus problemas vieram à tona: Bruce sabia que estava sendo ferrado com royalties; seu artista, Dramacydal, gravou os vocais de fundo no álbum All Eyez On Me, de Tupac. Suge recusou-se a pagar. Naquele Maio, Bruce se aproximou dele no clube e deu um tapa nele. Duas semanas depois, Richardson apareceu morto do lado de fora de sua própria casa em Los Angeles, com dois Bloods suspeitos de matá-lo.

“Um enfurecido Richardson confrontou Suge pouco tempo depois em uma boate, onde ele surpreendeu os espectadores dando tapas em Knight até que três de seus capangas saltaram em um carro de Bruce. Publicamente humilhado, Suge não fez segredo do fato de que queria vingança.

“Duas semanas depois, Bruce Richardson foi morto a tiros em sua casa. Kevin Hackie nomeou que os que realizaram isso foram Neckbone e Buntry, homeboys de Suge Knight como os possíveis assassinos — eles foram os caras que fizeram esse tipo de coisa por Suge, Hackie disse.

Mas Bruce Richardson nunca abriria a porta para qualquer um. Ele também era incomparável em suas habilidades de combate corpo-a-corpo. Quando os investigadores apareceram, o cofre de Richardson foi aberto e os materiais valiosos de músicas da Death Row não estavam lá.

Houve aqueles que especularam que a polícia vestida de uniforme era a culpada. “Havia um monte de caras que faria merda do lado, mas eles não estavam nem aí. Era tratado do lado de fora.”




POLÍCIA DA DEATH ROW

PERTURBANDO A PAZ



“Em 2 de Junho de 1996, os representantes da polícia de Los Angeles e da Death Row Records se reuniram para discutir a insatisfação com o pessoal da segurança armada e a possibilidade de confrontos armados entre policiais e seguranças ou membros de gangues. Questões relacionadas a policiais fora de serviço empregados pela Death Row Records também foram discutidas. Antes da morte de Wallace, o L.A.P.D. também descobriu que a Death Row Records contratava Leslie Gaulden, um policial da escola de Inglewood. Em 23 de Outubro de 1996, Alwyn Gittens, um oficial de reserva do xerife do condado de San Bernardino que trabalhava como segurança para a Death Row Records, interrompeu uma entrevista entre os funcionários do L.A.P.D. e da Death Row Records. Com base nas ocorrências acima, o L.A.P.D. sabia ou razoavelmente deveria saber que seus policiais de folga trabalhavam como guardas de segurança ao lado de criminosos suspeitos e condenados pela Death Row Records. De fato, os policiais fora de serviço acompanharam os membros de gangues durante as negociações de drogas e agiram como suas frequências, ajudaram na escolha de locais para transações de drogas e compartilharam informações sobre táticas policiais.” “Reggie é o intermediário entre Suge e todos os tipos de merda.” “Em Maio de 1996, a Death Row Records foi investigada por violações de zoneamento associadas a vários crimes violentos. Os oficiais de investigação informaram: ‘Há guardas de segurança armados neste local à paisana e em uniformes de segurança. Esses agentes de segurança são policiais fora de serviço… empregados da Death Row Records.’”


Suge definiu o plano: “Bem, olha, não podemos ter nossos homies aqui basicamente carregando armas, queremos legalizar isso. Vamos configurar nosso próprio set (conjunto) de segurança da Death Row sob outro nome.” Era um “set” como Bloods e Crips criavam, mas consistia de policiais que tinham distintivos e armas e eram pagos para evitar problemas para aqueles sob a proteção da Death Row Records. Suge Knight colocou $300,000 para obter o “set” criado. Não se sabe se houve assassinatos rituais de gangues para se tornar membro do “set”, mas nas gravações secretas de Frank Alexander nós descobrimos que Suge estava secretamente pedindo a Frank Alexander para “tirar alguém”. “Havia um monte de caras que faria merda do lado, mas eles não estavam nem aí. Era tratado do lado de fora.”

“Houve momentos em que eu dirigia e saía e eu sairia e isso acontecia comigo, Reggie e Suge no meio do nada. E eu sei que Reggie estava, quer dizer, eles compartilhavam as mesmas gavetas, um MOB Piru sairia da porra da linha e Reggie resolveria isso.

“Suge os teve andando por aí com medo. A segurança que ele contratou também foi usada como ‘músculo’ ao redor do estúdio. Ele os fazia bater nos niggas quando saíam da linha.

