DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

O bass de Atlanta


MC Shy D, Mr. Collipark, DJ Toomp e DJ Jelly explicam a origem da cena do bass de Atlanta




25 de Agosto de 2016



Ichiban Records

Fundada em 1985, Ichiban foi uma das primeiras importantes gravadoras independentes da música rep e bass, apresentando artistas como Hard Boyz, Kilo Ali e MC Breed, além de artistas de rock e soul.


MR. COLLIPARK

Eu comecei a fazer músicas em 1994. A primeiro foi uma chamada “Drop Like This Bitch”. Eu era DJ de Shy D na época, na Ichiban Records. Isso era como Motown aqui em Atlanta naquela época.


DJ TOOMP

Ichiban era como o Macola de Atlanta, sabe? Eles basicamente cobriam o Sul. Muitos artistas do bass começaram a aparecer por aqui depois de algum tempo, apenas começaram a aparecer. Nós tínhamos Kizzy Rock, nós tínhamos Smurf [AKA Mr. Collipark] — ele estava com J Team. Smurf começou a produzir.


MR. COLLIPARK

[Ichiban] foi tudo. Subindo a Kennesaw, você saiu da saída, você fez a saída e você fez o certo e era este grande edifício branco. Era administrado por um casal — nos bons dias em que eles eram um casal — John e Nina Abbey. Todo mundo estava lá. Quando cheguei lá — claro, consegui meu acordo com Shy D — Kilo estava lá, MC Breed estava lá, 95 South estava lá, Vanilla Ice estava lá (bem antes de ele explodir). Eu ouvi histórias de que algum tipo de coisa louca aconteceu e eles não receberam “Ice, Ice Baby”.

Isso é uma coisa sobre Ichiban que era legal. Eu e meu advogado rimos disso. Ele me chamou de insignificante por ansiar por isso... Se você vendesse 100.000 registros na Ichiban, você receberia uma placa de prata. Ninguém vendeu platina naquela época, ninguém foi ouro. Claro, eles tiveram alguns artistas que tiveram sorte e fizeram isso, mas não era tão comum quanto é agora. Se você vendesse 100.000 registros, recebia uma placa de prata, que parecia uma placa de platina. Eu nunca consegui um disco de platina. Esse era o meu sonho, no entanto.


MC SHY D

Eu sou dos projetos do Bronx River em Nova York. Quando cheguei a Atlanta, era estritamente R&B. “Rapper’s Delight” ainda não havia saído, então Atlanta não tocava música rep. Eu acho que eles podem ter começado a tocar rep no rádio por volta de 1982 em Atlanta. Basicamente tudo era R&B. Eu, sendo do Bronx, dei a eles uma sensação de hip-hop antes do sucesso do hip-hop em Atlanta.

Eu poderia contar às pessoas agora, mas eu mantive isso um segredo na época... Eu costumava ouvir os discos de rep de Nova York e fazê-los do meu jeito em um ritmo mais rápido aqui no Sul. Primeiro exemplo: LL Cool J tinha um som chamado “That’s a Lie”. Eu fiz um som chamado “I’m Not a Star”, eu e Kool Collie. Basicamente, eu fiz minha carreira inteira em Nova York. Eu apenas peguei o material de Nova York e fiz isso do meu próprio jeito sulista.


MR. COLLIPARK

Eu era DJ de Shy D. É engraçado, a configuração foi de dois toca-discos e duas baterias eletrônicas SP-1200. Quando penso nisso agora, não sei como fiz isso, porque era ao vivo. Não havia espaço para erro. Mesmo pensando nisso agora, eu não sei. Todas as coisas que estavam acontecendo em seus registros, os samples que ele usou... Ele tinha os registros marcados, e foi marcado nas baterias eletrônicas. Nos shows, nós fazíamos scratch (arranhar) essas coisas ao vivo. As coisas que estavam no som, nós vivemos... Ele tinha tudo programado tão bem.

