DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

MATANDO PABLO – PARTE 1


Um turnê da força do jornalismo investigativo — Killing Pablo é a história da violenta ascensão e queda de 
Pablo Escobar, o chefe do cartel colombiano de cocaína de Medellín. O império criminoso de Escobar mantinha uma nação de trinta milhões de reféns em um reino de terror que só terminaria com sua morte. Em um relato intenso e de perto, o premiado jornalista Mark Bowden expõe detalhes nunca antes revelados sobre a perseguição secreta de dezesseis meses liderada pelos EUA. Com acesso sem precedentes a importantes atores — incluindo o presidente colombiano César Gaviria e o chefe incorruptível da unidade policial especial que perseguiu Escobar, o coronel Hugo Martinez — bem como documentos ultrassecretos e transcrições das conversas telefônicas interceptadas de Escobar, Bowden produziu uma emocionante narrativa. Isso é um retrato gritante da justiça bruta no mundo real.


O conteúdo aqui traduzido foi tirado do livro Killing Pablo, de Mark Bowden, sem a intenção de obter fins lucrativos.RiDuLe Killah


MATANDO PABLO


POR MARK BOWDEN

PARTE 1



Morris D. Busby, o embaixador dos EUA na Colômbia, foi acordado por dois telefonemas na Quarta-feira, 22 de Julho de 1992, em uma casa em Chevy Chase, Maryland, onde ele e sua esposa estavam hospedados com amigos.


O primeiro telefonema era informá-lo de que o presidente colombiano, César Gaviria, havia finalmente decidido transferir o bandido ilegal Pablo Escobar para uma nova prisão, algo que Busby vinha instando há mais de um ano. Pouco depois veio o chamado, dizendo que Escobar escapara de alguma forma de uma brigada inteira do exército colombiano.

O embaixador passou muito tempo na Colômbia para se surpreender. Ele interrompeu suas férias e, em poucas horas, voou de volta para Bogotá.

Busby acreditava que este mau rumo dos acontecimentos para a Colômbia poderia ser o rompimento de que precisava. Desde que ele havia sido designado para a embaixada em Bogotá no ano anterior, escolhido para a tarefa em grande parte porque se tornara tão perigoso, Busby estava ansioso para dar o exemplo de Escobar, mas estava frustrado com o acordo do chefe do tráfico com o governo.

O mais notório traficante de drogas do mundo estava empoleirado no espetacular topo de uma montanha dos Andes, dirigindo seu negócio de cocaína cercado e protegido pelo exército colombiano. As estimativas atuais eram de que 70 a 80 toneladas de cocaína estavam sendo enviadas da Colômbia para os Estados Unidos a cada mês, e Escobar controlava a maior parte delas.

Dentro de sua prisão personalizada, Escobar vivia como um sultão. Houve festas com comida gourmet e bebida, rainhas de beleza e prostitutas. Havia drogas, camas de água e sistemas de som elaborados. Escobar administrava seu império de narcóticos por telefone. Ele ordenou os assassinatos de qualquer um que o cruzasse — incluindo dois dos antigos associados de Escobar que foram torturados e mortos dentro dos muros da prisão — de acordo com uma conta, pendurados de cabeça para baixo e sangrando como bois.

No palácio presidencial em Bogotá, no dia da fuga de Escobar, Busby encontrou o presidente Gaviria andando em seu escritório com fúria. Gaviria ficara acordado a noite toda recebendo um relato ultrajante após o outro: nenhum ataque havia sido feito na prisão durante o dia, apesar das ordens de Gaviria. Seu vice-ministro da justiça e seu chefe do Serviço de Prisões entraram sem autorização para falar com Escobar, e ambos foram feitos reféns. E, finalmente, o pior de todos os cenários aconteceu: Escobar havia desaparecido.

Foram necessários mais de dois anos, centenas de vidas e centenas de milhões de dólares — grande parte dos fundos secretos dos EUA — para levar o bilionário assassino das drogas à sua rendição. Agora, em uma noite, tudo se desfez.

Esperando com Busby, através das lamentações do presidente, estavam Joe Toft, o chefe do escritório da DEA, e Bill Wagner, o “secretário político” que era na verdade o chefe da estação da CIA de Bogotá.

“Uma brigada inteira!” Gaviria gritou com espanto. “E o general permite que dois funcionários dentro da prisão falem com ele! Por quê? Para notificá-lo de que ele seria levado? O que ele esperava que acontecesse? Uma coisa tão estúpida! Quero dizer, uma coisa tão estúpida!”

Gaviria estava de saco cheio. Por muitos longos meses, ele resistiu às súplicas do governo dos EUA. Ele tentou controlar Escobar por conta própria. Agora tudo havia mudado. Chegou a hora, ele decidiu, de chamar os americanos.



O acordo que havia aterrado Escobar em sua prisão La Catedral no ano anterior era uma obra-prima de duplicidade. Um homem com o sangue de milhares de pessoas em suas mãos foi autorizado a se declarar culpado por ter apresentado seu primo a um homem que havia organizado um único carregamento de drogas no exterior. Escobar era para cumprir uma pena de prisão e emergir um homem livre, todos os pecados perdoados.

A duração do mandato era indeterminada porque os promotores podiam adicionar novas acusações se obtivessem provas de novos crimes — o que não é provável, pois as testemunhas contra Escobar geralmente eram subornadas ou assassinadas. Em troca, o governo concordou em não extraditar Escobar para os Estados Unidos.

Todos sabiam que La Catedral não era uma prisão. Escobar pagou para que fosse construído no local de um dos refúgios preferidos de sua estância perto de Medellín. Seus companheiros de prisão eram seus comparsas. Ele exerceu uma influência dominante sobre o governo local de Envigado, onde foi construído, e Medellín, a florescente cidade do norte que era a base do seu império das drogas. Em sua ânsia de fazer um acordo com Escobar, Bogotá havia cedido praticamente toda a autoridade para a prisão” a esses locais.

La Catedral era legalmente um estado dentro de um estado. A polícia nacional, que havia perdido centenas de oficiais para os assassinos de Escobar, foi proibida de chegar a menos de dezenove quilômetros da prisão. Preocupado com o fato de as Forças Especiais americanas ou os agentes da CIA poderem descer de helicópteros, Escobar pediu ao governo provincial que fechasse o espaço aéreo sobre a prisão, o que aconteceu. Guardas do exército atiravam em qualquer aeronave que invadisse.

A rendição de Escobar em 1991 permitiu que Gaviria reivindicasse uma vitória política. Não só o chefe do narcotráfico estava atrás das grades, pelo menos tecnicamente, mas a longa e sangrenta campanha de bombardeio dirigida por Escobar e seus companheiros narcotraficantes havia sido interrompida. Milhares de colombianos morreram. Milhões viviam em terror. O país estava exausto pela violência.

Mas agora, um ano depois, Gaviria decidiu transferir Escobar para uma prisão real em uma base militar em Bogotá, um passeio de helicóptero de duas horas da base de poder de Escobar em Medellín. O presidente ficou envergonhado com a exposição de jornal da vida pródiga de Escobar atrás das grades. E ele estava sob pressão dos americanos, que secretamente injetaram milhões de dólares na perseguição da polícia colombiana a Escobar que ajudou a compelir sua “rendição”.



No palácio presidencial de Bogotá, diante do embaixador americano e de sua alta assessoria, Gaviria expressou sua frustração com a fuga de Escobar e com a incapacidade do exército de detê-lo.

“Uma coisa tão estúpida!” ele disse.

O presidente ficou exasperado. Ele estava vivendo com a ameaça de Pablo Escobar por anos. Durante toda a campanha para a presidência em 1989, ele esperava ser morto pelo chefe do narcotráfico. Escobar tentou várias vezes matá-lo. Gaviria tomou o lugar do candidato presidencial Luis Galan — o grande amigo de Gaviria — depois que ele foi assassinado pelos matadores de Escobar.

Uma vez eleito, a esperança de Gaviria era que o problema Escobar simplesmente desaparecesse, pelo menos por um tempo. Colômbia estava reescrevendo sua constituição, uma tarefa extremamente importante e histórica que poderia estabelecer uma base estável e pacífica para a nação pela primeira vez desde que a guerra civil, La Violencia, explodiu mais de 50 anos antes.

A última coisa que Gaviria precisava era que Escobar voltasse a correr solto, disparando seus caminhões e carros-bomba e soltando seus sicários (matadores), ou contratando assassinos. Sempre o pragmático, o presidente deixou de lado toda a raiva que sentia em relação ao assassino do chefe do narcotráfico e acertou o acordo que mandara Escobar para a prisão. Que Escobar pudesse simplesmente desaparecer dele agora confirmava todas as piores suposições internacionais sobre o país. Isso fez com que a Colômbia parecesse uma narcocracia.

A cena em La Catedral permaneceu caótica. Um soldado foi morto no ataque. Dois guardas do Serviço de Prisões tinham sido feridos. Cinco capangas de Escobar haviam sido capturados, mas nove haviam saído com ele.

Gaviria temia que os americanos pensassem que Escobar conseguiu o que queria, porque todos os colombianos eram corruptos. Era difícil para os estrangeiros entenderem, ele acreditava; eles não sentiram a aura completa de ameaça em torno deste homem. Os americanos vieram e foram. Eles serviram seus dois ou três anos em Bogotá, vivendo atrás de paredes altas e bem patrulhadas, e depois voltaram para casa.

