DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

O INFILTRADOR – CAPÍTULO 4: O banco de crédito e comércio internacional


O conteúdo aqui traduzido foi tirado do livro The Infiltrator, de Robert Mazur, sem a intenção de obter fins lucrativos. — RiDuLe Killah





CAPÍTULO 4

O BANCO DE CRÉDITO E COMÉRCIO INTERNACIONAL



Palavras por Robert Mazur



Medellín, Colômbia


11 de Dezembro de 1986





ASSIM QUE MORA RETORNOU A MEDELLÍN ele começou a nos vender para seus clientes. Extraordinariamente orgulhoso de ser nosso parceiro e representante exclusivo na Colômbia, ele não perdeu tempo em fazer negócios em nosso caminho. Os típicos captadores de dinheiro saltaram de $25,000 para $250,000 — o que significava desenvolver agentes disfarçados em Miami, Nova York, Chicago e Los Angeles, os quais poderiam ser os trabalhadores que Emir tinha a tarefa de arrecadar dinheiro.

Emir muitas vezes voou para a cidade de uma determinada picape e, com a ajuda de um agente disfarçado local, recebeu malas de dinheiro de cada vez. Chefes em Medellín costumavam considerar os trabalhadores de baixo escalão que gastavam esse dinheiro. Normalmente, eles ganhavam alguns milhares de dólares por mês para coletar, contar, empilhar e entregar. Nós os chamamos de “camisetas” porque, enquanto eles literalmente lidavam com milhões para o cartel, eles não podiam pagar mais do que as camisetas nas costas. Seus parentes na Colômbia muitas vezes serviam como garantia — reféns, na verdade — para assegurar aos patrões que eles não fugiriam com uma pequena fortuna.


Do outro lado da equação, chefes locais da alfândega também faziam a coleta de dinheiro das camisetas perigosas. Os agentes alfandegários queriam maximizar a inteligência desenvolvida localmente a partir de cada coleta, identificando e seguindo os distribuidores. Nossos escritórios insistiram em que os agentes de vigilância seguissem esses bagmen — um agente que coleta ou distribui o produto de atividades ilícitas — depois que entregassem para Emir ou outro agente — a idéia era que os agentes de vigilância seguissem as camisetas de volta para suas casas ou negócios e depois conduzissem vigilância independente naqueles locais que levariam a uma batida quando os deprimidos estavam trabalhando com algum outro lavador. Pode parecer uma boa idéia — e ocasionalmente funcionou —, mas mesmo quando funcionou, colocou a credibilidade de Robert Musella e Emilio Dominguez na linha o tempo todo.

Os diretores de agências frequentemente subestimam a inteligência de seus adversários. Os homens que se sentam em segurança no topo da Colômbia não são estúpidos. De fato, muitas vezes eles tinham agentes que faziam a vigilância, procurando por sinais de que os federais estavam vigiando. Se as contra-operações detectassem nossa vigilância, o chefe do narcotráfico na Colômbia ordenaria uma mudança na técnica e, muitas vezes, fazia negócios em outro lugar. Para minimizar as consequências da queda dos bagmen, o cartel muitas vezes os mantinha totalmente afastados de qualquer coisa relacionada aos embarques de cocaína. Como estávamos planejando ter acesso aos donos do dinheiro e aos seus assessores por intermédio de Mora, era contraproducente enroscar as camisetas, comportamento que apenas levantaria suspeitas e impediria a infiltração. Mas os ternos em nossos escritórios de frente não contavam paciência entre suas virtudes, nem, eu suspeito, acreditavam que Emir e eu pudéssemos passar por Mora. Era mais seguro para eles fazer negócios como de costume.

Os captadores foram suavemente no começo. Chicago teve dois agentes secretos a tempo parcial pegando dinheiro: Frank Serra, um agente experiente na casa dos cinquenta que nunca colocou seu escritório local acima da maior operação em Tampa, e Tony Macisco, um jovem agente brilhante ansioso para aprender com Frank e seguir o seu conduzir.

