DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

EL NARCO – CAPÍTULO 16: Paz


O conteúdo aqui traduzido foi tirado do livro El Narco: Inside Mexico’s Criminal Insurgencyde Ioan Grillo, sem a intenção de obter fins lucrativos. — RiDuLe Killah



CAPÍTULO 16


PAZ




Palavras por Ioan Grillo





Ouvi quase exatamente a mesma frase duas vezes: uma vez em Culiacán, Sinaloa; uma vez em Ciudad Juárez. A primeira vez veio de Alma Herrera, a elegante mãe de cinquenta anos cujo inocente filho havia sido morto a tiros quando foi consertar os freios do carro da família. Estávamos falando sobre todos os assassinatos e injustiças em Culiacán, como cidadãos normais se sentem impotentes contra o poder dessas máfias e policiais corruptos, soldados e políticos. Como eles se sentem tão inúteis quando seus filhos são mantidos por sequestradores ou cheios de balas antes de terem comemorado seu décimo oitavo aniversário. Como eles se sentem impotentes diante de homens armados tirando a vida de quem quiserem, quando quiserem. Então ela disse a frase que ficou na minha cabeça:


“Precisamos de um Superman para vir aqui e nos salvar, para limpar esta cidade, para tirar os bandidos.”

Pode parecer ridículo. É algo de quadrinhos D.C. e filmes de Hollywood, a idéia de um cruzado de capa voando pelo céu, desviando de balas e agarrando vilões pela nuca. Mas em meio a tal frustração e desespero, sua esperança é completamente compreensível, se não for realista. Culiacán é mais sombrio que a Cidade de Gotham em suas piores representações. Eles não enfiam cabeças em paus na Cidade de Gotham.

Em Ciudad Juárez, ouvi a noção de novo em uma música — ou melhor, um rep. O repper atende pelo nome de Gabo e faz parte de uma nova escola de hip-hop da fronteira mexicana que critica, em vez de celebrar, a vida e a violência das gangues. Gabo estava soltando suas letras em uma calçada do lado de fora de uma boate enquanto eu filmava com uma equipe de TV. Seu verso também era sobre a frustração que se sente vivendo em bairros atormentados por assassinos de cartéis e policiais corruptos. Então ele soltou uma estrofe que atingiu outro acorde em minha mente.


Paz será a última palavra que ouvimos
Onde está o Superman ou Jesus Cristo?
Saia do céu e lute contra isso,
Desculpe, Deus, eu não sou ateu,
Estou cansado do que vivo, sinto e vejo.


Mais uma vez, sentindo-se completamente impotente, a pessoa se volta para um poder maior. Onde está o homem de terno apertado, azul e vermelho ou uma coroa de espinhos para emergir das nuvens? É um desejo compreensível.

Infelizmente, nenhum super-homem ou messias vai acabar com a Guerra às Drogas no México. Nenhuma varinha mágica tornará tudo melhor. A solução está em seres humanos falhos, gananciosos, evasivos, confusos e enganadores. Está nos mesmos seres humanos que criaram o problema em primeiro lugar, fez El Narco crescer lento mas seguramente, comprando drogas, vendendo armas, lavando dinheiro, levando seus subornos, pagando seus resgates. E é nos mesmos políticos falsos de Washington à Cidade do México que pressionam políticas que não funcionam, deixam as crianças presas em um canto sem esperança e deixam os assassinos escaparem com o assassinato.

A saída não envolve uma política melhorada em um país, mas um grupo de políticas aprimoradas no México, nos Estados Unidos e além. Embora El Narco seja uma insurgência criminal, os soldados são apenas uma pequena parte dessa solução. A América e a Europa têm que acordar e confrontar o dinheiro das drogas e as armas que emitimos. O debate não pode ser convenientemente escondido por mais tempo. Os lucros estimados das drogas mexicanas ao longo da última década totalizam mais de um trilhão de dólares. Dar aos cartéis psicopatas mais um quarto de trilhão de dólares na próxima década não deveria ser aceitável. Aceitaríamos estrangeiros jogando dinheiro em milícias insurgentes em nossos países?

Mas mesmo que os demônios do tráfico de drogas sejam magicamente vencidos, o México precisa enfrentar seus próprios problemas profundos. O país está lutando com uma transição histórica: o velho mundo do PRI morreu; a nova democracia ainda não foi construída. A nação tem que encontrar os arquitetos para construí-la. Tem que fazer uma verdadeira força policial que não tolere o sequestro de uma criança inocente e a destruição de sua vida; e tem de oferecer mais esperança aos adolescentes do que pegar Kalashnikovs, ganhar dinheiro rápido e morrer antes que eles alcancem a masculinidade.
A paz tem que vir um dia, mas muito mais cadáveres virão primeiro. E esses corpos não estarão todos a salvo ao sul de Rio Grande.



Ao norte da fronteira na Califórnia, alguns dizem que têm uma solução para o tráfico violento de drogas em plantas verde-claras criadas com lâmpadas elétricas e vendidas em potes de biscoito. Caminhando por uma milha quadrada em Los Angeles, você pode passar por vinte lojas de maconha-medicinal com nomes como Little Ethiopia, Herbal Healing Center, Green Cross, Smokers, Happy Medical Centers, La Kush Hemporium e Natural Way. Passando pela porta de uma pessoa, você passa por uma recepcionista pedindo que a prescrição de seu médico comece a fumar — um roteiro que pode ser usado para doenças como câncer, paralisia e mal de Alzheimer, para quem se sentir estressado (quem não está?). Você então passa por uma sala repleta de potes de guloseimas com nomes como Purple Kush, Super Silvers, God’s Gift, Strawberry Cough, Granddaddy, e Trainwreck. As plantas de interior da Califórnia são geralmente mais puras e mais claras do que as plantas mexicanas, mostrando uma coloração amarelo-esverdeada. Os pacientes podem levar seus remédios para o conforto de sua própria casa e fumar suas tristezas em nuvens fedidas. E ninguém é abatido por capuzes de máscara de esqui com AKs.