A Polícia da Death Row trouxe resultados imediatos. Ter armas e insígnias para lidar com toda e qualquer situação criava uma camada de proteção além das expectativas. Além disso, a consciência tática estava passando para o pessoal de segurança não-policial. Ter exploradores policiais para monitorar todas as frequências foi agora incorporado ao procedimento operacional padrão da Death Row. Havia oportunidades adicionais para os negócios secundários, já que alguns dos policiais tinham grandes necessidades de fluxo de caixa além dos salários dos policiais. Quão longe eles iriam? Essa era uma pergunta a ser feita caso a caso. Mas não parece que havia limitações com um punhado de caras. Quando a evidência que poderia ser usada para condenar Snoop Doggy precisava desaparecer de um armário de provas da polícia de Los Angeles, a Polícia da Death Row apareceu. Kevin Hackie recorda em uma entrevista em 6 de Junho de 2000 que em Fevereiro do mesmo ano Reggie Wright Jr., ao falar sobre o caso de assassinato de Snoop Doggy, “afirmou que as evidências relacionadas a esse caso estavam faltando na sala de detenção do L.A.P.D.” Ele só saberia disso se fosse de alguma forma responsável pela falta de provas. “As provas no julgamento de assassinato de Snoop desapareceram de uma sala de propriedades da polícia de Los Angeles. É por isso que Snoop foi absolvido.” O namorado de Sharitha [Kevin Gaines] certamente era o suspeito mais provável nesse crime, junto com seus bons amigos Rafael Perez e David Mack. Ter um namorado do L.A.P.D. tinha certos benefícios colaterais. A música de Snoop, Murder Was the Case, zombou dos promotores que trabalharam duro para mandá-lo embora para a vida, mas faliram pouco. Em uma audiência no julgamento por homicídio de Snoop Doggy, é revelado que a evidência chave está faltando no armário de evidências do L.A.P.D. “Os advogados de defesa sustentaram que as carcaças de 9 milímetros perdidas poderiam ter sido úteis para igualar as balas encontradas no corpo de Woldemariam. Eles também disseram que a camisa ensanguentada era crucial para determinar se a vítima foi baleada de perto ou poderia estar torcendo quando foi baleada. Advogados de defesa afirmam que Woldemariam estava pegando na cintura por uma arma quando foi baleado.”

O teste da nova “Polícia da Death Row” foi o espancamento de Kelly Jamerson no Teatro El Rey. Naquela noite, uma placa acima do teatro dizia apenas ‘Lista de Convidados da Festa Particular da Death Row Somente’. Em 13 de Março de 1995, um membro de gangue foi assassinado em um evento da Death Row Records no Teatro El Rey. O relatório da polícia declara: ‘Muitos dos seguranças da festa eram policiais fora de serviço, do… L.A.P.D., todos trabalhando para a Wrightway Security. A vítima foi espancada por inúmeros membros da gangue Blood enquanto os policiais de folga assistiam.’

“A vítima foi espancada até a morte no teatro. Muitos dos seguranças da festa eram policiais de folga, do Long Beach P.D., Compton P.D., Inglewood P.D., Hawthorne P.D. e L.A.P.D., todos trabalhando para a Wrightway Security. A vítima foi espancada por inúmeros membros da gangue Blood enquanto os policiais de folga assistiam. Quando a polícia chegou, os policiais de folga deixaram o local sem dar uma declaração.” Havia inúmeros policiais realmente presentes no espancamento. “Os oficiais S. Meade #30401 e seu parceiro C. Canales #30214 observaram a surra enquanto continuava na localidade oeste do saguão. Os policiais estavam monitorando a festa depois de uma chamada de rádio ‘415 Fight anterior no local (Incidente #5072005053).” Apesar de testemunhar o evento, eles nunca são referenciados como testemunhas no relatório. Todos os chamadores anônimos colocaram DJ Quik no quadro do assassinato.

Tempo curioso! “Foi significativo”, disse Quik, quando perguntado sobre a era da Death Row. “Eu acho que nesse ponto Suge era apenas — ele se tornou um verdadeiro poderoso da Interscope… Suge queria cuidar de todos os artistas que ele não estava cuidando na indústria. Então, é por isso que nós todos gravitamos em direção a ele. Naquele momento eu estava passando por isso com a [gravadora] Profile. Profile tinha essa coisa quando eles não queriam pagar você, eles colocavam você em suspensão. ‘Meu artista está em suspensão.’ Então, eu fiquei em suspensão porque eles não queriam me pagar. Foi estranho, então Suge entrou em cena. Tornou-se meu empresário.

O Assassinato de Kelly Jarmerson no Teatro El Rey foi nada mais do que uma negociação com DJ Quik? A investigação também coloca os melhores amigos de Suge, “Buntry” e “Jake” na mira. Mas o Controle de Danos da Death Row havia funcionado. Nenhuma acusação foi registrada e o caso foi inocentado por investigadores de homicídios. A Polícia da Death Row tinha todos os motivos para se tornar ousada.

MC Eiht relembra o incidente: “‘Nós acabamos de começar um tumulto. E eram apenas três deles, e havia um clube cheio de caras [de outras gangues]. Mas, foi assim que eles disseram: Nós três devemos subir aqui com este mar de gente de Quik e Bloods e outras facções e temos que ficar de pé e deixá-los saber do Tragniew Park e é assim que as coisas funcionam.’

Suge Knight ficou ousado. Ele ficou feroz. Sua juba de leão estava apenas começando a mostrar e ele era intocável. “Na festa que se seguiu à absolvição de Snoop, Suge notou que quatro dos jurados tinham aparecido: tomavam champanhe, se serviam de filé e lagosta e se misturavam aos artistas e associados da gravadora. Tupac Shakur comemorou o fato de que All Eyez On Me estreou no número 1. Suge disse a seus aduladores que ele estava renomeando a empresa: A partir de então, seria conhecido como a Nova e Intocável Death Row.”