Com a ajuda de Dominic, iniciei um negócio de venda de máquinas de contagem de dinheiro e comercializei para os colombianos. Reforçou passivamente que tínhamos bom senso para ter uma fachada legal por possuir ferramentas usadas pelo sistema bancário subterrâneo. Se você não é um banco, um cassino ou uma empresa de serviços financeiros, por que você teria contadores de dinheiro? “Porque você está envolvido no tráfico de drogas”, diriam os policiais. Mas administrar um negócio de varejo legitimamente vendendo essas máquinas neutralizou essa teoria. Também deu aos nossos agentes disfarçados um tópico sobre quebra-gelo para discutir outros detalhes que não os detalhes de uma mala cheia de dinheiro. E é claro que era importante que a contagem de dinheiro fosse exata — embora raramente fosse. Contar centenas de milhares de dólares à mão é tedioso e os erros acontecem. Todo mundo sabia que o nosso conde governava, mas conseguir contadores de dinheiro nas mãos das camisetas fazia com que houvesse menos discrepâncias.

Enviei para Frank e Tony uma máquina de contagem para que eles pudessem vendê-la para um casal colombiano entregando remessas de dinheiro em Chicago. Ao contrário da maioria das outras camisetas, esse casal estava confortável em fazer as contas nos quartos de hotel. Assim, o escritório de Chicago alugava salas adjacentes: uma para a agência e outra para uma equipe de capa que filmava a reunião e fornecia segurança rápida e eficiente.

Quando o casal chegou, Tony, vestido profissionalmente de terno e gravata, demonstrou a máquina para eles, colocando uma pilha de vinte na bandeja de contagem. Frank sentou-se e deixou seu aprendiz cuidar da reunião. Quando Tony entregou seu discurso, ele se inclinou e apertou o botão de partida. Mas ele se inclinou muito perto — a máquina devorou ​​sua gravata e quase puxou o pescoço pelas engrenagens. Apenas alguns centímetros de seda amarrada o separavam da aposentadoria antecipada. E como ele não leu o manual, ele não sabia como fazer com que a máquina o liberasse. Então, pegou-o e levou-o pelo quarto como uma gravata de vinte quilos enquanto pensava em como se libertar. O casal colombiano estava rolando no chão, rindo incontrolavelmente, assim como os agentes da sala ao lado, que tinham assistido em seus monitores. Eles riram tão alto que Frank os ouviu através das paredes e imediatamente ficou preocupado que o casal colombiano pudesse ouvi-los também. Ele se posicionou em frente à câmera de vigilância e, enquanto balançava a cabeça de um lado para o outro, passou um dedo pela garganta para sinalizar à equipe de vigilância que cortasse o barulho.

Tony finalmente extraiu sua gravata mutilada — e então, para seu crédito, vendeu duas máquinas. Daquele dia em diante, Emir não resistiu em chamar Macisco de “Tony the Tie”, ao que Tony sempre respondia com um breve “Vai se foder”. Foi um momento de luz no caso, antes do crescente volume de dinheiro em peso que Mora nos trouxe para cada picape.

Mora passava todos os minutos planejando como ele iria fazer sua fortuna conosco. Ele ressaltou que os negócios cresceriam ainda mais se parássemos de pagar com cheques sacados em contas dos EUA e começássemos a emitir cheques em bancos no Panamá. Os comerciantes na Colômbia preferiam em grande parte receber cheques sacados em bancos em um país que tinha rígidas leis de sigilo bancário. Os amigos de Mora em Medellín estavam particularmente confortáveis ​​com os bancos panamenhos porque mantinham o general Manuel Noriega em sua folha de pagamento.

Abrir uma conta no exterior nos apresentou duas opções. Com a ajuda da Alfândega, poderíamos entrar em contato com um banco com filiais no Panamá e providenciar o uso de uma conta secreta. Desvantagem: quilômetros de burocracia e um vazamento definitivo para os colombianos, seja por funcionários do banco ou por alguém do governo panamenho. Resultado final? Suicídio.