Os reformistas da política de drogas dizem que essas lojas são um vislumbre do futuro. A grama é cultivada na América, fumada legalmente na América e tributada na América. Não se gasta dinheiro com isso, e nenhum dinheiro de drogas vai para as milícias do cartel no México. El Narco, dizem alguns, pode resistir a um milhão de cartadas militares, mas pode ser morto pela temida palavra-L — legalização. Assim, entramos nesse argumento tóxico, contencioso, proibido, confuso e crucialmente necessário — o debate sobre a legalização.

No momento em que a Guerra às Drogas no México se enfurece, o debate está chegando ao segundo grande fluxo de sua história. O primeiro veio nos anos setenta, com a Casa Branca de Jimmy Carter. Defensores da legalização, incluindo vários médicos, assumiram posições-chave do governo, seus documentos foram divulgados, suas idéias ganharam dinheiro. Os estados começaram a descriminalizar a maconha e a cocaína era vista na mídia como uma droga de festa despreocupada. Os reformadores achavam que tinham ganho o debate. Eles estavam errados. Nos anos 80, a América atacou os narcóticos com uma vingança e, nos anos 90, a guerra às drogas continuou com esteróides. A epidemia de crack eclodiu, celebridades morreram de overdose, e muitos pais de classe média se preocuparam com muitas crianças de classe média com tanta rapidez e sensibilidade. No início dos anos 90, pesquisas descobriram que um grande número de americanos achava que as drogas eram o problema número um que o país enfrentava. A mídia estava repleta de histórias de jovens viciados em crack, gangsters malucos e lindos garotos brancos transformando-se em demônios usando drogas.

Mas isso foi há duas décadas. O pêndulo virou de novo. Para agora. A maioria das pessoas nem lista drogas em seus dez principais problemas da América. A economia é a prioridade da maioria das pessoas, e o terrorismo, a imigração, o crime, a religião, o aborto, o casamento gay e o meio ambiente causam mais preocupação do que os narcóticos. Enquanto isso, os reformadores das políticas de drogas emergiram fortalecidos com proposições para descriminalizar, disseminar o uso médico e, finalmente, legalizar totalmente a maconha. A proposição 19 para legalizar a cannabis na Califórnia, por pouco, não passou, chegando a 46,5% na votação de 2010.

O movimento de reforma política também está desfrutando de um surto na América Latina, onde vários políticos de alto escalão estão se juntando a um coro cantando por mudanças. Em Fevereiro de 2009, o ex-presidente mexicano Ernesto Zedillo, o ex-presidente colombiano César Gaviria (que supervisionou o assassinato de Pablo Escobar) e o ex-presidente brasileiro Fernando Cardoso assinaram um documento que pedia uma mudança de política. O relatório, que eles apresentaram com a intenção de impulsionar um movimento, afirmou em termos inequívocos:

“A guerra às drogas falhou. E é hora de substituir uma estratégia ineficaz por políticas de drogas mais humanas e eficientes…

“Políticas proibicionistas baseadas na erradicação, interdição e criminalização do consumo simplesmente não funcionaram. A violência e o crime organizado associados ao narcotráfico continuam sendo problemas críticos em nossos países. A América Latina continua sendo o maior exportador mundial de cocaína e maconha e está rapidamente se tornando um importante fornecedor de ópio e heroína. Hoje, estamos mais longe do que nunca do objetivo de erradicar as drogas.

“O primeiro passo na busca de soluções alternativas é reconhecer as consequências desastrosas das políticas atuais. Em seguida, devemos quebrar os tabus que inibem o debate público sobre drogas em nossas sociedades.”

O papel causou um turbilhão pelo continente. Mas típico do debate sobre as drogas, isso foi uma salva de ex-presidentes em vez de atuais. Questionar a justiça da guerra contra as drogas tem sido visto como um perdedor de votos extremamente tóxico. Até que os políticos saiam do escritório.

Outro chefe de estado aposentado que se juntou ao movimento para legalizar foi Vicente Fox. Fui vê-lo em seu rancho para falar sobre sua causa recém descoberta. Ele parecia decididamente menos estressado do que quando estava no escritório, relaxando em sua grande propriedade em jeans e camiseta. Questionado sobre o motivo de sua posição ter mudado, ele explicou que a situação em si mudou, com o problema da violência sendo agora um custo muito pior para o México.

Fiquei surpreso com a radicalidade de seus pontos de vista sobre a reforma. Ele não queria apenas descriminalizar, mas falava de legalização e tributação completas de toda a indústria de narcóticos. Ele imagina os produtores de maconha em Sierra Madre, criando suas ervas como fazendeiros legais. A maconha mexicana poderia ser como sua indústria de tequila, apoiando alguns barões rurais e conhecidos por bêbados (ou drogados) em todo o mundo. Ele acrescentou que foi uma vergonha que a Proposição 19 falhou na Califórnia, já que teria sido um grande primeiro passo. Falando em sua voz habitual de barítono, o ex-presidente continuou:

“A proibição não funcionou no Jardim do Éden. Adão comeu a maçã. E Al Capone e Chicago são o maior exemplo de proibição de não funcionar. Quando legalizaram o álcool, isso livrou-se da violência.

“O dano que o México está pagando pela proibição agora está piorando exponencialmente. Está afetando o investimento e o turismo. Está destruindo hotéis e restaurantes e boates no norte do país. Eu vejo importantes empresários deixando o país e indo para San Antonio ou Houston ou Dallas.

“Mas não é apenas uma perda de receita. É a perda de tranquilidade. Na psicologia coletiva, há medo no país, e quando você tem uma atmosfera de desarmonia, nenhum ser humano consegue tirar o melhor de si. Este custo não vale a pena pagar.