Simone Green conta que foi espancada por Suge Knight e seus capangas. Ela tentou chamar a polícia do estacionamento, mas eles não apareceram. “Alguém do hospital também chamou a polícia, mas eles nunca apareceram. Esta foi a segunda tentativa de apresentar um relatório policial e também ficou sem resposta. Começava a parecer um encobrimento instantâneo.

“Em 18 de Dezembro de 1995, após o MTV Awards, os membros da Death Row Records que procuravam Combs da Bad Boy Records teriam agredido um indivíduo chamado Mark Anthony Bell. Dois policiais de folga estavam presentes durante o ataque contra Sr. Bell.

No final, policiais da polícia de Los Angeles participaram de assassinatos, um assalto a banco armado, invasões domiciliares e roubo de cadernos de provas da polícia de Los Angeles que se tornaram conhecidos como o escândalo de Rampart. Todos esses crimes remontam aos corredores da Death Row Records. Reggie trouxe o sonho de Suge Knight de um set da lei para a concretização. Reggie Wright Jr. era o maior ponto cego de Suge Knight — seu amigo de infância — que poderia matá-lo e substituí-lo — ou pelo menos essa era a teoria. Para Reggie ter o sucesso final, Suge Knight teria que instalar pessoalmente a raposa no galinheiro e isso exigiria uma grande quantidade de confiança. O assassinato de Tupac foi o começo da integração de gangues trabalhando em conjunto com a força pública. As táticas por trás do assassinato foram executadas sem falhas. Havia vigias e rádios. Eles selecionaram uma localização privilegiada à beira do tráfego.

Ninguém conseguia igualar seus músculos na indústria da música. Nenhum dos inimigos de Suge poderia derrubá-lo. Ele estava ganhando centenas de milhões de dólares e isso deu a ele poder, respeito, e, acima de tudo, prestígio. Ele era conhecido nos melhores restaurantes do mundo, bem como nos melhores hotéis, concessionárias de automóveis e dentro da música. Ele agora estava se tornando uma celebridade superestrela sem igual.

Mas todo esse dinheiro atraiu alguma atenção indesejada. Jerry Heller e Eazy-E conseguiram uma porcentagem do topo como um acordo para uma ação judicial. Além disso, Suge havia concluído seus negócios com Dick Griffey e Michael Harris, mas ambos estavam procurando Suge para compartilhar um gostinho de seu fluxo de caixa. Eles conspiraram, mas não tiveram acesso. Suge também estava sacudindo a gaiola de Puffy Combs, mas ele também era impotente para fazer qualquer coisa sobre os ataques de Suge.




MODELO NA GARRAFA MARROM… HENNESSY



Jewell disse: “A única coisa que eu não gostava na West Coast é que, se eles estavam bravos com alguém, eles esperavam que seus artistas tivessem essa rixa. Então, quando Cube decidiu deixar o grupo, eu lembrei que nós entramos e estava finalizando algumas coisas e Dre disse: 
Eu quero que você faça esse skit. Eu respondi: Qual skit? Ele me disse que ele queria que eu dissesse: ‘Já que Ice Cube está chupando um monte de pau de Nova York, que venha comer um pouco dessa boceta de Chicago. [Risos] Eu disse: O quê?’, e Dre disse: Sim, ele está por aí, ele está elogiando demasiadamente Nova York. [Risos] É disso que eu não gostava na West Coast, porque isso acabou com minhas chances de trabalhar com Ice Cube!”


Na festa de Natal da Death Row em 1995, Mark Anthony Bell foi roubado e espancado por Suge Knight, Tupac Shakur, 
Dr. Dre e Norris Anderson. Policiais fora de serviço monitoraram os scanners e notificam os autores de que a polícia foi despachada e a cena do crime estava limpa. Quando a polícia chegou, eles viram Bell e perguntaram se ele precisava de ajuda. Temendo a retribuição ele os dispensou. Dois dias depois, ele registrou um relatório policial, mas, por ter sido obsoleto a polícia não realizou prisões. Do relatório policial que lemos do fotógrafo, conta Roderick Nixon. Ele entrou na sala de estar e estava olhando para a sacada do andar de cima quando viu Bell espalhar-se na varanda. Houve muito movimento. Ele viu Shakur fazendo um movimento de esfaqueamento em Bell. Ele viu outro homem negro atacando Bell. Os suspeitos então moveram Bell para longe da sacada e para longe de sua vista. Nixon desceu a colina, encontrou a polícia e contou o que estava acontecendo. A visita deles podia ter salvado a vida de Bell. Knight, Shakur e Dr. Dre estavam tentando fazer com que Bell lhes desse o endereço de Sean “Puffy” Combs. Todo mundo na Death Row Records assumiu a disputa de Suge Knight com Puffy. Shakur tinha uma rixa própria.

