DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

A identidade errônea de Stanley Tookie Williams, o ‘co-fundador’ dos Crips


MICHAEL KRIKORIAN | 15 DE DEZEMBRO DE 2005 | 12:00



O fundador do Crips não foi letalmente injetado minutos depois da meia-noite de Terça-feira de manhã na câmara de morte esterilizada da Prisão Estadual de San Quentin. Não houve notícias de sua morte. Não houve vencedores do Oscar ou estrelas do rep pedindo que sua vida continuasse. Mulheres brancas de cinquenta anos de idade, em casas de $5 milhões em Hancock Park, não refletiram sobre o destino do líder da gangue em seus últimos dias. Nenhum vagabundo empurrando carrinhos de compras em Sunset & Vine tinha opiniões sobre se governador deveria poupá-lo de uma morte infligida pelo Estado. Não, o fundador dos Crips foi abatido com um cano serrado em um canto sombrio do Sul Los Angeles 26 anos ago. Ao contrário do pressuposto popular, Stanley Tookie Williams, que foi fatalmente injetado na Terça-feira de manhã e declarado morto às 12:35, não foi o fundador nem o co-fundador dos Crips. O pai indiscutível da notória gangue de rua negra era um Raymond Washington, um destemido e poderoso homem de fogo de 1,72 de altura que adorava lutar e odiava armas. Ele foi morto aos 26 anos por um tiro de espingarda — supostamente por alguém que ele conhecia — na esquina das ruas 64th e San Pedro em 9 de Agosto de 1979. Não houve menção de sua morte no Los Angeles Times ou no The New York Times ou qualquer outro jornal importante como houve da morte de Williams. Mas nas ruas sinistras de South Central Los Angeles, Watts e Compton, o assassinato de Washington era semelhante a um assassinato presidencial.


“Toda essa conversa ultimamente sobre Tookie, estávamos nos perguntando quando alguém iria finalmente contar a verdadeira história sobre os Crips, contar a história de Raymond”, disse Debra Addie Smith, que conheceu o líder da gangue no início e meados da década de 1970.

Raymond Washington nasceu no Texas, mas cresceu na 76th Street, perto da Wadsworth Avenue, a oeste da Central Avenue. “Raymond era um bom garoto quando menino”, disse sua mãe, Violet Barton, que agora mora em Phoenix. “Raymond não saía do seu caminho para lutar ou fazer algo ruim, mas se alguém ia até ele, ele iria se proteger. E ele era bem construído. Eu tentei proteger a comunidade e manter os maus. Mas depois de um tempo, toda vez que eu olhava para cima, a polícia vinha à casa procurando por Raymond.”


Outros na 76th Street, um bloco bem cuidado de pequenas casas unifamiliares que agora são mais latinas do que afro-americanas, disseram que, enquanto Raymond protegia meninos e meninas de valentões de outros bairros, ele próprio os intimidava.

Eu não tenho muito o que dizer sobre Raymond”, disse Lorrie Griffin Moss, com uma risada. Ela cresceu diretamente do outro lado da rua de Washington na 76th Street, a oeste de Wadsworth. Raymond era um valentão. Um valentão musculoso. Ele não deixaria ninguém de fora do nosso bairro nos incomodar. Ele nos protegia. Raymond poderia ser muito malvado.

Washington era conhecido como um grande lutador de rua. Raymond poderia realmente atingi-los”, disse o detetive Wayne Caffey, do Departamento de Polícia de Los Angeles, referindo-se às habilidades de Washington como lutador de rua. O primo de Caffey frequentou a Fremont High School, onde Washington era ocasionalmente educado quando não era expulso por lutar. Ele era um ótimo jogador de futebol, mas não queria jogar futebol organizado. Ele queria ser um idiota.” Raymond, Caffey disse, deplorou armas e considerou aqueles que trouxeram armas para uma luta como sendo otários. Washington  que tinha três irmãos mais velhos  era uma lenda da rua, especialmente para seu irmão mais novo.

Ele era real, muito bom com as mãos. Ele poderia trazê-lo dos ombros. Como Mike Tyson em seu auge”, disse Derard Barton, que acrescentou que seu irmão tinha braços de 18cm e um peitoral de 127cm. Eu pesava sobre 215. Todo o músculo. Eu nunca vi meu irmão lutar, exceto meus irmãos mais velhos quando ele era jovem. Mas quando fiquei mais velho, eu poderia até levá-los.

