DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Como as mineradoras chinesas mantêm o crime organizado no México


Por Laurence Cuvillier, 25 de Junho de 2014




Miguel achou que a mina de ferro que possuía em Michoacán acabaria lhe custando a vida. Nos últimos anos, praticamente tudo o que gera dinheiro neste estado ocidental do México acabou sendo extorquido pelo cartel dos Cavaleiros Templários. As minas rentáveis ​​da região foram as primeiras a serem segmentadas. No entanto, no final, Miguel, que pediu para ser identificado por um único nome, disse que sua mina foi o que o salvou.

Homem musculoso e bigodudo, com pouco mais de 40 anos, com um típico visual de rancheiro e calça jeans empoeirada, Miguel dedicou toda a sua carreira à extração de minério de metal. Os Templários se contentaram em extorqui-lo em todos os níveis de seus negócios, assim como fazem com fazendeiros, donos de restaurantes e lojistas de todos os tipos.

Em 2010, o cartel o sequestrou. Depois de cinco dias em cativeiro, Miguel foi libertado. “Eles me soltaram porque queriam que eu continuasse trabalhando, para que eu pudesse continuar pagando”, disse ele à VICE News.

Há testemunhos semelhantes em pelo menos cinco outros estados mexicanos. Em Michoacán, onde os cartéis La Familia e Os Cavaleiros Templários reforçaram o controle sobre a maioria das indústrias nos últimos 12 anos, os mineiros afirmam que empresas asiáticas, muitas vezes chinesas, também pagam taxas aos cartéis.

Pouco se sabe sobre a extorsão dos interesses comerciais asiáticos por gangues de traficantes mexicanos, mas os cálculos de Miguel sugerem que os Cavaleiros Templários poderiam estar recebendo milhões de dólares por mês de empresas estrangeiras na principal cidade portuária de Michoacán, Lázaro Cárdenas. A questão nunca chegou ao mainstream político no México e permanece totalmente encoberta, apesar de o presidente Enrique Peña Nieto ter dado passos largos em seus primeiros anos no poder para abrir ainda mais o comércio com a China.


Mina de minério de ferro de Miguel em Tepalcatepec. Todas as fotos por Laurence Cuvillier.


As autoridades não falaram com a VICE News no disco para confirmar a história de Miguel e outras como a dele.


Se não fosse pela sua mina, explicou Miguel, os Cavaleiros Templários o teriam assassinado. Eles mataram as outras vítimas sequestradas durante o inferno que ele testemunhou em seu “centro de tortura” concreto em uma região isolada de Tierra Caliente, de Michoacán.

Autoridades admitem que cerca de 1.700 casos de sequestros foram registrados em 2013 no México, embora autoridades estimam que esse número possa refletir apenas uma pequena fração — apenas 2 por cento — do total de sequestros desde o início da guerra às drogas em 2006. Os mexicanos geralmente recusam-se a apresentar queixas relacionadas a sequestro por medo de retaliação da polícia local corrupta, que acredita-se que trabalha para os cartéis.

“Eu fui torturado com um Taser que eles usam para eletrocutar pessoas em suas partes íntimas. Eles fazem você ver muitas coisas terríveis”, continuou Miguel. “Eu os vi cortar as mãos de alguém, eles cortaram a orelha de outro e outro foi terrivelmente espancado.”

Até o ano passado, Miguel ainda estava pagando juros sobre a liberdade aos homens que o torturavam. Ele já havia pago quase $400 mil por sua vida, dinheiro que sua família e associados haviam reunido para libertá-lo do centro de tortura.

Quando os Templários começaram a extorqui-lo em 2010, eles exigiram $2 por cada tonelada de mineral que ele extraía. No início de 2013, eles estavam cobrando $4. Ele parou de pagar quando sua aldeia se revoltou contra os Cavaleiros Templários em Fevereiro de 2013, desencadeando um grande movimento civil contra o crime organizado em Michoacán que ficou conhecido como autodefensas.

