DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE TRÊS


Leia sobre os assassinatos de Tupac Shakur e Christopher Wallace dos arquivos de Russell Poole. Ele temia que os livros de assassinato fossem estripados quando ele deixou a polícia de Los Angeles, então ele levou seus arquivos com ele. Agora você pode ver o que estava nesses arquivos. Os assassinatos poderiam ter sido resolvidos há muito tempo, mas isso levaria a um lugar muito ruim para tantos envolvidos. Aprenda a verdade que custaria a vida de Russell.




NO PAPEL EM UM CASAMENTO DISTANTE

RECURSO À VIOLÊNCIA E DEPRECIAÇÃO



Sharitha Knight [esposa de Suge Knight] namorava o policial Kevin Gaines na época do assassinato de Tupac. Snoop estava sendo julgado por assassinato no mesmo ano. Snoop Doggy foi absolvido quando a evidência desapareceu de um armário de provas no L.A.P.D. que Gaines tinha acesso e ele era um suspeito no roubo dessa prova. Gaines também esteve em Las Vegas no “Seguimento Especial” com outros oficiais na noite em que Tupac e Suge foram baleados. Gaines foi morto a tiros pelo oficial Frank Lygga, que mais tarde disse que o assassinato foi um ataque sancionado, ordenado pela polícia de Los Angeles, especificamente o chefe de polícia Bernard Parks. Lygga retratou essa afirmação.


Suge montou a Knightlife Entertainment para Sharitha para representar os artistas. É um “conflito de interesses” gerenciá-los e assiná-los para a Death Row Records. “Ela [Sharitha] nunca aparecia. Essas foram as reuniões que foram realizadas em [San Fernando] Valley. Sharitha nunca aparecia, a menos que houvesse um problema com o dinheiro.”

Ela [Sharitha] estava gerenciando Snoop no começo, mas Snoop não estava feliz com isso.

Enquanto isso, enquanto Suge Knight estava na prisão, Sharitha Knight ajudou a guiar o ressurgimento pendente de Snoop Doggy Dogg como seu gerente pessoal. “É um relacionamento que temos há quatro anos”, explica ela. “Funcionou bem.” Ela estava esperando o retorno de Snoop para gerar entusiasmo semelhante ao que recebeu seu primeiro álbum em 1993. Doggystyle entrou nas paradas em primeiro lugar e passou a vender quatro milhões de cópias  gerando um burburinho de elogios e desdém que chegou à capa da revista Rolling Stone. “Estamos muito confiantes e temos muitos planos”, disse Sharitha. “Snoop começa uma turnê européia em Londres em 2 de Dezembro. Haverá shows nos Estados Unidos também, mas estamos esperando um pouco antes de torná-los definitivos. Depois que o álbum decolar, poderemos obter melhores preços a partir de promotores.”

Snoop nunca fez turnê em apoio ao seu primeiro álbum, principalmente porque ele era um suspeito de assassinato antes de chegar às paradas. “As pessoas falam muito sobre como esse caso ajudou Snoop, como ele se aproveitou disso, mas essa não era a situação”, disse Sharitha Knight. “Isso o impediu de fazer turnês, impediu que ele gravasse e prejudicou sua reputação. Desta vez, será muito melhor para todos nós.”

Um promotor de shows de Hampton, na Virgínia, entrou com um processo de $500,000, além de indenizações punitivas, contra Snoop Doggy Dogg, Sharitha Knight e Death Row Records por supostamente enganá-lo no tráfico de drogas. Patricia Ann Richardson foi presa com cerca de 3,17 quilos maconha em 28 de Janeiro de 1997. Ela alegou que a Sra. Knight a instruiu a entregar os pacotes para Snoop em um clube e que ela não estava ciente de seu conteúdo. “Impossível”, Snoop respondeu: Eu não fumo maconha…

Em 3 de Novembro de 1989, Suge Knight e Sharitha Lee Golden se casaram em Las Vegas. Sharitha estivera com Suge em Las Vegas durante seus dias de faculdade. Ela era sua rocha. Ela era sua verdadeira parceira de negócios. Dr. Dre, em determinado momento, pode ter possuído metade das ações da Death Row Records, mas Sharitha “conhecia muito do funcionamento interno da Death Row”.

A história da relação entre Suge e Sharitha não era nada estável. Ele cortou o cabelo dela em uma briga doméstica em Las Vegas. De acordo com Simone Green, Suge Knight estava com medo de Sharitha descobrir sobre seus assuntos com várias mulheres. Quando ela [Sharitha] iria descobrir sobre um caso, ele ia e esclarecia tudo. Suge Knight a sacaneava, Sharitha sabia e ficou furiosa. Um dia, ele começou um caso com Michel’le Tousant, fruto proibido, a mulher que pertencia ao parceiro comercial de Suge Knight, Dr. Dre. A traição de Sharitha ou do Dr. Dre foi o maior pecado? Não importa qual, o lema do bairro de Suge Knight, “Money Over Bitches”, não fazia sentido para Suge quando se tratava de Michel’le.

Sharitha mudou-se para um homem de uniforme — um uniforme azul. Um policial do L.A.P.D. provia suas necessidades… alguém que pudesse protegê-la de toda a loucura, mas de um homem que lhe trouxesse alguma loucura. Se Suge não quisesse ficar com ela, deveria ter deixado ela ir. Mas o ciúme iria consumi-lo comer com ele… sempre que Suge os via se comportando diferente. Não foi a única razão para a ruína de Suge Knight, mas foi um fator muito significativo. Ambos haviam se mudado, mas não conseguiram dissolver o casamento… um ponto cego relativamente menor. Suge apareceu sem ser anunciado e subiu em seu veículo, expressando ameaças veladas. Sharitha colocou um fim nisso e Suge foi deixado em uma rua para pegar sua própria carona. Meses depois, Suge levou Sharitha e Kevin Gaines para um buraco no deserto sob a mira de uma arma e ordenou que se despissem. Eles pensaram que iam ser mortos. Ele então os deixou nus para encontrar o caminho de volta para casa. Frank Alexander ouviu uma história em referência a um policial do L.A.P.D. que estava namorando a esposa de Suge. A história diz que Suge sequestrou os dois e os levou para o deserto, se eles tirassem suas roupas e os deixassem.

