DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

O narcotráfico na Colômbia – PARTE SEIS: A “COMBINAÇÃO DE FORMAS DE LUTA”


Por Adolfo León Atehortúa Cruz e Diana Marcela Rojas Rivera



O conteúdo deste artigo abrange as primeiras décadas do tráfico ilícito de drogas realizadas da Colômbia para os Estados Unidos. Sua singularidade reside na análise dos mecanismos utilizados pelos atores em análise (os pioneiros e os grandes chefes) para responder aos desafios impostos pela sua atividade ilícita e pela perseguição contra ela.


O conteúdo aqui traduzido foi tirado do livro O narcotráfico na Colômbia – Pioneiros e Capos, por Adolfo León Atehortúa Cruz e Diana Marcela Rojas Rivera, sem a intenção de obter fins lucrativos. — RiDuLe Killah




A “COMBINAÇÃO DE FORMAS DE LUTA”



Em seu objetivo principal de controle e manutenção do tráfico ilícito de drogas, os carteles desenvolveram múltiplas estratégias nas quais combinavam ações econômicas, políticas e militares. Contra o Tratado de Extradição, assinado no início dos anos oitenta entre os EUA e a Colômbia para a captura e transferência de um para outro país as pessoas solicitadas, os capos ofereceram batalha no campo jurídico legal, mas também empregaram métodos terroristas e tentou negociar com o Estado. A frase famosa e prática histórica do Partido Comunista na Colômbia, o que justifica a existência das FARC e seu braço armado, 
a combinação de todas as formas de luta, pode ser aplicada aos cartéis de drogas na Colômbia.

Para as batalhas judiciais, os narcotraficantes contaram com a assessoria e participação de importantes grupos de advogados. Nos Estados Unidos, alguns membros dos escritórios de assistência jurídica foram acusados ​​de alegada cumplicidade com os chefes de Cali. Para o uso da violência, a obtenção do recurso foi diferente entre os carteles.


• A GESTÃO DA VIOLÊNCIA E DO TERROR


Com efeito, Pablo Escobar construiu um exército de assassinos assalariados baseados em jovens de baixo estrato. Ele contratou e treinou as gangues de jovens que surgiram nas comunas mais pobres. Rodríguez Gacha fez o mesmo e aumentou suas fileiras com camponeses pobres. Rodríguez Orejuela, por outro lado, construiu um corpo de segurança baseado em membros aposentados e corruptos de aparatos de segurança do Estado. Como será visto mais tarde, eles compraram os mercenários contratados por Rodríguez Gacha e finalmente compraram os líderes dos grupos paramilitares que ele formou.

A primeira incursão direta e pública dos cartéis, sobre a violência, surgiu na sequência do sequestro de Martha Nieves Ochoa Vasquez, irmã de Jorge Luis, pela organização de guerrilha M-19 em 1981. Os capos da máfia concordaram na defesa de seus interesses: se um único sequestro fosse pago, os guerrilheiros aproveitariam toda a sua renda por esse meio. A decisão foi anunciada com um nome orgânico: o grupo “Morte aos Sequestradores (MAS), cujo boletim de fundação citou a reunião de 223 chefes da máfia para lidar com o sequestro”: cada um deles contribuiu com dois milhões de pesos e dez de seus melhores homens para executar os sequestradores.

Em apenas quinze dias, as ações do MAS foram conclusivas: capturaram mais de 25 pessoas acusadas de pertencer ao M-19 e esclareceu o fato. Finalmente, ele obteve a liberdade dos sequestrados sem pagar um centavo e entregou alguns guerrilheiros detidos às forças de segurança do Estado. No longo prazo, os resultados do MAS eram de outra ordem. Diante de um inimigo comum, traficantes de drogas e membros das Forças Armadas traçaram linhas de abordagem indissolúveis. Com o MAS, é claro, importantes setores da Força Pública descobriram que era possível realizar um trabalho sujo muito mais eficaz contra o movimento guerrilheiro, sem comprometer a imagem de suas instituições. Os narcotraficantes facilitaram a infra-estrutura e o dinheiro embora, cedo, alguns deles, como Rodríguez Gacha, começassem a se comprometer diretamente: descobriram a importância da “grande violência”. Na realidade, os guerrilheiros não apenas ameaçavam sua liberdade e riqueza pessoal; havia também ameaças contra seus rastros, laboratórios e propriedades em áreas de influência guerrilheira. A organização surgiu como um mecanismo de defesa contra os inimigos do Estado e não contra os últimos. Foi assim que nasceram os grupos paramilitares na Colômbia e o uso da polícia e dos soldados como recurso de violência a serviço dos narcotraficantes.