Isso é o que era foda sobre Shy D que eu acho que ele tem sobre todo mundo daquela época: suas raízes em Nova York, que o transformaram em uma parte do hip-hop que nós não tivemos a chance de experimentar aqui. Ele trouxe isso para a música do Sul. Quando aprendi com ele, recebi algumas dessas lições. Eu acho que é por isso que parte do meu sucesso acabou sendo do jeito que foi. Eu tinha valores da forma de arte do hip-hop que muita gente não tem.


DJ Toomp


MC SHY D

Quando estávamos no ensino médio, DJ Toomp começou a sair para Decatur, porque ele morava muito longe, em Ben Hill. Eles queriam que eu batalhasse com Toomp. Basicamente, eu o conheci em uma escola, e nós disputamos naquela noite. Toomp, não é brincadeira, deveria ter uns 13 ou 14 anos. Eu fiquei tipo, “Esse garoto é foda.”


DJ TOOMP

Raheem The Dream ouviu falar de mim e começou a fazer com que eu fosse DJ em algumas de suas festas em Atlanta. Quando entramos e fizemos a primeira música, também fiz toda a arte do álbum. Mudou quando eu cheguei com Shy D. Foi quando eu comecei a pegar a estrada e consegui economizar dinheiro para comprar minha própria bateria eletrônica. Eu tinha uma SP-1200, porque ele tinha uma, mas eu sabia que precisava de uma para mim, só para melhorar. Mike Fresh também conseguiu uma. Então fomos para Miami. [Produtor do 2 Live Crew] Mr. Mixx tinha uma SP-1200 e ele tinha o 808, que é um clássico. Mixx era como Mannie Fresh da Skyywalker Records.


Atlanta e Miami


Os dois centros da indústria da música no Sul estão profundamente interligados no que diz respeito à música bass. Em meados dos anos 80, o 808-pesado do bass de Miami tinha 2 Live Crew e MC A.D.E. que foram uma grande influência no som de Atlanta, que acabou por acelerar as pausas e adicionou uma pesada influência do R&B.


MR. COLLIPARK

Quando Shy D foi para Miami, obviamente ele foi influenciado pelo que estava lá, então o ritmo de suas músicas acelerou, e eu acho que todos nós apenas seguimos o exemplo.


MC SHY D

Eu tinha assinado com a 4 Sight Records de Fort Lauderdale por volta de 1985. Um cavalheiro com o nome de Billy Hines, pai de MC A.D.E., era dono do selo. Acredite ou não, Atlanta não estava fazendo nada naquela época. Eu não queria ser apenas um repper local, queria ser internacional.


MR. COLLIPARK

Como DJ, qualquer coisa que você via no selo 4 Sight — MC A.D.E., KJ e Da Fellas, “Get Retarded”, que é um disco clássico — ou qualquer uma dessas impressões de Miami ou Fort Lauderdale, você comprava. Era basicamente assim.


MC SHY D

Eu fiz um show com os 2 Live Crew em um clube em algum lugar na Flórida e Fresh Kid Ice veio até mim e ele ficou tipo, “Yo, cara. Luke gosta do seu estilo. Ele quer que você venha e fique na gravadora conosco.” Eu disse: “Quando o meu contrato acabar, diga a Luke que definitivamente entrarei em contato com ele.”


MR. COLLIPARK

Como você pode ser de Atlanta e não se interessar pelo booty bass no final dos anos 80 e início dos anos 90? Isso é tudo que sabíamos. Para mim, veio da primeira vez que ouvi 2 Live Crew “Throw the Dick” em uma festa em casa. Antes disso, era Run-D.M.C e coisas assim. Eu me lembro de estar em uma festa em casa e “Throw the Dick” veio e minha vida mudou naquele momento. A maneira como o 808 estava batendo naquele registro.

Todos nós conhecemos “Planet Rock” e tudo mais, mas não ouvimos o 808. Até mesmo o material do tipo Egyptian Lover da West Coast não estava soando como aquele bass de Miami. Então, quando chegou a parte do DJ com Mr. Mixx riscando os discos de comédia naqueles intervalos, foi tipo, “Que porra é essa, cara?” A maneira como essas crianças provavelmente ouvem Future e tudo mais agora, foi para mim naquela época. A partir de então, qualquer coisa que você via com Luke Skyywalker Records, você comprava.