Por outro lado, Robert Musella poderia simplesmente entrar em um banco internacional na Flórida e perguntar sobre a abertura de uma conta no Panamá. Até agora um empresário bem documentado, Musella tinha laços não revelados na comunidade empresarial dos EUA. Minhas credenciais passariam pelo escrutínio de qualquer banqueiro. Como eu sempre disse aos agentes juniores: quando se trabalha disfarçado, sorrateiramente é melhor.

Enquanto percorria a Ashley Drive, ladeada por palmeiras, no centro de Tampa, em uma Mercedes SEL 500, fornecida pela Alfândega, um prédio contendo os escritórios de luxo do Banco de Crédito e Comércio Internacional chamou minha atenção. O “BCCI”, em grandes letras douradas, brilhava na segunda história e gritava por contas no exterior, então liguei para um policial e marquei uma consulta.

Poucos dias depois, em uma sala de conferências privada daquele prédio, Rick Argudo, vice-presidente da filial de Tampa, estava me perguntando sobre meu histórico de negócios e seu histórico. Como ele havia solicitado quando marcamos a reunião, ele escreveu minha carta descrevendo o envolvimento de várias de minhas empresas no comércio exterior, juntamente com cópias de extratos bancários pessoais e comerciais. Expliquei que meus associados na Colômbia estavam acumulando riqueza em contas bancárias panamenhas e pretendiam enviar-me fundos periodicamente para investir em imóveis na Flórida.

Argudo concordou em abrir a conta. Eu tinha passado no teste e aparentemente era seguro falar abertamente comigo. Quando ele preencheu os formulários de conta, ele falou sem sair de seu ritmo louco. De cabeça para baixo e com a caneta rabiscando, ele disse: “Você acha que precisará mover o dinheiro na direção oposta, dos EUA para o Panamá? Porque temos muitos clientes aqui que precisam depositar fundos confidencialmente em contas estrangeiras. Podemos ajudá-lo com isso, se for necessário.” Ele continuou: “No passado, muitas vezes ajudamos nossos clientes a obter seus recursos para a nossa filial em Grand Cayman, mas eu não recomendo isso porque Grand Cayman entrou em um tratado com a Receita Federal que permite ao governo dos EUA obter registros de contas.” Argudo explicou que ele e seus chefes agora recomendavam que seus clientes depositassem seus recursos na filial do Panamá. Os EUA não conseguia acompanhá-lo até lá.

Imóvel, esperei que Argudo fizesse contato visual. Quando ele fez isso, eu pressionei meus lábios, balancei a cabeça em aprovação e disse: “Você sabe, Rick, isso é muito interessante. Eu gostaria de conversar com você sobre isso quando tivermos a chance de nos encontrar em um ambiente casual, possivelmente durante o almoço em breve.”

Toda bandeira vermelha que eu já tinha aprendido a detectar estava voando em uma tempestade de interesse. Era tentador empurrá-lo para mais detalhes, mas meu instinto me disse que a paciência se mostraria mais produtiva — especialmente porque Argudo não mencionava sua própria experiência e capacidade. Ele estava revelando o que parecia ser um serviço global padrão oferecido pelo banco. Agradeci a Argudo pelo seu tempo, juntei cópias dos meus formulários e parti.

“Você não vai acreditar na reunião que eu tive com um oficial no escritório local do BCCI”, eu disse no dia seguinte a Dave Burris, um agente da Receita Federal designado para a nossa operação que não tinha interesse em trabalhar disfarçada, mas sempre pontuava seus is, cruzava os dedos e não tinha medo de trabalhar. Eu não podia esperar para contar a ele sobre o meu encontro com Argudo. “Eu fui lá pensando que, se tivesse sorte, teria a chance de abrir uma conta para o negócio disfarçado sem precisar dizer ao mundo que sou alimentado. Depois que esse cara ficou convencido de que eu era realmente Robert Musella, não consegui calar a boca sobre como o banco podia esconder minhas transações da Receita Federal e de todas as outras agências com as quais lidavam. É inacreditável.”