“Ela era uma mulher vulgar direta do bairro. Colocava roupas extravagantes. Você pode tirar a vadia do bairro, mas você não pode tirar o bairro da vadia.”  Dave, um funcionário da Death Row disse em entrevista para Russell Poole em 2014.

Sharitha Knight decidiu entrar com uma ação contra Snoop por suposta quebra de contrato, buscando indenização indeterminada: como presidente da Knightlife Management, ela foi sua gerente de 1993 a 1996, explicou, e Snoop nunca a demitiu. Mas ele se recusou a pagar a ela vinte por cento dos estimados $20 milhões que ganhou durante a vigência de seu contrato — $1,6 milhões. Ela queria que um juiz colocasse seu salário em um fundo porque Snoop tinha um preço em sua cabeça. “Em outras palavrasL.A. Weekly informou, “Sharitha Knight quer seu dinheiro antes que Snoop seja baleado — ou gasta todo seu dinheiro para evitar ser baleado.

Mesmo que Suge e Sharitha tivessem se afastado, ela herdaria suas ações se ele fosse morto: “Ela estava no papel”, disse Frank Alexander na fita secreta.  “Ele me disse que Sharitha Knight e Reggie Wright estavam por trás do assassinato.” — Declaração de Chris Blatchford para Russell Poole sobre a Carta de Confissão. “Sharitha raramente veio por aí. Ela só apareceu quando os cheques não funcionaram.”  Dave, um funcionário da Death Row disse em entrevista para Russell Poole em 2014.

“Sempre houve brigas por dinheiro. Ela [Sharitha] estava preocupada com seu futuro. Eu tenho a impressão de que muitas das coisas dela foram resolvidas e resolvidas. Lembro-me dele comprando uma casa, eles compraram a porra da casa e pagaram em dinheiro pela casa para que ela fosse cuidada puramente do ponto de vista para que ela não corresse a boca porque conhecia muito do funcionamento interno da Death Row.”  Dave, um funcionário da Death Row disse em entrevista para Russell Poole em 2014.

Sharitha teria sido um elemento importante em qualquer tentativa de assassinar Suge Knight, porque apesar de Suge e Sharitha terem ficado distantes, ela herdaria suas ações se ele fosse morto. 
Conseguir envolvê-la a vincularia à equipe, se eles tivessem sucesso ou fracasso, e ela nunca conseguiria afastar seus colegas co-conspiradores. Kenner e Reggie pensaram em tudo.

“Ele diz que vai começar de novo”, disse Sharitha Knight ao Washington Post em 2007. “Isso é o que eu acho que ele deveria ter feito há muito tempo. Death Row era conhecida de uma maneira e ele precisa começar de uma nova maneira. Você tem que deixar a negatividade onde está.

Ela o vê mudando? “Acho que ele está tentando mudar”, disse Sharitha, falando por telefone de sua casa em Las Vegas. Knight passa mais tempo com sua filha de 14 anos. Mas a criança recebe dinheiro? “Era para ser anulado pelo tribunal de falências, e eu não recebi isso ainda. Por que eu não sei.” Sharitha ao Washington Post em 2007.

“Eles o colocaram na cadeia, mas ainda não fecharam a boca.” — Sharitha ao Las Vegas Sun Newspaper em 1997, um ano após a morte de Tupac, quando ainda era esposa de Suge.

“Sharitha era basicamente a esposa de Suge, eu acho, no nome, só na licença de casamento. Eles tinham uma menina com idade entre 6, 7 anos, Arian. Sharitha basicamente cresceu na área de Compton, seja qual for. Ele começou Knightlife Entertainment, basicamente, e colocou Sharitha no comando para dar algo a ela. Eu posso dizer agora que ela não está fazendo nada. Eu tive alguém que recentemente foi a uma festa de aniversário da criança em sua casa. Claro, todos os remanescentes de Suge, ela tem uma casa grande em Studio City. Tudo é retirado. Suge não existe mais. Pelo que entendi, ela vai ser paga pelo resto da vida. Ela será cuidada. — Kevin Hackie disse em uma entrevista com os detetives do L.A.P.D. Miller e Poole em 12/5/1998.



ROUBANDO DROGAS

VENDENDO DROGAS



Reggie Lilburn Wright Jr. nasceu em 5 de Agosto de 1966. Trabalhou no Big D Ranch Market durante a sua estada na Lynwood High School. Ele recebeu um Bacharelado em Ciências em Justiça Criminal com um Menor em Estudos Negros de Cal State Long Beach em 1989. Em 1985, ele se tornou um carcereiro para a cidade de Compton e mais tarde se tornou um oficial de serviço comunitário. Em 1989, tornou-se recruta da polícia, tornando-se policial de Compton em 1990. Em Dezembro de 1993, sofreu um acidente de carro, machucando o tornozelo enquanto estava de folga. Em 1995, ele foi escolhido pelo chefe de polícia Hourie Taylor para trabalhar na Unidade de Combate ao Crime de Rua. Wright se envolveu em outro acidente em Abril de 95, onde ele novamente machucou o tornozelo. O departamento, por não conseguir olhar para os dois lados do acidente, repreendeu-o. Em Maio de 1995, formou a Wrightway Protective Services. Em 8 de Janeiro de 1996, ele deixou o Departamento de Polícia de Compton em aposentadoria médica com uma pensão paga pela cidade de Compton. Em Outubro de 1994, ele começou a trabalhar para a Death Row Records.


