DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE CINCO


Leia sobre os assassinatos de Tupac Shakur e Christopher Wallace dos arquivos de Russell Poole. Ele temia que os livros de assassinato fossem estripados quando ele deixou a polícia de Los Angeles, então ele levou seus arquivos com ele. Agora você pode ver o que estava nesses arquivos. Os assassinatos poderiam ter sido resolvidos há muito tempo, mas isso levaria a um lugar muito ruim para tantos envolvidos. Aprenda a verdade que custaria a vida de Russell.




ARTISTAS NÃO SENDO PAGOS PELAS MÚSICAS QUE FIZERAM

QUEM ESTÁ SENDO SACANEADO



A carta de confissão indica que Reggie Wright Jr. escolheu Lil’ Half Dead para matar Tupac Shakur por causa de uma interação anterior entre Lil Half Dead e Tupac, onde Tupac roubou uma música dele. Olhe para a capa do álbum de Lil Half Dead Dead Serious, onde você verá um Tupac morto no Can-Am Studios. Samples e roubo parecem ter sido uma prática comum nas primeiras raízes da música rep.

A história da indústria da música é uma história de roubo e isso é tudo um grande negócio. O grupo Blurred Lines, sua gravadora e a editora ganharam mais de 24 milhões de dólares com o roubo de músicas de Marvin Gaye. Led Zeppelin é uma das bandas mais comentadas por roubar nomes, letras e riffs no processo de criação de suas músicas. Por que devemos pensar que o hip-hop e o rep seriam diferentes?

A carta da confissão diz que o roubo da demo “foi um grande problema”. Em uma entrevista, Suge Knight disse: “Descanse em paz, Eazy-E. Uma coisa sobre Eric. Eric me disse um dia. Eu pensei que Dr. Dre fazia toda a música — todas as batidas. Você sabe o que Eric me contou? As pessoas enviavam suas demos para Andre e ele as refazia. Nós refazemos as batidas. Essa é a música. Eu levei isso mesmo comigo. Então basicamente eu peguei de Eazy e fiz a mesma merda. Eu peguei isso de Eazy. E adivinha? Jimmy Iovine mandou-me para a prisão e roubou de mim.” Suge Knight estava sendo questionado sobre cheques na caixa postal da Death Row Records e ele disse que estava mais interessado nas fitas demo.

Então, havia alguma evidência de que Tupac também roubou música? Há sim.

21 de Fevereiro – Tupac libera “Dear Mama” durante seu encarceramento. O single vendeu mais de sete milhões de cópias durante o tempo em que Tupac estava na prisão. Foi o single de maior sucesso do álbum Me Against the World. Houve uma alegação de que o conceito da música foi criado pelo repper Kill Kill e roubado por Tupac.

Kill Kill, um repper de Watts, afirma que seu conceito para “Mama Dear” foi roubado por Tupac quando ele gravou “Dear Mama”. A música “Here We Go One Time”, confirma que um repper que tem sua música roubada pode ser louco o suficiente para cometer assassinato. Lil’ Half Dead conheceu Tupac Shakur no Bonaventure Hotel, onde ele deu a Tupac sua fita demo de quatro músicas. Três meses depois, “Brenda’s Got a Baby”, uma música escrita por Lil’ Half Dead foi lançada por Tupac. Em Reno, Lil’ Half Dead confrontou Tupac sobre as músicas que foram tiradas e os soldados de Tupac pegaram Lil’ Half Dead de jeito. Lil’ Half Dead foi patrocinado por Suge Knight e ele foi vendido para a Priority Records. De acordo com Tony Green, Tupac levaria todas as faixas que “estavam por aí e começaria a lançá-las”.

Donald Smith, também conhecido como Lil
 Half Dead, foi o suposto atirador em 7 de Setembro de 1996, responsável pela morte de Tupac Shakur. Smith é primo de Calvin Broadus, também conhecido como Snoop Doggy. Smith foi representado por Suge Knight e Death Row Records e seu contrato foi vendido para a Priority Records. Ele havia dado uma fita demo para Tupac e duas de suas músicas foram roubadas por Tupac de acordo com a carta da confissão. O roubo no mundo do hip-hop era uma prática comum na época. Smith é afiliado ao Long Beach Crips. Snoop Doggy, primo de Donald Smith, conta aos representantes do xerife em 14 de Maio de 1998 que Suge Knight estava por trás do assassinato do repper Tupac Shakur. Isso foi para jogar longe da lei o rastro de seu primo? Quando você olha para a capa de Dead Serious, de Lil Half Dead, há uma foto de um Tupac assassinado no Can-Am Studios.



ELES DERRUBARAM O ANFITRIÃO

MUITOS DESISTIRAM DO FANTASMA



“Muitas pessoas morreram que estavam direta ou indiretamente ligadas a esta investigação.” —Entrevista de Brent Becker com Frank Alexander e RJ Bond
Ele também disse que ‘Neckbone’ seria morto depois porque ele sabia a identidade dos atiradores. Neckbone foi, na verdade, morto em uma data posterior. — Declaração de Chris Blatchford dada a Russell Poole. Algo que Heron sabe o fez fumar. — Entrevista de Russell Poole com Dave, da Death Row.

Assassinatos imediatamente após o assassinato de Tupac Shakur estavam conectados, com testemunhas ou com conhecimento do assassinato.

