DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

Governo do México não quer falar de um tiroteio que deixou 22 mortos


Por Rafael Castillo, 2 de Julho de 2014


O governo mexicano permaneceu de boca fechada sobre uma batalha militar mortal que ocorreu no início da semana em uma região central do país, deixando 22 supostos membros de gangues mortos. Um soldado mexicano foi ferido.

Na Segunda-feira à tarde, o exército divulgou um comunicado de uma página dizendo que soldados em uma patrulha antes do amanhecer no canto sudoeste do Estado do México — o mais populoso do país, ao tocar em grande parte da área metropolitana da Cidade do México — observaram homens armados escoltando um armazém. Os homens armados abriram fogo ao ver a patrulha militar, de acordo com o comunicado, levando os soldados a responder com tiros que mataram 21 homens e uma mulher.

O exército disse que mais tarde libertou três mulheres do local identificadas como vítimas de sequestro. Um soldado sofreu ferimentos leves, mas estava em “condição estável” na tarde de Segunda-feira. Mais de 35 armas foram recuperadas, incluindo 16 AK-47 e seis rifles AR-15, segundo o exército.

A declaração não ofereceu mais informações, como as identidades do falecido ou o número de soldados envolvidos na batalha. Ele também não disse se drogas ou outros bens ilegais foram encontrados dentro do armazém.

O incidente ocorreu perto de uma pequena comunidade no município de Tlatlaya, perto das fronteiras do Estado do México com os estados de Guerrero e Michoacán, atingidos pela violência.

Os meios de comunicação mexicanos disseram que o tiroteio envolveu membros de um grupo do crime organizado chamado Guerreros Unidos, ou Guerreiros Unidos. O território é descrito em reportagens da imprensa como pertencentes a antigos membros do extinto cartel Beltran-Leyva. Também se acredita que restos da La Familia Michoacana, outro cartel que recentemente se fragmentou, operam na área.

A VICE News entrou em contato com o Ministério do Interior do México para verificar as alegações que aparecem na imprensa, mas um porta-voz disse na Terça-feira que a declaração oficial do exército oferecia a única informação a ser divulgada.

“Nossa política é que não nos referimos a grupos criminosos pelo nome”, disse o porta-voz do ministério, Gonzalo Ponce. “Eles são apenas grupos criminosos.”

O analista de segurança mexicano Alejandro Hope disse à VICE News que Guerreros Unidos é um desdobramento da antiga gangue Beltran-Leyva, que caiu em sangrentas disputas internas depois que marinheiros mexicanos mataram Arturo Beltran Leyva, um de seus líderes fundadores, em um tiroteio em 2009.

Embora o tiroteio tenha ocorrido no Estado do México, Hope disse que isso pode estar diretamente relacionado aos conflitos em Guerrero ou Michoacán, onde a mineração ilegal e a extorsão das operações de mineração são comuns.

“Na zona montanhosa de Guerrero existem campos de maconha e papoula, e há extorsão e sequestro também”, disse Hope. “Pode haver ligações com gangues de madeireiros ilegais ou pode estar relacionado à extorsão de minas no estado de Michoacán.”

O tiroteio foi perto de uma base militar que foi inaugurada em 18 de Junho em um evento do presidente mexicano Enrique Peña Nieto. Críticos argumentam que o envio de militares do México para combater cartéis poderosos nas ruas aumenta a chance de os civis serem pegos no fogo cruzado de tiroteios violentos.

Hope disse que a presença dos militares “simplesmente levanta a possibilidade de que haverá confrontos com grupos armados”.

A empresa de segurança InSightCrime publicou uma análise que levantou preocupações sobre a conduta do exército durante o incidente.

“O ataque esta semana levanta questões preocupantes sobre como essas operações estão sendo realizadas pelos militares, e como o governo está fornecendo supervisão de suas ações”, disse InSightCrime. “A propriedade era vigiada por 22 pessoas fortemente armadas e os militares mataram todos os supostos criminosos enquanto sofriam apenas uma baixa menor. Grupos de defesa dos direitos humanos já levantaram o espectro de que os militares estão cometendo assassinatos extrajudiciais e depois manipulando as cenas de crimes.”


Ponce, o porta-voz do governo, chamou essas sugestões de pura especulação”.






Manancial: VICE

Sem comentários