“Você também tem que pensar que a responsabilidade das drogas é com o consumidor. É a família que tem que dar informação e educar. Não podemos passar essa responsabilidade para o governo. O governo tem que responder com urgência à nossa segurança. Eles têm que garantir que nossos filhos cheguem em casa seguros e saudáveis, que não sejam apanhados em um tiroteio.”



Fox aborda os pontos centrais levantados durante anos pelos reformistas da política de drogas nos Estados Unidos: que a proibição das drogas não impediu o consumo de drogas; que cria crime organizado com consequências catastróficas; e que toda a idéia de um governo lhe dizendo o que colocar em seu corpo é ilógica.

Argumentos para legalização preencheram livros inteiros, e isso não pretende ser outro. Este é um livro sobre El Narco e a Guerra às Drogas no México. A maioria das pessoas já se decidiu sobre a legalização. Mas o debate é crucial para entender o futuro do El Narco, porque a reforma das políticas de drogas terá consequências épicas no México.

O crescente movimento de reforma política é uma igreja ampla. Inclui todos, desde os rastafaris fumantes de ganja até os fundamentalistas do livre mercado e todos os demais. Há socialistas que acham que a guerra às drogas prejudica os pobres, capitalistas que vêem uma oportunidade de negócios, liberais que defendem o direito de escolher, e conservadores fiscais que reclamam que a América está gastando 40 bilhões de dólares por ano na guerra às drogas, em vez de fazer alguns bilhões taxando isso. O movimento não pode concordar com muito mais do que a política atual não funciona. As pessoas discordam sobre se as drogas legalizadas devem ser controlados pelo Estado, por corporações, por pequenos empresários, ou por fazendeiros que cultivam seu próprio país, e se eles devem ser anunciados, tributados ou simplesmente entregues gratuitamente em caixas brancas a viciados.

Grupos poderosos estão alinhados contra a reforma. Certos cristãos e organizações religiosas acreditam que as drogas são imorais e que é nosso dever combater seu uso. Essa força fundamental tem impulsionado a guerra às drogas desde que Hamilton Wright da Opium Commissioner protestou contra as papoulas rosadas em 1908, e sua influência no pensamento americano não deve ser subestimada. Muitos no estabelecimento de combate às drogas também estão firmes em suas trincheiras. A DEA não quer perder seu orçamento de $2,3 bilhões, e os soldados que dedicaram suas vidas não suportam a idéia de que a luta foi em vão. Muitos agentes bem-intencionados acreditam firmemente que os narcóticos são um flagelo que temos que combater com força. Finalmente, há o mesmo grupo que forneceu o ímpeto para os políticos chamarem o grito de guerra o tempo todo: a classe média preocupada. Ser duro com drogas é visto como um vencedor do voto por uma razão: os pais estão genuinamente preocupados com a questão.

Fora da América, vozes se somam ao acampamento das drogas. Os tratados das Nações Unidas exigem que todos os signatários sigam políticas proibicionistas e sejam feitos de maneira difícil para mudar. Apoiando essa postura conservadora estão funcionários de países tão distantes como Itália, Rússia, Irã, Nigéria e China, todos convencidos de que a linha da proibição não pode ser quebrada. Se a Califórnia legalizasse a maconha, não apenas violaria a lei federal americana, como também violaria o tratado da ONU. Seria uma lata legal de vermes.

À medida que os apelos pela reforma das políticas de drogas aumentam, os que estão no campo da guerra às drogas aumentam o tom. Eles afirmam que a legalização das drogas seria uma catástrofe. Mesmo se legalizássemos a maconha, dizem eles, como poderíamos legalizar cocaína, heroína e metanfetamina? Um relatório especulou que o consumo de cocaína aumentaria dez vezes. Se você acha que as coisas estão ruins agora, eles dizem, imagine o caos se as drogas fossem legais. Haveria viciados em crack psicopatas e armados em cada esquina. Seria o inferno na terra. El Narco teria vencido.



Apesar desses imensos desafios, vários fatores estão tornando o movimento de reforma das políticas de drogas mais forte do que nunca. O mais importante é a experiência histórica. Com o consumo massivo de drogas a partir dos anos 60, tivemos mais de quatro décadas para observar suas tendências. As leis não parecem ser o fator subjacente que determina a quantidade de uso de drogas. A Holanda, por exemplo, tem leis liberais sobre drogas, mas tem menos uso de drogas do que o Reino Unido com leis mais rigorosas. Portugal tinha uma das taxas mais baixas de uso de drogas na Europa quando tinha leis rígidas e taxas ainda mais baixas após a descriminalização de todas as drogas em 2001. A principal conquista dessa mudança foi economizar dinheiro e reduzir as infecções pelo HIV.

Os Estados Unidos continuam a ter o maior uso de drogas do mundo, mantendo uma política geralmente proibicionista. Mas os tipos de drogas usados ​​mudaram ao longo das décadas. A cocaína em pó era moderna e popular nos anos setenta, o crack explodiu nos anos 80, o êxtase ganhou força nos anos noventa, e o cristal teve sua notória estrela no início do novo milênio. Essas mudanças parecem mais relacionadas a modas e ambientes sociais que leis e qualquer sucesso em interromper o fornecimento. O argumento de que legalizar drogas criaria uma onda catastrófica de usuários não é respaldado por fatos.

O uso de drogas na América Latina, incluindo o México, é muito menor do que nos Estados Unidos, mas aumentou substancialmente nas últimas duas décadas, dando aos países latino-americanos seus próprios problemas com viciados e batalhas de rua. A julgar pela experiência histórica, o uso de drogas provavelmente aumentará nesses países, independentemente do que os governos façam. As drogas fazem parte da globalização e das modernas sociedades de consumo. Isso criará ainda mais renda para o El Narco e tornará a reforma política mais urgente.