Para os colombianos, a ameaça de Pablo Escobar e dos outros assassinos do narcotráfico era constante. Só entre Janeiro e Maio de 1991, os sicários de Pablo mataram quatrocentos policiais em Medellín. Ele matou jornalistas, juízes, políticos. O poder não era proteção; isso apenas fazia de você um alvo mais provável.

Agora Gaviria tinha certeza de uma coisa: essa fuga foi a última de Escobar. Não haveria mais investigações, negociações, julgamentos ou prisões. Ele não esperava que Escobar fosse levado vivo novamente.

O presidente andava pelo quarto furiosamente enquanto falava.

Busby estava acostumado com o temperamento do presidente. Ele admirava a coragem de Gaviria, fazendo campanha para presidente desafiando as ameaças de Escobar, mas não achava Gaviria um homem carismático. Havia pouco sobre Gaviria que parecia presidencial, acreditava Busby, embora ele fosse quase classicamente bonito, com seu cabelo escuro e queixo forte.

Tanto Busby quanto Wagner, o homem da CIA, viram Gaviria e os outros em sua administração como agradáveis, bem-educados, idealistas e irremediavelmente ingênuos em seus modos educados de classe média alta. Eles não tinham chance de barganhar com um gangster durão e desordeiro como Escobar. Mesmo assim, acreditava que Gaviria, embora frustrado e zangado, era capaz de se tornar frio e calculista. Se eles fossem buscar Escobar, precisariam de um presidente assim.

Busby sabia que essa oportunidade não duraria, e ele estava determinado a aproveitar ao máximo. Era o tipo de tarefa para a qual ele foi cortado.

Ele era originalmente um militar, juntando-se à marinha depois de se formar na faculdade. Busby tinha servido com uma unidade das Forças Especiais da Marinha que antecedia os Seals, mas ele era frequentemente descrito como um “antigo Seal”, um erro que ele sempre corrigia rapidamente, mas que, no entanto, aumentava sua mística.

Busby tinha ligações próximas com as Forças Especiais Americanas, mas elas provinham menos de seu serviço militar do que em seus anos como embaixador do contraterrorismo no Departamento de Estado, um trabalho que envolvia a coordenação de ações militares secretas e diplomáticas americanas em todo o mundo.

Ele era um militar que adotou a diplomacia como uma segunda carreira. Isso fez dele um novo tipo de diplomata.

Quando o mundo da Guerra Fria entrou em colapso, os inimigos da América se tornaram drogas e bandidos. Diplomatas em partes anteriormente sem importância do mundo encontraram-se na vanguarda das relações exteriores dos EUA. Em certos países, os embaixadores agora atuavam como comandantes de campo, orquestrando os esforços policiais, militares e diplomáticos, tanto secretamente quanto em cooperação com os governos anfitriões.

A esse respeito, Busby parecia feito para o trabalho na Colômbia. Para os colombianos, ele se parecia com o próprio tio Sam, menos o cavanhaque branco. Ele era alto, magro e bronzeado, com cabelos grisalhos arenosos e os poderosos braços e mãos de um homem que era um habilidoso carpinteiro e adorava navegar pelas águas da Baía de Chesapeake.

Havia algo sobre Busby que respondia à simplicidade moral do confronto. Ele era um patriota americano, um verdadeiro crente, e poucas circunstâncias em sua carreira foram mais claras do que o desafio proposto por Pablo Escobar, um homem que ele considerava um monstro.

Agora, enquanto ouvia Gaviria, ele sabia que a hora da ação havia chegado.

Sempre houve restrições quanto ao que as forças militares americanas podiam fazer na Colômbia. Mas agora, insultado e envergonhado, Gaviria disse que, no que lhe dizia respeito, a porta estava escancarada. Apesar das barreiras constitucionais colombianas e da ampla oposição pública às tropas estrangeiras em seu território, especialmente as tropas americanas, Gaviria disse que gostaria de receber toda e qualquer ajuda que pudesse dar para encontrar Escobar.

“Isso é fundamental, por favor”, disse ele ao embaixador. “Ajude-nos a pegar esse cara o mais rápido possível.”

OITO ANOS ATRÁS, a pedido do governo colombiano, as forças militares e de espionagem dos EUA ajudaram a financiar e orientar uma perseguição massiva que acabou com o assassinato de Pablo Escobar, o traficante de cocaína mais rico do mundo.

Ao retratar a busca de Escobar como essencialmente uma operação colombiana, os Estados Unidos gastaram secretamente milhões de dólares e empunharam soldados de elite, policiais e a unidade de espionagem eletrônica mais sofisticada dos militares.

A extensão total do papel dos EUA nunca foi tornada pública. Detalhes da operação de quinze meses, que começou durante a administração do presidente George Bush e continuou sob o governo de Clinton, são revelados em um início de série no The Inquirer hoje.

Uma investigação de dois anos da Inquirer descobriu que:


A unidade secreta de combate ao terrorismo do exército, a Força Delta, junto com uma equipe clandestina de vigilância eletrônica do exército, rastreou os movimentos de Escobar e seus associados e ajudou a planejar ataques de uma unidade especial da polícia colombiana chamada Bloco de Busca. O ex-embaixador americano na Colômbia dirigiu o esforço dos EUA com a ajuda de agentes da CIA, do F.B.I., da DEA e da Agência de Segurança Nacional.

No meio da operação, o Bloco de Busca começou a colaborar com os vigilantes, que assassinaram associados e parentes de Escobar. Soldados e agentes dos EUA disseram que testemunharam a cooperação. Os Estados Unidos continuaram a fornecer inteligência, treinamento e planejamento ao Bloco de Busca, enquanto os assassinatos continuavam.

Em Novembro de 1993, funcionários do Pentágono tentaram acabar com o envolvimento dos EUA na caçada ao homem. Eles estavam preocupados que as forças americanas na Colômbia estivessem indo além de suas instruções e possivelmente violando uma diretriz presidencial proibindo o envolvimento americano no assassinato de cidadãos estrangeiros. A campanha para retirar o pessoal dos EUA foi paralisada por um esforço influenciado liderado pelo embaixador americano em Bogotá. Cinco semanas depois, Escobar foi morto pela polícia colombiana.

Contas oficiais da época disseram que Escobar, 44 anos, foi morto em 2 de Dezembro de 1993, em um tiroteio em um telhado na cidade de Medellin. Relatórios de autópsia e fotos revelam que ele foi baleado à queima-roupa no ouvido. Um comandante da Polícia Nacional colombiana disse que Escobar foi executado por um membro do Bloco de Busca após ser ferido. O governo colombiano disse que seu objetivo era prender Escobar, um criminoso indiciado.

A missão de rastrear Escobar livrou a Colômbia de uma ameaça violenta que ameaçou derrubar o estado. Escobar aterrorizou seu país a partir de 1984 — assassinando juízes, policiais, jornalistas e políticos. Grande parte da violência foi destinada a coagir o governo colombiano a proibir a extradição de traficantes de drogas para os Estados Unidos. Acredita-se que Escobar tenha ordenado o assassinato de três dos cinco candidatos à presidência da Colômbia em 1989.

Mas a eliminação de Escobar não fez nada para deter o fluxo de cocaína para os Estados Unidos e pode ter contribuído inadvertidamente para a formação de “super cartéis” — alianças entre guerrilheiros, agricultores, paramilitares e traficantes que hoje ameaçam o governo da Colômbia.

O envolvimento americano na busca por Escobar começou em 1989, quando o presidente Bush autorizou um esforço militar secreto para ajudar a Colômbia a localizar líderes do cartel de cocaína de Medellín. Seu nome de código era Heavy Shadow.

Centra Spike, uma unidade secreta do exército especializada em rastrear pessoas monitorando chamadas telefônicas e de rádio, foi secretamente enviada à Colômbia em Agosto daquele ano.

A sofisticada vigilância ajudou a perseguir Escobar e uma vida em fuga. Ele se rendeu às autoridades colombianas em 1991 após negociar um acordo que lhe permitiu viver com seus associados mais próximos em uma confortável “prisão” construída para ele em sua cidade natal, Envigado, perto de Medellín.

Escobar fugiu da prisão em 22 de Julho de 1992, quando as autoridades colombianas tentaram transferi-lo para uma prisão real. Depois que ele desapareceu, o presidente colombiano, César Gaviria, pediu aos Estados Unidos que ampliassem sua assistência. Bush autorizou o desdobramento clandestino da Força Delta e de outros funcionários dos EUA, e o esforço multimilionário continuou durante o governo Clinton até a morte de Escobar.

Declarações públicas de autoridades dos EUA durante a caçada reconheciam que as forças americanas haviam ajudado a treinar o Bloco de Busca da Colômbia. Mas o envolvimento americano no esforço foi muito mais extenso do que isso.

Os participantes disseram que as contribuições secretas dos EUA totalizaram centenas de milhões de dólares em hardware, pessoal e dinheiro. No auge, com todas essas forças reunidas sob o comando do embaixador Morris D. Busby e do chefe da estação da CIA, Bill Wagner, Bogotá era a maior estação da CIA no mundo.

A caçada por Escobar tomou um rumo feio em Fevereiro de 1993, quando um grupo de vigilantes chamado Los Pepes (Perseguidos por Pablo Escobar) embarcou em uma campanha de assassinatos e atentados a bomba.

Os vigilantes queimaram as mansões e carros de luxo de Escobar e começaram a matar metodicamente advogados, banqueiros, lavadores de dinheiro, assassinos e parentes que o ajudaram a manter seu império da cocaína. Ao fazê-lo, os vigilantes deram uma contribuição fundamental — despir a infraestrutura da organização de Escobar e deixá-lo isolado e com medo de sua família.