Durante dezoito meses Suge perseguiu Tupac querendo que ele assinasse com Death Row apenas para ser escovado. TENTADOR como as ofertas de Knight eram (Death Row era o principal selo de rep, lançando um disco multi-platina após o outro), Tupac recusou-se consistentemente a deixar a Interscope. Mas no verão de 1995, quando parecia que seu encarceramento poderia continuar indefinidamente — por anos, mesmo, se ele não fosse autorizado a pagar fiança — ele estava mais desesperado do que jamais estivera. Foi nesse momento sombrio que Knight — e, aparentemente, Iovine também — viu a oportunidade de organizar as coisas do jeito que queriam. Tornou-se não só atraente, mas vital para Death Row que Tupac se juntasse ao selo. Uma das maiores estrelas da companhia, 
Snoop Doggy Dogg, estava enfrentando um julgamento por assassinato, e havia rumores na rua de que Dr. Dre estava saindo. (Dre, de fato, partiria no início de 1996). Death Row não podia se dar ao luxo de perder os dois artistas. E Knight certamente sabia que Tupac seria mais popular do que nunca depois de sua prisão, mais real” para seu público do que antes.

O que levou Tupac a Death Row?

Sentado na prisão de Dannemora estava dando tempo a Tupac para pensar em sua vida. Ele refletiu principalmente sobre sua situação atual. O advogado de Agnant, Paul Brenner, acredita que Tupac nunca deveria ter sido condenado. “Foi um caso muito fraco”, disse ele. Brenner suspeita que a polícia plantou a arma que encontraram no quarto do hotel. “Há dez anos conheço a polícia... A polícia é minha amiga”, disse ele. “Mas Tupac não tinha amigos na polícia. Não encontrei um policial que tivesse uma boa palavra a dizer sobre Tupac.

O problema em atrair esse tipo de atenção foi que atraiu o tipo errado de atenção de dentro da gravadora. Em 14 de Março de 1995, Tupac dropou Me Against the World, enquanto ele estava na prisão. O álbum fez sua estréia no número #1 na Billboard 200. É considerado um dos álbuns de hip-hop mais influentes de todos os tempos. A Interscope alcançou o status de platina dupla, mas o selo deu uma recepção fria. Isso levou os políticos a pressionar a polícia para derrubar Tupac. As buscas cavitárias duas vezes ao dia pelos guardas da Dannemora eram humilhantes e degradantes. Eles o tinham em seu controle agora. Tupac era famoso entre os policiais e agora eles seguravam todos os cartões. Eles o fariam desejar que ele não estivesse lá. Eles iriam empurrar todas as regras da prisão ao enésimo grau em aplicá-las a Tupac Shakur. Tupac não sabia ao certo a verdadeira razão de estar na prisão. Ele sabia que Haitian Jack o armou. Naquela época, Tupac ignorou os avisos. Jacques tinha todas essas jóias de ouro e diamantes, disse Man Man. Ele tinha dinheiro. Ele tinha um bom BMW. Ele poderia entrar em qualquer clube. Pac estava começando a ser conhecido na época, e ele não podia entrar em todos os clubes. Jacques gastou cerca de quatro ou cinco mil dólares com Tupac no início  ele apenas o dominou. De acordo com outra pessoa que conhecia Agnant, Madonna (com quem Tupac se tornaria próximo) era uma das celebridades de Agnant. Mas tinha que haver mais. Tinha que haver mais coisas nisso. Ele pensou em todos aqueles que estavam no Quad Studios naquele dia. Ele recebeu cartas anônimas dizendo que Puffy e Biggie estavam por trás tentando matá-lo naquele dia. Ele comprou as mentiras. Cada ato humilhante dos guardas era apenas outro ato de ser violado para atacar aqueles que armaram para cima dele.

Ele refez seus passos. Tupac tinha “muitos casos pendentes que realmente exigiam muito dinheiro, quer dizer, ele provavelmente tinha casos em quase todos os estados”. Querendo dinheiro, Tupac colocou as antenas para fora do trabalho. Little Shawn era um artista gerenciado por Haitian Jack. Ele disse a Tupac que se ele fosse até o Quad Studios, ele pagaria para que ele colocasse algumas faixas. Quando a comitiva de Tupac entrou no elevador, homens com armas apareceram e mandaram que se ajoelhassem. Tupac não colaborou. Ele pegou a arma e foi baleado no estômago. Quando Tupac pegou uma de suas armas, que ele carregava nos bolsos da frente da calça, a arma disparou e Tupac foi acertado. Essa bala ricocheteou ao redor do elevador com fragmentos que também atingiram Tupac. As jóias de Tupac foram roubadas e ele foi até os estúdios onde escondeu a arma dentro do piano. Biggie nem sabia que Pac ia estar lá. Esses caras pegaram armas e as colocaram no elevador. Pac agarrou a arma e foi assim que ele levou um tiro. As armas eram chamadas de gêmeas que ele carregava carregada e armado a maior parte do tempo. Ele sempre carregava uma arma em suas calças e ficava armado a metade do tempo… havia pessoas que estavam perto dele que sabiam que o tiro na área da virilha veio de sua própria arma e nenhum de nós disse nada e ganhou vida própria.