Enquanto trabalhava para a Death Row Records, ele empregou oficialmente os seguintes policiais na Wright: James Green, Fred Reynolds, Lindell Johnson, Rodrick Pettis, Gil Cross, Kevin Hackie, Danny Sneed, entre outros.

Reggie iria para todo o lado com Suge. Ele nunca deixou Suge fora de sua vista — um fato que os guarda-costas comentaram quando ele inventou uma razão na noite em que Tupac e Suge atiraram para ir ao Club 662 em vez de viajar com Suge. — Fita secreta de Frank Alexander gravada de suas chamadas telefônicas no rescaldo do assassinato de TupacA governadora do Texas, Ann Richards: Seus inimigos não podem machucá-lo, mas seus amigos podem matá-lo.

“Ele me disse que Sharitha Knight e Reggie Wright estavam por trás do
 assassinato.” — Declaração de Chris Blatchford para Russell Poole sobre a Carta de Confissão“Sr. Wright Jr. deu a informação onde estaria 2Pac.” — Carta de Confissão do assassinato de Tupac Shakur recebida por Chris Blatchford em 5 de Junho de 1998 e entregue a Michael Carlin por Chris Blatchford em 6 de Março de 2014“Ele diz que foi Wright que — na noite do assassinato de Tupac — disse aos assassinos onde estaria Tupac, junto com Suge.” — Declaração de Chris Blatchford para Russell Poole sobre a Carta de ConfissãoMichael Moore, um dos guarda-costas de Tupac, fala sobre ouvir “Pegamos eles” através do rádio de Reggie Wright enquanto ele estava ao lado dele no Club 662. Reggie Wright foi responsável por desarmar toda a segurança na noite em que Tupac foi baleado. “Foi tudo culpa de Reggie. Nem sequer foi algo em que você pudesse debater. Toda decisão veio da boca de Reggie.” Conversa telefônica secreta de Frank Alexander com Michael MooreReggie Wright Jr. é visto no vídeo de vigilância do MGM andando com uma mulher, possivelmente Sharitha Knight e depois cumprimentando Orlando Anderson e levando-o embora.




“Sr. Hackie detalhará o papel de Reggie Wright Jr., da Wrightway Security e de policiais fora de serviço no que se refere às operações da Death Row Records, ao assassinato de Tupac Shakur e ao assassinato de Christopher Wallace. Ele está disposto a encontrar-se com Reggie Wright Jr. e a discutir com ele os assuntos mencionados acima. É a forte crença de Hackie que Reggie Wright Jr. tem o suficiente para obter denúncias contra o pessoal da Death Row Records, e que ele poderia ser fundamental na obtenção de informações.

“Sr. Hackie está disposto a testemunhar sob juramento, com verificação de polígrafo, que um representante da Death Row Records ofereceu a um policial $25,000,00 para assassinar Christopher Wallace. Sr. Hackie irá identificar como ele chegou a ter essa informação e as pessoas envolvidas.

“Sr. Hackie está disposto a testemunhar sob juramento, com verificação de polígrafo, sobre a informação em seu poder sobre uma compacta Glock calibre .40 usada para matar Tupac Shakur e o conhecimento da aplicação da lei sobre essa arma de fogo.” — Carta do Escritório de Advocacia de Robert J. Frank & Associates LLC para o agente do FBI Phil Carson em 15 de Abril de 2004.

Reggie Wright Jr. supostamente participou da cúpula de gangues e pagou a recompensa de $100,000 para Danny Patton. Reggie foi responsável por desarmar todos os guarda-costas de Tupac naquela noite. Ele também participou de todas as reuniões entre testemunhas e a Polícia de Las Vegas. Reggie Wright Jr. trabalhou anteriormente para a Cadeia de Compton e depois para a Polícia de Compton. Seu pai, Reggie Wright Sr. estava encarregado da unidade de gangues dentro da Polícia de Compton e foi absorvido pelo Departamento do Xerife quando se soube que existia corrupção no Compton P.D. O detetive do L.A.P.D., Fred Miller, afirmou que Reggie Wright Jr. era conhecido por controlar o tráfico de drogas em Compton. Reggie também era conhecido por roubar traficantes de drogas e dinheiro em vez de prendê-los. Ele deixou a Polícia de Compton na reivindicação de um trabalhador. Kevin Hackie afirma que ele entregou a arma usada no assassinato de Tupac para Reggie Wright, duas semanas antes do assassinato. Hackie afirma que a arma havia feito teste de balística um mês antes do assassinato e que o teste de balística combinava com a balística do assassinato de Tupac Shakur. Reggie estava no Club 662 no momento do tiroteio. Michael Moore, um guarda-costas de Tupac, estava ao lado de Reggie Wright quando o tiroteio aconteceu e ouviu “Pegamos eles” vindo do rádio de Reggie Wright. Ele então ouviu alguém que ele descreve como “branco” dizer “não diga nada pelo rádio”. “Pegamos eles” provavelmente se refere a Suge Knight e Tupac Shakur no momento do tiroteio, porque com 13 balas lançadas eles realmente pensaram que “conseguiram”. Temos uma fita de um dos guardas de segurança que trabalhava para Reggie Wright Jr. afirmando que ele havia se voltado para o lado negro e tinha o tapete vermelho instalado em seu escritório, indicando que ele havia aceitado ser membro da gangue dos Bloods. A carta de confissão coloca Reggie Wright no topo da gangue pedindo diretamente permissão para matar Tupac Shakur e Suge Knight. A carta de confissão foi dada ao L.A.P.D. e, em vez de ser investigada, foi vazada por um policial com ligações diretas a Reggie Wright Jr.