DJ TOOMP

Com Miami, era uma certa maneira que aquele 808 estava fluindo, como Clay D. Eles tiveram melhores mixagens saindo de lá. Uma coisa sobre Atlanta, nós tivemos algumas mixagens decentes, mas você poderia contar a nossa apenas no rolo da bateria. Havia muitos samples de “Planet Rock” e samples de “Clear” ao fundo. Tenho que dar um grito para o meu homem daqui, Kenny “Devastator” Terry. Ele produziu “I Wanna Rock”, de Luke, e “Shake Whatcha Mama Gave Ya”, do Poison Clan. Ele definitivamente estava com uma merda de 140 BPM.

As músicas booty shakes de Atlanta, realmente essa merda começou com danças, shows de talentos e tudo mais. Imagine uma música como “Planet Rock”. Originalmente, é como 127, 128 BPM. Caras dançando em shows de talentos, eles queriam mais rápido. Às vezes eles queriam a 45. Nós apenas tivemos que acelerar para fazer as fitas de rotina de dança. De repente, percebemos que nos clubes, as garotas queriam sacudir as bundas e então você tinha os caras que estavam ouvindo. Eles queriam os registros mais rapidamente.

Chegou ao ponto em que realmente passou de 128 BPM para 140. Foi inegável. Até pessoas adultas vão e sacodem a bunda quando se aproxima. É incrível porque parecia que estava funcionando paralelamente, porque em Miami eles também queriam material rápido.


MR. COLLIPARK

Eu acho que o som bass de Atlanta é um som bass de Miami. Acho que estávamos colocando nossas músicas um pouco mais sofisticadas, se é que posso dizer assim. Eles começaram, então tiramos alguns elementos disso. Você tem mais musicalidade por aqui, então acho que tudo isso influenciou as músicas quando as criamos. Quando você começa a olhar para [músicas como Ghost Town DJs], “My Boo”, que era uma descendente de nossas mixtapes. Nossas mixtapes estavam misturando pesadamente músicas lentas com músicas rápidas. Como “Planet Rock” com o artista [R&B] Levert. Essas foram influências em nossos registros. Miami, isso era só bateria e baixo, só hardcore. Eu acho que essa foi a diferença.

Pegávamos a drum machine 808 e programávamos as batidas e varríamos todas as baladas de bass, como Charlie Wilson ou Teena Marie. Uma série de fitas que provavelmente foi uma das minhas maiores foi chamada Slow Jams. Estaríamos colocando os beats 808 nessas baladas.

Então nós tropeçamos no rápido e no lento, porque as baladas eram metade do tempo “Planet Rock”. Isso era enorme para nós. Carl Mo, que produziu “My Boo” com Kool Collie, era “The Ghost Town DJs”. Ele me disse que minhas mixtapes eram sua principal influência para “My Boo”.


DJ JELLY

DJ Smurf — que fazia parte da J Team [uma equipe de DJs reunidos pela lenda da mixtape King Edward J], foi uma grande influência. Eles levavam música lenta e misturavam com batidas rápidas. Então você pode ter um registro de 132 BPM, em seguida, misturar uma música lenta, que era a metade dessa batida. Então aqueles elementos daquelas músicas de R&B alinhadas com aquelas baterias de electro-bass criaram esse tipo de som de Atlanta. Eu faria mixtapes de 90 minutos com nada além de música lenta e rápida.


Magic City


Nas últimas três décadas, o Magic City transcendeu o fato de ser um mero clube de strip-tease para se tornar um dos mais importantes pontos de encontro da indústria do rep em Atlanta, e o lugar onde as músicas de Kilo Ali a Ying Yang Twins a Future foram estouro, obrigado para DJs como Jelly e Esco.