Biggie não teve nada a ver com Pac levar um tiro e quando Biggie foi visitar Pac no hospital, ele disse a ele sobre esconder a arma no estúdio. Biggie se ofereceu para pegar a arma. Então Biggie e Man Man foram ao estúdio e Biggie distraiu todo mundo enquanto Man Man abria o piano e pegava a arma.

Haitian Jack teve algo a ver com Tupac sendo baleado. Pac veio ao estúdio para arrumar uma faixa para um artista que Jack administrava. Então, partiu de Jack. Biggie não teve nada a ver com isso.

Haitian Jack era um criminoso nefasto ligado a todas as pessoas erradas de Nova York. Ele tomou Tupac sob sua asa. Ele estava no quarto do hotel quando o abuso sexual de que Tupac foi acusado ocorreu. Tupac, Haitian Jack e Charles “Man Man” Fuller foram todos acusados ​​do crime, mas Haitian Jack, de alguma forma, conseguiu fazer com que as acusações contra ele fossem retiradas. Só esse fato borbulha: “armadilha”. O tiroteio do Quad Studios provavelmente também foi uma armadilha. Tenha em mente que Tupac atraiu a atenção do vice-presidente Dan Quayle ao denunciar o gangsta rep em um discurso pedindo a censura da indústria da música. Tupac havia atirado em policiais de Atlanta e essas acusações foram retiradas. Policiais de toda a América tinham a intenção de colocar Tupac atrás das grades e ele até atraíu atenção indesejada do FBI.

Mas se a prisão foi a queda das vendas de álbuns, também foi o lado positivo. Suge estava cortejando Tupac. O grande medo de Suge era que Tupac assinasse com Sean Combs. Isso teria sido um golpe devastador para Suge. Suge Knight estava começando a entender a diferença entre marketing e publicidade. Você poderia gastar milhões de dólares em marketing e não mover um único disco. Você não poderia gastar nada e obter publicidade com um incidente e obter um álbum de platina. Tupac foi um excelente exemplo. Toda vez que ele estava no noticiário, suas vendas de álbuns cresciam. Quando ele atirou em dois policiais fora de serviço em Atlanta e conseguiu um jeito, tornou-se uma lenda. Quando ele foi indiciado por estupro no que parecia ser um esquema total da lei, sua popularidade cresceu. Mas quando ele foi baleado quatro vezes em Nova York, ele se tornou uma superestrela.

Não há evidências de que a Death Row Records esteja por trás das cartas anônimas, mas se encaixa no padrão de denúncias anônimas que chegaram às autoridades para influenciar as investigações do assassinato de Kelly Jamerson no Teatro El Rey, o assassinato de Tupac Shakur e o assassinato de Biggie Smalls. Se as cartas vieram da Death Row ou de outra fonte, elas conseguiram convencer Tupac de semear as sementes da desconfiança. Quando Suge ficou no palco e disse aquilo para Puffy, muitos viram isso como Suge estendendo a mão para Tupac. Ele nunca iria assinar com a Bad Boy Records, agora que ele acreditava que a palavra nas ruas era que Biggie estava por trás do tiroteio no Quad Studios. Assinar Tupac foi apenas um tiro no arco. Puffy teria adorado ter Tupac na Bad Boy. Suge aprendeu com as táticas de David Kenner para dividir e conquistar para manter Tupac longe do acampamento de Puffy. Agora Tupac aceitara o ódio de Suge pela East Coast. Para Suge, era pessoal.

UMA VEZ que Tupac saiu da prisão e se juntou a Death Row, ele provavelmente fez mais para despertar as chamas de uma disputa muito divulgada entre os reppers da East Coast e West Coast do que qualquer outra pessoa.

Suge levou os amigos de Dre, Tupac e Suge para participar do espancamento de Mark Anthony Bell na festa de Natal da Death Row em 1995, para tentar conseguir o endereço de casa de Puffy. Como eles não conseguiram o endereço, pelo menos Puffy ouviria sobre isso e seguraria contra Tupac fechando aquela porta para ele no futuro.

Mas isso ainda não fez Suge e Puffy mesmo.


A partir de 11 de Outubro de 1995, Tupac foi libertado da prisão sob fiança, aguardando sua apelação. Durante o curto período de menos de um ano entre a libertação de Tupac da prisão e sua morte, Tupac gravou três CDs completos e aproximadamente outras 152 faixas. Muitas dessas faixas não haviam sido lançadas no momento de sua morte em Setembro de 1996.

Em 11 de Outubro de 1995, a Interscope e a Death Row produziram e lançaram um álbum duplo gravado por Tupac intitulado 
All Eyez On Me (Eyez), que, tendo vendido mais de cinco milhões de cópias, foi 5x platina. De acordo com a Death Row, Eyez foi o primeiro CD duplo na história da música rep e só foi possível graças à incrível energia e produtividade de Tupac. Com base no Acordo de Dannemora de 1995 e nas vendas de Eyez, Tupac tinha direito a receber royalties brutos de $12,000,000.

Além disso, em razão das vendas de Eyez, Tupac teve direito a receber um adiantamento de $5.000.000 em seu próximo álbum.