“Em um artigo publicado na revista Vibe, o chefe da Wrightway Security, Reggie Wright, ex-policial de Compton e amigo de longa data de Knight que muitas vezes fornecia segurança para Knight, apontou o dedo para o Compton Crips, alegando que as conexões da gangue do Comb mataram Wallace. Knight teria dito à polícia e a alguns repórteres que os Crips eram responsáveis ​​por ambas as mortes, mais notavelmente a de Shakur, algo que muitos consideraram suspeito, já que os membros de gangues nunca se separaram, mesmo que fossem membros de gangues opostas.” — The Notorious B.I.G.: A Biography, by Holly Lang.

“Reggie e Suge são próximos, cresceram juntos, são como irmãos. Eles são mais aliados do que você pensa. Tudo que Suge faz Reggie sabe. Uma coisa que Suge faz é confiar em Reggie. Eu te digo, Reggie fodeu toda aquela merda sobre o tiroteio rolou. Toda essa merda foi culpa de Reggie. Reggie é o único que não estava com Suge. Eu estava no hospital quando Suge telefonou para Reggie. Uma coisa que Suge não fez é que ele não culpou Reggie por nada e confie em mim, foi tudo culpa de Reggie. Nem sequer foi algo em que você pudesse debater. Cada decisão veio da boca de Reggie.” — Conversa telefônica secreta de Frank Alexander com Michael Moore.

O maior ponto cego de Suge veio do homem que ele chamou de seu irmão Blood — o homem a quem ele confiou sua segurança pessoal —, o homem que ele confiou toda a segurança de seus ganhadores de pão — o ladrão. “Reggie sempre teve a reputação de sacudir os traficantes de drogas, roubar seu dinheiro e sair.” — Kevin Hackie disse em uma entrevista com os detetives do L.A.P.D. Miller e Poole em 12/5/1998Reggie era um carcereiro da cidade. Reggie foi pego roubando dinheiro a prisioneiros. “Estou surpreso que Reggie não está na prisão. Eu sei que ele costumava ter dinheiro, eu sei que ele costumava lidar com a merda.” — Dave, um funcionário da Death Row disse em entrevista para Russell Poole em 2014.

Uma vida memorável no colegial seguida por uma faculdade ainda mais esquecível e depois um pequeno furto de criminosos na cadeia, seguido de um fracasso como policial que levou a uma reivindicação de incapacidade que, na melhor das hipóteses, era imprecisa. Suge Knight arrancou Reggie Wright Jr. de sua vida de obscuridade e colocou-o em uma posição de poder e prestígio, mas Reggie não via dessa forma. Ele era apenas “a ajuda” — um adulador esfregando os cotovelos com celebridades, mas nenhum deles. Isso só aumentava algo que estava se deteriorando há anos.

A inveja de Reggie por Suge começou quando criança. Imagine o que foi crescer em Compton como o filho de um policial no mundo onde as gangues eram tão comuns. Reggie Sr. deve ter feito algum trato com o OG de que seu filho estava fora dos limites. Isso não significa que eles estejam associados a ele. Suge ganhou seu “passe livre” através de sua capacidade atlética. Ele era uma estrela do futebol que lançava uma grande sombra e Reggie estava naquela sombra mesmo naquela época. Agora Suge lançou uma grande sombra e ninguém sequer sabia o nome de Reggie. Tudo o que ele estava fazendo para Death Row e nunca houve qualquer reconhecimento. O ciúme profundamente arraigado, originário da escola secundária, tinha crescido até um nível febril, e Suge ficou surdo àquela nota. Ele não podia ver que Reggie estava por trás do assassinato de Tupac e tentou assassinar Suge. Ele não podia ver que Reggie orquestrou a violação da liberdade condicional e a entrada de provas através da Polícia de Compton que mandaria Suge embora.

Como o chefe da segurança Death Row Records, Reggie Wright Jr. não era simplesmente eficaz, ele era letal. Graduou-se em Administração da Justiça, manteve relações com criminosos de seus anos como carcereiro, relacionou-se com as gangues através de seu pai dirigindo a unidade de gangues em Compton e relacionou-se com a polícia como pagador e planejador de um enorme orçamento para distribuir deveres”, deu a ele o poder de planejar crimes que incluíam investigações comprometidas no processo de quaisquer possíveis questionamentos. Acrescente a isso a mentalidade de Defesa Criminal de David Kenner e você faz com que várias agências policiais gastem dezenas de milhões de dólares investigando crimes da Death Row Records com praticamente nenhum indiciamento, prisões, julgamentos ou condenações.

Os sinais da transformação de Reggie estavam lá para todos verem. Dave disse que estava “surpreso Reggie e seu pai não estavam na prisão— Dave, um funcionário da Death Row disse em entrevista para Russell Poole em 2014. Kevin Hackie confrontou Reggie e disse: Vocês estão agindo como um casal de gangsters.” — Fita secreta de Frank AlexanderReggie confidenciou em Michael Moore que ele tinha ordenado o tapete vermelho. Eu tentei voar direito.” Fita secreta de Frank AlexanderDe acordo com o Julgamento Civil de Biggie Smalls, Reggie Wright é um suspeito no assassinato de Christopher Wallace, a.k.a Biggie Smalls, a.k.a The Notorious B.I.G.

“As únicas pessoas para quem eu minto é a polícia.” — Sharitha ao Washington Post em 2007Reggie mente para Suge e diz a ele que Frank não está mais trabalhando para Wright enquanto Frank está trabalhando para uma igreja em Inglewood. — Fita secreta de Frank Alexander gravada no rescaldo do assassinato de TupacOnde Suge contou tudo a Reggie, Reggie não pôde voar diretamente com Suge. Ele instruiu muitos a mentir para Suge. Quando se tratava de Reggie, Suge Knight era cego. Ele não sabia de tudo o que estava acontecendo ao seu redor. “Sim, Frank [balançando a cabeça]... Frank não nos ajudou, Frank não nos ajudou”, disse Norris Anderson. — Michael Moore conta a Frank sobre Norris sobre a gravação secreta de Frank Alexander em suas conversas telefônicasEsta foi outra mentira registrada na Polícia de Compton. “As pessoas da DRR querem você morto (sobre Frank Alexander).” — Larry Finch deixa Frank saber o que disseram sobre a gravação secreta de Frank Alexander de suas conversas telefônicas. “Essa é a palavra. Eles querem acabar com você. Se Suge não sair você vai estar em apuros. Eles estão te segurando responsável.