Em Maio, esses vigilantes armados concordaram com o governo mexicano que deixariam de transportar suas armas sem licença, enquanto outros foram integrados a um novo corpo policial chamado Fuerza Rural, para evitar que os cartéis voltassem a tomar suas aldeias. Apenas algumas semanas depois, a Fuerza Rural já estava atormentada com brigas e explosões de violência.


Uma mina ilegal na estrada entre Coalcomán e Aquila.


Todo mundo paga

O governo do México parece intencionalmente cego para as realidades que os mineiros como Miguel enfrentam.

O secretariado da economia divulgou em seu site: “O México é o país com o quinto melhor ambiente para a indústria de mineração, de acordo com um relatório da [empresa de consultoria] Behre Dolbear Group, publicado em Abril de 2013.” Naturalmente, por “meio ambiente, o governo está se referindo ao ambiente fiscal — as empresas de mineração pagam um imposto anual ridiculamente baixo de 7,5%, tornando o México uma Disneylândia para investimentos em mineração na América Latina.

De acordo com o Fraser Institute, um corpo de especialista canadense de políticas públicas, o México em 2013 também classificou-se na posição 88 em uma lista de 96 jurisdições em termos de segurança para conduzir negócios de mineração, pior que Myanmar e Zimbábue, mas não tão ruim quanto Nigéria ou Filipinas.

Miguel é apenas um elo na cadeia de extração, transporte e exportação do metal que é usado na China para vigas de aço na construção ou para sua indústria de fabricação de eletrônicos. A sequência também envolve proprietários, operadores de máquinas, empresas de transporte, empresas de exportação, compradores chineses e coreanos e companhias de navegação.


Em cada estágio, os Templários pedem seu corte. No total, Miguel calcula, “eles levam cerca de $12 a $13 por tonelada de ferro”.

Apesar de cair em valor, o mercado internacional atualmente valoriza uma tonelada de minério de ferro em pouco mais de $100. Uma dúzia de navios cheios de ferro sai a cada mês de Lázaro Cárdenas. Cada navio transporta pelo menos 60.000 toneladas de ferro — um navio que foi detido pelas autoridades em 30 de Abril por transportar ferro extraído ilegalmente transportava 68.750 toneladas.

Então de acordo com os cálculos de Miguel, para cada navio, pelo menos 720.000 terras nas mãos dos Templários. Multiplique isso por 10, o número médio de navios que saem a cada mês, e Miguel estima que o cartel poderia ganhar pelo menos $7,2 milhões por mês para financiar seus negócios de tráfico apenas no porto de Lázaro Cárdenas.


As empresas chinesas que importam ferro de Michoacán estão perfeitamente conscientes da natureza de seus negócios, afirmou Miguel. Eles também pagam sua parte ao crime organizado, disse ele.

“Aqui em Michoacán, existem cerca de 35 empresas estrangeiras; elas estão todas pagando. Qualquer um que venha ao nosso país para comprar minerais agora tem que ir embora primeiro, fazer um arranjo e depois vir até nós.”



Fazendo negócios com os chineses


A rodovia federal que liga as cidades de Coalcomán e Aquila, no oeste de Michoacán, é a única rota entre elas. Desde o início de 2012, os Templários extraíram o ferro ao longo da borda desta estrada, em vista aberta, sem a permissão dos proprietários.

Estou aqui com o ex-líder da milícia de autodefensas de Coalcomán, Misaíl González, que agora ousa parar sua picape ao lado de um local de mineração abandonado. Nesta tarde enevoada de inverno, o lugar parece frio e solitário. No entanto, apenas recentemente, embora todos soubessem o que estava acontecendo aqui, os moradores locais não conseguiam nem mesmo dar uma olhada na extração ilegal sem correr o risco de se envolver em sérios problemas com os Templários.