Assim, durante o período de tempo desde a sua libertação da prisão até a sua morte, a Death Row devia a Tupac $17,000,000. No entanto, quando ele morreu, Tupac estava praticamente sem dinheiro. Ele possuía quase nada. Ele não possuía imóveis; ele não possuía ações ou títulos; ele possuía dois carros — um dos quais era uma compensação por sua aparição em um comercial.

Durante o período de sua carreira na Death Row, Tupac nunca recebeu uma conta real da Death Row do dinheiro que lhe era devido. Em vez disso, Tupac foi dito repetidamente por Knight, Kenner e outros funcionários da Death Row que Tupac era quem devia dinheiro a Death Row.

Tupac logo entenderia que nenhum dos artistas da Death Row Records estava recebendo seu dinheiro. Jewell disse a ele: “‘Certifique-se de dizer a Suge que quero meu dinheiro e escrever créditos nessa música. Eu não posso mais trabalhar de graça!’ Ah, garota, seu irmão vai garantir que você receba todo o seu crédito. Você não precisa se preocupar com isso!’ 2Pac retrucou antes que eu pudesse terminar minha declaração com uma nuvem de fumaça saindo de sua boca. Não estou tentando ser difícil, mas preciso ser pago. Está apertado aqui pra mim. Esse nigga não quer me pagar e estou cansado de ouvir meu trabalho no rádio, mas sem ganhar dinheiro!’ 2Pac olhou para mim como se eu fosse louca. Snoop e Kurupt continuaram fumando e agindo como se não tivessem ouvido o que eu disse. Eu decidi apenas deixar isso em paz e discuti-lo com Suge quando o vi. Eu tentei não envolver mais ninguém na minha bagunça. Ficou claro para mim que esses manos não queriam falar sobre Suge, então eu calei a boca.”

Pac estava sendo roubado. Daz estava sendo roubado. Eu estava sendo pago no começo por cerca de $10,000 por mês, depois baixou para 4,000 a 5,000 por mês, mas o que estava acontecendo, Reggie estava enviando Tupac — Tupac estava recebendo contas por 30,000-40,000 por mês em segurança. E basicamente, você sabe, você está me pagando esse tipo de dinheiro?

Ele disse que tipo de dinheiro eu estou fazendo? Eu não estou fazendo esse tipo de dinheiro. Isso é o que eles estavam faturando. Claro, isso foi o caso de Suge — esse foi o meu caminho para Suge ir em frente e extorquir dinheiro de volta.

2Pac havia declarado sua infelicidade com sua carreira e planejava fazer grandes mudanças. 2Pac havia me falado pessoalmente que ele só tinha um álbum para entregar a Death Row, e esse álbum já havia sido gravado. Ele me disse que estava planejando seguir em frente e lançar seu próprio selo com sua equipe Outlawz. Claro, isso nunca aconteceu. Quando ele foi baleado, parecia que tudo estava fechado na Death Row. Eles estavam sentados no topo do mundo em um momento e em um piscar de olhos tudo foi embora assim… e assim foi Pac.

Apenas alguns dias antes, em 27 de Agosto, Tupac havia rompido um empate crítico com a Death Row. “Ele esteve no set o dia todo e no estúdio a noite toda”, lembra Kadafi. “Ele nos mandou para o estúdio para comprar cassetes que ele tinha feito na noite anterior — ele queria ouvi-las. Eles disseram que não, que Kenner não permitiria isso. Pac ficou louco! Ele demitiu Kenner... Eu digitei a carta… e ele me deu permissão para contratar outro advogado.

Tupac deixou claro em Nova York, quatro dias antes de seu assassinato, que estava deixando a Death Row Records.

Em Nova York, houve uma discussão entre Tupac e Suge: “Eu vou fazer Makaveli the Don... e quando eu finalizar Makaveli, eu vou sair daqui. Você tem seu dinheiro, eu não tenho mais nada a fazer com a Death Row, estou fora.

Tupac disse: “Foda-se, eu vou sair daqui. “Acho que Tupac queria ir embora e Death Row não queria que ele fosse. Sabíamos que Pac não estava afim. Pac não queria ir para Las Vegas.” Tupac disse especificamente: “Eu sou um homem morto andando.”



SUCO & TANQUERAY FEZ SUA FUGA



Snoop Doggy foi uma das descobertas de Suge Knight. Death Row Records era a casa que Snoop construiu. Problemas legais tinham funcionado muito bem em conseguir que Snoop assinasse um contrato de gerenciamento. Ele literalmente assinou um dia depois de ser preso por assassinato. Suge Knight costumava dar um tapa em Snoop Doggy como se ele fosse uma garotinha. Suge não ficou feliz quando soube da nossa situação. Ele tentou punir Snoop toda chance que podia. Eu odiava o fato de que Snoop estivesse com medo de enfrentar Suge.


Mas Suge segurou a liberdade de Snoop em suas mãos. Snoop estava sendo representado por David Kenner em seu julgamento de assassinato e ele estava relutante em balançar o barco enquanto ele estava enfrentando a possibilidade realista da vida na prisão. Tudo o que Snoop podia fazer era morder a língua e esperar pela oportunidade.