A morte de 
Yak Fula foi um assassinato e a Death Row Records foi a primeira a chamar isso de suicídio. (Nós temos as fitas de telefonemas entre Frank Alexander e vários Death Row Insiders sobre esse assassinato. Também temos o relatório do FBI que afirma que isso foi um assassinato por execução.) Ken Knox, líder sênior, detalha em um relatório policial que Crips de Nova Jersey e Bloods de Los Angeles estavam juntos no Can-Am Studios da Death Row juntos algumas semanas antes de Yak Fula ser assassinado em Nova Jersey. David Kenner é contatado pela Polícia de Las Vegas para organizar a entrevista de Yak Fula. Kenner nunca organizou a entrevista e Fula foi morto antes que os Investigadores de Las Vegas pudessem encontrá-lo por conta própria.

Michael Moore tentou convencer Frank Alexander a contar sua história para que ele não fosse morto; “Muitas pessoas estão morrendo acidentalmente. Por que esperar que um acidente aconteça? Você vai do outro lado e é o alvo. — Michael Moore conta a Frank sobre as gravações secretas de Frank Alexander de suas conversas telefônicas.

Eles temiam que Suge fosse retaliar. É por isso que eles mataram o seu círculo interno antes que ele saísse da prisão para enfraquecer Suge de unir músculos para retaliar sua libertação.

Reggie Wright Jr. tinha ligações através de seu pai para a polícia de Compton, que tentou conduzir a investigação para uma conclusão de que Orlando Anderson foi o atirador no assassinato de Tupac Shakur. Orlando Anderson tem um álibi virtuoso, já que Las Vegas tem câmeras em todos os lugares. Cory Edwards falou que viu Orlando Anderson no bar durante o tempo do tiroteio. A Polícia de Las Vegas havia pego Orlando Anderson pela Polícia de Compton durante um ataque. Eles estavam sendo aguardados pela polícia de Compton para prendê-lo como se ele estivesse sendo entregue em uma bandeja de prata como o atirador. A Polícia de Las Vegas nem sequer estava interessada nele porque já sabiam sobre o seu álibi hermético. A Polícia de Compton estabeleceu esse padrão quando também liderou a investigação no assassinato de Kelly Jamerson no Teatro El Rey e impediu os investigadores do L.A.P.D. de indiciarem.

As gravações secretas de Frank Alexander e suas ligações telefônicas com a Death Row Insiders e o repórter Chuck Philips deram uma visão sobre a colaboração entre a Death Row Records e seus laços com Philips na criação de histórias falsas que foram plantadas no LA Times. Chuck Philips é dispensado quando é pego inventando uma história sobre o assassinato de Tupac Shakur, solidificando assim o plantio de histórias para expulsar os investigadores e a opinião pública da trilha dos verdadeiros assassinos de Tupac Shakur e Biggie Smalls.

17 de Setembro – Um informante confidencial diz à polícia que Marion Suge Knight entregou uma carga de fuzis de assalto AK-47 a membros de gangues em Nickerson Gardens.

Caffey também discutiu o incidente em 16/9/96 com a caravana de gangsters que tentou a parada de veículos por Jetter e Yamamoto. Um informante o avisou que em 17/9/96 os AK-47 foram entregues em Nickerson Gardens pela tripulação de Suge Knight e que essas mesmas armas estavam na caravana mencionada em 16/9/96. Já houve nove tiroteios drive-by separados entre o Piru Bloods de Compton e o South Side Compton Crips.

“Reggie me ligou, isso foi cerca de 30 minutos antes que isso acontecesse. Reggie me ligou e falou um monte para mim e tudo mais. Como eu disse, na maioria das vezes eu sempre estava com Tupac.

“E então eu perguntei a Reggie cerca de dois dias depois, você sabe, ele disse que a porra da franquia não tinha sua arma, isso e aquilo, e assim por diante. Eu disse, Reggie, eu pensei que você tinha tudo providenciado com antecedência com algum advogado que estavam lidando lá, alguns advogados que eles tinham algo a ver no momento com o Club 662 que todos os caras estavam indo para lá antes de começar a autorização da polícia de Vegas, você sabe, para carregar armas de fogo, que geralmente eles farão, mas você tem que ir lá em tempo hábil.” — Entrevista de Kevin Hackie com detetives do L.A.P.D. Miller e Poole em 12/5/1998.

Dois dias depois de Tupac ser morto, Kevin Hackie estava usando o telefone no hospital para conversar com o FBI. Um médico ouviu a conversa e perguntou a quem ele está fornecendo informações. Os policiais do Departamento de Polícia Metropolitana de Las Vegas se envolveram em uma guerra de território e se opuseram a que Hackie discuta seu caso com o FBI e entregue a Hackie até as 20h para sair da cidade. Quando Reggie ouve sobre isso, ele se torna suspeito de Hackie e começa a chamá-lo de informante. — Entrevista de Kevin Hackie com detetives do L.A.P.D. Miller e Poole em 12/5/1998.

16 de Setembro de 1996 – Dos Registros Policiais: Oficiais de Vigilância Jetter e Yamamoto estavam trabalhando em detalhes de supressão de crimes para resolver problemas de atividade de gangues Registros da Death Row Records @ 18730 Oxnard Street, Suíte 211. O oficial Jetters falou com o chefe de segurança @ Death Row, (Reggie Wright) e foi informado pelo Sr. Wright que desde a morte de Tupac, Marion Suge Knight estava usando gangsters (Bloods) de Compton como seus guardas pessoais e que eles estavam armados. Oficial Jetter era familiar com o veículo pessoal de Knight que estava lá no momento. Aproximadamente às 5:00.  Jetters e Yamamoto observaram quatro veículos saindo da caravana da gangue da Death Row Records, e os oficiais observaram Suge Knight no meio da caravana.

Os policiais tentaram impedir o veiculo de Suge Knight mas foram impedidos de fazer a parada pela traseira porque um Green Hum-Vee dirigido pelo repper MC Hammer estava bem ali. Posteriormente Hammer foi avisado apenas. Knight e o resto da caravana da gangue escaparam da Polícia.