DJ JELLY

Qual é a importância da Casa Branca para Washington? Onde você quer começar? [Magic City] é tão crítico e tão integral quanto a cultura das ruas de Atlanta. Isso engloba música, política, onde quer que você comece... Esportes, entretenimento, não importa, é onde todos nos encontramos. Eu estou falando sobre todas as esferas da vida. Este é o campo de golfe de Atlanta, é onde todos se encontram e conversam; muito importante.

Dominique Wilkins, lendário jogador de basquete. Bill Campbell, político. Kilo Ali, eu o vi recém-saído do ensino médio dropando seu vinil. Ele nem deveria estar no clube. Eu vi todo mundo lá, todos os artistas do bass: Raheem the Dream, Shy D, Toomp, todo mundo passou por lá.

Magic City foi na verdade minha primeira introdução à cena de Atlanta. Foi onde fiz meu primeiro show de DJ, por volta de 1991. Todo artista de bass estava fazendo a maioria de suas faixas baseadas na bateria de “Planet Rock”, então “Planet Rock” ainda era uma grande música em clubes de strip. Então você teve pessoas como Kilo Ali com “Cocaine”, que era um hino incrível na época. Ele estava falando sobre todos os meninos de rua em ATL.


Kilo Ali


Tomando ATL de assalto nos anos 90, o herói de sua cidade natal, Kilo Ali, era um artista magnético de baixo, por trás de hinos extravagantes de clubes de strip como “Nasty Dancer”, “Baby Baby” e “Love In Ya Mouth”.


MR. COLLIPARK

Kilo Ali foi Andre 3000 antes de Andre 3000 para mim. Ele estava tão à frente de onde a música estava nesse mercado. Nós não sabíamos que você poderia ser criativo dessa maneira. Nós fizemos booty shake e música bass, mas Kilo já estava em alguma dica do Parliament. Ele não se vestia assim, mas estou dizendo em sua mente que ele sempre foi um astro do rock. Ele diria alguma merda louca para você fora do campo esquerdo.

Eu cantava nos meus álbuns, mas eu era DJ, basicamente. Eu nunca me considerei um repper, mas eu tenho adereços nesse tempo por ser capaz de cantar. Eu me lembro de estar neste clube, acho que era na Marietta Street, e Kilo se aproximou e ficou ao meu lado e apenas olhou para mim e disse: “Smurf, você sabe que não pode contra mim, não sabe?” Eu olhei para ele como, “Do que diabos você está falando?” Era ele naquela época. Ele carregou-se em todo este outro plano... Para mim, eu estava tipo, “Que diabos você está?” Isso é Kilo para você.

Até hoje, eu digo que se ele tivesse uma equipe que poderia ter ajudado a torná-lo o que ele realmente era, ele teria sido um dos artistas realmente ótimos desse mercado. Ele ainda poderia estar fazendo boa música agora.


Mixtapes


As mixtapes de DJ têm sido parte integrante da cultura do Rep do Sul há quase três décadas, desde que Edward J começou a roubar seu clássico cult J-Tapes da gravadora Landrum’s Records & More no início dos anos 80. Mixtapes têm sido o principal meio de espalhar sucessos underground nas ruas (e depois no rádio) e tiveram grande influência no som e promoção de gêneros como crunk, booty bass, snap music e trap.


DJ JELLY

Comecei a esculpir meu caminho, na verdade, quando conheci o MC Assault. Criamos uma mixtape muito importante que governou Atlanta por 15 anos e influenciou todo mundo, desde DJ Drama até Scream. Nós basicamente colocamos o hip-hop em Atlanta porque não estava sendo tocado no rádio. Com nossas fitas, nós misturamos todos os gêneros diferentes. Nós faríamos uma fita de gangster, uma booty shake, uma slow tape com o bass.

Nós as vendemos em mercados de produtos usados e então começamos a colocar nosso dinheiro nas lojas. Naquela época, criamos um selo, Big Oomp Records. Big Oomp é a primeira gravadora independente de hip-hop no período de Atlanta. É basicamente o modelo para cada selo que você pode pensar agora, no que diz respeito à música rep. Nós tínhamos a combinação de DJs, rádio e nós tínhamos a loja, então nós tínhamos um conglomerado inteiro. Nós ajudamos basicamente todo mundo em Atlanta, praticamente. Nós tínhamos isso acontecendo e então Freaknik surgiu, e a combinação de Magic City, nossas fitas e Freaknik acabou de mudar a cara do hip-hop de Atlanta.