Até mesmo jovens a quilômetros de distância do bairro 76th Street de Washington se lembram dele. Eu me lembro que Raymond Washington era um ávido, disse Ronald Kartoon” Antwine, um ativista comunitário de Watts que se lembra de ter visto o fundador dos Crips no Festival de Verão de Watts. Por avidez, quero dizer, Raymond tiraria sua camisa e lutaria com ele o dia todo.


Washington foi expulso de todas as escolas que já participou lutando. Ele iria a campos de detenção de jovens e deixaria todos saberem quando ele estava de volta à vizinhança, disse Griffin Moss. Eu iria embora por alguns meses, e quando voltei, fui até meu pai e minha mãe e disse, ‘Ei, Sr. Griffin, estou de volta. Olá, Sra. Griffin. Estou de volta. 



“É errado dizer que Tookie foi o fundador dos Crips”, disse Wes McBride, presidente da California Gang Investigators Association. Ted Soqui Griffin Moss também se lembra de Tookie Williams chegando o tempo todo para visitar Raymond. “Ele estaria andando na rua parecendo o homem Pirelli”, disse ela. Ainda assim, embora Williams tenha sido morto pelo estado na Terça-feira de manhã e se referiu a si mesmo como co-fundador dos Crips, muitos dizem que Raymond Washington está sendo esquecido.

“Toda essa conversa sobre Tookie ser o co-fundador dos Crips é muito embelezadora, porque não há dúvida de que Raymond Washington fundou os Crips”, disse Alex Alonso, fundador do site Streetgangs.com. Alonso chegou mesmo a produzir um documentário chamado Gangsta King sobre Washington. “Raymond era um líder muito forte e extremamente talentoso com seus punhos. Em outra vida, ele poderia ter sido um boxeador campeão”, disse Alonso.

À medida que os Crips se tornavam mais mortais e infames por roubar jovens de jaquetas de couro preto e tiroteios, Raymond começou a se desiludir com a gangue que ele fundou.

Ele começou a concorrer com um motociclista negro”, disse Curtis Jackson, investigador de gangue do condado de Los Angeles. “Acho que ele sentiu que os jovens estavam ficando loucos demais, ficando totalmente fora de controle.

Minha interação com Raymond foi mínima, mas ele foi muito acessível, disse Jackson. “Eu não tive problemas em conversar com ele. A maioria dos membros de gangues é realmente muito gentil, e eu nunca tive nenhum problema em conversar com eles. Tookie era uma exceção, já que ele sempre teve alguns bandidos ao seu redor, então ele sempre teve uma atitude.”

No canto sombrio da 64th Street e San Pedro há um prédio de apartamentos de dois andares cor-de-rosa  6326 S. San Pedro — com maconha, pintura descascada, três churrasqueiras enferrujadas e um grande carrinho chamado Ricks Hot Dogs, tudo aninhado contra uma cerca de arame farpado. Foi em uma noite de Agosto de 1979 que Raymond Washington foi surpreendido por uma explosão de uma espingarda de cano curto. Alguém dentro de um carro chamou seu nome e Washington se aproximou. As balas rasgaram suas entranhas e ele foi levado às pressas para um hospital, onde morreu, segundo a polícia.

Foi o fim do fundador dos Crips, e foi o começo do fim dos Crips como uma gangue unida. Embora ninguém tenha sido preso, rumores se espalharam — erroneamente 
 de que os Hoover Crips (agora Hoover Criminals) eram responsáveis. Houve um tiroteio entre o Eastside Crips, de Raymond — agora conhecido como East Coast Crips — e os Hoovers. Logo em seguida, uma mulher causou uma rivalidade entre o Rollin’ 60s Crips e o Eight Trey Gangster Crips, e os tiroteios irromperam entre aquelas facções Crips grandes e extremamente violentas. Outros conjuntos Crip escolheram lados, e Crips tem matado Crips desde então. Mais ainda que Crips matam Bloods ou Bloods, matam Crips. Tanto quanto ele saboreou uma boa briga de socos, Raymond ficaria triste e decepcionado ao ver que estragos foram causados ​​à gangue que ele fundou. Raro é o momento em que dois caras se encontram em um beco ou parque e se misturam.






Manancial: LA Weekly

Sem comentários