Eles disseram que Neckbone conhecia a identidade dos atiradores e que ele seria morto. Neckbone foi posteriormente morto no Texas. — Declaração de Chris Blatchford dada a Russell Poole.

Buntry estava em um carro com Reggie Wright Sr. Quando ele saiu para bombear o gás, alguém o matou. “Buntry era o músculo pesado pesado de Suge.” — Russell Poole gravou uma entrevista com Dave, da Death Row em 6 de Fevereiro de 2014.

Reggie Wright Jr. foi quem trouxe (Malcolm Greenridge) a essa entrevista. Entrevista de Brent Becker com Frank Alexander e RJ Bond.

Precisamos conversar com Yafeu Fula. Brent Becker disse que deixou mensagens com David Kenner sobre a entrevista com Yafeu Fula. Ele deu a volta e foi notificado de que foi assassinado em Nova Jersey.  Tupac Conspiracy, dirigido por RBond.

“A única coisa que ouvi de Reggie Wright Jr. é que no início daquele ano, em torno de Abril, Trevon [Lane] havia entrado em uma briga no Lakewood Mall em um Footlocker, e foi com Orlando Anderson.” Entrevista de Brent Becker com Frank Alexander em 19 de Março de 1997.

Sob o plano, Kenner e Wright Jr. haviam planejado a morte de Suge, mas preferia Suge encarcerado sem nenhuma habilidade sob a lei da Califórnia de conduzir os negócios da prisão era uma posição muito segura para eles. Eles fizeram Suge drenar todo o capital de giro das contas bancárias, eliminaram o contador, os registros financeiros e pararam toda a atividade dentro da empresa. Os funcionários não estavam sendo pagos e a lealdade a Suge estava diminuindo. Reggie ainda não estava preocupado com dinheiro. Ele disse a Michael Moore que “não vamos querer nada”. Ele confidenciou a Michael Moore porque sabia que não tinha escolha. Ele sabia que Michael Moore tinha ouvido uma voz falando Pegamos eles no rádio de Wright no momento do tiroteio de Tupac e tentativa de assassinato de Suge. Eles trocaram um olhar. Enquanto Reggie pudesse pagar a Moore, ele permaneceria em silêncio. Reggie inventou o trabalho para Moore. Ele já tinha uma limpeza em grande escala após o tiroteio.

“Bem, isso não funcionou, não funcionou. Eu disse, Reggie, se você — você tinha — ele tinha 20 caras trabalhando com policiais de segurança. Eu disse, por que você teria todos esses caras aqui no hotel e teria um cara com Tupac? Agora, todo o tempo em que Tupac saiu e eu estive com ele, eu sempre fui sozinho. Era só eu e ele o tempo todo.

“Cerca de duas semanas antes  na verdade, duas semanas antes de ele ser baleado por volta das 1:30 da manhã na Sunset aqui, vimos os xerifes subindo, estávamos na Sunset e, não consigo pensar na rua transversal, exatamente onde Sunset e West Hollywood se transformam em Beverly Hills, eles queriam sair para dançar, Tupac estava dirigindo um Rolls com todos os Outlawz atrás.

“Eu estava na parte de trás do carro. Um par de sujeitos subiram ao longo do carro dele e eles — modelo antigo de sedan da Toyota, sujeitos negros, membros de gangue, começaram a fazer todos os tipos de sinais, tudo, isto e aquilo. Eu fiquei pensando, Droga, aqui estou sozinho. Eu saí do meu carro, você sabe, com cautela em ação, e eu puxei meu distintivo e disse, olha, pessoal, eu sou um policial de folga. Apenas vão em frente e saiam daqui.

“Então eles começaram todo tipo de besteira, isso e aquilo. Então, claro, o grupo com Tupac, eles começaram a atuar, você sabe, venha agora, vamos lutar, filhos da puta, isso e aquilo. Então, a essa altura, você sabe, eu disse ao motorista, eu disse, deixe-me ver suas mãos, assim. A essa altura eu puxei minha arma para o lado. Eu disse, olhe, pegue sua bunda e suma daqui. É assim. Então, eles se viraram e um deles disse, oh, cara, Jesus, ele tem uma arma, e eles partiram.

“Eu estava tipo, porra, que merda. Eu puxei minha arma. Nós fomos para Sunset e Fairfax, eu acredito que tinha um ARCO AM/PM lá. Eu disse a Tupac, eu disse, Você sabe, o que você está fazendo? Quero dizer, sair daqui às 1:30 da manhã para pegar alguns cigarros, isso e aquilo. E eu sou como, Porra. Seu Rolls Royce está aqui, o Cadillac está ali atrás, isso e aquilo.

“Então, vejo detetives no Sábado à noite, seja West Tech ou Belair Patrol. Dois caras gordos. Então eu disse, caramba, eles acham que realmente conseguiram algo aqui, tenho certeza. Então, nesse momento, vejo uma unidade aparecer. Então, eu meio que me aproximo dele, tendo um distintivo na mão. Ele diz, acabamos de receber um telefonema, um 211, alguém tentando roubar Tupac Shakur. Naquela época era Natal. Eles tinham tudo, eu acho que todos os carros em West Hollywood e depois alguns foram para esse local.

“E então, claro, peço a Reggie, eu disse, sabendo o que aconteceu duas semanas antes, por que você o teria lá sozinho? E por que você o tem, você sabe, Frank nem é um policial, por que ele não teria pelo menos um dos policiais aposentados ou policiais de folga? Porque ele tinha alguns policiais de folga trabalhando na época, então por que ele não teria um deles com ele basicamente?