Nos comunicados, Los Pepes disseram que era composto por parentes de pessoas assassinadas ou aterrorizadas por Escobar. Os vigilantes penduraram uma placa em volta do pescoço de uma vítima que dizia: “Por trabalhar com o narco-terrorista e assassino de bebês Pablo Escobar. Para a Colômbia. Los Pepes.”

Os métodos do Bloco de Busca não foram menos brutais. Tantos de seus alvos foram mortos, em vez de presos, que as autoridades americanas passaram a considerar a frase “Assassinado em um tiroteio com a polícia colombiana” como um eufemismo para execução sumária.

Busby, então embaixador dos Estados Unidos, e o general colombiano Hugo Martinez, comandante do Bloco de Busca, negam que a busca por Escobar tenha sido contaminada pela cooperação com Los Pepes, que, no máximo, matavam até cinco pessoas por dia. O grupo assassinou cerca de 300 pessoas. Ninguém foi processado por esses assassinatos.

Martinez disse em entrevistas que ele e seus homens não tinham associação com Los Pepes, a quem ele chamou de “incômodo”.

“Eles criaram mais problemas para nós do que ajudaram”, disse Martinez, que sobreviveu a inúmeras tentativas contra sua vida e sua família. Ele disse que recusou um suborno de $6 milhões de dólares de Escobar para abandonar a perseguição.

Busby disse que havia sido informado de evidências de que o Bloco de Busca e o Los Pepes estavam trabalhando juntos, mas nunca o acharam convincente. Ele disse que, se ele acreditasse que os dois grupos estavam ligados, “isso teria sido uma demonstração. Teríamos tirado todos do país. Comuniquei isso diretamente ao presidente colombiano”.

A evidência que Busby viu foi detalhada em um telegrama secreto que escreveu em 1º de Agosto de 1993. Nele, o embaixador disse que o principal promotor da Colômbia havia dito a ele que tinha uma evidência “muito boa” de uma conexão. Busby também disse que “nossa própria reportagem sugeriu uma conexão.

Cabos separados da DEA da embaixada notaram a conexão entre o Bloco de Busca e um líder do Los Pepes.

Busby, em uma entrevista, disse que não tinha visto os cabos da DEA e que os agentes da DEA e os agentes da Força Delta nunca o informaram das interações que testemunharam entre os membros do Bloco de Busca e Los Pepes.

Ele disse que ainda não acredita que o Bloco de Busca e os vigilantes estavam conectados.

Em uma série de entrevistas, o ex-presidente colombiano Gaviria, agora secretário geral da Organização dos Estados Americanos, disse suspeitar de laços entre seus generais da polícia e Los Pepes.

“Eu estava muito preocupado que houvesse uma conexão”, disse Gaviria. “Falei muito contra o Los Pepes desde o começo, mas temi que houvesse uma conexão com a polícia. Acho que a polícia sentiu que estava muito perto de conseguir Escobar, e talvez tenha ido em frente por causa disso.

O General de Finanças colombiano Gustavo de Greiff, o equivalente do procurador geral dos EUA, teve mais do que suspeitas. Durante o verão de 1993, ele disse a autoridades americanas em Bogotá que ele tinha fortes evidências de que Martinez e vários altos oficiais do Bloco de Busca estavam trabalhando com Los Pepes. Ele disse que a evidência era suficiente para acusá-los de suborno, tráfico de drogas, tortura, sequestro e possivelmente assassinato.

Busby retransmitiu essa informação para Washington em seu telegrama secreto de 1º de Agosto de 1993. O embaixador expressou dúvidas sobre as fontes das informações de de Greiff. Muitas das alegações, escreveu ele, foram feitas por “ex-assassinos de Escobar” tentando desacreditar o Bloco de Busca.

No entanto, Busby disse que ele havia pedido de Greiff e o ministro da defesa colombiano a remover imediatamente Martinez e os outros policiais, e ameaçou retirar o apoio americano se eles não o fizessem. Busby disse que queria “remover a mácula do esforço anti-Escobar.

Um conselho contrário estava sendo oferecido por Joe Toft, chefe da DEA em Bogotá. Em um telegrama escrito dois dias depois de Busby, Toft disse que solicitou autoridades colombianas a manter Martinez no lugar. A mensagem diz em parte: “O BCO” — Bogota Country Office, significando a Embaixada dos EUA — “continua a apoiar o coronel Martinez e seus subordinados.”

Martinez permaneceu comandante do Bloco de Busca. Nem ele nem nenhum membro da unidade foi processado, e o apoio dos EUA à busca de Escobar nunca vacilou.

O coronel da polícia colombiana Oscar Naranjo, então chefe de inteligência da Polícia Nacional e agora chefe de análise do Ministério da Defesa, disse em uma entrevista que Los Pepes trabalhou em estreita colaboração com o Bloco de Busca.

“Os Pepes foram uma opção desesperada depois que Pablo Escobar gerou tanta violência em Medellín”, disse Naranjo. “Antigos parceiros de Escobar se uniram para oferecer seus serviços ao governo. Para os oficiais de alto escalão da polícia e do governo, sua relação com o Bloco de Busca foi mantida deliberadamente incerta, mas as pessoas celebravam as ações de Los Pepes em todos os níveis. Eles e o Bloco de Busca agiram com base nas informações coletadas pela Embaixada dos EUA e pelo exército e polícia colombianos.

Tofts disse em 3 de Agosto de 1993: “Neste ponto, de acordo com Greiff, os policiais provavelmente já estavam envolvidos demais com Los Pepes para se retirarem. O testemunho das testemunhas indica que não apenas alguns membros do Bloco e do Los Pepes estavam executando operações conjuntas, algumas das quais resultaram em sequestros e possivelmente assassinatos, mas que a liderança do Los Pepes estava dando as ordens, ao invés da polícia.

Há outras evidências de cooperação entre o Bloco de Busca e o Los Pepes.

Fidel Castaño, um colorido e implacável líder paramilitar colombiano, conhecido como “Rambo, que havia ajudado Escobar a entregar cocaína e que foi morto em 1994 lutando contra guerrilheiros marxistas, reconheceu publicamente aos repórteres antes de sua morte que ele era um dos fundadores do Los Pepes. Ele e seus irmãos se voltaram contra o chefe do narcotráfico depois que ele assassinou seus associados, ele disse.

Em um despacho para a sede da DEA, em 22 de Fevereiro de 1993, o agente da DEA, Javier Peña, em Bogotá, identificou Castaño como “um colaborador que já foi um colaborador de confiança de Pablo Escobar”. Peña observou que Castaño tinha conexões valiosas com o submundo das drogas colombiano. O telegrama prosseguia com os detalhes de uma recente busca no Bloco de Busca contra um suspeito esconderijo de Escobar que havia sido liderado por Castaño.

A conexão de Castaño com o Bloco de Busca foi notada em outro memorando da DEA, escrito em Setembro de 1993 pelo agente Steve Murphy.

Um piloto colombiano e ex-traficante de drogas, que pediu para ser identificado apenas como Rubin, disse que estava associado ao esquadrão da morte, mas não chegou a dizer que era um membro.

Rubin disse que um líder do Los Pepes, um homem que ele identificou apenas como “Bernardo” ou “Don Berna”, havia trabalhado para dois chefes do narcotráfico de Medellín que haviam sido assassinados por Escobar. Dois agentes da DEA disseram que estavam familiarizados com Bernardo, que morava com outros membros do grupo em uma casa nos arredores da sede do Bloco de Busca, em Medellín. Eles disseram que testemunharam sua associação regular com os comandantes do Bloco de Busca.

Toft, que renunciou ao cargo de chefe da DEA de Bogotá um mês depois de Escobar ser morto para protestar contra as crescentes ligações entre os traficantes e o governo colombiano, disse que todo o esforço para rastrear Escobar foi manchado pela associação com elementos criminosos.

“No dia em que Escobar foi morto, houve todas essas celebrações em Bogotá”, disse Toft. “Eu fui para as festas. Todo mundo estava tomando champanhe e dando tapinhas nas costas um do outro, e o tempo todo eu tive esse nó no meu estômago. Eu estava feliz por termos conseguido Escobar, mas a que preço? Isso tirou muita alegria.

À medida que o recrutamento se intensificou em 1993, dois altos funcionários do Pentágono começaram a expressar preocupações sobre possíveis violações da Ordem Executiva Presidencial 12333, que se originou durante o governo Nixon depois que audiências no Congresso expuseram excessos na comunidade de inteligência. Foi atualizado sob os presidentes Jimmy Carter e Ronald Reagan.

A ordem declara: Nenhuma pessoa empregada ou agindo em nome do Governo dos Estados Unidos se engajará ou conspirará para o assassinato. Acrescenta: Nenhuma agência da Comunidade de Inteligência deverá participar ou solicitar que qualquer pessoa realize atividades proibidas por esta Ordem.

Preocupações sobre possíveis violações da ordem levaram o tenente-general Jack Sheehan, do Estado-Maior Conjunto, a recomendar a retirada de todas as forças militares americanas da Colômbia em Novembro de 1993, apenas algumas semanas antes de Escobar ser morto. Na época, Sheehan estava encarregado de todas as operações militares dos EUA no exterior.

Sheehan disse que fez a recomendação depois que dois analistas da CIA o informaram no Pentágono sobre supostos vínculos entre o Bloco de Busca, o Los Pepes e as forças americanas na Colômbia.