Snoop, Daz, Kurupt e Dre todos temiam sua ira. Suge havia se transformado em um tirano e ele os fez tremer. Dre começou a agir de maneira distante, mal humorada e distante cada vez que eu o via. Quando eu perguntei o que estava errado, ele sempre ignorava e não dizia muito. Eu poderia dizer que ele não estava feliz com a maneira como as coisas estavam sendo feitas. Ninguém mais estava feliz, mas ninguém estava fazendo nada a respeito. Ou eram eles?

Uma semana depois de Tupac sair da prisão, Snoop e Pac deveriam se apresentar no show de Rosanne Barr. Snoop nunca apareceu. Pac estava irado e ele estava falando sobre Snoop. Ele não veio para o ensaio. Pac e Ice-T realizaram sem Snoop.

A rivalidade entre Tupac e Snoop estava crescendo. Pac era como o irmão mais novo de Suge. Snoop estava na Death Row Records há muito mais tempo que Tupac, mas Tupac não o respeitava. Suge lembraria a Tupac que esta é a casa que Snoop construiu, seja respeitoso”. Mas Suge se empolgaria com o desrespeito ao Snoop. Uma vez, Tupac e Suge fizeram Snoop viajar em cima da bagagem no SUV. Acrescente a essa humilhação o fato de os entrevistadores estarem sempre mais interessados ​​em Tupac. “Mutulu está convencido de que Tupac se tornou um pára-raios depois que atirou nos policiais em Atlanta. Esses desprivilegiados  os jovens negros que são pobres e sem esperança  não têm líder, disse Mutulu. Seus heróis são heróis culturais e esportivos. Ninguém  nem Jesse Jackson, nem Ben Chavis, nem Louis Farrakhan  tem tanta influência nesse segmento quanto os reppers.

“Em 7 de Março de 1996, ocorreu uma briga entre o pessoal da Death Row Records e o pessoal da Bad Boy Records. Os policiais que responderam aos registros da Death Row observaram que “[o artista de gravação] Snoop Doggy Dog estava presente no local com outros membros de gangues. Além disso, pelo menos um oficial do L.A.P.D. fora de serviço, diretamente empregado por Snoop Doggy Dog como guarda-costas, estava no local. Em 14 de Março, Snoop e seu guarda-costas, McKinley Lee são considerados inocentes de acusações de homicídio desde sua prisão em 1993.

“Dr. Dre entra em um acordo com a Death Row Records, renunciando a sua participação de 50% no selo, deixando efetivamente a Death Row Records. Snoop tinha olhado para Dre como um mentor, então quando ele não estava lá, era difícil para ele ser completamente feliz. Snoop sabia que, se não fosse por Dre dar-lhe a oportunidade, ele não teria sido a estrela que ele é agora”, disse Jewell.

Quando Tupac e Snoop estavam se apresentando na House of Blues, a platéia estava levemente entusiasmada com Snoop, mas quando Tupac apareceu, a multidão foi à loucura. Esse evento sozinho colocou um abismo entre os reppers. E quando ocorre uma divisão entre dois líderes, os aduladores a ampliam. Suas respectivas equipes logo foram abertamente em guerra.

Death Row começou a recuperar contra a conta legal de cinco milhões de dólares de Snoop... Que a vitória foi financiada inteiramente pelo dinheiro de Suge para justificar legalmente a posição da gravadora em deixar de pagar a Snoop enquanto ele cobrava a dívida à única superestrela remanescente do selo não se acalmou. Como resultado, o sentimento entre as duas partes ficou ainda mais azedo com o passar dos meses.

Michael Moore, um dos seguranças da Death Row Records, disse: “Snoop Doggy dizendo ‘Eu não tendo nenhuma rixa com Nova York’ que tinha deixado Pac furioso.

Depois que Tupac percebeu que Snoop o havia traído, tomando o partido de Puffy e Notorious B.I.G., com quem Tupac estava de rixa, as interações de Snoop com Pac mudaram completamente. Snoop disse: “Quando voltei para o hotel, foi uma atmosfera completamente diferente, como se ele tivesse mandado o seu homeboy para receber o broto de mim, em oposição a ele vindo buscá-lo de mim. ... Então eu encarei isso como algo engraçado... Quando cheguei no avião para ir para Los Angeles no dia seguinte, Suge não deixou nenhum dos meus seguranças andar comigo. Eu tive que andar no avião com Suge, seus homies e Pac. E foi a viagem mais desconfortável que tive na minha vida, porque o meu nigga não disse nada para mim durante todo o percurso. Foi um voo de cinco horas em um avião particular.