“Eu não estou dizendo que, você sabe, quando você entra em Vegas, basicamente na maioria das vezes eles te dão uma cortesia comum, mas eu estou dizendo que pelo menos eles teriam suas armas de fogo com eles, porque baseado no fato de Reggie ser supostamente para configurar tudo para esses caras irem para arquivar a papelada para Vegas.

“O que eles nunca fizeram. Então ele simplesmente se afastou disso, não disse nada sobre isso. E Frank disse basicamente que você o ameaçou porque Frank saiu da cidade depois disso, acho que algumas horas depois ele conseguiu sair e saiu de lá. Basicamente, eles ameaçaram o que iria acontecer. E, claro, o escritório de Hodgeman começou a chamá-lo uma vez que eles iam adiantar e revogar a liberdade condicional de Suge, então basicamente ele foi ameaçado então.

“Sabe, Frank me ligou no começo de Novembro, Reggie queria que ele fosse ao escritório. Então eu estava de plantão naquela noite. Então, fui até lá e encontrei Frank. E ele disse, você sabe, você pode por favor aguardar? Eu disse, você sabe, eu realmente não quero me envolver com essa bagunça. Então, quem quer que o advogado estivesse lá com Reggie, eles sabiam que eu estava fora — eu estava de plantão, sabia que eu estava fora disso, e ele disse que não chamaria Kevin porque ele estava todo bolado.

“E então, você sabe, eu percebi que, a essa altura, é claro, seu pai começou a vazar coisas. Bem, claro, eu estava conversando com o FBI e assim por diante. E sobre, eu diria que Março do ano passado, Março ou Fevereiro, recebi uma ligação de Reggie do nada.

“‘Kevin, eu preciso de um favor, você pode dirigir por mim?Eu disse: ‘O quê? Se posso dirigir por você?’ Eu disse: ‘Reggie, o que você acha que eu sou, um idiota de merda?’ Eu disse: ‘Você me conhece bem o suficiente para saber agora.’ Eu disse: ‘Se você quer fazer alguma coisa para mim, você quer ir em frente e me levar, eu disse. ‘Seja um homem, tire-me de circulação.’ Porque ele sabe que se ele se deparar com um a um, ele perderá.

“Reggie disse: ‘Ah, foda-se, filho da puta, eu posso matá-lo a qualquer momento. Eu disse: Reggie, você sabe onde estou.’ Eu disse: ‘Você sabe que é o seu jogo de bola, faça o que você tem que fazer.

“Mas como eu disse de novo, ei, ele está tentando armar para cima de mim. Ele não falava comigo há quatro ou cinco meses, ele disse que eu era um informante, a coisa toda, isso e aquilo. E então, de repente, ele me liga e quer que eu dirija para ele, você sabe.” — Entrevista de Kevin Hackie com detetives do L.A.P.D. Miller e Poole em 12/5/1998. “Estou surpreso que Reggie não esteja na prisão. Eu sei que ele costumava ter dinheiro, eu sei que ele costumava lidar com a merda.” Entrevista de Russell Poole com Dave, da Death Row.

Sem um catalisador, eles nunca teriam recebido a cooperação total do Compton P.D. O assassinato de Bobby Finch, perto de casa para o departamento, forneceu esse catalisador. Ele era o irmão de Larry Finch, que era policial da Escola Policial de Compton. Isso fez com que a investigação de assassinato de Tupac fosse pessoal para todos os policiais de Compton — que os tornavam emocionais — mais fáceis de seguir em certas direções e apaixonados por colocar Suge Knight de lado. Enquanto não tivessem ninguém para acusar o assassino de Tupac ou Bobby Finch, eles poderiam desabafar sua raiva contra Suge. Quando Reggie Wright Sr. sugeriu que eles se envolvessem em colocar Suge longe, todos eles fizeram fila para participar. Agora não era “se”, como especulou Wright Sr., mas tornou-se uma certeza que algo iria acontecer com Suge.

11 de Setembro – Bobby Finch é morto em um tiroteio na 1513 May Street. Seu irmão é um policial da Escola Policial de Compton.

Corey Edwards disse aos investigadores: “Eu avisei meu vizinho Bobby Finch e seu irmão Larry sobre a MOB Piru provavelmente andando pelo nosso bairro. Bobby e Larry não eram membros de gangues. Bobby fazia segurança e trabalho de guarda-costas. Seu irmão Larry, que trabalhava para o Distrito Escolar Unificado de Compton como policial da escola, tinha sua própria empresa de segurança. Bobby faria trabalho de segurança para seu irmão em clubes e também trabalharia para esse advogado chamado Mitch. Bobby era um dos guarda-costas de Mitch. Bobby também fez a segurança para Tishina Arnold, a atriz do programa de televisão Martin.” — Entrevista de Corey Edwards em 9 de Junho de 1997, pelo detetive Gollaz.

“Quarta-feira, 11 de Setembro, Bobby Finch, de trinta anos, deixou a filha de dez anos na 1513 South Mayo, a casa de sua mãe em Compton. A casa estava localizada no extremo sul do território conhecido do South Side Crips: Finch também se sentia seguro. A violência dos últimos dias não o afetaria. Além disso, era cedo demais. A maioria dos membros da gangue estava acordada até todas as horas da noite. Suas manhãs passavam roncando, ou se recuperando de ressacas causadas por quarenta e cinco garrafas de licor de malte barato.

“Sentado ao volante de sua nova Acura… Um Honda Civic hatchback parou. ‘Alguém apareceu ao lado e o matou’, disse um detetive de homicídios da Polícia de Los Angeles.’” — Do livro Have Gun Will Travel –The Spectacular Rise and Violent Fall of Death Row Records por Ronin Ro.