• O NARCO-TERRORISMO



Durante os primeiros anos do governo de Belisario Betancur (1982-1986), os mais difíceis golpes contra o narcotráfico foram infligidos pela destruição de laboratórios gigantes como Tranquilândia. A retaliação de seus proprietários, todos os membros do chamado cartel de Medellín começou no Congresso com uma queixa orquestrada contra o Ministro da Justiça, Rodrigo Lara Bonilla, que foi acusado, sem sucesso, de receber dinheiro de narcotraficantes para fins eleitorais, e finalmente foi assassinado em Abril de 1984.

A ação constituiu o começo da guerra declarada pelos narcotraficantes contra o Estado colombiano e a sociedade. O governo de Betancur, que foi acusado de ter abandonado seu Ministro ordenou a apreensão de bens de narcotraficantes, e apresentou processos pelo narcotráfico à justiça criminal militar. No entanto, a medida mais importante foi o anúncio de que a extradição seria aplicada, o que foi feito de forma intermitente durante os dois anos seguintes.

Em 15 de Novembro de 1986 declarou publicamente a aparência de Os Extraditáveis, como organização armada clandestina que preferia um túmulo na Colômbia a uma prisão nos Estados Unidos. Foi uma gangue de drogas liderada por pessoas do cartel de Medellín e Gonzalo Rodríguez Gacha, que conseguiu montar um aparelho de terror pronto para enfrentar o Estado colombiano.

As ações terroristas dos narcotraficantes se intensificaram. O assassinato de policiais, juízes, magistrados e jornalistas foi agravado por múltiplos ataques explosivos. O diretor do jornal El Espectador, Guillermo Cano, foi assassinado; o líder da União Patriótica, uma organização política legal conduzida por guerrilheiros das FARC e o Partido Comunista, Jaime Pardo Leal, e foi feita uma tentativa contra o ex-ministro da justiça Enrique Parejo, quando despachava de embaixador na Hungria. A pressão através do sequestro começou com o então candidato a prefeito de Bogotá, Andrés Pastrana e Carlos Mauro Hoyos procurador, que morreu em ação. A sucessão de eventos foi longa e dolorosa. Neles caíram o governador e o comandante da polícia de Antioquia, até que, em 18 de Agosto de 1989 Luis Carlos Galan foi assassinado, o candidato liberal mais importante para presidente da República na época.

A reação do governo se fez sentir com uma série de normas que tentavam enfrentar o desafio do narco-terrorismo. As medidas foram lideradas pela suspensão do artigo do Código Penal que exigia a aplicação de um tratado internacional para extraditar um cidadão colombiano. Assim, por meio de um decreto de estado de sítio, a extradição foi reativada por meios administrativos e sem o prévio conceito de órgão judicial. A medida de compartilhar a responsabilidade de assinar as extradições entre vários ministros foi estabelecida, tendo em vista o risco que o ministro da justiça corria, se o fizesse sozinho. Em sumo, a extradição foi consagrada como o principal instrumento de luta contra os narcotraficantes.

A guerra intensificou com a destruição das instalações do El Espectador e da sede do DAS, responsável pela perseguição da máfia. Bombas continuaram caindo no Hotel Hilton em Cartagena, o incêndio numa área notável ​​de Medellín e a explosão de um avião da companhia aérea Avianca em pleno voo.

Em meio as bombas e os atos terroristas contínuos, muitos colombianos comuns cansados ​​da violência, começaram a expressar a sua concordância com a idéia de que o governo chegou a um entendimento com os capos.