Defender a legalização das drogas não significa, de modo algum, que as drogas sejam boas. Todos concordam que a heroína é um flagelo covarde. Os reformadores argumentam, no entanto, que a melhor maneira de controlar os narcóticos é expô-los e regulá-los. Enquanto isso, os bilhões de dólares gastos tentando proibir os narcóticos poderiam ser gastos em campanhas de prevenção e reabilitação. A maioria das pessoas que usa drogas não são viciados problemáticos, assim como a maioria das pessoas que bebem não é alcoólatra doente. Mas os viciados dão mais recursos ao crime organizado e causam o mais grave dano às suas famílias e comunidades. Trabalhadores da reabilitação dizem que a maioria dos que sofrem com o uso compulsivo de drogas tem outros problemas: abuso infantil, pobreza, negligência. Eles precisam de ajuda.

Enquanto isso, o crime duro associado às drogas não é causado pelos narcóticos; é precisamente porque são ilegais. As pessoas matam nas esquinas porque estão brigando pela riqueza do comércio do mercado negro, não porque fumegavam fardos. Gangsters mexicanos não cortam as cabeças de seus rivais porque estão viajando em psicodélicos. Eles vão além do limite porque muito dinheiro está envolvido.

Os defensores das reformas políticas vislumbram um futuro brilhante em que a comunidade internacional chega a um acordo com o uso de narcóticos no mundo moderno em uma esfera legal. Isso finalmente destruiria as máfias de tráfico, que por definição não poderiam existir. Não haveria mais confrontos de esquina, tiroteios sobre carregamentos, execuções de traficantes que não pagaram sua cota, dinheiro de drogas indo para a Barrio Azteca, cartel de Sinaloa, cartel de Medellín, Zetas, La Familia, Cosa Nostra, ou terreiros jamaicanos, batalhas pela cocaína em favelas brasileiras ou ataques de cartel a czares de drogas, nem qualquer outro derramamento de sangue relacionado a drogas em cantos sujos em todo o mundo.

Essa visão tem sido ridicularizada como utópica, classificada como não-iniciante. Mas está rapidamente ganhando força com novos convertidos de bilionários norte-americanos para os camponeses latino-americanos. Esse momento dá aos defensores da reforma uma sensação de efeito bola de neve, uma sensação de que a história está do lado deles. Como o poeta francês Victor Hugo disse: “Nada é mais poderoso do que uma idéia cuja hora chegou.”

Então novamente, muitos ativistas se sentiram assim nos anos setenta. O excesso de confiança pode ser perigoso. O pêndulo sempre poderia balançar para trás.



A maior mudança política até agora tem sido a descriminalização do uso de drogas. Os governos que adotam esse procedimento ainda mantêm os narcóticos ilegais, mas não punem — ou pelo menos não dão tempo de prisão — a qualquer um que possua valores pessoais. Isso já foi feito em treze estados americanos em relação à maconha e na Holanda e em Portugal. Nos últimos dois anos, também ganhou espaço nos estados da linha de frente da América Latina. O supremo tribunal da Argentina decidiu que o porte de maconha não era um crime, e a Colômbia e o próprio México descriminalizaram o uso pessoal de quase todos os narcóticos. Na lei do México, aprovada em 2009, qualquer pessoa pega com duas ou três articulações, cerca de quatro linhas de cocaína, ou mesmo um pouco de metanfetamina ou heroína, não pode mais ser presa, multada ou encarcerada. No entanto, a polícia lhes dará o endereço da clínica de reabilitação mais próxima e aconselhá-los a se limpar. A lei foi aprovada com base no argumento de que a polícia deveria priorizar perseguir criminosos maiores e mais violentos. Eles certamente têm muitos desses.

A lei mexicana foi um marco importante, especialmente considerando a reação dos Estados Unidos. Em 2006, o Congresso mexicano havia aprovado uma lei quase idêntica. Mas a Casa Branca de Bush foi balística e pressionou o presidente Fox, que a vetou. Em contraste, em 2009, a Casa Branca de Obama foi notavelmente mãe sobre a questão, e Calderón assinou. Essa reação não foi perdida em toda a América Latina e pode sinalizar uma mudança de direção a longo prazo tanto em Washington quanto nas capitais do hemisfério sul. Outro ponto notável foi que a lei mexicana não teve efeito imediato sobre o uso de drogas na rua. Nenhum aluno da quarta série saiu da escola para tentar heroína, nenhuma explosão repentina de crianças no crack ocorreu. A longo prazo, claro, isso poderia ser uma história diferente. Mas, de um ponto político, quebra o argumento de que o mundo vai imediatamente parar de girar se as drogas forem descriminalizadas. O medo do mundo desconhecido das drogas toleradas tem sido um fator que impulsionou o debate.

No entanto, embora a descriminalização economize dinheiro da polícia e pare de punir os dependentes, os opositores têm razão em afirmar que isso não faz nada para impedir o crime organizado. Embora o uso de drogas seja efetivamente legal, o tráfico e a venda ainda estão nas sombras. Nós provavelmente teremos que lidar com essa dolorosa contradição por muitos anos à frente.

A Prop 19 da Califórnia não mexe com essas contradições, mas defende um passo em direção a um novo reino, legalizando a maconha. A versão de 2010 propôs que qualquer pessoa com mais de vinte e um anos de idade pudesse usar até trinta gramas de maconha para uso pessoal, fumar em sua própria casa e cultivá-la em estufas. Ganja seria vendida por revendedores licenciados, com lojas de maconha medicinal fornecendo um exemplo concreto de como isso seria; você simplesmente não precisaria da prescrição do médico. O debate se enfurecerá novamente em 2012, com a maioria dos argumentos sobre a saúde das crianças da Califórnia e as finanças públicas. (Defensores dizem que o estado pode gerar cerca de $1,4 bilhão em receitas fiscais anuais com a maconha.) Mas outros estarão observando de perto centenas de quilômetros ao sul da fronteira, nos campos de maconha de Sierra Madre.