Então, por que matar Bobby Finch? Se você for dirigir a investigação de dentro da Polícia de Compton, você tem que pegá-los no jogo. Nada levanta mais as apostas do que um assassinato perto de casa de alguém que eles consideram ser família. Faça a investigação pessoal. Engane-os a acreditar que o South Side Crips e a MOB Piru estão engajados em uma guerra e eles vão liberar todos os recursos disponíveis para obter os assassinos. Mas quem realmente matou Bobby Finch?


Kevin Hackie disse aos investigadores: “Liguei para Reggie e disse: Reggie, o irmão de Finch acabou de ser morto. Como sabe disso, seja como for, a despachante da Escola Policial de Compton, Barbara acabou de me ligar, isso aconteceu dentro de três ou quatro minutos, porque um dos policiais do Colégio de Compton, porque a polícia do Colégio de Compton, Mario — que também trabalhava em meio período para a Polícia do Distrito Escolar de Compton, e onde Bobbie morava era dentro de dois quarteirões do colégio.

“Então, sendo eles ouvindo os tiros, Mario foi o primeiro cara lá assim que Bobbie levou um tiro. E, você sabe, liguei para Reggie três ou quatro minutos depois, e o incidente acabou de ocorrer, porque quando Mario pediu ajuda de, vocês sabem, os Paramédicos do Colégio de Compton, nossas unidades, nossas unidades estavam lá imediatamente. Não há nenhuma maneira de Reggie estar em Vegas, Reggie teria consciência de que em breve eles armariam contra ele. Finch caiu numa armadilha. Ele caminhou até o carro, entrou no carro, indo embora, um cara estacionou em um sedã e bombeou algumas rajadas através do carro. Ele saiu de casa. Com base no fato de que a declaração que Reggie fez para mim, ele basicamente disse para mim não mencionar isso para Suge, eu já sei sobre isso.

“Eu sou como, bem, você sabe, como você sabia? Isso aconteceu nos últimos três ou quatro minutos.” Entrevista de Kevin Hackie com detetives do L.A.P.D. Miller e Russell Poole em 12 de Dezembro de 1998.

Reggie Wright Jr. fala com seu pai sobre os próximos ataques e recebe informações para que ele possa preparar as gangues para o que estava prestes a acontecer. Eles foram capazes de direcionar a investigação para locais que haviam sido varridos antes que os ataques ocorressem. — Entrevista de Kevin Hackie com detetives do L.A.P.D. Miller e Poole em 12/5/1998.

“Livre-se das armas.”  Escutas telefônicas de policiais corruptos de Rampart..

Tim Brennan exclui Danny Patton da lista de membros da gangue Blood no final de seu depoimento. — Depoimento de Tim Brennan para obter mandado de busca.

Mas o que não era certo era quem iria administrar a Death Row Records. Depois do tiroteio em Vegas, mas antes da prisão de Suge, ele estava usando seu círculo interno como guarda-costas em vez do pessoal de Reggie ou Wrightway como era habitual. Reggie viu isso como uma oportunidade para delatar Suge dizendo à polícia sobre essa clara violação da condicional.

“16 de Setembro de 1996 – Dos Registros Policiais: Oficiais de Vigilância Jetter e Yamamoto estavam trabalhando em detalhes de supressão de crimes para resolver problemas de atividade de gangues Registros da Death Row Records @ 18730 Oxnard Street, Suíte 211. O oficial Jetters falou com o chefe de segurança @ Death Row, (Reggie Wright) e foi informado pelo Sr. Wright que desde a morte de Tupac, Marion Suge Knight estava usando gangsters (Bloods) de Compton como seus guardas pessoais e que eles estavam armados. — Do registro de vigilância do SLO Knox da entrada de registro do Can-Am Studios em 16/9/96.

Se Reggie recuperasse a confiança de Suge, ele precisaria lhe mostrar o grande gesto final.

Quando a audiência se aproximou, Reggie e Kenner pareciam estar trabalhando duro para garantir a liberdade de Suge Knight. Eles também pareciam ter um grande revés quando se soube que Frank Alexander, a única testemunha confiável, dissera aos investigadores que Suge havia chutado Orlando Anderson. Reggie tornou muito público que Frank era agora um rato — um informante e que ele deveria ser morto. Esses rumores voltaram a Frank rapidamente. Havia muitos amigos de Frank oferecendo uma confirmação: “Death Row Records quer que você morra.” Reggie até ameaçou Frank diretamente: “O que você e sua esposa branca vão fazer? Vão se esconder?

Tantas pessoas tiveram “acidentes”. Yak Fula havia sido executado e a Death Row Records divulgou rumores sobre a morte de Yak dizendo que foi um acidente e depois como suicídio. Eles nunca deixaram passar uma oportunidade de criar confusão e vender medo.

A confusão fez com que tudo o que não estava pronto desaparecesse. As contas bancárias estavam intactas. Os mestres da música tinham sido movidos com segurança, mas muitas das coisas que existiam desapareciam entre a prisão de Suge e a transferência dele para a prisão para servir o seu período de 9 anos.

Muitos móveis e registros foram transferidos para Glendale para criar problemas nos locais para os investigadores que queriam emitir mandados de busca e algumas das coisas estavam sendo enviadas para fora do Estado. Suge Knight estava sendo mantido no escuro da maior parte do que estava acontecendo do lado de fora. Ele foi preso quase sem tempo para se preparar para uma longa ausência no comando da Death Row Records.