“Eu disse a Reggie cerca de dois ou três meses antes do tiroteio, eu disse a ele que eu disse, Reggie, o que está acontecendo? Eu disse, vocês dois estão agindo como um maldito membro de gangue, você sabe. Então eu disse a ele, você sabe, o que está acontecendo? Você sabe, Suge me fez fazer todas essas coisas. Nunca diria o que Suge obrigou-o a fazer.” — Kevin Hackie disse em uma entrevista com os detetives do L.A.P.D. Miller e Poole em 12/5/1998.

Se Sharitha fosse a rigidez de Suge, Reggie Wright era o confidente de Suge Knight — seu executor. Dave, um funcionário da Death Row, disse: Reggie Wright [Jr.] foi o intermediário entre Suge Knight e todos os tipos de loucura. No cruzamento de música, inveja, gangues, drogas, armas, festas e policiais, havia muita merda louca para um homem da habilidade particular de Reggie, que era intermediário entre os policiais do escândalo de Rampart, Kevin Gaines, Rafael Perez e David Mack, não havia limitações sobre qual “loucura” eles fariam.



BANDANAS AOS RICOS

DINHEIRO SOBRE OS IRMÃOS/VADIAS



No filme de 1983, Trocando as Bolas, dois magnatas de empresas de fundos fiduciários da alta sociedade apostam um dólar que podem substituir o chefe de sua empresa por alguém das ruas. Eles destroem muitas vidas no processo de jogar sua aposta de um dólar.


Talvez tenha sido uma aposta do dólar entre David Kenner e Reggie Wright Jr. como no filme. Você pode imaginar como essa conversa foi? “Eu aposto que posso orquestrar um sucesso impecável em Tupac e Suge em Las Vegas neste fim de semana e virar completamente a indústria da música de cabeça para baixo. Aposta padrão? Um dólar?

Em uma viagem de jet ski no Lago Mead com Michael Moore, Reggie Wright Sr. especulou que, se algo acontecesse com Suge, Reggie comandaria a gravadora. Ele me disse no lago, ele vai se alguma coisa acontecer; se alguma coisa acontecer, Reggie seria o único a executar as operações do dia, Suge iria transformá-las para ele.” Eu disse: ‘Mesmo sobre Sharitha? Ele disse: ‘Confie em mim.’” — Fita secreta de Frank Alexander gravada de suas chamadas telefônicas no rescaldo do assassinato de Tupac“Sharitha está no papel, mas Reggie carregaria a maior parte do fardo.” — Fita secreta de Frank Alexander gravada de suas chamadas telefônicas no rescaldo do assassinato de TupacSó importava “se” algo acontecesse. Talvez tenha sido essa mesma especulação que levou à interminável cadeia de eventos que destronou Marion Suge Knight. “Uma coisa que Suge faz é confiar em Reggie.” — Fita secreta de Frank Alexander gravada no rescaldo do assassinato de Tupac.

Reggie Wright Sr. estava especulando que “se algo acontecesse com Suge”, seu filho administraria a Death Row Records, de meio bilhão de dólares. As chances são grandes de que, se a especulação tivesse chegado até uma viagem de jet ski no Lago Mead, essa especulação se enraizou em algum lugar de Los Angeles. Talvez essa especulação tenha despertado a conversa entre David Kenner e Reggie Wright Jr. que pôs o plano em ação.

No mundo do gangsta rep, especulações desse tipo podem ser extremamente perigosas. O gangsta rep começou nas ruas onde a vida é dura. A situação das ruas conectadas com a juventude americana e da noite para o dia uma indústria multi-bilionária surgiu trazendo muitos desses elementos perigosos com ela. Não era apenas um negócio governado pelas leis do capitalismo, era um híbrido do capitalismo e das leis das ruas.

Muitas das histórias se concentraram no drama, espancamentos e influência das gangues, mas não se deu atenção suficiente ao negócio real que foi transacionado. O gangsta rep só conseguiu vender centenas de milhões de álbuns porque os artistas gravaram canções, tocaram em concertos, visitaram talk shows e ocasionalmente se envolveram em controvérsias. Esse sucesso multi-platina significava tentação para aqueles que cresceram no gueto  muitos dos quais estavam vendo álbuns nas paradas, mas não estavam participando dos lucros.

A inveja de Kenner e Wright Jr. já estava embutida. Eles tentariam matar Suge Knight, roubar a música de Tupac e colecionar uma Polícia de Seguro de Vida Lloyds of London Key Man que, segundo rumores, custaria $51 milhões de dólares em Tupac. — Fita secreta de Frank Alexander gravada de suas chamadas telefônicas no rescaldo do assassinato de Tupac.

“Parecendo bom David Kenner.” “Sentindo-se bem Reggie Wright Jr.”, poderia ter sido seu código para reconhecer o plano que estava em vigor para derrubar Suge Knight — tendo sua posição, poder, riqueza e prestígio — mas eles nunca poderiam duplicar o sucesso real que Suge conseguiu — porque Reggie e Kenner eram apenas ladrões comuns  eles só podiam invejá-lo  eles nunca poderiam se torná-lo.