• A LUTA CONTRA A EXTRADIÇÃO: AS BATALHAS JUDICIAIS


Como dito anteriormente, os cartéis na Colômbia lutaram de maneira diferente contra a extradição. Gilberto Rodríguez Orejuela estrelou pela primeira vez quando foi preso na Espanha, na companhia de Jorge Luis Ochoa, no início dos anos oitenta. A luta foi legal: para evitar que Rodriguez e Ochoa fossem enviados para os Estados Unidos, os narcotraficantes saquearam um antigo processo legal contra Ochoa e criaram outro contra Rodriguez. Este último aconteceu em tempo recorde. Um jornalista escreveu um artigo acusando Gilberto Rodríguez de narcotraficante, e um advogado “diligente” tomou como base para registrar uma queixa. Imediatamente, um juiz abriu uma investigação e solicitou o encaminhamento do acusado. A justiça espanhola decidiu a transferência dos detidos para a Colômbia, porque o pedido de um detido por seu país de origem tinha privilégio sobre o pedido de qualquer outro. Embora agentes da DEA se apresentassem como testemunhas contra Gilberto Rodríguez, o 11º Juiz Criminal do Circuito de Cali absolveu-o de todas as acusações e concedeu-lhe a liberdade. Contra Ochoa, por outro lado, houve uma leve condenação que terminou com uma liberdade irregular devido ao perigo de ser extraditado para os Estados Unidos.

A batalha legal continuou com uma ação contra o tratado de extradição por supostos defeitos de inconstitucionalidade. A pressão exercida sobre os magistrados da Suprema Corte de Justiça tornou-se cada vez maior, não só porque cada caso individual de extradição dependia de seu conceito, mas também porque o próprio destino do tratado era colocado em suas mãos. Uma dessas ações judiciais foi ajuizada em Julho de 1985, quando foi exigida a sanção e assinatura do tratado, devido a irregularidades. Ao aceitar os argumentos jurídicos, a 12 de Dezembro de 1986, o Tribunal decidiu declarar inconstitucional a Lei 27, de 3 de Novembro de 1980, que ascendeu a legislação interna do tratado de extradição, não tendo sido sancionado pelo Presidente da República, mas o designado para a presidência, que não tinha essa função. O Presidente reagiu imediatamente e voltou para sancionar o tratado como a Lei 68 de 1986. O fato serviu para extraditar Carlos Lehder imediatamente, capturado em 4 de Fevereiro de 1987. No entanto, a nova sanção do tratado foi processada novamente antes do tribunal que, seis meses depois, declarou novamente a inconstitucionalidade.

Como última alternativa, o governo interpretou que o tratado estava em vigor, porque era um instrumento internacional que não tinha perdido sua força legal e não havia sido relatado a que tinha assinado, mas que por decisão do Tribunal, era irrelevante em termos práticos. Todo um jargão de macondiano que gerou desconfiança e exasperação nos funcionários americanos. Pouco depois, sob pressão de Washington para o caso de Rodriguez e Ochoa, o governo começou a observar a possibilidade de extraditar administrativamente.


• AS NEGOCIAÇÕES DOS NARCOTRAFICANTES COM O ESTADO



A primeira tentativa de negociação entre narcotraficantes e o governo colombiano foi motivada pela reação do presidente Belisario Betancur após o assassinato do Ministro da Justiça, Rodrigo Lara Bonilla, em 1984. A extradição se tornou realidade e os 
“Extraditáveis” correram para procurar uma negociação com o governo. A proposta foi apresentada no Panamá ao Procurador-Geral da Nação e ao ex-presidente liberal Alfonso López Mickelsen, em Maio do mesmo ano. Jorge Luis Ochoa, Pablo Escobar e Gonzalo Rodríguez Gacha, disseram que representavam uma centena dos principais narcotraficantes colombianos. Eles pediram reformas no tratado de extradição e isenção para crimes cometidos antes de tais reformas; eles se ofereceram para entregar ao Estado toda a infra-estrutura produtiva da droga, incluindo rotas e laboratórios, e abandonar completamente seus negócios. Ademais, eles falaram em cancelar a dívida externa da Colômbia.