Misaíl pega uma rocha escura e pesada do solo: é minério de ferro bruto.





“Aqui o homem no comando era El Flaco. Ele estava encarregado das vendas; ele não tinha que pagar nada pela concessão, e eles contratavam empresas para extrair o mineral e transportá-lo; eles cobraram das pessoas que transportavam 4%”, explicou Misail. “E a empresa que operava o maquinário que extraía as pedras cobrava 8%. Ao cobrar impostos ilegais, os Templários se tornaram magnatas dos negócios. Os chineses faziam negócios com eles, como se fossem outra empresa legal!”


Nenhum dos sites das empresas asiáticas que estão registrados na Câmara de Mineração do México menciona atividades em Michoacán, exceto uma chamada Korean Mo-Jiaki Minerals.

Eu perguntei à Câmara de Comércio Chinesa no México sobre o assunto. “Lamentamos dizer que no momento não temos informações para responder a essa pergunta”, responderam eles.

As portas estavam igualmente fechadas às minhas perguntas na Camimex (Câmara de Mineração do México) e na Canacero (Câmara Nacional do Setor de Ferro e Aço do México).

As agências policiais do México também retêm informações sobre atividades de mineração ilegal no país, mesmo quando surge uma oportunidade de revelar algum aspecto da rede. A promotoria federal, por exemplo, não citou a empresa chinesa envolvida com a embarcação que foi capturada em 30 de Abril em seu relatório oficial, impedindo efetivamente qualquer investigação independente do incidente.

De acordo com uma contagem da VICE News sobre as apreensões relatadas, aproximadamente 300.000 toneladas de minério de ferro extraído ilegalmente foram apreendidas pelas autoridades entre os portos de Lázaro Cárdenas e Manzanillo desde o início de 2014. Todos os navios iam para a China.



Cortejando a China


Peña Nieto, sem dúvida, fez um esforço concertado para ficar do lado bom do presidente chinês Xi Jinping, encontrando-o várias vezes.

As apostas devem valer a pena para o México em geral, já que está previsto que a demanda chinesa por ferro continue firme até 2025. Durante a última visita oficial de Xi em Junho de 2013, vários acordos comerciais foram assinados, mas nenhuma das questões de segurança na região foram discutidas — pelo menos não publicamente.

O fluxo não parece ter diminuído, mesmo após a chegada das forças de segurança federais no porto de Lázaro Cárdenas para reprimir o contrabando. Um novo terminal público foi inaugurado no ano passado, o que permitiu que as exportações de ferro aumentassem de 1,5 milhão de toneladas em 2012 para 4,5 milhões em 2013.


O porto de Lázaro Cárdenas.


Michoacán não é um caso isolado no México: a infiltração de organizações criminosas na indústria de mineração também foi documentada em estados como Chihuahua, Coahuila, Guerrero, Oaxaca, Morelos e Tamaulipas.

Como eu me vi em Lázaro Cárdenas, o segundo maior porto de exportação para a China depois de Manzanillo, é extremamente difícil adquirir informações independentes sobre mineração ilegal por empresas asiáticas, mesmo na privacidade de um escritório de advocacia.

“Quer saber? Vou dizer o seguinte: ninguém vai querer falar com você sobre isso”, disse-me uma secretária nas instalações de um advogado especializado no setor de mineração.

Perguntei ao diretor se ele falaria comigo, mas ele recusou. No porto, alguns funcionários estavam dispostos a ser entrevistados, sob a condição de não tocarmos no tema do crime organizado. Foi inútil.

Para Miguel, sua mina continua sendo sua salvadora. Enquanto sua aldeia foi “libertada” da posse brutal dos Cavaleiros Templários pela milícia local de autodefesa, Miguel ainda negocia com empresas chinesas. Mas agora ele pode levar para casa um pouco mais, já que ele não paga mais “impostos” para seus ex-sequestradores. Por agora.






Manancial: VICE News

Sem comentários