Os analistas, de acordo com Sheehan, observaram que as táticas empregadas por Los Pepes eram similares àquelas ensinadas ao Bloco de Busca pela Força Delta; que a inteligência reunida pelas forças dos EUA estava sendo compartilhada com os esquadrões da morte; e que os agentes da Força Delta estavam extrapolando seus pedidos de implantação, acompanhando os membros do Bloco de Busca nos ataques.

A recomendação de Sheehan foi apoiada por Brian Sheridan, subsecretário adjunto de defesa para políticas e apoio ao combate às drogas.

Quando soube da recomendação de Sheehan, Busby ficou furioso. Ele disse que “usou minha influência” em Washington para tentar manter as tropas na Colômbia. Segundo Sheehan, o embaixador telefonou da Casa Branca de Bogotá e contou com o apoio do Conselho de Segurança Nacional.

“Eles todos se alinharam contra puxar nossos caras para fora, disse Sheehan. “Eu pensei que essa coisa tinha ido além da ordem de implantação original, e eu não gostei do jeito que parecia. Para Busby e os outros, era tipo os fins justificam os meios. Eu me opus a isso, como era qualquer um que leva a sério a importância do controle civil sobre os militares.

Busby disse acreditar que os analistas da CIA que fizeram o relatório a Sheehan estavam “mal informados” sobre a seriedade da evidência que ligava o Bloco de Busca e o Los Pepes.

“Fizemos promessas ao presidente Gaviria de que sentíamos a obrigação de manter, disse Busby. “Eu não estava prestes a abandoná-lo naquela data tardia. Era importante demais para ele e para nós. Eu também estava, francamente, com raiva por não ter sido consultado.

No final, o Pentágono ordenou que as unidades secretas da Colômbia — Centra Spike e Delta Force — fossem substituídas por forças especiais não classificadas. A mudança não havia sido concluída até o momento em que Escobar foi morto em 2 de Dezembro de 1993.

Quando Los Pepes apareceu publicamente no início daquele ano, Clinton acabara de assumir o cargo. Não há indicação de que as suspeitas de envolvimento americano com os vigilantes chegassem até ele.

Um oficial sênior do Pentágono disse sobre a perseguição: “Não há dúvida de que as coisas lá embaixo ficaram feias. Pablo Escobar era como um homem no alto de uma montanha... consistindo de todos os membros da família, associados, amigos e admiradores que ele construiu em mais de quarenta anos. E, finalmente, a única maneira de chegar até ele era derrubar a montanha, uma pessoa de cada vez, até que Pablo não tivesse mais lugar para se esconder.

Um ex-oficial do exército americano que participou da caçada chamou o efeito do Los Pepes de “muito significativo.

“Eles eram impressionantes”, disse ele. Não havia dúvida em minha mente de que eles estavam agindo com base nas informações que coletamos. Tornou cada vez mais difícil para isso se esconder. À medida que mais e mais pessoas eram mortas, ele ficava apavorado com a família. Em última análise, isso era o que permitia nós para encontrá-lo.

Meses depois da morte de Escobar, o ex-chefe da DEA em Bogotá, Toft, divulgou fitas de vigilância mostrando que traficantes de cocaína na cidade colombiana de Cali ajudaram a financiar a campanha presidencial do sucessor de Gaviria, Ernesto Samper. Toft disse acreditar que a busca por Escobar realmente ajudou a criar as alianças que hoje assolam o país.

Gaviria disse que, do ponto de vista dele, a batalha contra Pablo Escobar nunca foi primariamente para impedir o contrabando de drogas.

“Ele era um problema muito sério porque era muito violento, disse o ex-presidente. Ele era uma ameaça ao estado. O nível de terrorismo com o qual tivemos que conviver era algo terrível.

Busby, que é aposentado do Departamento de Estado e trabalha como consultor, descreveu a longa busca por Escobar como altamente secreta, mas também satisfatória.

“Muitas coisas aconteceram que ninguém nunca vai falar”, disse Busby. Ninguém nunca falou sobre isso. Vou dizer que, em minha longa experiência, nunca vi tantas agências americanas, militares e civis, trabalhar com tal profissionalismo e eficiência. Estou realmente orgulhoso disso e, deixe-me dizer-lhe, nesse momento eu não queria ser Pablo Escobar.

Pablo Escobar foi sem dúvida o criminoso mais rico e violento da história. A revista Forbes, em 1989, listou-o como o sétimo homem mais rico do mundo.

Como um pequeno gangster e ladrão de carros de Medellín, a segunda maior cidade da Colômbia, Escobar consolidou violentamente a indústria da cocaína no final dos anos 70. Eleito como suplente do Congresso da Colômbia em 1983, Escobar desfrutou de ampla popularidade entre os pobres da Colômbia, especialmente em seu estado natal, Antioquia.

Ele voltou seus métodos violentos contra o Estado em 1984, quando a Colômbia começou a reprimir os exportadores de cocaína e extraditá-los para os Estados Unidos para julgamento.

Sua campanha de assassinato, sequestro, bombardeio e suborno até a sua morte, em 1993, forçou uma crise constitucional na Colômbia. Ele intimidou o governo a proibir a extradição, e sua campanha de assassinato contra juízes e promotores intimidou a nação de tal forma que abandonou o julgamento pelo júri e começou a nomear juízes anônimos e sem rosto para julgar crimes.

No auge de seu poder no final da década de 1980, Escobar e seu cartel de Medellín controlavam até 80% da exportação multibilionária de cocaína colombiana para os Estados Unidos.

Escobar foi acusado de assassinar três dos cinco candidatos à presidência colombiana em 1989 e por instigar uma tomada do Palácio da Justiça em Bogotá em 1986. Mais de 90 pessoas morreram no cerco subsequente, incluindo 11 juízes da Suprema Corte.

Quando uma das bombas de Escobar derrubou um avião da Avianca na Colômbia em Novembro de 1989, matando 107 pessoas, ele se tornou um dos terroristas mais temidos do mundo.

Homens que trabalhavam para Escobar foram capturados no mesmo ano tentando comprar mísseis antiaéreos Stinger em Miami.

Um pesado fumante de maconha, Escobar cultivava um estilo descontraído e informal com seus amigos e associados, mas era tão cruel com seus inimigos que era temido por todos. Em sua batalha contra a polícia colombiana, ele colocou uma recompensa pelo chefe de oficiais em Medellín, pagando recompensas mais altas por matar os de maior patente. Na época de sua morte, aos 44 anos, em 2 de Dezembro de 1993, Escobar foi considerado responsável por milhares de mortes na Colômbia, mas ele foi lamentado publicamente por grandes multidões em sua cidade natal.

Ao sair da prisão em Julho de 1992, Pablo Escobar fez um favor a seus inimigos.

Ele tinha ido de prisioneiro para presa. Morris D. Busby, o embaixador dos EUA na Colômbia, sabia que essa oportunidade não duraria muito. Se Escobar não fosse detido rapidamente, antes que ele tivesse a chance de se estabelecer como fugitivo, a busca poderia se arrastar por meses ou anos.

Escobar passara toda a vida construindo associações criminosas. Sua riqueza e sua reputação de violência asseguravam lealdade onde sua popularidade não. Escondido em sua cidade natal de Medellin, ele era o rei da montanha. Ele estaria livre para retomar e refinar a teia de tráfico de drogas, assassinatos, atentados terroristas, suborno e intimidação que o tornaram o mais notório fora-da-lei do mundo.

Busby queria Escobar agora, enquanto ainda estava em fuga — e em um momento em que o governo colombiano, depois de anos de hesitação, finalmente fizera aos americanos um convite inequívoco para fazer o que pudesse para rastrear Escobar. O embaixador serviu como coordenador do Departamento de Estado para o contraterrorismo, então ele conhecia todas as ferramentas secretas do arsenal americano. E ele sabia exatamente o que queria: ele fez uma ligação para o major Steve Jacoby.

Nos três anos anteriores, Jacoby trabalhara secretamente em uma seção trancada no quinto andar sem janelas da Embaixada dos Estados Unidos em Bogotá, onde poucas pessoas além do embaixador e do chefe da estação da CIA sabiam exatamente quem ele era ou o que ele fazia. Na verdade, Steve Jacoby nem era seu nome verdadeiro. Era uma das quatro identidades que ele poderia assumir a qualquer momento, cada uma apoiada por passaportes e cartões de crédito. Mudar para cada um deles foi como escorregar em um novo par de sapatos.

Jacoby dirigiu uma operação secreta para uma das unidades mais classificadas do Exército dos EUA, um grupo altamente especializado de especialistas em comunicações que tinha passado por uma variedade de nomes de capa ao longo dos anos. Chamava-se Torn Victory, Cemetery Wind, Capacity Gear e Robin Court. Ultimamente, era “Centra Spike”.

Até que Escobar se instalou em sua suíte de prisão de luxo do lado de fora de Medellín em 1991, Jacoby e seus agentes escolhidos a dedo passaram grande parte do tempo secretamente rastreando o traficante, seus comparsas e seus rivais.

A relação amorosa de Escobar com o governo colombiano havia sido um final decepcionante para essa perseguição e, com o evasivo chefe do narcotráfico na prisão, sua missão havia sido diminuída. Jacoby usara a folga para tirar alguns de seus homens e equipamentos da Colômbia. Casamentos e máquinas precisavam de reparos.