Freaknik


De 1983 a 1999, Freaknik foi uma grande festa de primavera negra, atraindo participantes de todo o Sul e da East Coast, incluindo muitas celebridades e os artistas mais populares do dia. Ele é referenciado em músicas de Andre 3000, Jermaine Dupri, Too $hort e Lil’ Kim, entre muitos outros.


MR. COLLIPARK

Quando eu explico o Freaknik para as pessoas, você esquece como isso era louco.


DJ JELLY

Freaknik era originalmente uma celebração de irmandades negras e fraternidades onde eles iriam se encontrar. Eventualmente, todas as faculdades negras dos Estados Unidos começaram a vir e passear na primavera.

Luke, 69 Boyz, Rickey Smiley, muitos dos artistas de Memphis na época, Tommy Wright: Todos fizeram shows. Grandes ônibus de turnê chegariam e nós sairíamos com todos os artistas durante esse período no início dos anos 90, meados dos anos 90. Nós estaríamos fazendo churrasco e apenas se divertindo.


MR. COLLIPARK

Para mim, foi um momento divertido antes de ser comercializado. Eu diria que 1995 foi o último ano antes de todos dizerem: “Estamos indo para Freaknik no ano que vem.” Para mim, quando isso acontece e depois todo mundo aparece, isso é horrível.

A única coisa ruim sobre Freaknik é que alguns de nós não sabíamos como agir, então era um monte de coisas inapropriadas acontecendo. Como quando os carros estavam todos guardados e as garotas estão sentadas lá e você tem caras que estão bebendo e fumando e fazendo toda essa merda... Certas coisas aconteceram e colocaram uma luz ruim em Freaknik.


DJ JELLY

Parando no meio da rua. Não apenas cruzando, mas parando e festejando bem no meio. Engarrafamentos. Ligando os alto-falantes. Meninas nuas caindo dos Jeeps. Caras até ficando nus. Era ridículo. Tenho certeza de que houve algum roubo aqui e ali.


MC SHY D

Cara, eles começaram a matar pessoas, estuprar garotas e ficou louco. Roubos a carro, caras vindo de fora da cidade com seus carros afiados. Ficou louco. Ficou feio. Esses caras mataram um casal de universitários e eu fiquei tipo, “Já deu para mim.”


Outkast, Goodie Mob e Southern Pride


O hip hop do Sul era geralmente visto com desdém ou totalmente ignorado pela indústria até que OutKast se tornou o primeiro grupo de rep a se associar ao pioneiro selo urbano negro LAFace, de L.A. Reid. O lançamento de seu primeiro álbum, Southernplayalisticadillacmuzik — seguido pelo Dirty South, a estréia definidora da época de seus amigos da Dungeon Family, Goodie Mob — reforçou o orgulho do Sul, enquanto mostrava ao resto do mundo um vislumbre do que estava realmente acontecendo na Geórgia.


DJ TOOMP

Eu viajava na estrada como DJ em meados dos anos 90 e [o Sul] ainda era ridicularizado até o som da música. Era muito country para muitas pessoas. Estou falando de ir tão perto das Carolinas. As pessoas diziam: “O que é essa besteira?” Ainda era uma luta, mas em termos econômicos a gente comprava a música. Eles achavam que ainda não era legal admitir que a música do Sul era realmente muito boa.


MC SHY D

Quando estávamos fora, eu e 2 Live, íamos a Nova York e quase dois segundos depois éramos vaiados. Nós estávamos na turnê com os Fat Boys, Heavy D, Salt-N-Pepa, alguns grupos de Nova York, e tal, eles agiam como se não estivéssemos na porra da turnê. Você sabe o que eu estou dizendo? Eles nos colocaram aqui no vestiário, e todos os nova-iorquinos ali. Eles nos trataram como merda.