Diferentes setores sociais e políticos rejeitaram a proposta. A embaixada dos EUA em Bogotá e o Departamento de Estado em Washington expressaram sua recusa em negociar com os traficantes. O governo de Betancur manifestou-se da mesma maneira e declarou nula a possibilidade de qualquer entendimento entre o governo e os narcotraficantes presentes no encontro do Panamá.

A partir de então, a luta dos narcotraficantes contra a extradição passou entre o político e o legal, conforme exposto nas seções anteriores, até acabar com o recurso ao terrorismo. No entanto, no final do governo de Virgilio Barco (1986-1990), várias crônicas relacionam a existência de uma negociação quase clandestina entre narcotraficantes de Medellín, particularmente Pablo Escobar, e o secretário da presidência, Germán Montoya. Membros da família deste último foram sequestrados e não poucos emissários se aproximaram do palácio presidencial para tentar obter resultados. Por fim, a constante crítica de importantes setores da vida nacional e a sistemática oposição do governo norte-americano frustraram qualquer avanço.

Assim, no início do governo de César Gaviria (1990-1994), várias situações foram claras. As medidas antinarcóticos dos últimos anos continuaram sem afetar o número de hectares cultivados e a quantidade de cocaína exportada, o que, ao contrário, aumentou. Por sua vez, o poder dos “carteles”, sua capacidade de corrupção e ameaça contra o Estado, continuou inabalável. O investimento em procedimentos militares, a criação de agências de segurança dedicadas exclusivamente à busca dos grandes patrões, mesmo com a própria colaboração americana, não deram resultados. O narco-terrorismo cobrava dívidas com vidas e o sequestro de notáveis ​​estava emergindo como uma arma fundamental para os acordos de imprensa.

Neste momento, o anúncio de uma política de subjugação foi amplamente apoiado internamente. Diferentes setores políticos e econômicos se inclinaram a favor de modificar a estratégia de enfrentamento dos governos anteriores e apoiar, ao contrário, a negociação e a entrega dos traficantes.

A pressão constante dos ataques terroristas e o sequestro de crianças da elite colombiana facilitaram e fortaleceram as propostas de negociação. Embora o próprio termo “negociação” tenha trazido polêmica entre vários autores, o fato é que o sequestro e assassinato de Diana Turbay Quintero —após um sequestro doloroso —, juntamente com o plágio de personagens como Francisco Santos e Maruja Pachón, entre outros, pesaram nas negociações que o governo indubitavelmente avançou ao mais alto nível. Assim, a política de trazer à justiça está consagrado em vários decretos que visam estimular e garantir a entrega dos traficantes à justiça, reduzindo penalidades por confissão dos crimes e a garantia de não-extradição. Essa foi a resposta do Estado à pressão dos narcotraficantes e à demanda da sociedade para acabar com a violência.

Finalmente, a realização da Assembléia Constituinte (1991) tornou-se outro cenário de negociação implícita. Uma decisão do Supremo Tribunal Federal estabeleceu que a Assembléia Constituinte não tinha qualquer limitação em suas questões. Isso significava que a extradição, bem como o perdão ou a anistia para narcotraficantes, guerrilheiros ou paramilitares, eram assuntos que poderiam ser discutidos na Assembléia.

Apesar dos esforços e das repetidas declarações do presidente Gaviria contra a proibição de extradição pela Assembléia, o governo teve que ceder aos cargos da Assembléia Constituinte. A extradição foi descartada na Magna Carta e o governo perdeu um instrumento eficaz para punir os narcotraficantes.

Em 19 de Junho de 1991, Pablo Escobar se entregou às autoridades. Nesse mesmo dia, a sessão plenária da Assembléia Constituinte votou o artigo 35 da nova Constituição, que proibia a extradição dos colombianos de nascimento.