Todos concordam que a erva legalizada nos Estados Unidos teria um efeito sobre o El Narco no México. A questão é quanto. Continuamos voltando ao problema básico de que, uma vez que o comércio de drogas é ilegal, não sabemos quanto o México produz, ou o que cruza a fronteira, ou quantos americanos fumam maconha. Mas nós tentamos adivinhar. Estes palpites sobre a quantidade de ervas que o México vende nos Estados Unidos variam enormemente, de $20 bilhões no topo para $1,1 bilhão na parte inferior.

Os principais números vieram depois que o escritório do secretário antidrogas em 1997 multiplicou alguns rendimentos estimados de cultivos de maconha mexicanos com base em avistamentos de avião e outros fatores. Em seguida, multiplicou esses rendimentos com os preços de rua americanos e apresentou uma figura astronômica com muitos zeros. Foi ainda mais do que mexicanos feitos de cocaína. Assim, o escritório concluiu que as turbas mexicanas produzem 60% de sua renda a partir de ervas. Uma cifra semelhante foi novamente produzida quando o governo mexicano estimou que os cartéis tinham crescido em torno de 35 milhões de libras de ganja por ano e multiplicado pelos custos de rua americanos (cerca de $525 por libra) — para produzir $20 bilhões. Esse número flutuou na mídia no período que antecedeu o voto da Prop 19.

A Rand Corporation criou então seu próprio estudo antes do referendo na Califórnia. O relatório lançou um ataque aos números de alto nível, dizendo que eles não deveriam ser levados a sério. “Os defensores da legalização aproveitam essas figuras para complementar seus argumentos tradicionais”, afirma. Ele mostra corretamente os imensos problemas com estimativas e como todos os números que estamos lidando são duvidosos. Mas então o relatório faz suas próprias estimativas, envolvendo muitas equações de aparência engraçada com números expressivos e números longos. Voltando ao território confuso de adivinhar o quanto os drogados de ervas colocam em cada cigarro (0,39 gramas em uma medida), ele analisa os dados que dividem os desperdícios em quatro grupos — de usuários casuais a fumantes crônicos (da Chronic). Depois de mais sinos e assobios, conclui que os traficantes mexicanos ganham de $1,1 bilhão a $2 bilhões em todo o mercado americano de maconha e apenas 7% disso vem da Califórnia. Sua conclusão: votar para a Prop 19 não afetará a violência das drogas no México.

Essa dedução é altamente questionável. A fonte mais concreta, as apreensões, mostram que toneladas de grama de cartel mexicano vão diretamente para a Califórnia. O México fez sua maior apreensão de maconha desde os anos oitenta sobre a fronteira da Califórnia, em Tijuana, em 2010 (duas semanas antes do voto da Prop 19). Foram 134 toneladas, ou 295.000 libras das folhas psicodélicas! É muita grama, foi carregada em um comboio inteiro de caminhões e soldados encheram um estacionamento com ela. Os pacotes de pressão em amarelo, vermelho, verde, cinza e branco alcançaram o céu. Isso fez uma fogueira infernal. A grama teria valido cerca de $100 milhões nas ruas da Califórnia. Em aparente reação à perda, um cartel massacrou treze viciados em um centro de reabilitação. Foi uma vida para cada dez toneladas de ganja.

Se os cartéis assassinam o tráfico de maconha para a Califórnia, é obviamente um mercado sério. E isso foi apenas uma convulsão. A patrulha e a alfândega da fronteira da Califórnia também apreendem centenas de toneladas de cannabis a cada ano.

A maconha mexicana indo para a Califórnia também se transfere para outros estados americanos. Se a Califórnia legalizasse a erva, haveria uma colcha de retalhos desconcertante: você teria grama produzida legalmente em Cali, vendida ilegalmente em outros estados; erva mexicana importada ilegalmente para San Diego e vendida no balcão em Los Angeles; e toda uma série de outras combinações confusas. E seria bizarro para os soldados mexicanos apreender um caminhão de maconha em Tijuana se ele estivesse sendo vendido abertamente em dispensários a alguns quilômetros da fronteira.

Os defensores da reforma de políticas, é claro, vêem a Califórnia como um primeiro passo. Uma vez que é mostrado que funciona lá, a política pode ser seguida no Novo México ou no Estado de Washington. Eventualmente, todo o sindicato pode legalizar. E se os Estados Unidos legalizassem a maconha, o México inevitavelmente legalizaria seus próprios agricultores e transportadores. Os camponeses de Sierra Madre poderiam sair do tráfico de drogas e entrar em um negócio legítimo; seria mais uma safra mexicana, como café, tequila agave ou abacate.

Você pode argumentar para sempre com números confusos sobre o tamanho dessa indústria. Mas mesmo que você acredite nas estimativas mais baixas, o comércio de maconha do México para os Estados Unidos está na casa dos bilhões. Se fosse legalizada, isso tiraria esses bilhões de dólares todos os anos do crime organizado. Isso é mais dano financeiro do que a DEA ou as forças armadas mexicanas alcançaram em uma década.



Tirar o negócio de maconha do México do mercado negro significaria claramente menos dinheiro gasto em Kalashnikovs e pagamento de assassinos de crianças. Mas o que quer que aconteça na reforma da política de drogas, as milícias do cartel não vão desaparecer da noite para o dia. Gangues como Zetas e Familia continuarão lutando sobre quaisquer drogas ilegais no mercado, bem como continuando com sua extorsão, sequestro, contrabando humano e seu portfólio de outros crimes. Eles são uma ameaça que o México deve enfrentar.

Alguns analistas temem chamar esses grupos de insurgentes porque temem as táticas de contra-insurgência. Exércitos que lutam contra grupos rebeldes causaram tragédias de direitos humanos da Argélia ao Afeganistão. Os soldados mexicanos já cometeram abusos generalizados dos direitos humanos, e se forem educados em uma campanha anti-insurgência real, seu registro pode ficar ainda pior. Este é um medo real.