SUGE PEGOU A ISCA

ELES ESPERARAM CHEIOS DE ÓDIO



Reggie Wright Jr. levaria o dinheiro de Suge Knight e usaria tudo o que Suge construiu para levar a traição a um nível totalmente novo, atuando em conjunto com a crescente lista de inimigos de Suge. Mas Suge Knight se envolveu em algumas traições por conta própria. Suas traições junto com a traição de seu melhor amigo convergiram durante um período de sete meses que dizimaria o rep da West Coast Rap e o Hip Hop.


Por onde começar com o rastro de traições?

Votos de casamento? Havia algo assim no mundo da música? Parceiros de negócios? Artistas de gravação? Amigos? Família? Conhecimentos?

Time Warner traiu Interscope, Jimmy Iovine traiu Tupac, Suge Knight traiu Dr. Dre, David Kenner e Suge traíram Michael e Lydia Harris, David Kenner traiu Suge Knight depois que Suge Knight traiu David Kenner, Suge Knight traiu Sharitha e então Sharitha traiu Suge Knight, Suge Knight traiu The D.O.C. e Dick Griffey, Suge alistou The D.O.C., Dr. Dre e Michel’le para trair Jerry Heller e Eazy-E, Suge Knight traiu Simone Green, Trey traiu Suge, Tupac traiu Lil ½ Dead, Lydia Harris traiu Suge Knight, Suge Knight traiu Lil ½ Dead, Suge Knight traiu Snoop Doggy e Snoop Doggy traiu Suge Knight, mas a maior traição de todas foi a traição de Suge Knight por Reggie Wright Jr. Suge Knight nunca traiu seus amigos: Jake, Buntry, Poochie, Neckbone ou qualquer um dos Reggie Wright.

Tantos com esse senso de direito se sentiram traídos por Suge e todos sentiram que ele poderia estar fazendo mais por eles... mas Suge Knight estava vivendo a vida. O dinheiro estava entrando. A festa que começou em Chasens, Beverly Hills, com o dinheiro de Harry, só terminou em 7 de Setembro de 1996. O drama, real ou imaginário, vendeu álbuns e Suge Knight teve o dom de escolher talentos e montar registros de sucesso. A indústria foi feita sob medida para ele. Ele estava em seu elemento, mas seu tempo no comando estava acabando. Um dia todo mundo teve o suficiente de Suge e todos eles se reuniram em um único ato de traição para disparar tiros ouvidos ao redor do mundo do gangsta rep. Tupac não era o alvo principal naquela noite... mas as nuvens de tempestade também o queriam morto. Se eles não pudessem matar Suge Knight, eles ainda levariam tudo para longe dele.

Enquanto isso, as coisas no Death Row estavam em declínio. O futuro parecia muito sombrio. Eu sabia que os registros do Death Row logo seriam uma coisa do passado. Tudo estava fora de controle. — De My Blood, My Sweat, My Tears. The Autobiography of Jewell Caples, by Felicia St. John.



JOGANDO OS DADOS EM UMA NOITE DE LUTA EM VEGAS


VOCÊ FOI AVISADO PARA NÃO APARENTAR FICAR FORA DE VISTA. VOCÊ TROUXE SUA GAROTA PARA O CAMINHO PERNICIOSO



A CLASSE NÃO SE MISTURA COM AS RUAS QUE ELES DIZEM.



“Tupac foi morto a tiros na Las Vegas Strip depois de uma luta de Mike Tyson. Mais pessoas viram Tupac levar um tiro do que o último episódio de Seinfeld… o governo odeia rep. Se Billy Joel, Elton John e David Bowie fossem baleados, teriam a casa de Bruce Springsteen cercada. Você quer me dizer que eles podem encontrar Saddam Hussein em um buraco, mas você não pode me dizer quem atirou em Tupac? Porra! Eles encontraram Saddam Hussein no Iraque. Tupac levou um tiro em Vegas.” — Chris Rock



“O assassinato de Tupac é mais relacionado a Death Row do que qualquer outra teoria que eles criaram.” — Entrevista de Michael Moore para RJ Bond sobre o rescaldo de Tupac.


“Eu instantaneamente pensei que a noite em que Pac foi baleado tinha que haver algum envolvimento por causa do jeito que aconteceu.” — Fita da entrevista gravada de Russell Poole com Dave, da Death Row, em 6 de Fevereiro de 2014.

“Fomos informados duas ou três horas antes, na noite em que Tupac levou um tiro para não carregar nossas armas. Nós nunca descobrimos o porquê.”  Fita da entrevista gravada de Russell Poole com Dave, da Death Row, em 6 de Fevereiro de 2014.

“Toda a segurança estava esperando no Club 662 por Tupac e Suge. Eles disseram que Suge levou um tiro e que Tupac foi baleado.” — Fita da entrevista gravada de Russell Poole com Dave, da Death Row, em 6 de Fevereiro de 2014.

Confissão da Carta ao assassinato de Tupac Shakur e tentativa de assassinato Suge Knight é escrita em 1998 como ditado por Malcolm Patton (um dos atiradores) e dado ao jornalista Chris Blatchford da Fox 11. Chris Blatchford também fala com Malcolm Patton sobre o assassinato e fornece uma declaração por escrito sobre suas conversas. Essa carta e a Declaração de Blatchford detalham que a conspiração para cometer assassinato começou no Balboa Park, claramente dando jurisdição a Los Angeles sobre este caso.