• AS OUTRAS GUERRAS



Como resultado da luta contra a extradição, o “escritório” de Pablo Escobar tornou-se o epicentro da violência na segunda metade dos anos oitenta. Quem tentava separar o sistema, “trabalho por conta própria”, ou simplesmente dar-se o tipo de guerra contra a extradição que levantou Escobar, eram sequestrados para exigir o pagamento de grandes somas e/ou condenado à morte. Apenas o “clã Ochoa” poderia manter alguma distância e neutralidade, embora alguns de seus membros foi sequestrado e assassinado pelo “escritório”. No final do dia, os Ochoa faziam parte básica em uma grande operação a ser conhecida muito mais tarde como
“o caso Irã-contra: uma extensa rede de tráfico de drogas em troca de armas para os Contras nicaraguenses e dinheiro para oposição iraniana, na qual membros do alto escalão do aparato de segurança americano participaram.

No entanto, a guerra eclodiu entre Pablo Escobar, apoiado por Rodriguez Gacha, e os irmãos Rodriguez Orejuela desde 1988. As crônicas revelam como originou da disputa o sequestro de um narcotraficante do Vale, aliado de Pacho Herrera, um especialista em lavagem de dólares ligado a José Santacruz Londoño, em quem os Rodríguez depositaram toda a sua confiança. Apesar de pagar a quantia exigida pelo “escritório”, em dólares e drogas, o homem foi morto por suposta “bagunça de saias. Escobar imediatamente solicitou aos Rodriguez entrega de Herrera, que foi negada. Como resultado, uma sangrenta guerra de massacres e dinamite irrompeu entre os cartéis.

De fato, no início de 1988, o edifício Mônaco, a residência de Pablo Escobar em Medellín, foi parcialmente destruído por uma poderosa carga de dinamite. A explosão mostrou a riqueza e a excentricidade dos narcotraficantes e tornou pública sua guerra. Um comando de Escobar entrou na fazenda de Pacho Herrera, em sua busca, e assassinou 19 pessoas. Em todos os lugares os fogos de artifício irromperam contra os ramos de “Drogas a Venda” e as estações do “Grupo Radial Colombiano. Apenas um acordo foi claro: as famílias não eram tocadas na guerra.

Ao mesmo tempo, outro tipo de guerra ocupou Rodríguez Gacha: um confronto total contra os guerrilheiros das FARC entre 1987 e 1989; isso, ao invés de mirá-los, tomou como vítimas membros e simpatizantes da “União Patriótica, um partido político legal considerado uma vitrine das FARC. Todo um exército paramilitar, construído com a cumplicidade de importantes setores militares e a liderança técnica de mercenários israelenses e britânicos, entrou na barbárie. Grupos de Magdalena Medio e grupos de Córdoba, liderado por Fidel Castaño, irmão mais velho de Carlos, a quem as FARC sequestrou e matou seu pai, começaram a realizar massacres em plantações de banana em Urabá e espalhados por todo o território colombiano, alternado com homicídios singulares de conselheiros, prefeitos e líderes do Partido Comunista.

Guerras se emaranharam em uma única meada. Os mercenários britânicos, quem Rodriguez Gacha contratou para atacar a liderança das FARC no sítio em La Uribe, terminou pago pelo “cartel de Cali” para atacar Gacha e Escobar na fazenda Nápoles. Escobar ofereceu publicamente milhões de pesos para quem assassinasse a polícia ou colocasse dinamites nas propriedades de Rodriguez. Henry Perez, chefe dos paramilitares de Magdalena Medio, um seguidor de Escobar, trabalhou para seus inimigos. Este último tornou-se o principal aliado do Estado e as autoridades colombianas perseguiram Escobar. Foram eles que se infiltraram em Rodriguez Gacha e entregaram as informações que levaram à sua morte. Escobar, da mesma forma, escapou milagrosamente a uma armadilha armada por Pérez com a ajuda do DAS. Policiais e soldados ativos e aposentados que prestaram vários serviços aos homens de qualquer dos cartéis começaram a ser assassinados. Fidel Castaño tornou-se, após a morte de Gacha, o inimigo número um de Escobar. No meio de tudo e de todos, cidadãos inocentes e desarmados caíram no trabalho e na graça de ataques indiscriminados; desprotegido por um Estado incapaz de parar as guerras, sem estratégias para enfrentar o crime organizado e infiltrado por ele em suas principais instituições.