O livro Murder Rap foi lançado e prende os assassinatos de Tupac Shakur e Christopher Wallace nos caras mortos. O livro é escrito por Greg Kading, que é próximo de Reggie Wright Jr.  um suspeito no assassinato de Biggie Smalls e agora é um suspeito no assassinato de Tupac Shakur. Greg Kading admite no livro que não tinha acesso aos documentos do Julgamento Civil de Christopher Wallace, o que exclui a parte mais significativa do caso. O livro segue o mesmo enredo que as histórias previamente plantadas pelo jornalista do LA Times, Chuck Philips. Greg Kading é também o ex-detetive-chefe do caso de homicídio de Christopher Wallace e parceiro anterior de Daryn Dupree. Dupree é o policial que vazou a carta de confissão para Kading. Kading tinha um motivo adicional para inviabilizar a carta de confissão — seu contrato de livro e filme que se revelaria inútil se o caso fosse resolvido de forma alternativa. Kading contata o jornalista Chris Blatchford e outras tentativas de atrapalhar a carta com Chris. Seus e-mails são muito semelhantes à gravação de fita secreta de Chuck Philips feita por Frank Alexander, onde, em vez de fazer perguntas, eles tentam vender uma conclusão.

Em 24 de Junho de 2014, Russell Poole e RJ Bond reuniram-se com quatro representantes do L.A.P.D. e lhes forneceram uma cópia da carta de confissão. Eles colocaram uma marcação especial na carta e receberam garantias de que as informações seriam investigadas. Em vez disso, foi vazada. Seis dias após a carta aparecer na internet, Suge Knight foi baleado em uma boate em West Hollywood por agressores que gritaram Você matou Tupac” enquanto dispararam contra Knight.

A tentativa de atrapalhar a Carta de Confissão remonta a Reggie Wright Jr., Daryn Dupree (um dos policiais que Russell e RJ deram a carta de confissão) foi o parceiro de Greg Kading, que é amigo íntimo e apologista de Reggie Wright Jr. na carta como responsável pelo assassinato de Tupac Shakur e a tentativa contra Suge Knight em 7 de Setembro de 1996. Greg Kading foi o primeiro a falar sobre a carta na internet depois de ser entregue ao L.A.P.D. A carta de confissão, entregue ao L.A.P.D., tinha marcas especiais que apareceram na internet com essas marcas. O vazamento do L.A.P.D. está claramente documentado e é objeto de uma investigação interna. Tenha em mente que Daryn Dupree acessou ilegalmente computadores do L.A.P.D. e clonou telefones celulares e foi repreendido pelo L.A.P.D. e Greg Kading foi responsável por derrubar o caso de George Torres-Ramos pelo que o juiz disse ser seu “descaso indiferente pela verdade.

Tupac começou a se recuperar. Quando ele morreu, houve uma corrida para cremá-lo, quando alguém sussurrou no ouvido de Afeni que o pai de Tupac poderia aparecer para contestar sua reivindicação sobre a propriedade. Muitas das canções de Tupac falam de ele ter sido enterrado em um caixão, mas a cremação destruiria qualquer DNA para testes caso o pai de Tupac aparecesse. Também destruiria uma evidência de veneno. Tenha em mente que Harry-O ficou doente imediatamente após receber um 7-Up por David Kenner durante sua última visita amistosa. Harry-O quase morreu, mas Lydia Harris estava convencida de que seu marido havia sido envenenado.



MEIO BILHÃO EM DISPUTA

PEGANDO NAS VELHAS CICATRIZES DE SUGE



“‘O baralho está sempre contra a Death Row
, diz o funcionário, que pediu para não ser identificado, ‘então sempre trazemos nosso próprio baralho.’ E atrás das grades ou não, Knight sempre dá as cartas. — Phoenix New Times, “Reeling and Dealing”, por Dave Weilenga em 28 de Novembro de 1996.

É claro no rescaldo do tiroteio de Tupac e Suge em 7 de Setembro de 1996 que Suge Knight não confiava mais em Reggie Wright para lidar com sua segurança. Ele usa seus homeboys em vez disso — um fato que Reggie Wright DELATOU através de Kevin Lewis para o sênior líder do L.A.P.D. Ken Knox. O uso de criminosos condenados como garantia foi uma violação da liberdade condicional de Suge. Reggie Wright também delatou para Knox diretamente que Suge foi viajar para fora do país — outra violação de liberdade condicional. Reggie está tentando desesperadamente revogar a liberdade condicional de Suge. — SLO Knox detalhou registros de suas transações com Can-Am Studios“Eu me lembro de ver as coisas para Belieze. Passagens e como se ele estivesse fazendo besteira. Naquela época, você poderia adquirir cidadania secundária de cidadania. Lembro-me de ver coisas para comprar propriedades, configurar contas bancárias.” — Russell Poole gravou uma entrevista com Dave, da Death Row em 6 de Fevereiro de 2014.

Knight não sabia em quem confiar. Seu chefe de segurança está culpando tudo isso por Frank Alexander. Reggie quase convenceu Suge a matar Frank por não ter a arma apontada para ele naquela noite. Gravações da fita secreta de Frank Alexander. O buraco é cavado e os preparativos são feitos. As conversas foram aquecidas. Mas as coisas não foram completamente adicionadas. Reggie, o chefe da segurança da Death Row, não assumia absolutamente nenhuma responsabilidade pelo que acontecera. Certas coisas pareciam fora de ordem naquela noite. “Foi tudo culpa de Reggie. Nem sequer foi algo em que você pudesse debater. Toda decisão vinha da boca de Reggie.” Conversa telefônica da fita secreta de Frank Alexander com Michael MooreEra Reggie que estava convencido de que Suge viajaria com 2Pac e ele expôs a rota. Ambas as coisas estavam fora do comum e isso estava pesando na mente de Suge Knight. Vindo a pensar nisso Reggie também foi inflexível sobre ter Tupac chegando a Vegas. Ele estava lá encorajando Suge Knight a ligar para Tupac e dizer que ele iria anular tudo e pagar se ele viesse para Vegas para resolver tudo... com relutância, Tupac concordou. Sim, mas Reggie Wright parecia um pouco preocupado com tudo isso.