Dave concordou em verificar com outras agências para ver se o BCCI tinha um histórico de lidar com traficantes. Dentro de uma semana, ele relatou, depois de falar com um advogado da Força de Ataque na Flórida, que o BCCI havia lavado fundos para um traficante de heroína e provavelmente sabia que o dinheiro estava imundo antes de levá-lo. Ele também me garantiu que não havia revelado por que estava fazendo perguntas. Apenas um punhado de pessoas na Alfândega e na Receita Federal sabia sobre a Operação C-Chase, e queríamos continuar assim. Felizmente, Mark Jackowski, o único procurador federal no caso, era mais reservado do que qualquer um de nós. Desde o início, todos concordamos em não preparar Relatórios de Investigação detalhando nossos contatos disfarçados. Relatórios de Investigação de Tampa rotineiramente faziam o seu caminho para muitos escritórios, incluindo a sede de D.C. Jackowski apoiou nossa proposta de que os relatórios de nossas reuniões encobertas fossem preparados apenas em papel adesivo e mantidos em Tampa. Acontece que ele não tinha autoridade para aprovar isso, mas ele convenceu todos que ele fez.

Um bulldog no tribunal, Mark poderia ter feito dez vezes seu salário trabalhando para a defesa, mas ele não iria ouvir falar sobre isso. Se ele tivesse que ficar em seu escritório a noite toda para se preparar para uma audiência, ele o fazia sem comentários, e as chegadas antecipadas no Edifício Federal de Tampa frequentemente achavam Mark saindo de seu escritório com cabelos desgrenhados, shorts e camiseta com um cigarro pendurado nos lábios e uma escova de dentes na mão. Mark executava interferência sempre que era necessário nesse estágio da operação. Nós ainda não precisávamos de sua intensa determinação, apesar de que em breve nós precisaríamos.

Emir continuou pegando dinheiro em todo o país, que eu converti em cheques e transferências bancárias para Mora, e o relógio continuou marcando o ultimato que dei a Mora para convencer seus clientes não apenas a lavar dinheiro através de minhas empresas, mas a permitir que eu investisse alguns desses fundos em nome do cartel. Mora me visitou novamente na Flórida, e ficou claro que eu poderia ganhar credibilidade simultaneamente com Argudo no BCCI e com Mora se ambos participassem de uma reunião comigo e Emir. Para arrumar isso antes da chegada de Mora, liguei para Argudo e encontrei com ele em particular no elegante Hyatt Regency Hotel, em Tampa Bay.

Sobre lençóis brancos, garoupas enegrecidas e carne oriental, Argudo e eu voltamos ao nosso jogo de gato e rato, tentando chegar a um nível de conforto um com o outro onde pudéssemos falar mais abertamente. Argudo, formado pelo Boston College, trabalhou na plantação de bananas de sua família na Guatemala antes de ingressar no BCCI. Ele conhecia as necessidades dos empresários da América Central e do Sul e como evitar os impostos e os regulamentos monetários. Ele já tinha clientes na Colômbia.

Quando eu disse a ele que Mora queria minha ajuda para receber moeda nos EUA, depositá-la nos bancos e transferi-la para o Panamá, Argudo calmamente disse: “Isso é o que eles chamam de ‘mercado negro’.” Ele sabia tudo sobre o comércio ilícito de dólares e pesos e tinha grandes idéias sobre como o BCCI poderia ajudar a minimizar o risco nesses mercados de moeda subterrânea.

Argudo inclinou-se para a frente e avisou silenciosamente: “Você precisa tomar cuidado com o dinheiro porque os bancos dos EUA registram relatórios com o governo sobre todas as transações em dinheiro acima de $10,000 e até mesmo alguns que estão abaixo de $10,000.” Ele me assegurou que eu poderia lidar com meus clientes colombianos se eu operasse uma empresa de fachada que legitimamente aparecesse para gerar dinheiro. Com um sorriso e um aceno de cabeça, ele acrescentou: “São as pessoas idiotas que são apanhadas.”