• AS RELAÇÕES COM A GUERRILHA



As relações entre os grandes chefes e os guerrilheiros na Colômbia eram diversas e conflitantes. Inicialmente, como mencionado anteriormente, a tentativa de sequestro contra Carlos Lehder e o sequestro de Martha Nieves Ochoa, pelo M-19, levou à criação do MAS e um confronto gritante dos narcos contra os membros da guerrilha e seus parentes. Em uma situação semelhante, mas mais tarde, José Santacruz Londoño respondeu ao sequestro de sua irmã pelas FARC, com o sequestro de membros da União Patriótica e membros da família ou parentes de comandantes insurgentes.


Gonzalo Rodríguez Gacha, por sua vez, declarou guerra às FARC e à União Patriótica. Enquanto alguns acordos iniciais foram feitos entre as FARC e os narcos em torno do “imposto de peso” e vivendo em áreas de cultivos ilícitos e laboratórios, convênios foram quebrados e abriu o caminho para uma violência sem precedentes. Sequestros, extorsões e assassinatos da guerrilha geraram, ao mesmo tempo, uma resposta dura com a criação de grupos paramilitares.

No entanto, em uma segunda etapa e depois de acordos sobre a libertação de Martha Nieves Ochoa, a relação especial entre Pablo Escobar e Jaime Bateman, líder do M-19, começou a se aproximar. Escobar expressou, em repetidas ocasiões, sua admiração e simpatia pelo M-19, bem como suas coincidências quanto à rejeição da extradição. Após a morte de Bateman, retomou-se o contato por Ivan Marino Ospina, comandante supremo do M-19, o qual Escobar deu abrigo e forneceu apoio financeiro em certas ocasiões.

Diferentes versões atribuem a essa relação os fatos do Palácio da Justiça. Enrique Parejo González, por exemplo, argumentou que a “aliança” narcotráfico-guerrilha foi o gestor e o pilar da incursão contra a Corte. Até mesmo o termo “narco-guerrilha” foi cunhado para pensar sobre esse fenômeno supostamente real. O fato de o M-19 incluir em sua “demanda armada” alguma referência ao Tratado de Extradição — considerado prejudicial à soberania nacional — foi assumido como “prova completa” de sua aliança com os narcotraficantes. As ameaças recebidas pelos juízes em nome dos “Extraditáveis” ou o fato de que o ataque tinha ocorrido contra o Tribunal no dia anterior” este estudo o discurso sobre a constitucionalidade do Tratado de Extradição, e que ele decidiu sobre oito resoluções pendentes de tal pedido, também foi citada como prova.

Contudo, cada um dos fatos deve ser visto objetivamente. As próprias instâncias oficiais distorceram a existência da aliança em suas investigações judiciais. Tanto o Tribunal Especial da Instrução, como o Gabinete do Procurador-Geral absolvido no momento do M-19 de toda conexão ou apoio com narcotraficantes em relação ao ataque ao Palácio da Justiça. Enquanto Carlos Castaño e John Jairo Velasquez, o famoso Popeye, um dos pistoleiros de Pablo Escobar, renovou as acusações contra o M-19, uma negação grande e sustentada de uma análise acadêmica detalhada dos fatos absolveu os guerrilheiros.

A guerra declarada por Rodríguez Gacha e os paramilitares contra os guerrilheiros e a União Patriótica não parou. Embora se saiba que Carlos Pizarro e Bernardo Jaramillo procuraram em entrevistas separadas com Escobar evitar suas “sentenças de morte” e reduzir a inimizade com Rodríguez Gacha, essa busca confrontou os inimigos de Castaño e Escobar que ordenaram seus assassinatos sob a convicção de acordos existentes entre o capo e os candidatos.




Manancial: O narcotráfico na Colômbia

Sem comentários