Demoraria muito tempo até que Suge confiasse totalmente em Reggie Wright Jr. novamente. Certas coisas não estavam somando. Certas coisas estavam sendo guardadas em Suge. Quando confrontado, Reggie simplesmente o ignoraria. De agora em diante Suge só viajaria com seus homeboys. Ele já desconfiava dos policiais e muitos no emprego da segurança da Death Row eram policiais. Reggie tinha certeza de dizer a Suge que Kevin Hackie estava trabalhando disfarçado para se infiltrar na Death Row Records por causa do incidente no hospital e Sharitha também estava namorando um policial... Isso deixou Suge ainda mais paranóico. Agora era hora de voltar ao básico — sim, voltar a usar apenas homeboys para segurança.

A especulação sobre quem comandaria a Death Row Records era uma coisa, mas na prática, com Suge ainda dando as cartas atrás das grades, ele poderia atribuir essa tarefa à pessoa de sua escolha. Até agora ele não assinou a papelada colocando Reggie Wright Jr. no comando, como Reggie Wright Sr. tinha especulado. Havia apenas tanto que poderia ser arrancado da gravadora sem que Suge concedesse autoridade aos conspiradores.

“Enquanto isso, a ausência de Knight criou uma atmosfera ‘complicada e agitada’ na sede da Death Row em Beverly Hills, de acordo com um funcionário de longa data, mas os obstáculos atuais não são vistos como intransponíveis. Ao contrário, a equipe da gravadora parece galvanizada — infernalmente, energizada  pela situação difícil, mais uma vez explorando uma cultura corporativa única que é igual à confidente tempestuosa e ao complexo de perseguição.” — Phoenix New Times, “Reeling and Dealing”, por Dave Weilenga em 28 de Novembro de 1996.
“Começamos a ter problemas para fazer as coisas porque ela [Michel’le] não levava as informações a Suge para que isso acontecesse. Entrevista de Russell Poole com Dave, da Death Row.


“Suge começou a cumprir sua sentença de nove anos na California Men’s Colony em San Luis Obispo, onde ele foi impedido por lei de administrar a Death Row, viu metade da equipe da gravadora ser demitida e assistiu credores como a American Express continuar exigindo pagamento. Imediatamente após sua prisão, ele percebeu, a família da Death Row se desfez. Onde o selo uma vez promoveu uma frente unida, os artistas se espalharam aos quatro ventos.” — Do livro Have Gun Will Travel –The Spectacular Rise and Violent Fall of Death Row Records por Ronin Ro.

O fervor de manter Suge fora da prisão era apenas uma fachada para ficar perto de Suge, a fim de assumir a Death Row após a sentença. Em 25 de Novembro, Suge começou a entender. Ele ouviu coisas no interior que o fizeram duvidar de Reggie. Quando a Polícia de Compton e provas foram usadas para revogar sua condicional, em vez de liberá-lo, ele agora estava convencido a não confiar em Reggie e Kenner, mas ele realmente tinha uma escolha?

Suge trouxe Milton Grimes como advogado principal para representá-lo como seu advogado criminal com David Kenner ainda como co-advogado. Kenner tinha problemas de saúde provavelmente causados ​​pelo estresse, mas agora havia claramente uma distância. “O advogado David Kenner foi submetido a uma cirurgia cardíaca tripla. ‘Alguns dos associados de Knight chegaram a ponto de culpar Kenner por dar conselhos legais a Knight de que eles achavam que podiam colocar o empresário do rep e sua empresa em risco’, escreveu o repórter Chuck Philips.” — Do livro Have Gun Will Travel –The Spectacular Rise and Violent Fall of Death Row Records por Ronin Ro.

Michel’le foi usada como seu novo contato com a gravadora e nada estava sendo feito. Kenner e Wright Jr. semearam as sementes do caos dentro da Death Row Records que persistiram até depois da sentença.

“Suge não queria colocar ninguém no lugar para administrar a empresa enquanto ele estava na prisão, pensando que ainda seria capaz de administrar as coisas por trás das grades. Funcionou por um tempo, mas acabou perdendo todo o poder. Ele não podia mais manter o controle de seus reppers enquanto estava trancado. Suas ameaças por telefone não assustou ninguém. Todo mundo estava tentando conseguir tudo o que podia antes de deixar a gravadora desde que estava afundando.” — Do livro My Blood, My Sweat, My Tears. The Autobiography of Jew’ell Caples, por Felicia St. John.

Quais foram as opções de Suge? Sua esposa distante? David Kenner? Quem poderia confiar? Mas o próprio Suge Knight era confiável?

Dilema de Suge – Em quem ele vai confiar com a gravadora?

Reggie Wright sacaneou o ódio de Suge por Sean Combs. Suge sempre culpou Combs pelo assassinato de Jake Robles — o melhor amigo de Suge. Voltar às boas graças de Suge podia ter sido facilmente planejado tirando a vida do ganhador de prêmio de Combs… Biggie Smalls. Suge Knight estava na prisão na época e seria difícil provar que ele tinha conhecimento prévio deste enredo. Há um relato significativo de que Suge Knight não tinha conhecimento prévio desse acerto e isso decorre dos inúmeros telefonemas que vêm contando aos investigadores que Suge Knight é responsável pelo assassinato. No rescaldo do assassinato no Teatro El Rey, as ligações anônimas colocaram a culpa aos pés do DJ Quik, que não era um artista da Death Row. No rescaldo do assassinato de Tupac, as chamadas anônimas culparam Orlando Anderson, que tinha um álibi impermeável. Os telefonemas que chegaram a culpar Suge Knight pelo assassinato foram uma tentativa de incitar os promotores a acumular custos adicionais para Suge Knight, de modo que os ativos da Death Row pudessem ser saqueados além dos cinco anos em que Suge servisse.