Para coroar sua oferta de serviços bancários secretos, Argudo sugeriu que eu abrisse contas fora dos Estados Unidos para obter a máxima confidencialidade. Ele propôs que eu me juntasse a ele no conforto de seu escritório em Tampa, onde ele poderia executar os formulários apropriados, fazer meu depósito, empacotar tudo e enviá-lo pelo correio interbancário do banco para o Panamá ou para o país de minha escolha. O ramo de recebimento abriria a conta. Cheques, recibos de depósito e outras documentações retornariam através do correio entre escritórios e depois para mim em Tampa. O banco nos EUA não manterá registros da conta estrangeira e nenhuma agência do governo poderá obter informações sobre a conta em qualquer agência do banco nos EUA.

Agora, isso é serviço.

Perto do final do nosso almoço, enquanto olhamos para Tampa Bay e Argudo bebericou um conhaque de Rémy Martin, eu disse a ele que estava ansioso para expandir nosso relacionamento comercial e que parte desse relacionamento implicava juntar-se a mim, Emir e Mora para o almoço na semana seguinte.

Dentro de uma semana, Mora chegou a Tampa. Emir e eu nos encontramos com ele no aeroporto e começamos nossa última parcela de charadas. Mora nos confidenciou que seus amigos na Colômbia tinham lhe avisado para ter certeza de que não éramos agentes da DEA. Ele não estava preocupado, mas deixou-nos saber que essas incertezas podem causar atrasos na obtenção da confiança de seus clientes.

Para contrariar algumas dessas preocupações, Emir e eu levamos Mora para minha casa — de Dominic, é claro — e o hospedamos lá por vários dias. Para dar apenas o toque certo, eu tinha tirado fotos com Dominic e sua família (meus primos disfarçados), que colocamos proeminentemente em volta da casa. Era uma pequena apólice de seguro, no caso de os clientes nervosos de Mora verificassem o local mais tarde e encontrassem outra pessoa morando lá. Como expliquei a Mora, eu estava na estrada tanto que, para manter a casa, meus primos moravam lá quando eu estava fora da cidade.

A cada dez minutos que Emir dedicava a Mora, eu era capaz de fazer a Mora mais um punhado de perguntas. Emir era tão bom em deixar Mora à vontade. Emir insinuou para Mora que ele estava compartilhando informações pelas minhas costas e que, se Mora não me desse a oportunidade de sentar com seus clientes em breve, eu terminaria o relacionamento. Eu não podia me dar ao luxo de transferir fundos por uma taxa. Os federais poderiam facilmente ver que eu estava agindo como um canal para transferências que não tinham fins comerciais. Essas transações sujas precisavam de uma base de investimento legítima ou acabariam. Emir também contou uma história que eu enfrentei certo perigo de mafiosos se eles achassem que eu estava limpando dinheiro de forma imprudente para os clientes de Mora. A linha para Mora era: “Família ou não, o senhor Musella pagaria o preço.”

Mora me ouviu dizer antes: “Eu não quero ouvir que você não consegue convencer seus clientes a investir em nossas empresas. É o seu trabalho para me dar o público para que eu possa fazer isso para mim. Se eles nos rejeitarem, você já fez o seu trabalho.” É claro que eu não poderia ter me importado menos se seus clientes investissem dinheiro conosco — embora isso fosse um ótimo bônus. Eu queria tempo de contato com os homens atrás de Mora para poder identificá-los e colocá-los na fita.

Mora cuspiu os nomes de seus confidentes e clientes mais próximos, incluindo Samuel Escruceria, congressista colombiano e grande participante do tráfico de drogas com seu pai, um senador colombiano. Os Escrucerias trabalharam com um homem em L.A. conhecido como “Joalheiro”. O Joalheiro não apenas movia as drogas, mas também ajudava os Escrucerias a lavarem seus lucros.

Então, o dia do pagamento: Mora me convidou e Emir para acompanhá-lo para a West Coast para conhecer o Joalheiro.