Jacoby era um soldado de carreira e um novo tipo de espião. Com o fim da Guerra Fria, uma profusão de operações militares americanas de pequena escala e especializada estava sendo lançada em lugares exóticos por pequenas unidades de soldados não convencionais despachados em curto prazo. Os novos inimigos da América não eram apenas poderes regionais e ditadores e seus exércitos, mas também terroristas, chefes do crime e traficantes de drogas.

Os comandantes militares que antes se concentravam nas manobras de tropas inimigas e nos pesos de lançamento de mísseis agora também precisavam de informações mais oportunas, localizadas e específicas: Quantas portas e janelas tem o prédio alvo? Que tipo de armas os guarda-costas carregam? Onde o alvo come o jantar? Onde ele dormiu na noite passada e na noite anterior?

Centra Spike evoluiu para fornecer o tipo de inteligência precisa e em tempo real que as grandes equipes de espionagem, como a CIA, não foram projetadas para coletar. Com o tempo, a principal especialidade da unidade foi encontrar pessoas.

Técnicas para escutar rádio e conversas telefônicas do ar foram aperfeiçoadas durante missões em El Salvador. Havia outras unidades militares e espiãs que poderiam fazê-lo; o que distinguia Centra Spike era a sua precisão. Foi capaz de identificar a origem de uma chamada em segundos.

A unidade avançou muito além dos primitivos dias da Segunda Guerra Mundial, quando as antenas terrestres podiam fazer pouco mais do que determinar a vizinhança geral de um sinal de rádio. Na Guerra do Vietnã, os especialistas em direção do exército haviam aperfeiçoado as técnicas para localizar rapidamente um sinal de rádio dentro de um raio de meia milha de sua origem. Nos anos 80, quando Jacoby se juntou a um precursor de Centra Spike, essa capacidade foi reduzida a algumas centenas de metros.

Em vez de triangular a partir de três receptores no solo, a unidade fez isso de um pequeno avião. Equipamentos aerotransportados fizeram leituras de diferentes pontos ao longo da trajetória de voo de um avião. Quando um sinal era interceptado, o piloto lançava um arco em volta dele. Com computadores on-board fornecendo cálculos instantâneos, os operadores poderiam começar a triangular pontos de saída naquele arco em segundos. Se o avião tivesse tempo para completar um semicírculo ao redor do sinal, sua origem poderia ser reduzida a menos de 100 metros.

O sistema era ideal para rastrear um homem como Escobar, que se mudava de um esconderijo para um esconderijo, comunicando-se por telefone celular e rádio. Embora um sinal de rádio ou telefone pudesse ser criptografado, não havia como disfarçar sua origem. E o sistema funcionava em qualquer tipo de clima ou terreno.

A presença de tal sofisticado equipamento de espionagem militar dirigido a cidadãos estrangeiros era legal. Uma Diretiva Decisão de Segurança Nacional, assinada pelo presidente Ronald Reagan em 1986, declarou que o fluxo de drogas através dos EUA limita a ameaça à segurança nacional e autoriza o uso de forças militares americanas contra narcotraficantes estrangeiros. Uma diretiva classificada semelhante, assinada pelo presidente George Bush em 1988, autorizou os militares americanos a prender estrangeiros e trazê-los para os Estados Unidos para julgamento.

Então, Centra Spike foi oficialmente aprovada. Também foi altamente classificada. Os operadores e os equipamentos da unidade haviam entrado em Bogotá sob a direção do chefe anterior da estação da CIA, John Connolly. As autoridades colombianas foram informadas de que os Estados Unidos, a seu convite, deveriam iniciar uma vigilância eletrônica bastante sofisticada, mas detalhes sobre métodos ou pessoal não foram fornecidos.

O primeiro problema foi levar a aeronave da Centra Spike ao país sem levantar suspeitas.

Qualquer pessoa que estivesse à procura do equipamento de espionagem mais sofisticado da América estaria à procura de algo alto e extravagante, com grandes características bulbosas e repleto de antenas. Eles provavelmente não estariam procurando por dois Beechcrafts perfeitamente comuns, um modelo mais antigo 300 e um novo modelo 350.

Por dentro e por fora, os Beechcrafts pareciam aviões comerciais padrão de seis hélices e seis passageiros. Essas aeronaves eram comuns na Colômbia, um país montanhoso com estradas precárias. Mas esses Beechcrafts eram aviões de espionagem de $50 milhões abarrotados de equipamentos eletrônicos de última geração para espionagem e direção.

Um exame minucioso de qualquer dos aviões teria revelado uma envergadura de cerca de seis polegadas a mais do que os modelos normais — para acomodar as duas principais antenas de espionagem internas. Mais cinco antenas poderiam ser baixadas da barriga do avião durante o voo.

Na cabine do piloto havia mais instrumentação do que em um 747. Uma vez que os aviões haviam atingido altitudes de 20.000 a 25.000 pés, os operadores ligavam os laptops conectados aos centros de força e estrutura principal dos aviões. Usando fones de ouvido, os operadores podiam monitorar quatro frequências simultaneamente.

Os laptops mostravam as posições dos aviões e as posições estimadas dos sinais sendo rastreados. Como os aviões voavam tão alto, ninguém no chão conseguia ver ou ouvir. Era uma capacidade extraordinária, particularmente útil porque era desconhecida até mesmo para os especialistas em telecomunicações mais sofisticados — o tipo de traficante de pessoas contratado para aconselhá-los sobre maneiras de evitar a detecção.

Para ajudar a explicar por que os Beechcrafts estavam na Colômbia, a CIA criou uma empresa falsa chamada Falcon Aviation. A empresa estaria conduzindo um projeto de segurança da aviação, uma pesquisa das balizas VOR (VHF Omnidirectional Range) da Colômbia. Estes são transmissores em todos os aeroportos para ajudar os pilotos a localizar as pistas.

O projeto deu aos pilotos da Centra Spike uma razão plausível para voar em qualquer lugar do país em busca de Escobar e outros traficantes de drogas. Havia apenas algumas dezenas de balizas VOR na Colômbia, portanto, qualquer pessoa familiarizada com a infraestrutura de aviação do país saberia que esse trabalho levaria apenas algumas semanas. Mas ninguém nunca questionou os mundanos Beechcrafts.

Essa capacidade de rastrear e seguir Escobar estava à disposição de Busby há quase três anos. Agora, com Escobar de volta à solta, o presidente colombiano, César Gaviria, dava aos americanos a carta branca para usá-lo.

Joe Toft, o chefe da DEA em Bogotá, entendia o quão diferente o jogo se tornara. Em um telegrama a Washington, Toft escreveu que Escobar se colocou em uma posição muito precária”.

Ele ofereceu uma previsão:

“A bile e a bravata de Escobar podiam levar à sua queda final.”

Nos três anos desde que sua unidade chegou à Colômbia, os homens da Centra Spike passaram a reconhecer não apenas a voz de Pablo Escobar, mas suas idiossincrasias e seu estilo pessoal único.

A secreta unidade eletrônica de escuta e rastreamento ouvira a voz do homem no rádio e no celular muitas vezes durante a primeira caçada, antes de Escobar fazer seu acordo com o governo colombiano em 1991 e se mudar para uma suíte confortável na “prisão” dirigida por seus guarda-costas.

Agora, no verão de 1992, Escobar saíra da prisão e voltava a ser um fugitivo. Desta vez, o governo colombiano pediu aos Estados Unidos que assumissem um papel mais assertivo ao caçar o homem cujos assassinos e terroristas mataram milhares de colombianos, incluindo candidatos presidenciais e juízes da Suprema Corte.

Supervisionados pelo major Steve Jacoby, os analistas da Centra Spike sentiram que conheciam Escobar tão bem quanto qualquer um, embora nenhum deles jamais tivesse visto ou falado com ele. Dentro de um cofre reforçado com aço no quinto andar sem janelas da Embaixada dos EUA em Bogotá, eles ouviram horas e horas das conversas gravadas de Escobar.

Com base nas discussões de Escobar com seus tenentes, advogados e membros da família, ficou claro que ele era um homem de certo refinamento. Ele tinha uma voz profunda e falava baixinho. Ele era articulado e, embora às vezes aparecesse no familiar patoá de rua de Medellín, costumava usar espanhol muito limpo, livre de vulgaridade e com um vocabulário de certa sofisticação, que às vezes ele aspergia com expressões inglesas.

Ele era meticulosamente educado e parecia determinado a projetar um bom humor absoluto em todos os momentos, embora estivesse claro que todo mundo que falava com Escobar estava com muito medo dele. Tanto o padrão quanto o conteúdo dessas ligações mudaram a compreensão da Centra Spike do cartel de drogas de Medellín que Escobar havia ajudado a construir. Particularmente esclarecedoras foram as ligações feitas por Escobar após a morte de José Rodríguez Gacha em 1989, um dos principais confederados de Escobar. Os operadores da Centra Spike de Jacoby ajudaram o exército e a polícia colombianos a perseguirem Gacha — que foi morto a tiros com seu filho e cinco seguranças por helicópteros do governo colombiano.

Em vez de se esforçar para preencher a lacuna de liderança criada pela morte de Gacha, ou permitir disputas entre os subordinados de Gacha, Escobar trabalhou friamente como um diretor executivo que perdeu um sócio-chave. As pessoas o chamavam para tomar decisões, e ele fazia com calma, redistribuindo os interesses e responsabilidades de Gacha.

Algumas semanas depois, eles descobriram o quão cruel Escobar poderia ser. Ele ordenou que seus homens sequestrassem um comandante do exército colombiano, e então os torturaram lentamente até a morte. Revoltado, um oficial da Centra Spike comprou uma garrafa de 300 dólares de conhaque Remy Martin e prometeu não abri-la até que Escobar estivesse morto.