O GRANDE GESTO PARA GANHAR A VESTIMENTA



Reggie disse: “Não vamos nos machucar por nada” — Gravações secretas de Frank Alexander no rescaldo do assassinato de Tupac. Reggie alimentou o incêndio culpando Sean Combs pela tentativa de assassinato de Suge, mas as coisas não estavam aumentando. Reggie foi apanhado em várias mentiras. Suge estava tendo dúvidas sobre as histórias. Ele estava ouvindo coisas.

Reggie precisava reconquistar a confiança de Suge para selar o que havia sido posto em prática com o assassinato de Tupac e a tentativa de assassinato de Suge — com todo esse planejamento na derrota de Orlando Anderson e manobras para conseguir que Suge violasse e sentenciasse. Foi tudo por nada se Suge não assinasse a procuração de Reggie. Precisava haver um ato monumental de lealdade para conseguir a assinatura de Suge nos formulários.

A única maneira de Reggie provar sua lealdade a Suge e fazê-lo assinar a papelada colocando Reggie no comando da Death Row Records era para Reggie vingar Sean Combs em nome de Suge Knight. Biggie Smalls estava por acaso na cidade. Como Sean Combs, o maior ganhador de prêmios, satisfaria Suge ao saber que ele finalmente não ficou nem um pouco, mas um pouco mais à frente.

Reggie jogaria com o ódio de Suge a Sean Puffy Combs, que Suge responsabilizou pelo assassinato de Jai “Jake” Robles. Biggie Smalls estava por acaso na cidade. Reggie colocou jovens gostosas dentro do acampamento de Biggie para monitorar a situação e transmitir informações. A oportunidade perfeita viria na pós-festa para os prêmios VIBE. Ele enviou compensações na noite anterior para avaliar a segurança e eles planejaram o ataque. Dessa vez, eles aprenderiam com o assassinato de Tupac e usariam um atirador profissional e uma armadura perfurando as munições Geko.

Eles observaram cada movimento de Biggie enquanto ele estava no museu. Enquanto se dirigia para seu carro, eles sabiam que a oportunidade logo estaria madura para o momento perfeito. O SUV esportivo de Biggie seguiu para o norte na Fairfax e parou no sinal vermelho. Um Chevy Impala SS parou ao lado. Um braço apareceu com uma arma, tiros foram disparados em um padrão apertado que só atingiu Biggie — nenhum dos outros 5 passageiros foram atingidos. Em alguns momentos Biggie Smalls, o maior ganhador de Puffy, estava morto.

Reggie agora tinha o que precisava para conseguir que Suge Knight o autorizasse a administrar a Death Row Records.

Na próxima visita, Reggie contou a história de como tudo aconteceu. Ele pediu a Suge para tomar crédito por isso, dizendo que ele havia coordenado a partir de seu celular com um telefone celular. Todos tinham trabalhado demais para matar Biggie Smalls. Mas a controvérsia em torno do assassinato de Tupac ainda assombrava-os. Ele ainda estava vivo e em custódia protetora? Eles tinham que ter certeza. Rafael Perez concordou em visitar o necrotério para ver o corpo e confirmar a morte. Ele usou seu protocolo normal para passar por medidas de segurança e foi capaz de confirmar que Biggie Smalls estava realmente morto. Reggie tinha certeza de informar a Suge que Rafael Perez tinha visto o corpo de Biggie. Ele foi confirmado por estar morto. Reggie então deslizou a papelada na frente de Suge depois de professar sua lealdade eterna. Suge Knight nem hesitou. Ele assinou a empresa para Reggie. Levaria anos antes de Suge entender o que realmente aconteceu.

Grandes Notícias – O assassinato de Biggie Smalls… assine aqui mesmo…

Daz disse, depois que Tupac foi morto: “Todo mundo começou a fazer as coisas dele, havia tumulto e caos. Eu estava tipo, porra, nós temos muito aqui e muitas músicas. Eu estava tentando descobrir como conseguir essas músicas, então foi quando me tornei presidente da Death Row. Reggie Wright estava fazendo isso e eu era a força criativa juntando as coisas.” — VladTV.com Daz Dillinger says Michel’le Fucked Up Death Row. Reggie Wright Jr. ficou em segundo lugar no comando da Death Row Records e acabou dirigindo a gravadora depois que Suge foi encarcerado, manobrando-se para essa posição. O caos na Death Row Records, que começou em 22 de Outubro, quando Suge é preso e colocado na prisão, termina quando Wright é colocado no comando.

Daz disse: “Nós caímos fora. Eu enganei-os para as bobinas. Peguei todas as bobinas e fiz todos os espaços em branco — reescrevi todos os títulos lá e dei-lhes as bobinas e parti com as mestres. Porque Reggie não sabia nada sobre colocar as bobinas lá e ouvir a fita.” — VladTV.com Daz Dillinger says Michel’le Fucked Up Death Row.
“Reggie está dirigindo o programa por lá. — Entrevista de Kevin Hackie com detetives do L.A.P.D. Miller e Poole em 12/5/1998. “Desde o encarceramento de Knight, sua agora distante mulher, Sharitha Knight, cuida das operações do dia-a-dia da Death Row Records. Las Vegas Sun, A morte de 2Pac um ano depois.

28 de Abril de 2000, Death Row Records transferiu-se para 8200 Wilshire Blvd. como propriedade de Reggie Wright Jr. O processo McPherson confirma que Kenner e Wright estavam trabalhando de perto enquanto Suge estava fora.





Manancial: Chaos Merchants

Sem comentários