No dia seguinte, Mora recebeu a turnê real na Financial Consulting; a sede da Tammy Jewels, que controlava mais de setenta lojas de jóias de baixo custo em shoppings da East Coast; e um restaurante de 250 lugares. Mora viu que esses negócios pesados ​​de fluxo de caixa forneciam uma explicação rígida às autoridades para grandes depósitos em dinheiro. Eu até vendi uma amostra de jóias espalhafatosas com o pensamento de que ele poderia se tornar o representante exclusivo da Tammy Jewels na Colômbia. Sempre que eu oferecia a ele a chance de ser o representante exclusivo na Colômbia de qualquer coisa, ainda mais cifrões brilhavam em seus olhos.

Depois do passeio de negócios, Emir, Mora e eu paramos em um pequeno aeroporto privado. Com a ajuda de um informante que possuía um avião, mostramos Tampa a Mora a alguns milhares de metros de altura. Como nós bancamos muito, apontei várias propriedades comerciais supostamente de propriedade do meu grupo. Os olhos de Emir rolavam enquanto ele traduzia minhas histórias sobre o nosso chamado império na Flórida. Então os olhos de Mora também rolavam. Se não chegássemos em breve, íamos ver o café da manhã dele. O informante, que aprendeu a voar em pistas de pouso menores em selvas remotas, nos deixou do céu e aterrissou em Tampa International antes que Mora a perdesse.

Atravessamos o aeroporto e encontramos Rick Argudo no restaurante CK’s, que fica no topo do Marriott Airport Hotel. Enquanto bebíamos chardonnay e conversávamos sobre o iminente casamento comercial entre a família Musella e os amigos de Mora na Colômbia, Argudo falou alegremente sobre como o BCCI poderia nos ajudar a construir nossa coalizão. Ele se ofereceu para abrir contas em todo o mundo e manter nossas transações em segredo, bombeando-as pelo Panamá. Ele sugeriu que Mora e eu criássemos falsas faturas para justificar movimentos monetários através das fronteiras. Ele até mesmo sugeriu — engenhosamente — que, em vez de simplesmente movimentar o dinheiro de um lado para o outro, consideramos que estacionar milhões em certificados de depósito no exterior para ser usado como garantia para empréstimos em quantias semelhantes. Se os federais tentassem rastrear a origem de nossas transferências, eles assumiriam falsamente que nossas transferências eram desembolsos dos recursos do empréstimo.

Na manhã seguinte, antes de Mora voar para Los Angeles para marcar nossa reunião com o Joalheiro, ele nos encontrou no apartamento de Emir. Precisávamos de um truque para nos ajudar a desenvolver informações sobre as dezenas de outros colombianos que Mora atendia no cartel. Caso contrário, estaríamos apenas lavando — não nos infiltrando. Eu trouxe uma pilha de cheques cancelados que haviam sido escritos por Mora na Colômbia e trocados por remessas de dinheiro que aceitamos nos Estados Unidos. Eu disse a Mora que minha bunda estava na linha se os federais se interessassem em algum de seus clientes, contas panamenhas, então eu precisava da ajuda dele para revisar os cheques cancelados e aprender mais sobre as pessoas que os negociaram — minha desculpa é que, com a ajuda de Mora, eu seria capaz de avaliar meu risco. Ele sabia precisamente quem negociava os cheques e se algum deles estava chamando a atenção das autoridades colombianas.

Enquanto examinava os cheques, Mora confirmou os nomes de quatro clientes na Colômbia, bem como um pseudônimo usado por um corretor colombiano, Juan Guillermo Vargas, que lavava dinheiro para o cartel. Mora indicou que todos esses clientes ficariam animados em saber sobre o meu relacionamento com o BCCI e a conta do Panamá. Ele não podia esperar para contar ao Joalheiro sobre as oportunidades no horizonte com Bob Musella e Emilio Dominguez.

Agora tudo o que precisávamos fazer era convencer os clientes de Mora de que éramos de verdade.





Manancial: 
The Infiltrator

Sem comentários