Mas a Guerra às Drogas no México já está completamente militarizada. Enquanto o governo mexicano se recusa a admitir que está lutando contra uma insurgência, usa uma estratégia completamente militar contra as milícias do cartel, combatendo-as com o exército, fuzileiros navais e unidades da polícia paramilitar federal. Manifestantes marcham para condenar os abusos dos soldados; mas eles também protestam contra a falta de proteção do governo contra os gangsters. Muitas vezes esses dois pontos são protestados nas mesmas marchas. Esse é o problema central de Calderón e de quem o segue. Ele é condenado se ele usa o exército; e ele é amaldiçoado se ele não faz.


Realisticamente, nenhum presidente vai retirar completamente os militares, enquanto grupos como os Zetas mantêm sua força atual. Como um governo pode permitir a esquadrões de cinquenta homens com rifles automáticos, RPGs e metralhadoras acionadas por correia para atravessar aldeias? Tem que desafiá-los. E apenas os militares têm a capacidade de enfrentar de igual para igual com os comandos negros do Zetas.

No entanto, o governo poderia certamente aperfeiçoar essa estratégia. O exército, ou particularmente os fuzileiros navais, foram bem-sucedidos em ataques a chefes de cartéis, como quando explodiram Arturo El Barbas Beltrán Leyva no bloco de apartamentos. Mas os soldados também perdem muito tempo invadindo casas aleatórias sem inteligência, perseguindo civis nas ruas e controlando postos de controle em estradas rurais escuras. Soldados nervosos mataram muitas de suas vítimas inocentes nesses postos de controle. Os militares precisam ser usados ​​para as coisas pesadas. A inteligência tem que ser reunida por agentes civis que realmente sabem como coletá-la, ou os agentes americanos desesperados que coletam grande parte dela de qualquer maneira; e o policiamento diário tem que ser tratado pela polícia.

Os fuzileiros navais já estão sendo reorganizados como força de ataque de elite para esse tipo de operação. Como mostram os cabos do WikiLeaks, eles são a força mexicana mais respeitada pelos oficiais americanos. Em Dezembro de 2009, o embaixador americano Carlos Pascual elogiou os fuzileiros navais por seu trabalho matando El Barbas e alguns líderes Zetas, enquanto repreendia o Exército, que, segundo ele, não agiu de acordo com a inteligência americana.


“A operação bem-sucedida contra ABL [Arturo Beltrán Leyva] vem logo após um esforço agressivo da SEMAR [marinha] em Monterrey contra as forças Zeta e destaca seu papel emergente como um ator-chave na luta contra o narcotráfico. A SEMAR é bem treinada, bem equipada e mostrou-se capaz de responder rapidamente à inteligência acionável. Seu sucesso coloca o exército na difícil posição de explicar por que ele relutou em agir com base na boa inteligência e realizar operações contra alvos de alto nível.”

O embaixador também revelou (graças ao WikiLeaks) que a unidade marinha que liderou a operação havia sido “amplamente treinada” pelo Comando Norte dos EUA, o centro de operações conjuntas do Pentágono no Colorado. Outros cabos elaboraram as dúvidas americanas sobre o exército mexicano e recomendaram mais treinamento com as forças dos EUA. John Feeley, vice-chefe de missão da embaixada dos EUA na Cidade do México, escreveu uma avaliação contundente das capacidades militares do México em Janeiro de 2010. Ele chamou as forças armadas de “paroquiais e avessas ao risco
, disseram que eram incapazes de processar informações e provas”, e chamou o ministro da defesa, General Galvan, de “ator político”. Era bem diferente da linha pública dos Estados Unidos e bastante embaraçoso para Feeley quando apareceu na internet. A solução de Feeley: mais treinamento com os Estados Unidos e com os colombianos.

A América continuará invariavelmente a treinar tropas mexicanas, e construir unidades de elite que eliminem os piores gangsters e comandos é uma coisa boa. Mas o México também tem que trabalhar para pagar decentemente essas unidades de elite e manter sua lealdade para que elas não desertem e se tornem mais mercenárias. O núcleo marinho moderno é mais bem treinado e mais experiente do que Arturo Guzmán Decena foi quando ele foi para os Zetas. Se uma tripulação de fuzileiros já estivesse deserta, seria uma ameaça incrível. Enquanto os EUA treinam os mexicanos, o uso das próprias forças americanas deve ser mantido fora da agenda. Ele parece um desastre provável, provocando ressentimento nacionalista e colocando as tropas americanas em um atoleiro.



Os americanos precisam intensificar seus esforços para ajudar a melhorar a polícia mexicana. Uma solução de longo prazo para os problemas de segurança do México é treinar policiais de verdade — e não apenas gangues de uniforme que deixam os criminosos escaparem de assassinatos. Seja uma força nacional única ou agências separadas, a qualidade dos funcionários deve ser amplamente melhorada. Este é um projeto geracional, não algo que acontecerá milagrosamente em um ou cinco ou até dez anos. As fileiras policiais precisam ser treinadas, melhoradas, monitoradas, limpas e treinadas novamente… Além da ajuda da polícia americana, o apoio à polícia latino-americana é crucial, pois esses corpos lidam com uma cultura e circunstâncias mais semelhantes. A Polícia Nacional da Colômbia é obviamente elogiada, mas outras forças ganharam respeito e boas taxas de liberação na América Latina, incluindo a polícia na Nicarágua — o país mais pobre da América Central, mas um dos mais seguros.


Lidar com a montanha de assassinatos e crimes não resolvidos no México agora parece uma tarefa insuperável. Então a polícia tem que priorizar. Pegar pequenos traficantes de drogas é uma missão interminável que consegue corpos nas celas, mas não para o tráfico de drogas ou a violência. Enquanto isso, o sequestro por resgate é o mais odioso crime anti-social de todos e não deve ser tolerado nem por um centímetro. Em frente à onda de abduções do México, essa deve ser a prioridade número um.