Suge Knight e Tupac Shakur tinham deixado a residência de Suge Knight em Las Vegas em 6980 Monta Rosa e estavam a caminho de uma caravana de aproximadamente 5 ou 6 veículos de luxo para a boate [662] de Suge Knight. Quando pararam em frente ao Cassino Maxim, um Cadillac branco estacionou ao lado do veículo (BMW 750 preto) de Suge Knight no lado do passageiro, os ocupantes (homens negros) abaixaram as janelas do carro. Cadillac e abriu fogo contra a área do assento da frente do veículo de Suge Knight, onde Tupac Shakur estava sentado, atingindo nele quatro vezes, duas vezes no peito. Suge sofreu uma pequena reviravolta. Tupac foi operado em 9/9/96 e seu pulmão direito foi removido como resultado do tiroteio. Ele é listado como crítico. Especulações de publicações de tablóides, mídia e fontes próximas à Death Row Records é que há uma rivalidade na East Coast e uma luta de poder entre Bad Boy Entertainment de Nova York liderada por Sean “Puffy” Combs, afiliada à conexão com os Crips de Los Angeles, contra Suge Knight, Tupac Shakur e Death Row Records.

7 de Setembro, 13:25 – Michael Moore está dispensado da responsabilidade de proteger Tupac Shakur.

7 de Setembro, 14:30 – Tupac chega a Las Vegas.

07 de Setembro, 15:45 – Dave, da Death Row, fala sobre o encontro com George Kelesis e Reggie Wright Jr. no Luxor dizendo a ele e a outros seguranças que não devem portar uma arma.

7 de Setembro, 16:50 – Alexander deixa Tupac ligar para Reggie Wright e fazer arranjos para encontrar Suge. Michael Moore encontra Tupac sozinho e começa a protegê-lo.

7 de Setembro, 17:20 – Frank Alexander e Tupac se reconectam.

7 de Setembro, 17:30 – As pessoas começam a fazer fila no Club 662.

7 de Setembro, 18:00 – No Hotel Luxor, Frank e Tupac, suba para os quartos para trocar de roupa e se preparar para a luta de Tyson.

7 de Setembro, 18:30 – Reggie Wright escolhe isso como a marca de tempo da falsa história da corrente que ele pede a Frank Alexander para falar com a polícia de Las Vegas. A história era que Orlando Anderson havia agarrado o medalhão de Tupac para quebrar a corrente. Lembre-se que havia o “olho no céu” gravando tudo nos hotéis para que a história fosse facilmente verificável como falsa. O guarda-costas Frank Alexander foi dito para mentir sobre o incidente de Orlando Anderson por Reggie Wright. Ele disse aos investigadores que Orlando havia agarrado a corrente de Tupac no início da noite, quebrando a mesma. Esse incidente transformou-se na narrativa de Orlando Anderson agarrá-la de um Blood amigo de Suge no Lakewood Mall. Frank Alexander ficou limpo com os Investigadores de Las Vegas e foi-lhe dito pelo escritório do promotor distrital de Los Angeles e pelos Associados à Death Row Records que sua vida estava agora em perigo. Essas conversas foram secretamente gravadas por Frank Alexander.

7 de Setembro, 19:30 – Michael Moore começa a receber ligações telefônicas, certificando-se de que ele não está selecionado para proteger Tupac.

7 de Setembro, 20:10 – Michael Moore continua recebendo ligações telefônicas, certificando-se de que ele não está selecionado para proteger Tupac.

7 de Setembro, 20:15 – Tupac e Frank Alexander estão no saguão do Luxor. Tupac insiste que Michael Moore também o proteja. Moore explica que ele não é designado para protegê-lo.

7 de Setembro, 20:36 – Mike Tyson derruba Bruce Seldon.

7 de Setembro, 20:45 – Tupac, Suge e Frank estão esperando no camarim de Tyson. Suge está pedindo que eles saiam.

7 de Setembro, 20:49 – Dentro do MGM Grand, uma briga de 10 segundos ocorre entre Tupac e Orlando Anderson. Toda a comitiva entra e, em poucos segundos, a briga acaba e a segurança do MGM detém Orlando Anderson. A corrente de medalhão de Tupac quebra.

7 de Setembro, 20:53 – A comitiva sai do MGM e passa pelo Luxor para trocar de roupa. Frank Alexander conserta a corrente do medalhão de Tupac.

7 de Setembro, 21:30 – A comitiva segue para a casa de Suge Knight.

7 de Setembro, 22:33 – A comitiva deixa a casa de Suge Knight em rota para o Club 662. Suge pede a Tupac para viajar com ele em um BMW 750 preto. Frank Alexander é convidado a pegar o Lexus de Kidada Jones e seguir atrás.

Às 22:45, Reggie Wright deixa uma mensagem de voz para Kevin Hackie: “Kevin, você realmente me fodeu nesse tempo, você me fodeu isso e aquilo, seu filho da puta, isso e aquilo.” — Kevin Hackie disse em uma entrevista com os detetives do L.A.P.D. Miller e Poole em 12/5/1998.

7 de Setembro, 22:55 – Tupac abaixa a janela e permite que um fã tire uma foto.

7 de Setembro, 23:10 – Suge Knight é parado pela polícia de bicicletas na Las Vegas Strip por não ter placas no carro sobre o som alto.

7 de Setembro, 23:15 – Na Flamingo Road, perto da Koval Lane, um carro branco de 4 portas com placas de Nevada chega até o lado do passageiro do BMW. Um braço emerge da janela do carro e 12-13 tiros são disparados atingindo o BMW.

Malcolm Greenridge disse que viu um braço escuro de pele com uma arma de fogo preta do Cadillac branco. Entrevista de Malcolm Greenridge com Brent Becker, do L.V.M.P.D., em 8 de Setembro de 1996. “Muito deliberado em seu objetivo. Hum, se ele estivesse atirando descontroladamente, ele teria sido capaz de atirar no Sr. Knight, além de ser um alvo maior. Ele definitivamente sabia quem ele estava atirando… não houve hesitação… a arma saiu e foi pop pop pop pop pop pow assim que o braço emergiu.” Entrevista de Frank Alexander por Brent Becker em 19 de Março de 1997.