Derrubado pela unidade de espionagem, as forças de segurança colombianas começaram a obter grandes sucessos. Eles interceptaram algumas das remessas de drogas de Escobar e alguns dos principais associados do chefe do narcotráfico foram presos ou mortos. O próprio Escobar foi sempre alertado por policiais ou oficiais do exército corruptos da Colômbia a tempo de fugir, mas começou a suspeitar de um espião. Ele teve vários membros de sua força de segurança torturados e executados em sua presença no início de 1990. Em uma conversa interceptada, Centra Spike registrou os gritos das vítimas no fundo enquanto Escobar falava amorosamente com sua esposa.

Agora, em Julho de 1992, Jacoby e sua unidade estavam de volta a Bogotá para retomar a caçada.

Ele estava esperando na Embaixada dos Estados Unidos quando altos funcionários americanos voltaram de uma sessão que durou toda a noite com o presidente colombiano, Cesar Gaviria, no palácio presidencial. Foi durante esta sessão que Gaviria, quebrando anos de relutância oficial em permitir o envolvimento americano em larga escala na guerra do governo contra traficantes de drogas, pediu aos americanos que fizessem o que pudessem para rastrear Escobar.

Eles se reuniram no grande cofre de aço no andar de cima do complexo da embaixada — o embaixador Morris Busby; Jacoby; Joe Toft, chefe do país para a DEA; e Bill Wagner, chefe da estação da CIA em Bogotá. Era 23 de Julho de 1992, um dia depois de Escobar deixar a cadeia.

Busby parecia como se não tivesse dormido.

“Quanto tempo você acha que vai demorar para você encontrá-lo?” ele perguntou.

Talvez um dia ou dois, Jacoby disse. Todos sabiam que, se Escobar os evitasse nos primeiros dias, a caçada ficaria significativamente mais difícil. A grande questão era a rapidez com que os colombianos poderiam se levantar e se mexer assim que Escobar fosse identificado.

Apesar de toda determinação, a Polícia Nacional havia se mostrado repetidamente inapta na primeira guerra contra Escobar. Apesar das ligações sólidas fornecidas pela Centra Spike, ele sempre escapava. Havia tanto medo de Escobar que os colombianos sempre saíam em força, centenas de homens em caminhões e helicópteros. Era como perseguir um cervo com tratores.

Depois houve a questão da corrupção. Entre as centenas de policiais envolvidos nesses ataques, sempre havia alguém disposto e capaz de dar uma gorjeta a Escobar.

“Não importa quão boa seja nossa inteligência e o quanto eles tentam, eles não conseguem fechar os últimos mil metros”, disse Jacoby ao embaixador. “Com esses caras, isso não vai acontecer.

Busby considerou os recursos à sua disposição. A CIA era boa em coleta de informações de longo prazo, não em operações especiais. A DEA era boa em trabalhos de rua, recrutando informantes e construindo casos. O F.B.I. em países estrangeiros fez principalmente o trabalho de ligação.

O que Busby acreditava que precisavam era dos caçadores de missões da Força Delta, a unidade de contraterrorismo de elite e secreta do exército. Busby estava familiarizado com a unidade de seus anos como embaixador do Departamento de Estado para o contraterrorismo. Ninguém poderia planejar e realizar uma operação no mundo real melhor do que os homens da Delta.

A lei colombiana proibia as tropas estrangeiras em seu território e, na verdade, estaria pressionando o convite do presidente Gaviria, mas o embaixador achou que isso seria possível no fim colombiano. Delta estava furtiva o suficiente para que a imprensa colombiana nunca descobrisse que eles estavam lá. Mas Busby sabia que havia uma forte resistência dentro do Pentágono ao entrar na guerra às drogas, e acreditava que era improvável que Colin Powell, presidente do Joint Chiefs, ordenasse a mudança por causa de uma objeção tão forte.

“O que precisamos é da Delta, mas nunca conseguiríamos”, disse Busby.

“Por que não?” Jacoby perguntou.

Jacoby e outros membros da comunidade de operações especiais sabiam que o general Wayne Downing, chefe do Comando de Operações Especiais do Exército, estava interessado em envolver a Delta durante a primeira guerra contra Escobar.

O que impediu Downing foi a possibilidade de matar um dos seus homens. Um americano morto da Delta provocaria uma crise em Washington, reduzindo o escrutínio que ele não estava preparado para aceitar.

“Quais são as nossas chances de entrar e não ter ninguém morto?” Downing perguntara a um de seus conselheiros.

“Quase zero”, foi-lhe dito. Nenhum desses narcotraficantes se renderá pacificamente. Se você entrar, terá de pegá-los todos ou matá-los todos.

Downing deixara que Jacoby e outros soubessem que, se surgisse uma situação que fosse a opção certa para a Delta Force — algo limpo, preciso e que pudesse ser feito de maneira não atribuível —, ele estava pronto para enviá-los.

Então, quando Busby disse: “Eles nunca vão se inscrever”, Jacoby respondeu dizendo: “Eu acho que você está errado. Se você perguntar, eu acho que você vai conseguir o que você pede.”

“Eu acho que não há mal nenhum em pedir”, disse o embaixador.

Jacoby deu ao embaixador algum conselho.

“Não diga que você quer que eles entrem aqui e procurem o próprio Pablo”, disse ele. “Isso nunca vai dar certo. Diga que você quer oferecer treinamento e conselhos.”

Todos concordaram que a Delta era a resposta.

Havia outra coisa que se entendia: desta vez ninguém esperava que Pablo Escobar fosse levado vivo. Os colombianos não tinham estômago para julgá-lo ou prendê-lo; Escobar acabara de mostrar o quanto isso era inútil.

Apesar de Escobar ter sido indiciado pelos tribunais americanos, a Colômbia não o extraditaria para os Estados Unidos. Os atentados terroristas e assassinatos de Escobar haviam intimidado o congresso colombiano a proibir a extradição para os narcotraficantes.

Não, desta vez a caçada era para valer, os homens no cofre concluíram. Ninguém disse em voz alta, mas todos sabiam: quando os colombianos encurralaram Escobar dessa vez, todos acreditaram que iriam matá-lo.

As esperanças na Embaixada dos Estados Unidos dispararam quando uma equipe da Força Delta liderada pelo coronel Jerry Boykin chegou a Bogotá no final da noite de Domingo, 26 de Julho de 1992.

O pedido do embaixador Morris Busby para que a Delta ajudasse na busca por Pablo Escobar, para sua surpresa, navegou por Washington. O Departamento de Estado aprovou-o e transmitiu-o à Casa Branca, onde o presidente George Bush consultou o presidente do Joint Chiefs, Colin Powell, e depois instruiu o Presidente da Joint Chiefs Dick Cheney a dar ao embaixador qualquer coisa de que ele precisasse. A palavra era que Bush, que havia despejado milhões em um novo esforço para estancar o fluxo de drogas da América do Sul, havia assumido um forte interesse pessoal.

A ordem veio através do general George Joulwan, comandante do Comando Sul do Exército dos EUA no Panamá, e do major-general William F. Garrison, comandante do Comando de Operações Especiais Conjuntas em Fort Bragg, Carolina do Norte. Coronel Boykin e sua tripulação voaram para para o sul na noite com autorização para fazer o trabalho. Sua missão era o nome de código Heavy Shadow. Eles chegaram em um jato da Força Aérea dos EUA pintado para parecer um voo comercial padrão.

Oito homens americanos muito bem vestidos, vestidos em trajes civis, foram recebidos no aeroporto El Dorado, em Bogotá, por funcionários da embaixada de nível médio e levados para o centro da cidade no escuro, avançando rapidamente por estradas que, à luz do dia, teriam sido bloqueadas pelo tráfego.

A Embaixada dos EUA ficava ao norte do centro de Bogotá, uma estrutura cinza em forma de L de quatro andares, com um quinto andar sem janelas. Foi colocado atrás de muros altos. No cofre do quinto andar fechado, Busby estava esperando com o chefe da CIA, Bill Wagner, e Joe Toft, o melhor homem da DEA em Bogotá.

Busby e Boykin eram velhos amigos e, depois de alguns minutos de conversa, o embaixador começou a informar o coronel da Delta sobre a situação. Foi, para dizer o mínimo, confuso.

Desde a crise da culpa nos palácios do governo até a furiosa agitação da imprensa colombiana, a fuga da prisão de Pablo Escobar em 22 de Julho desencadeou uma grande tempestade em Bogotá. Havia relatos contraditórios por hora: Pablo foi capturado; Pablo foi morto; Pablo se rendera; Pablo ainda estava se escondendo na cadeia.

Até certo ponto que ninguém havia previsto, o problema de Escobar foi uma pedra angular que tocou cada fissura da estrutura de poder confusa da Colômbia. Quando Escobar saiu da prisão, o esperançoso governo do presidente César Gaviria começou a se dividir. Todos os dias uma nova investigação oficial começava. O Ministério da Justiça acusou o exército de aceitar subornos para permitir a fuga de Escobar; um relatório amplamente divulgado (e falso) afirmava que Escobar pagara enormes quantias aos soldados ao redor da prisão, depois saiu vestido de mulher.

O presidente Gaviria já havia demitido todos os guardas e oficiais do exército associados ao desastre, bem como o general da Força Aérea cujos pilotos mantiveram a força de assalto à espera de horas no solo em Bogotá, depois de terem sido ordenados a atacar a prisão.