Em determinado momento, Snoop realmente temia por sua vida no voo. Eu andei até ele, talvez três horas no voo, sentei ao lado dele e disse: ‘Yo, está indo para Las Vegas, cuz?’ Ele se afastou [de mim], começou a falar com outra pessoa. Eu estava tipo, tudo bem, vou atrás. Coloquei o cobertor na minha cabeça, faca na minha mão, garfo na minha mão, e durmi o resto da viagem, porque eu sentia que eles estavam tentando fazer alguma coisa. Nós pousamos e eu tinha o meu Rolls Royce me pegando e ele tem o seu pegando ele e eu disse: Yo, Pac, você vai para Vegas? E ele apenas me deu esse olhar escroto e não disse nada, é isso. Daz disse: Havia turbulência dentro da família que você não saberia. Uma merda enlouquecedora. Eles estavam tentando nos levar a Vegas (na época em que Tupac foi morto). Dogg Pound, nós estávamos realmente nessa porcaria de Death Row. Nós já estávamos dizendo foda-se a Death Row.”

Três dias depois, Tupac foi baleado em Las Vegas. Ele morreu de ferimentos que ele sofreu naquela noite. Se o primo de Snoop era o atirador em Las Vegas, é inconcebível que Snoop não soubesse antes ou depois do fato. Daz disse que queria ir para Las Vegas. Eu poderia ter pulado em seu traseiro [de Suge] em Las Vegas, mas você sabe que estava me matando, mas Snoop disse: ‘Espere, não se envolva nisso. Eu respeitei aquilo; eu o recebi outro dia.” Em 2004 Snoop concedeu uma entrevista para o AllHipHop.com, onde Snoop disse que Lil ½ Dead não ia deixar ninguém falar mal de Snoop. Isso basicamente pinta Lil ½ Dead como um executor de Snoop. Isso pode explicar por que Snoop começou a narrativa de que Suge Knight estava por trás do assassinato de Tupac. É para jogar os investigadores fora da trilha? Um incidente aconteceu no Universal Amphitheatre em 14 de Maio de 1998. Snoop disse que seus detalhes de segurança o abandonaram e os xerifes dizem que ele foi abordado por membros de gangues afiliados à Death Row Records (Bloods) que queriam prejudicá-lo. Eles o salvaram daquele mal e ele disse que Suge era responsável pelo assassinato de Tupac. De acordo com Kevin Hackie, Snoop estava espalhando o rumor de que “Suge ordenou o ataque a Tupac... Snoop basicamente disse que ele é incerto, significando que Suge o matou para basicamente tirar a atenção dele”. Muitos investigadores citaram Suge Knight por não cooperar, mas em uma entrevista para o documentário Biggie & Tupac Suge é sincero sobre Snoop sem mencioná-lo pelo nome. O site da Death Row Records transmitiu uma mensagem a Snoop, inclusive: 2001, o ano do medo, todos os cachorros corram e se escondam, Suge está voltando para casa.

Snoop disse: “Nós começamos uma coalizão. E nós nos livramos do Suge Knight pela primeira vez [estala os dedos] para sempre, porque isso era um obstáculo na estrada e quando você tem um obstáculo negativo na estrada, fica difícil.

Em 1998, Snoop disse à polícia que achava que estava em “grave perigo como resultado de deixar a Death Row Records”.

A outra coisa que Snoop gosta de estar na No Limit é poder ver” o seu dinheiro. Nada está escondido dele, afirma Snoop, como foi o caso quando [esposa de Suge] Sharitha Knight foi sua empresária e quando David Kenner (advogado da Death Row e Knight) negociou os termos para os dois lados. De acordo com Snoop, ele não conseguiu royalties até que as taxas legais de seu julgamento por homicídio (ele foi absolvido de assassinato de primeiro e segundo grau em Los Angeles, em 21 de Fevereiro de 1996) foram pagas.

Daz dropou “Tha Row Killa” com uma aparição de Snoop e Dogg Pound, mostrando Suge Knight sendo sequestrado e humilhado. Tha Row era o novo nome da Death Row Records depois que Suge saiu da prisão.

Snoop, Dre, Daz e outros se lembram dos dias em que sentiam que não estavam sendo devidamente pagos por Suge Knight. Eles se alegram em brincar com ele hoje, dizendo-lhe que lhes devem dinheiro que nunca lhe deu. A maneira que eles o atraíram para o set de Straight Outta Compton, dizendo-lhe que iriam acabar com o dinheiro dele. Quando ele apareceu, havia bandidos esperando para lhe dar uma surra ou potencialmente matá-lo. Supostamente há vídeo dos bandidos com armas. Esse vídeo foi, até agora, excluído do julgamento. Claramente, há aqueles que temem Suge Knight e querem que ele morra ou ele não teria sido baleado em 24 de Agosto de 2014… seis dias após o vazamento da carta da confissão pelo L.A.P.D.

Em 1998, Snoop deixou oficialmente a Death Row e foi uma desordem muito confusa. Em uma entrevista com o Press-Telegram de Long Beach na época, Snoop disse: “Eu definitivamente sinto que minha vida está em perigo se eu ficar na Death Row Records. Essa é uma das razões pelas quais estou saindo.” Snoop também disse à Press-Telegram que estava planejando deixar o selo “porque não há nada lá. Suge Knight está na prisão, o presidente; Dr. Dre saiu e Tupac está morto. Está me dizendo que eu vou estar morto ou na prisão ou não vou ser nada.”







Manancial: Chaos Merchants

Sem comentários