Danny Patton, a.k.a “White Boy” disse: “Eu atirei naquele filho da puta do Tupac. Eu estava lá cara!” Um nome e eu ouvi o nome, uh eu não sei se era Gansta White ou era algo ao longo dessa linha.” — Entrevista de Gregory Johnson pelo L.V.M.P.D. em 20 de Março de 1997. O ataque deveria acontecer no clube… o alvo do ataque no clube era Suge Knight. — Entrevista de Gregory Johnson pelo L.V.M.P.D. em 20 de Março de 1997

Malcolm disse que ele era o atirador que deveria matar Suge Knight. “A arma de Danny encravou. Malcolm atirou duas vezes e errou o alvo. Carta de Confissão e Declaração de Chris Blatchford para Michael Charlin e Russell PooleLil Half Dead deveria matar Tupac. “Lil Half Dead ficou puto com Tupac porque Tupac roubou uma de suas músicas.” — Carta de Confissão e Declaração de Chris Blatchford para Michael Charlin e Russell Poole. “Lil Half Dead foi o que tirou o 2Pac.” — Carta de Confissão e Declaração de Chris Blatchford para Michael Charlin e Russell PooleBrent Becker perguntou a Yafeu Fula, também conhecido como Kadafi, por que o atirador iria querer fazer isso? Sua resposta foi inveja. Ele afirmou ainda que o braço do atirador era preto escuro e que o motorista era careca com um pouco de bigode, e pele clara, mas não tão clara quanto Kadafi. Ele disse que o motorista tinha o rosto de uma cadela porque ele parecia macio no rosto— Declaração de Yafeu Fula, também conhecido como Kadafi, ao Brent Becker do L.V.M.P.D. em 8 de Setembro de 1996. A pessoa que Turner viu sentada na frente do passageiro direito, foi descrita como um homem/negro, pele marrom clara, cabelo curto (corte baixo), em seus 20 anos (possíveis finais dos 20).” — Declaração de Shelayne Lashaun Turner em 9/9/97 para Katz/Martin.

“O trio da equipe de aluguel alugou um Cadillac branco pérola no Stratosphere Hotel Las Vegas.” — Carta de Confissão e Declaração de Chris Blatchford para Michael Charlin e Russell Poole. “A Testemunha Shelayne Lashaun Hart afirmou que o carro branco estava à direita e na frente deles, então ela pôde ver a traseira do carro. Hart acha que o carro branco tinha placas de Nevada (brancas com azul) e sentiu que o carro era possivelmente um aluguel. Hart acha que o tiroteio veio do lado do motorista do carro branco e que havia quatro ocupantes.” — Declaração de Lauren Michelle Hart em 9/10/97 para Katz/Martin. “Turner lembra que o Cadillac possivelmente tinha placa de licença traseira de ‘Nevada’ com possíveis números ‘647’.” — Declaração de Shelayne Lashaun Turner em 9/9/97 para Katz/Martin.

Frank Alexander disse: “Tudo o que vi foi o braço e a arma e, imediatamente, soube que era uma Glock automática.” Frank Alexander afirmou ainda que o atirador era uma pele preta escura. Eu originalmente pensei que era um 9mm, mas quando voltei para a cena do crime, ouvi dizer que era uma calibre .40. Três armas foram usadas: Tec-9, .45, e uma Glock. Turner pensou que os ocupantes do Cadillac branco podem ter disparado de ambos os lados do carro.

7 de Setembro, 23:16 – 22 seguranças aguardam a comitiva no Club 662. Michael Moore estava em pé diante do Club 662 com Reggie Wright. Moore ouve Pegamos eles” sobre o Nextel d Wright. Michael Moore falou de estar ao lado de Reggie Wright em frente ao Club 662 no momento do tiroteio e ouviu “Pegue-os” vindo pelo rádio. Um rádio é significante porque implica que existiam observadores e atiradores, o que também faz com que seja como o assassinato de Biggie Smalls. “Ele (Noel Johnson, também conhecido como Big Spank) acabou de falar sobre eles. Você sabe, ele ‘pegou eles.”

“Enquanto eu estava trabalhando no 662. Eu ouvi algo sobre os Nextels que estávamos carregando e o que eu ouvi foi ‘Pegamos eles’. A voz foi definitivamente uma de nossa segurança que funciona diretamente para o Sr. Knight. Talvez a polícia deveria ter se concentrado mais na Death Row, nas contas de telefone da Nextel e em outras coisas que poderiam tê-los ajudado a investigar mais profundamente. Eu definitivamente olharia mais para a Death Row do que eu olharia para o Sr. Anderson e foi isso que eu percebi quando estava em Nova York, o que ouvi de Pac contar para Suge Knight e o que ouvi no rádio naquela noite depois que os tiros foram disparados. Logo antes de mim e o Sr. Wright entrar no veículo para ir ao hospital, alguém apareceu no rádio e disse: ‘Ei, não diga nada no rádio.’ Sr. Wright e eu estávamos conversando sobre o que tinha acontecido e eu ouvi claramente alguém dizer‘não diga nada pelo rádio’. Mas a pessoa que disse que não era alguém próximo, nem era um dos nossos guardas de segurança; para mim ele era um estranho, mas a pessoa que disse que era branca e definitivamente não é afro-americano.” — Guarda-costas de Tupac falam sobre em vídeo do YouTube assassinato.




“Eles” provavelmente se referem tanto a Tupac Shakur quanto a Suge Knight. Com 13 tiros sendo disparados, os atiradores provavelmente pensaram que eles “Pegaram”. O tiroteio foi um fracasso imediato. Tupac não foi morto e Suge foi atingido apenas por um fragmento de bala.

7 de Setembro às 23:17 – Suge Knight faz inversão de faixa na Flamingo e corre para o oeste em direção a Las Vegas Boulevard.

7 de Setembro, 23:20 – A Polícia de Las Vegas chega ao local.








Manancial: Chaos Merchants

Sem comentários