A boa notícia sobre o sequestro é que ele pode ser interrompido (ao contrário do tráfico de drogas). Esse ponto me foi trazido pelo ex-presidente colombiano César Gaviria. Em uma entrevista, o ex-primeiro-ministro descreveu a experiência da Colômbia com o flagelo do sequestro nos anos noventa e o que o México pode aprender com isso.


“O sequestro é um problema de mau policiamento. Porque a boa polícia sempre pode pegar sequestradores. Os bandidos têm que se expor entrando em contato com a família e recebendo dinheiro deles. E isso permite rastreá-los. Se a taxa de sucesso dos sequestros cair radicalmente, isso torna o negócio muito menos lucrativo.

“E, ao contrário dos traficantes de drogas, não há muitos sequestradores. Se você bloquear uma única gangue de sequestradores, você pode afetar a quantidade de sequestros; se você acertar cinco gangues, você pode fazer uma mudança real.”

Na Colômbia, prosseguiu Gaviria, a polícia atacou agressivamente os sequestradores e mudou drasticamente a situação. Passou da pior taxa de sequestro do mundo para o nono da lista (com o México no topo, seguido pelo Iraque e pela Índia). A maioria dos sequestros que ainda acontecem na Colômbia estão em recantos de campos de guerra. Sequestros para resgate na capital, Bogotá, foram reduzidos a quase zero.

O México precisa de uma estratégia prática similar para combater os sequestros. Gaviria sugeriu uma unidade federal antidrogas para lidar com todos os casos. (Na bagunça atual, alguns sequestros no México são manipulados pelos federales e outros por policiais estaduais, a quem as vítimas temem ir caso eles façam parte da gangue.) Se uma unidade federal cuidadosamente vigiada alcançasse uma alta taxa de liberação, isso inspiraria outros a confiarem neles em vez de pagar resgates. Uma vez que as vítimas começam a recorrer consistentemente à polícia, em vez de pagar as recompensas, o sequestro deixa de ser uma indústria em crescimento.



Mesmo que a força policial do México seja transformada, barrios ruins continuarão a produzir assassinos. Quando os adolescentes estão fora da escola, de lares desfeitos, em gangues violentas, sem emprego, perseguidos por soldados, sem esperanças para o futuro, e lutando até para conseguir o suficiente para comer, eles continuarão se voltando para a máfia. Todo político promete melhores oportunidades de trabalho, e estas são mais fáceis de dizer do que de entregar. Mas existem maneiras de consertar comunidades quebradas, mesmo com recursos limitados.


O governo da Cidade do México instigou um programa de bolsas para impedir que as crianças abandonassem o ensino médio. Se eles pudessem manter uma certa média, eles receberiam um subsídio mensal simbólico para ajudá-los a sobreviver. O programa foi muito popular, com cinquenta mil desenhando a partir dele. As autoridades da Cidade do México dizem que esta é uma das principais razões pelas quais a capital manteve uma taxa de criminalidade violenta semelhante às cidades dos EUA, em vez de cair para os níveis devastadores de Juárez ou Culiacán. Esses cinquenta mil meninos pobres estão fora das ruas e não trabalham como falcões, traficantes ou assassinos. Por que esse programa não é instituído em todo o México? Às vezes, um pouco de investimento em adolescentes é mais barato do que trancá-los quando eles seguem o caminho errado. (Custa 125 pesos por dia para manter um prisioneiro, mas 23 pesos por dia para manter uma criança na escola.)

Às vezes, todas as crianças precisam de mais atenção. Sandra Ramirez é uma assistente social nas favelas do lado oeste de Ciudad Juárez, onde moram muitos soldados de cartel. Ela trabalha no centro da Casa, que oferece orientação, bem como oficinas de arte, música e computadores, além de um lugar para passear. Em um dia quente, algumas dezenas de crianças andam de skate e sentam-se à sombra tocando violões. Sandra, que cresceu no bairro e costumava trabalhar em uma fábrica de montagem, trabalha duro com cada criança para afastá-la de uma vida de crime.


“Um rapaz com quem estou trabalhando tem catorze anos e acabou de passar no ensino fundamental. Sua mãe usa drogas e ele não mora com ela. Ele me disse que um carro veio com alguns caras que ele não tinha visto antes. E ofereceram-lhe quinhentos pesos [40 dólares] por semana, telefone celular e trabalho. E tudo o que ele tinha que fazer era ficar em pé e vigiar. E há centenas de casos como este em Juárez, centenas. Ninguém mais veio oferecer-lhe nada. Ninguém além deles.”

O menino está à beira de uma faca, e Sandra e o centro social da Casa são tudo o que o impede de cair. Outro adolescente mais velho no centro mostra sua arte, uma pintura de sua vizinhança em forma surreal, as pessoas borradas, imersas em neblina. De um lado está uma representação otimista de chefes da máfia, do outro, um soldado de aparência sádica. As crianças do barrio estão presas no meio. É uma imagem sombria, mas o artista diz que se livrou de muito estresse ao pintá-la — e descobriu um talento artístico brilhante. Quando as pessoas começam a encontrar algo de valor em si mesmas, elas são afastadas da rua e do crime.

Sandra e Casa salvaram a vida de dezenas de crianças, mas apenas alguns centros como esse existem, enquanto quilômetros a mais de favelas não têm nada. O centro da Casa, que depende de doações de ONGs ou do governo, na verdade perdeu o financiamento durante o tempo em que a guerra às drogas explodiu e é mais necessária. Talvez mais do orçamento mexicano que dá aos políticos alguns dos maiores salários do mundo — ou mesmo uma pequena fração dos $1,6 bilhão da Iniciativa Mérida dando aos mexicanos Black Hawks — poderia ser usado para financiar centros nas favelas. Assistentes sociais são melhores que soldados em ajudar adolescentes negligenciados.