Os militares começaram a espalhar rumores de que Escobar havia escapado através de um túnel subterrâneo secreto. Parecia possível: com ligações telefônicas interceptadas da prisão nas semanas anteriores à fuga, Escobar e seus homens tinham ouvido falar sobre o uso do “túnel”.

Escobar, de fato, saiu por meios mais convencionais. O “túnel” acabou sendo o termo do chefe do tráfico para o caminhão coberto que era usado para transportar contrabando — mulheres, armas, corpos, álcool — para cima e para baixo da montanha sob os narizes cuidadosamente desinteressados ​​de guardas prisionais e patrulhas do exército. O caminhão ajudou Escobar a manter seu estilo de vida extravagante dentro da confortável “prisão” que ele pagara para ter construído e que era vigiada por homens que ele controlava.

No dia seguinte ao seu desaparecimento, os advogados de Escobar apresentaram ao governo uma oferta de rendição. Em seu típico estilo formal arrogante, as demandas do chefe do narcotráfico foram enumeradas:

(1) Que ele seria capaz de retornar à prisão;

(2) Que seus guardas sejam recontratados;

(3) Que a vigilância aérea da prisão seja interrompida;

(4) Que nenhuma acusação adicional seja feita contra ele;

(5) Que sua família e as dos outros possam ter visitas irrestritas às prisões;

(6) Que a Polícia Nacional não tem nada a ver com o seu recreio ou prisão.

Para a satisfação da Embaixada dos EUA, o presidente Gaviria se recusara terminantemente a negociar.

No dia seguinte, um comunicado estranho foi transmitido pela emissora de rádio nacional Caracol, de alguém que se chamava “Dakota”, que dizia falar em “Os Extraditáveis”, a forma teatral que Escobar costumava usar quando fazia declarações formais ao público. O termo se referia ao período, alguns anos antes, quando os barões da droga empreenderam uma campanha bem-sucedida de terror e subornos para proibir sua extradição para os Estados Unidos.

Sempre preocupado com sua imagem e consciente da tempestade de especulações em torno de sua fuga, Escobar listou os seguintes esclarecimentos úteis:

Um bilhão de pesos (cerca de $475,000 em dólares de hoje) foram pagos para subornar o exército para deixá-lo escapar.

Escobar estava escondido em um local seguro e não se renderia.

Embora houvesse retaliação contra altos funcionários, não haveria atos de violência contra o público.

Não havia túneis sob a prisão.

Setenta homens armados encontraram Escobar quando ele saiu da prisão.

Escobar pretendia originalmente sequestrar e executar o vice-ministro da Justiça, Eduardo Mendoza, e devolver seu corpo “em pedaços” a Bogotá, mas não apenas porque ele foi forçado a se apressar.

O compromisso do presidente Gaviria de proteger as vidas e os direitos de Escobar e dos confederados que fugiram com ele era uma piada”.

Além disso, a embaixada dos EUA recebeu um fax no dia da fuga de Escobar — uma ameaça feia emitida educadamente:

“Nós, os Extraditáveis, declaramos: Se acontecer alguma coisa com o Sr. Pablo Escobar Gaviria, responsabilizaremos o presidente Gaviria e novamente realizaremos ataques em todo o país. Visitaremos a embaixada dos Estados Unidos no país, onde plantaremos maior quantidade de dinamite jamais vista antes.

“Nós declaramos aqui: A culpa por toda essa bagunça é do presidente Gaviria. Se Pablo Escobar ou qualquer um dos outros aparecer morto, nós imediatamente montaremos ataques em todo o país. Muito obrigado.

O sabor levemente adolescente dessa mensagem levou a embaixada a suspeitar do filho adolescente de Escobar, Juan Pablo, um pretenso herdeiro da dinastia da cocaína que ultimamente tomara ameaças em nome de seu pai. Para confundir ainda mais a situação, a mãe de Escobar, Hermilda, em entrevista a um jornal em Medellín, disse que seu filho fugiu para o sul da Colômbia e se entregaria quando estivesse em segurança.

Tentando acabar com todo esse barulho — era difícil dizer o que era verdade e o que não era — a embaixada teve a sorte de ter a unidade de espionagem eletrônica do major Steve Jacoby, Centra Spike, no ar sobre Medellín. Em 24 de Julho, apenas dois dias depois de sua fuga, a unidade pegou Escobar falando longamente no celular. Eles identificaram sua localização em uma área a cerca de seis quilômetros da prisão, em um rico subúrbio de Medellín chamado Tres Esquinas.

Evidentemente assumindo que o governo ainda não poderia tê-lo sob vigilância, Escobar estava falando muito, usando até oito telefones celulares. Ele já estava fornecendo pistas sólidas para os caçadores da Delta.

O coronel Boykin se gabou com o coronel da Polícia Nacional colombiana Oscar Naranjo de que ele e seus homens encontrariam Escobar dentro de uma semana.

Os soldados da Delta que chegaram à Colômbia apenas quatro dias depois de Pablo Escobar deixar sua prisão em Julho de 1992 inicialmente esperavam caçar os notórios narcoterroristas. Dado o histórico desajeitado dos colombianos, parecia a melhor chance de encontrar Escobar rapidamente.

A Delta especializou-se nesse tipo de ataque rápido. Os homens treinavam constantemente e podiam se mover rapidamente em qualquer lugar, dia ou noite. Eles preferiam ordens que explicassem o quê e o porquê de uma missão sem precisar exatamente como. Desta vez, a ordem inicial era, vagamente, ajudar na busca por Escobar, que havia escapado da prisão apenas quatro dias antes.

O major-general William F. Garrison, comandante de operações especiais conjuntas na sede da Delta em Fort Bragg, era um veterano de operações secretas. Ele havia trabalhado no infame programa Phoenix no Vietnã, que atacou os líderes das aldeias vietcongues por assassinato.

Isso foi muito antes da Ordem Executiva 12333, a proibição do envolvimento do governo dos EUA em assassinatos. A ordem, que se originou durante a administração Nixon depois que as audiências do Congresso expuseram excessos nas operações de inteligência, foi atualizada sob os presidentes Carter e Reagan:


2.11 PROIBIÇÃO DE ASSASSINATO


Nenhuma pessoa empregada ou agindo em nome do Governo dos Estados Unidos se comprometerá, ou conspirará em se envolver em assassinato.



2.12 PARTICIPAÇÃO INDIRETA


Nenhuma agência da Comunidade de Inteligência deverá participar ou solicitar que qualquer pessoa realize atividades proibidas por esta Ordem.


O general George Joulwan, comandante do Comando Sul do Exército dos EUA no Panamá, havia sido enfático em suas instruções para a operação de Escobar. Ele sabia como era fácil para essas forças de operações especiais “negras” voar sob o radar de comando do exército. Joulwan sabia que os homens da Delta queriam fazer o trabalho eles mesmos, e provavelmente poderiam, mas ele estava mais preocupado que, ao atingir o objetivo militar de eliminar Escobar, eles criassem uma tempestade política mais destrutiva do que o próprio Escobar.


“Não, você não vai fazer isso sozinho”, instruiu o coronel Jerry Boykin, comandante da equipe Delta, enviada para a Colômbia em 26 de Julho.

Oficialmente, os membros da equipe estavam voando para Bogotá apenas para fornecer aconselhamento e treinamento. É claro que, se conseguissem matar Escobar de tal forma que os colombianos ganhassem crédito, ninguém iria reclamar. Mas tal ordem não foi articulada, e Morris Busby, o embaixador dos EUA na Colômbia, foi contra isso de qualquer maneira.

Sensível à situação precária do presidente Cesar Gaviria, o embaixador explicou ao coronel Boykin a tempestade política que eclodiria se os operadores da Delta fossem descobertos correndo de máscara preta atirando em pessoas. Dada a propensão de Escobar por violência espetacular e seus guarda-costas e assassinos bem armados, as chances de um americano ser morto ou capturado eram altas.

O embaixador simplesmente queria que os homens da Delta emprestassem seus conhecimentos, para fornecer inteligência, análise, treinamento e assistência operacional. Se os colombianos levassem tudo isso e depois saíssem e atirassem em alguém enquanto tentavam prender Escobar, a missão dos EUA ficaria confortavelmente dentro da lei.

Os operadores da Delta não deveriam participar de incursões. Eles deveriam permanecer nos postos de comando da Polícia Nacional em Medellín, o principal da academia de polícia de Carlos Holguin, e o outro dentro da prisão onde Escobar havia sido mantido. Busby queria que os membros da equipe saíssem e mostrassem à polícia colombiana como rastrear esse fugitivo, pronto.

Eles tiveram que agir rapidamente, antes que Escobar tivesse a chance de reconstruir sua operação. Nos quatro dias desde a fuga de Escobar, ele já havia começado a remontar seus assassinos e guarda-costas e estabelecer o sistema que lhe permitiria viver confortavelmente em fuga.

Busby tentou transmitir urgência. Ele e sua equipe da embaixada trabalhavam 24 horas por dia desde a fuga.

Na Segunda-feira, 27 de Julho, o coronel Boykin e o embaixador se encontraram com o presidente Gaviria, enquanto dois altos comandantes da polícia colombiana se reuniram na embaixada americana com os americanos recém-chegados. Um dos colombianos era o tenente-coronel Lino Pinzon, o homem designado para liderar o esforço colombiano de busca por Escobar.

