DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Livro “Tupac: 187” sugere que Suge Knight não teve nada a ver com o assassinato de Tupac Shakur


Tupac: 187 é uma examinação de 15.000 páginas de arquivos de casos no assassinato de Tupac Shakur e Biggie Smalls. Muitos dos documentos examinados foram removidos dos arquivos do caso atual. Suge Knight estava dirigindo o BMW quando o Cadillac branco estacionou ao lado de onde atiradores dispararam 13 tiros no carro. Suge Knight, simplesmente, não estava envolvido no assassinato de Tupac Shakur.



Los Angeles, CA, 13 de Maio de 2015 (Newswire.com) — Os rumores de que Suge Knight foi responsável pelo assassinato de Tupac Shakur foram rodados por anos porque Suge Knight tinha um motivo — dinheiro. Suge tinha muito a perder se Tupac deixasse a Death Row Records e ele tinha muito a ganhar com a morte de Tupac. Naquela época, a percepção era de que Suge Knight era a Death Row Records. Os contratos foram todos redigidos em nome da gravadora — não com Suge pessoalmente.

O boato de que Suge estava por trás do assassinato de Tupac tinha pernas por causa do motivo do dinheiro associado à Death Row Records, mantendo a receita gerada por Tupac Shakur. Tupac havia trabalhado duro para cumprir seu contrato, estabelecendo faixas que estavam no cofre, prontas para serem liberadas. Cerca de 200 faixas foram gravadas em pouco tempo e a Death Row Records possuía essas faixas. Se o assunto fosse ao tribunal, Tupac podia ter sucesso em ganhar os direitos das gravações. Se Tupac morresse, não haveria ninguém para contestar a propriedade — pelo menos era esse o pensamento na época.

Mas a única questão que nunca foi respondida até agora é: “Por que Suge Knight se colocaria no veículo se planejasse matar Tupac?”

Esses documentos foram fotocopiados na época e mantidos em segurança para que a verdade pudesse ser revelada. Quando uma Carta de Confissão surgiu em 2014, os documentos também foram examinados no contexto da Carta de Confissão para dar aos escritores uma melhor compreensão do que aconteceu naquela noite.

A verdade é que Suge Knight possuía os meios para matar Tupac Shakur. Ele teve muitas oportunidades de matar Shakur de várias maneiras que não o colocariam na mira da noite. Se Suge quisesse Tupac morto, teria se desdobrado de uma maneira muito diferente. Suge Knight estava dirigindo o BMW quando o Cadillac branco estacionou ao lado de onde atiradores dispararam 13 tiros no carro. Suge Knight, simplesmente, não estava envolvido no assassinato de Tupac Shakur.

A Carta da Confissão diz que tanto Tupac Shakur quanto Suge Knight deveriam morrer naquela noite. Os assassinos queriam conquistar a Death Row Records — no valor de um bilhão de dólares na época. Eles também queriam os direitos da música de Tupac de acordo com a carta. A carta, escrita em 1998, nomeia o atirador de Tupac Shakur.

Se rastrearmos o boato de que Suge é o assassino, de onde vem? Vem do homem no avião de volta de Nova York, em 4 de Setembro, que perguntou repetidamente a Tupac se ele estava vindo para Las Vegas. Vem do mesmo artista que pensava que Tupac e Suge o matariam na época. Vem do mesmo artista que foi abandonado por seus próprios detalhes de segurança na noite de 1º de Maio de 1998 no Universal Amphitheater. O Departamento do Xerife do Condado de Los Angeles resgatou o artista como membros de gangues que pareciam prejudicá-lo. O artista disse ao xerife que Suge Knight estava por trás do assassinato de Tupac Shakur. Eles contaram a outros e o boato voou.

É alguma surpresa que o atirador mencionado na carta de confissão seja o primo do artista que começou o boato de que Suge Knight estava por trás do assassinato?

Quaisquer que sejam os crimes que Suge Knight possa ter cometido, ele certamente não é culpado do assassinato de Tupac Shakur. Na noite de 7 de Setembro de 1996, Suge Knight foi vítima e ele foi o alvo do assassinato. Quando muitos do mesmo grupo se reuniram, seis meses depois, para matar Biggie Smalls no Museu Petersen, eles escolheram um atirador profissional, usaram munição para perfurar as armaduras GEKO e mantiveram as gangues fora de operação. Um SS preto parou ao lado do carro de Biggie e um padrão apertado de tiros atingiu apenas Biggie Smalls. Tupac permaneceu por vários dias, Biggie Smalls morreu quase que instantaneamente. O resultado diferente foi devido a mudanças empregadas através das lições que os assassinos aprenderam em 7 de Setembro de 1996 — a noite em que Suge Knight e Tupac Shakur tiveram “sinal verde” para serem executados.

Sobre Tupac: 187: RJ Bond, Michael Douglas Carlin e o ex-detetive da polícia de Los Angeles, Russell Poole, examinam as provas do assassinato, como os culpados escaparam da acusação e depois desvendaram as mentiras que impediram que a justiça fosse entregue aos culpados. Tupac: 187 é a voz definitiva sobre os assassinatos de Tupac Shakur e Biggie Smalls.




Manancial: Newswire

Sem comentários