Em outros países, duas capitais da máfia foram regeneradas pela liderança inspirada. Um é Palermo, na Sicília, lar da máfia mais famosa de todas. A cidade era longa notória por assassinos e ladrões. No entanto, quando o ex-professor universitário Leoluca Orlando salvou dois mandatos como prefeito nas décadas de oitenta e noventa, ele supervisionou um renascimento, restaurando 150 prédios em risco de extinção, construindo parques e iluminando ruas escuras. Crucialmente, ele instigou programas para envolver cidadãos, incluindo crianças em idade escolar, para ajudar a manter esses ativos e se orgulhar de sua comunidade. Estes podem não ser métodos tradicionais de combate ao crime, mas a taxa de criminalidade diminuiu drasticamente.


Sobre a lagoa em Medellín, Colômbia, o matemático de cabelos compridos Sergio Fajardo assumiu como prefeito em 2004 e levou as idéias de Orlando ainda mais. Ele investiu recursos da cidade na construção de teleféricos de alta tecnologia nas montanhas para as favelas de Medellín (comunas) e contratou arquitetos mundialmente famosos para construir edifícios públicos, incluindo uma biblioteca de formato excêntrico e o melhor conservatório de música da cidade. Isso fez com que a classe média viajasse para as comunas, muitas pela primeira vez. Durante seu mandato, os homicídios caíram drasticamente. Visitando Medellín, perguntei a Fajardo se tal regeneração poderia acontecer em uma cidade tão feia quanto Juárez.

Ele respondeu rapidamente: “Tem que ser feito. Nós não temos outras opções. O governo tem a responsabilidade de fazê-lo. Eu vejo isso como um problema matemático. Como você pode ler as desigualdades sociais? É simples. Os edifícios mais bonitos têm que estar nas áreas mais pobres.”




Os críticos apontam que Fajardo não foi a única razão para o declínio da taxa de homicídios de Medellín. Ele também se beneficiou de um forte padrinho da máfia, Diego Murillo, conhecido como Don Berna, que manteve os assassinos sob controle através de seu Escritório de Envigado. Qualquer um que quisesse matar tinha que obter permissão ou seria morto. Mesmo da prisão, Don Berna podia intermediar a paz em seu império. Mas quando ele foi extraditado para os Estados Unidos em 2008, o escritório se dividiu em dois e uma guerra por território aumentou a taxa de homicídios de Medellín.

Em 2010, líderes civis, incluindo um conhecido padre e ex-guerrilheiro, foram ao encontro de líderes da máfia em uma prisão de Medellín e negociaram uma nova trégua entre eles. Foi um movimento controverso, conversando com gangsters. Mas parecia ter um resultado imediato na redução das mortes nas ruas. Os líderes cívicos não tinham o apoio oficial do governo e não ofereciam nada à máfia em troca. Foi simplesmente um apelo: “Para o bem da comunidade, vocês podem parar de se matar em plena luz do dia?”

Pedidos de tréguas também podem trazer alívio para as capitais de assassinato do México. Pedir paz não é sancionar o crime organizado, é apenas apelar aos líderes de gangues para que parem de matar. Os Estados Unidos usam tais táticas em suas penitenciárias, trabalhando ativamente com gangues de prisioneiros para intermediar tréguas. Alguns líderes de gangues ouvirão esses apelos — eles mesmos não querem ver a própria família assassinada. Você não precisa falar com os padrinhos da máfia em seus palácios, mas os afiliados de gangue de rua de baixo nível têm interesse em sua comunidade. As sangrentas guerras territoriais e as altas taxas de homicídios não ajudam a derrotar a máfia; elas apenas criam uma atmosfera insegura na qual o crime prevalece.



O México também tem um desafio para curar as feridas de muitos que perderam a família no derramamento de sangue. O crescente número de órfãos da guerra às drogas precisa de ajuda ou eles se transformarão em uma geração ainda mais perdida, buscando uma vingança sangrenta. Outros países com cicatrizes de conflitos criaram programas nacionais para as vítimas. Em alguns casos, órfãos ou viúvas precisam de ajuda financeira; mas em muitos casos a necessidade é psicológica.

Famílias de vítimas se ajudam agora compartilhando sua dor. Em Culiacán, um grupo de homens e mulheres se reúne para falar sobre o sofrimento de perder seus entes queridos. Muitas são mães. Elas nunca podem deixar de enterrar seus filhos, mas pelo menos podem sentir que os outros sofrem como eles.

Alma Herrera, a mãe cujo filho foi baleado na oficina, me leva para encontrar um amigo enlutado uma noite. Vamos a um parque no centro de Culiacán, onde os velhos descansam os pés cansados, as crianças brincam nos chafarizes e os casais jovens flertam nos bancos, plantando as sementes de seus próprios casamentos e famílias. A luz em Sinaloa, pouco antes do anoitecer, é linda, um azul rico e brilhante enchendo as ruas.

A amiga de Alma é uma mulher de quarenta anos chamada Guadalupe. Ela perdeu seu filho mais velho, Juan Carlos, que foi morto a tiros pela polícia. Ela segura uma foto enorme dele, um lindo rapaz de 23 anos olhando para a câmera. A polícia foi atrás de outra pessoa no bairro, disse ela, e Juan Carlos foi abatido no fogo cruzado. Ela soluça forte, incontrolavelmente, enquanto conta a história. Ela deu à luz a ele quando tinha apenas dezessete anos, levou-o em seu ventre, trocou suas fraldas, observou seus primeiros passos, levou-o para a escola… e então beijou seu cadáver.


Guadalupe carrega um bebê de três meses com ela. A criança dorme enquanto chora e conta sua história, depois acorda para tomar leite e dorme novamente. Eu pergunto o nome dele. “Juan Carlos”, ela diz. É o mesmo nome de seu primogênito que foi morto a tiros. Este é um novo filho para o que foi perdido. Sua mãe colocou esperança no sangue fresco para crescer e fazer um mundo melhor do que aquele que matou seu irmão. Nós temos que colocar nossa esperança lá também.






Manancial: El Narco: Inside Mexico’s Criminal Insurgency

Sem comentários