OutKast e Goodie Mob, no entanto, acho que eles saíram em 1993 ou 1994 — eles lançaram as letras e fizeram as pessoas se sentirem bem em ser de Atlanta, porque Atlanta realmente não fazia idéia. Quando éramos jovens, estávamos nos anos 80, todos queriam ser de Nova York. Então, quando o [corte de cabelo] Jheri curl entra em ascensão e as coisas começam, todo mundo quer ser da Califórnia. Atlanta tinha um estilo, mas eles não usariam. Eles estavam pegando todos os outros. OutKast fez as pessoas se sentirem bem.


MR. COLLIPARK

Eu fui uma das primeiras pessoas da música a sair do College Park em Atlanta. Jermaine Dupri saiu disso, mas eu sinto que ele foi exposto ao mainstream da música tão cedo que ele realmente não colocou isso em primeiro plano como alguns de nós que vieram depois dele. Para mim, não podia imaginar Jermaine Dupri tentando levar Ying Yang Twins para a Columbia e dizer: “Ei, esse é o estouro em Atlanta.” Eles responderiam: “Que porra é essa, Jermaine?” Chegando com a Ichibans e tudo isso, nós tivemos que tirá-lo da lama, como eles dizem. Nós tivemos que fazer algo do nada.


T.I.


Clifford Joseph Harris Jr. — mais conhecido como TIP, T.I. ou King of the South (Rei do Sul) — passou de ser um hustler de rua e barbeiro para um dos reppers mais conhecidos do Sul. Após sua estréia em 2001, estou falando sério, ele se tornou conhecido como um dos primeiros arquitetos do som trap com Trap Muzik, de 2003, ambos criados com a ajuda do produtor de longa data DJ Toomp.


DJ TOOMP

Eu conheci T.I. em 1997 através de seu primo Toot. Eu e Toot costumamos correr por aí. Eu conheço Toot desde a quarta série. Ele é de Bankhead, mas acabou crescendo na nossa vizinhança. Nós começamos a ganhar um pouco de dinheiro extra juntos, você sabe, adulando pelo bairro. Você sabe o que eu quero dizer? Ele costumava sempre me dizer — quando demos um tempo —, ele comentou tipo: “Yo, eu tenho esse priminho. Você precisa ouvi-lo.” Você sabe como todo mundo sempre diz que tem um parente que pode cantar ou algo assim, mas quando eu o ouvi, eu fiquei impressionado.

Eu lembro de vê-lo na barbearia de Toot. Toot tinha uma licença, mas Tip, ele não tinha uma licença. Eu cortei o cabelo também sem licença. Eu estava cortando cabelo desde os 12 anos! Na verdade, eu estava cortando ele e todo o cabelo do Poison Clan quando eles estavam ficando quentes ou outros enfeites.

Quando eu conheci Tip, eu estava fazendo rep. Eu tinha uma música chamada “Ball Like This” e ele foi apresentado nela. Eu fiz isso no Roland 1680. Você se lembra da pequena máquina digital? Quando eu o conheci, eu fiquei tipo, “Yo, eu quero que você pegue esse som que eu acabei de fazer.” Quando eu comecei a tocar para as pessoas, elas ficavam tipo, “Sim, dog, você mandou bem.” Em parte, eles diziam: “Quem diabos é isso?” Ele estava realmente fazendo algumas coisas boas.

Depois de um tempo, eu fiquei tipo, “Deixe-me voltar. Eu não estou pronto para ser um repper, vamos fazer o certo.” Eu vi a reação. O minuto em que nós realmente entramos e começamos a gravar apenas suas músicas, só com ele — eu estou falando sem mixar, direto de um DAT — as pessoas perderam a cabeça quando eu toquei, porque eles nunca ouviram ninguém com um sotaque do Sul que pudesse ser tão lírico com esse tipo de padrão. Você sabe o que eu quero dizer? Apenas atraindo tudo no meio da batida. Ele estava realmente fluindo, então é isso que explodiu todo mundo. Me surpreendeu.