Os homens da Delta inflaram suas fileiras. Eles não queriam que os colombianos pensassem que uma missão tão importante quanto caçar Pablo Escobar seria relegada a soldados de nível médio. Então o tenente-coronel Gary Harrell, um dos maiores oficiais de linha do exército, com uma personalidade agressiva para complementar seu físico linebacker, foi apresentado como general.

O coronel Pinzon, que já estava descontente com a recusa dos americanos em permitir que ele visse seu centro de comando dentro de um cofre revestido de aço no andar superior da embaixada, entrou em conflito com Harrell.

Harrell era um menino do campo com um estilo direto. Ele tinha um aperto de mão que as pessoas falavam sobre. Pinzon era uma espécie de dândi, um oficial estiloso com um corte de tripulação grisalho e salgado que fazia um bom jogo de tênis e mantinha uma manicure e pedicure em sua equipe.

Pinzon foi informado de interceptações por telefone de uma equipe de vigilância americana que localizaram Escobar em uma fazenda, no topo de uma colina em um rico subúrbio de Medellin chamado Tres Equinas. Ele zombou da idéia de que o fugitivo poderia ser encontrado magicamente tirando seus telefonemas do ar, mas concordou que, se outra ligação viesse do mesmo lugar, suas forças estariam prontas para entrar. Quatro membros da equipe Delta voariam para Medellín no dia seguinte para ajudar a planejar o ataque se ele viesse.

Um dos dois primeiros operadores a partir para Medellín era um homem conhecido pelos colombianos como o coronel Santos, ou simplesmente Jefe (chefe). Nenhum dos homens da Delta usava seus nomes verdadeiros. Enquanto Boykin era o comandante, e Harrell estava inicialmente no comando em Medellín, era Santos, cuja verdadeira posição era sargento, que permaneceria na maior parte da caça de quinze meses, supervisionando os operadores da Delta e os comandos Seal da marinha que faziam a rotação dentro e fora.

Santos também atuou como ligação entre a embaixada e as unidades colombianas à caça de Escobar. Ele era uma ex-estrela da herança mexicana, esbelto e excessivamente em forma, que cresceu no Novo México falando espanhol e inglês.

Um homem de excepcional calor e equilíbrio, Santos tinha um senso de humor irônico. Onde Harrell estava cheio de blefe, Santos era calmo, inteligente e resolutamente não-conflituosa.

Ele e outro operador embarcaram em um avião para Medellín na noite seguinte, carregados de dispositivos portáteis de posicionamento global por satélite, plataformas de imagens visuais de micro-ondas e câmeras de vídeo com lentes potentes para vigilância remota de solo dia e noite. Eles deveriam se unir às forças colombianas e identificar o local onde as ligações telefônicas de Escobar tinham se originado, usando coordenadas fornecidas pela unidade de espionagem eletrônica da Centra Spike.

Eles instalariam uma câmera naquele local e começariam a procurar por sinais da presença do fugitivo. O transmissor de micro-ondas enviava imagens em tempo real para a polícia colombiana, para que não houvesse equívoco no alvo.

Os dois homens da Delta chegaram atrasados ​​à Academia Holguin. Eles foram jogados na pista de aterrissagem errada e tiveram que esperar que a escolta policial partisse de outra pista para buscá-los.

Já era ruim o suficiente que eles tivessem passado três horas no escuro em uma pista de pouso remota dentro do país do narcotráfico, dois americanos desarmados carregados com equipamento sofisticado de espionagem. Quando finalmente se ligaram à força de busca da polícia colombiana, as coisas piorariam.

Depois de uma viagem enervante de Bogotá, os dois soldados da Delta finalmente chegaram à sede das unidades policiais colombianas de Medellín em busca de Pablo Escobar em Julho de 1992.

Os dois americanos dormiram naquela noite em sacos de dormir no chão de um armazém perto do portão principal da academia de polícia de Holguin — perto o suficiente, pensavam eles, para serem destruídos por um carro-bomba estacionado no lado de fora.

Eles acordaram com a primeira visão da cidade. Medellín, a segunda maior cidade da Colômbia, tinha uma reputação de gênio mercantil e indústria. As tradições da cidade alimentaram, em parte, seu boom mais recente como a capital mundial da cocaína.

Um dos norte-americanos, conhecido pelos colombianos simplesmente como o coronel Santos, se encontrou na manhã seguinte, 28 de Julho, com o tenente-coronel Lino Pinzon, comandante das forças de busca. Pinzon indicou que ele considerou a chegada da Delta como um insulto às suas habilidades de liderança e uma ameaça à sua carreira. Os comandos americanos de elite, altamente secretos, haviam sido enviados depois de um pedido do presidente da Colômbia para ajudar na busca por Escobar.

Foi um confronto cultural clássico. Pinzon já havia se queixado a Joe Toft, o chefe da DEA da Colômbia. Toft tentou acalmar Pinzon, para convencê-lo de que trabalhar com esses americanos traria crédito e glória à sua unidade, mas ele sabia que Pinzon não estava acreditando nisso.

Quando o grande e agressivo Gary Harrell, um tenente-coronel da Delta, chegou mais tarde naquele dia de Bogotá, as coisas pioraram. Harrell e Pinzon já haviam entrado em confronto na embaixada dos EUA em Bogotá. Agora, no primeiro dia de Harrell como o melhor americano da Academia Holguin, ele e Pinzon começaram a brigar.

Ainda assim, os dois homens estavam presos uns aos outros e começaram a montar operações conjuntas. A Delta posicionou dois operadores na antiga torre de observação de Escobar em La Catedral, a prisão que Escobar havia construído. Um operador foi o sargento-major Joe Vega — um “capitão” para esta operação —, um levantador de peso de ombros largos com longos cabelos negros.

A polícia colombiana havia se mudado para a prisão e estava vivendo em conforto, o comandante abrigado na antiga suíte de luxo de Escobar. Vega tinha um telefone via satélite e um laptop para ajudá-lo a correlacionar rapidamente as coordenadas de mapa enviadas a ele pela Centra Spike, a equipe secreta do Exército Americano de especialistas em vigilância eletrônica que operava a partir de dois aviões bimotores especialmente equipados.

Vega também carregava uma câmera de vídeo de 8mm com várias lentes de alta potência e um micro-ondas para transmitir a imagem para a Academia Holguin.

A equipe esperou que Escobar fizesse outro telefonema de uma finca, ou propriedade, em um subúrbio exclusivo de Tres Equinas, em Medellín, onde Centra Spike já havia participado de uma de suas conversas. Ele estava quieto naquela noite, mas no início da noite seguinte, uma Terça-feira, Centra Spike atendeu outro telefonema do mesmo local.

Na torre de observação, Vega rapidamente encontrou as coordenadas em seu mapa e alertou Harrell, que tentou acordar o coronel Pinzon e fazer com que seus homens se movessem.

Segundo os soldados da Delta e os agentes da DEA, o comandante colombiano não respondeu.

Quando a embaixada em Bogotá ficou sabendo que Pinzon não havia se mudado, as ligações foram feitas para o palácio presidencial, e o próprio presidente César Gaviria finalmente ordenou que Pinzon e seus homens seguissem em frente. Indignado com a derrota da equipe Delta, Pinzon ficou indignado e levou horas para reunir seus homens.

Pinzon lançou seu “ataque” até cedo na manhã seguinte. Pinzon despachou cerca de 300 homens em uma caravana de picapes e carros.

De seu poleiro na prisão de La Catedral, falando por telefone com Steve Jacoby, o major americano encarregado da Centra Spike na embaixada, Vega notou a procissão de faróis enquanto este comboio gigante começou a subir a montanha.

“Espere um minuto”, ele disse a Jacoby. “Agora há outro conjunto de faróis descendo a colina do outro lado da montanha.

Escobar nem precisaria ser avisado. Todos na montanha podiam ver e ouvir a aproximação da polícia.

Os homens de Pinzon descobriram que a propriedade era típica de um esconderijo de Escobar, móveis luxuosos muito além das normas até mesmo para aquele bairro, incluindo um novo banheiro cintilante com uma banheira funda.

Pinzon pareceu satisfeito quando seus homens não apareceram. Mais tarde, ele disse ao agente da DEA, Javier Pena, que ele tinha um “presságio” de que Escobar nunca estivera na fazenda. Ele acharia Escobar mais rápido, ele disse, confiando em seus próprios instintos e não em toda essa tecnologia americana.

Assim que a polícia se retirou, no entanto, Centra Spike interceptou mais ligações telefônicas, dos homens de Escobar tentando levá-lo a um novo esconderijo e discutindo a necessidade de coletar documentos de identidade e armas. Eram quatro e meia da manhã quando Pinzon, vestido de pijama de seda, atendeu à convocação de Harrell à porta de seus aposentos.

“Como você sabe que ele está aí?” Pinzon perguntou.

Harrell não teve liberdade para explicar.

Mais uma vez, foi preciso pressão de Bogotá para forçar Pinzon a se mudar, e novamente ele mandou a caravana subir a colina. Passaram o resto da noite e a maior parte do dia procurando porta a porta e não encontraram nada. Pinzon reclamou para Pena: Esses caras da Delta estão tentando me demitir em Bogotá.

No final da semana, a força de busca estava de mãos vazias e Escobar claramente seguiu em frente. Havia pouca chance agora que ele seria encontrado rapidamente.

Harrell retornou a Bogotá com reclamações sobre a atitude, o esforço e as táticas de Pinzon, enquanto Pinzon divulgou o fracasso da Delta. Na embaixada, o coronel Pinzon seria doravante conhecido simplesmente como 
Pajamas.




Manancial: Killing Pablo

Sem comentários