Ying Yang Twins


Kaine e D-Roc eram o improvável duo Ying Yang Twins, cujos hits malucos com os produtores Collipark e Lil Jon — como “Salt Shaker”, “Whistle While You Twurk” e “Wait (The Whisper Song)” — fizeram seu nome sinônimo do movimento crunk.


MR. COLLIPARK

D-Roc [dos Ying Yang Twins] estava na Ichiban Records e ele estava lá sozinho sem orientação. Ele era um garoto. Eu lamento por ele. Eu fiquei tipo, “Yo. Por que você não me coloca com D-Roc e talvez eu possa fazer alguma coisa neste projeto?” Acabamos fazendo uma troca. Eu fiz uma faixa para o seu álbum pela Ichiban, e em troca, ele deveria entrar no meu álbum Dead Crunk, que foi o meu retorno à Ichiban Records. Ele se desentendeu com seu parceiro na época e trouxe Kaine, e eles gravaram um som do Dead Crunk chamado “One on One”. Essa foi a introdução dos Ying Yang Twins.

Até hoje, quando ouço esse som, fico com um calafrio. Não foi uma merda nenhuma. Eles tinham cada álbum na No Limit. Essa foi a influência deles naquele momento específico. Eles vieram do Hard Boyz, que foi o primeiro grupo de rep de Atlanta de rua que eu conheço, então eu fiquei tipo, “Bem, nós vamos fazer um álbum de meio-período, rápido e gangsta.”

Naquela época, Raheem the Dream foi o primeiro artista do bass a colocar seu chapéu de negócios e dizer: “Estou prestes a ir para o país com esse lance.” Ele encontrou DJ Drama e acabou fazendo um acordo com Drama na Atlantic Records. Eu vi essa merda, minha mente estava extasiada. Eu nem sabia que isso era possível porque ele fez isso tão rápido. Eu disse para mim mesmo: “Merda, se Raheem conseguir, eu posso fazer isso.” Eu ainda tenho o caderno onde eu liguei para ele e ele me disse os mercados. Eu segui o plano de Raheem com Ying Yang Twins.

Foi muito irado. Antes que eu percebesse, eu estava com “Whistle While You Twurk”. Antes que eu percebesse, estávamos recebendo uma ligação da Universal. Foi isso.


MR. COLLIPARK

A maioria das músicas que os Ying Yang Twins trazem começam como piadas. Eles são caras engraçados, como, lágrimas reais saindo de seus olhos, doendo o estômago de forma engraçada. Muita coisa, só estamos brincando. Eu me lembro de Kaine... Eu nem acho que estávamos falando sobre fazer uma música na primeira vez que ele disse: “Vá para a frente e comece a fazer aquele peido de boceta.” Ele faria esse som com a boca. “Pft.” Ele fazia isso repetidamente. Eu fiquei tipo, “Yo cara. Essa merda é engraçada para caramba.” Eu disse: “Nós vamos fazer uma música com isso.”

A batida de “Whistle While You Twurk” eu tinha feito originalmente como uma faixa do bass de Miami. Foi como 138 BPM. Era como “Planet Rock”. Diminuí a velocidade para 102. A música mais popular do clube naquela época era “Down 4 My Ni--as” e “Back that Ass Up” foi uma influência.

Eu nunca soube o que KLC, [que produziu “Down 4 My Ni--as”], fez esse 808. Se você ouvir aquele som, KLC faz algo com o 808, para o qual ele continua caindo na virada. Toda vez que se transforma, é sutil, mas alguma outra coisa entra ou sai desse limite. O que eu fiz que eu nunca tinha feito antes, sempre, eu levei o meu 808 na minha SP-12 para baixo como seis ou oito oitavas para um tom que normalmente não se registrava para mim. (O 808 que eu usei, a propósito, foi o 808 que eu peguei do MC Shy D que ele usou em “Shake It”. Esse foi o 808 que eu usei em todos os meus sons naquela época. Um salve para Shy D.)

Diminuí a velocidade e tirei alguns ruídos dos sons que não vou dizer. Tudo isso do bass de Miami e não sabíamos na hora que estávamos fazendo um som. Você sabe o que eu quero dizer? Eu não sabia sobre não fazer nenhuma merda ou música de rua ou qualquer outra coisa. Eu só sei que o booty shake foi para fora da porta. Eu não podia colocar um grupo em 2000 ou 1999 fazendo booty shake music, então eu diminuí a velocidade e nós colocamos isso na rua.

Eu estava com tanto medo de colocar esse tipo de registro no meio de toda a merda da rua. Nunca me esqueço da primeira vez que toquei em Magic City antes de ser masterizado. Essa merda veio... Eu não pude ouvir o 808 por causa do tom que eu tinha, eu o empurrei para cima na mixagem tão alto que quase explodiu quando começou. Eu disse: “Droga.” Eles começaram a dançar.

Quando o dominei, Glenn Schick — o cara mais adequado e técnico de todos os tempos —, ele pegou e esmagou todo o meu baixo nível. Ele esmagou todo o baixo da mixagem, mas ficou perfeito. Todo o alto nível. Você pode tocar “Whistle While You Twurk” agora, sonoramente, e isso se aplica a qualquer coisa que esteja fora agora. Um salve para Glenn Schick.


Lil Jon e os Twins


DJ, produtor e antigo A&R do selo pioneiro de So So Def, de Jermaine Dupri, Lil Jon sempre teve o dedo no pulso do que vai aparecer no clube. “King of Crunk” se uniu a Eastside Boyz e Ying Yang Twins para criar os hits mais memoráveis ​​do início dos anos 2000, incluindo “Get Low” e “Salt Shaker”, com o refrão de Jon “To the window, to the wall” originário de uma antiga demo do DJ Smurf.


MC SHY D

Todos amavam Lil Jon. Ele era apenas um cara feliz. Ele um deles, ele entra na sala, você não pode fazer nada além de amá-lo, porque ele é um cara legal.


MR. COLLIPARK

Quando Lil Jon começou a fazer álbuns, ele se aproximava como um DJ e pegava músicas de todos os bolsos. Ele faria uma música de bass, algumas coisas de baixo ritmo para os gangstas. Quando ele entrou no álbum Kings of Crunk, ele queria fazer um disco com Ying Yang. Eu confiei em Jon como produtor, então não precisei sentar no estúdio com ele ou nada assim. Eles simplesmente entraram e criaram alguma magia.

Muitas pessoas não conseguiam nem falar com Ying Yang Twins, elas eram tão selvagens. Eles acham que querem conhecê-los, mas depois de uns cinco ou dez minutos na sala eles estariam tremendo, tipo, “Yo, você pode levá-los a ir até lá e ficar no estande?” Tipo, “Yo, mas é claro.” Jon poderia se comunicar com eles, onde muitas outras pessoas não poderiam.

Antes mesmo de lançar um disco, quando eu os levava para a estrada comigo, eles tiravam suas camisas e apenas corriam ao redor da porra do clube. Tipo, “Aaaaaaah.” Era essa sensação. “Aaaaaaah.” Quando as pessoas os conheceram, eram eles. Nós perdemos algum dinheiro por trás dessa merda também. Muitas vezes as pessoas não sabem como lidar com isso. De um aspecto cultural, isso era uma merda real. Eles se conectaram. Quando eles falaram, eles falaram com as outras crianças da sua idade. Eu era mais velho do que eles, então eu gostava de estar perto deles, a energia que eles traziam. Isso foi Ying Yang.

Você sabe o que é engraçado? Eu vou te dar uma peça que muitas pessoas não sabem. Kaine — aquele com a voz profunda, o cara que faz os refrões na maioria dos sons — ele é uma das pessoas mais experientes que você vai conhecer em sua vida. Você senta e conversa sobre  música com Kaine, você nunca pensaria que ele fez booty music.




Manancial: Red Bull Music Academy Daily

Sem comentários