DESTAQUE

COMERCIANTES DO CAOS – PARTE UM

O estranho e aterrorizante conto da amante que se apaixonou por El Chapo


Por Keegan Hamilton, 21 de Janeiro de 2019




BROOKLYN, Nova York – Antes de se ver fugindo por um esgoto com um narcotraficante, Lucero Guadalupe Sanchez Lopez era uma estrela política em ascensão em seu estado natal de Sinaloa. Uma jovem membro do principal partido de oposição do México, Sanchez foi eleita para a legislatura estadual em 2013 para representar sua cidade natal, Cosalá, no coração de uma região montanhosa empobrecida onde muitos fazendeiros cultivam maconha e papoulas para ganhar a vida.

Sanchez conhecia bem seus eleitores. Ela foi criada nas montanhas, e ela passou os dois anos anteriores à sua eleição promovendo fazendas de maconha em nome de Joaquín “El Chapo” Guzmán. Acredita-se que o líder do cartel de Sinaloa tenha sido pai de pelo menos um filho com Sanchez e a tratou como dona de casa em tempo parcial e como vice em seu negócio de drogas.

Sanchez foi destituída do cargo em 2016 depois que seu relacionamento com Chapo se tornou público, incluindo a alegação de que ela usou uma identidade falsa para visitá-lo em uma prisão de segurança máxima enquanto estava grávida. Ela foi presa em Junho de 2017 enquanto tentava atravessar a fronteira de Tijuana a San Diego, e se declarou culpada no ano passado por acusações de conspiração ligadas à cocaína ligadas ao seu papel no cartel. Ela agora enfrenta um mínimo de 10 anos na prisão federal.

A melhor chance de Sanchez na redenção — e na saída antecipada — veio na semana passada, quando ela foi chamada para testemunhar contra Chapo em seu julgamento em andamento no Tribunal Distrital dos EUA, no Brooklyn. Em quase três horas de depoimentos dramáticos, que devem continuar quando o julgamento for retomado na Terça-feira, Sanchez, de 29 anos, descreveu como foi sugada para um relacionamento com Chapo que ela achou impossível escapar. Ela se retratou como uma vítima que foi coagida a comprar toneladas de maconha e a lavar dinheiro em nome de Chapo.

Mas uma retrospectiva de seu caso — por meio de documentos judiciais, reportagens de arquivo e entrevistas — revela um quadro mais complicado. Sanchez até agora se mostrou relutante no cartel de Chapo, alegando no banco das testemunhas que não poderia se libertar de seu negócio de drogas, e que o chefão a ameaçava com a morte se ela o traísse. Algumas evidências sugerem que ela era uma participante ativa e disposta.


Um advogado de Sanchez se recusou a comentar sobre o caso, citando seu depoimento e sentenciamento.


Lucero Guadalupe Sanchez Lopez (Foto: Gabinete dos Procuradores dos EUA para o Distrito Oriental de Nova Iorque)




A FUGA DA BANHEIRA

Dois membros da família de Sanchez foram assassinados dentro de semanas uma da outra em Janeiro de 2014. A primeira vítima foi sua irmã. Sua garganta foi cortada em Culiacán, a capital de Sinaloa, no que foi descrito na época como uma disputa doméstica. Mais tarde naquele mês, o ex-marido de Sanchez foi morto a tiros por um grupo de homens não identificados com AK-47 em Cosalá.

Um mês depois dos assassinatos, em Fevereiro de 2014, Sanchez estava dormindo ao lado de Chapo em uma de suas casas seguras em Culiacán, quando agentes da DEA e fuzileiros navais mexicanos quebraram a porta da frente reforçada com aço. De acordo com o depoimento de Sanchez, ela e Chapo escaparam do ataque através de um túnel escondido debaixo de sua banheira, conectado ao sistema de esgoto da cidade. Chapo, que Sanchez disse que estava nua enquanto corria pelo túnel, foi capturado menos de uma semana depois.

No dia seguinte à captura, em 23 de Fevereiro de 2014, Sanchez contatou um dos trabalhadores de Chapo sobre drogas, de acordo com uma queixa criminal impetrada contra Sanchez por promotores federais em San Diego. O documento do tribunal diz que os agentes da Homeland Security Investigations (HSI) ficaram sabendo da investigação feita por Sanchez, porque eles atacaram um membro do cartel de Sinaloa e grampearam a elaborada rede de comunicações do cartel.


Sanchez, usando o nome de tela “Tere” em um aparelho BlackBerry, supostamente tentou entrar em contato com “Los Menores”, um codinome que o cartel usava para os filhos de Chapo. Sanchez disse que queria entregar “as coisas” de Chapo, que o informante da HSI considerava drogas, e alegou que ela tinha informações sobre a localização de algumas “mercadorias” de Chapo.

Sanchez também supostamente perguntou ao informante sobre uma operação de contrabando no Equador liderada por um homem conhecido como “Chef”, que era “responsável por coordenar o transporte de quantidades de cocaína de vários quilos” para Chapo. Chef, cujo nome verdadeiro é Oscar Antonio Berrocal Sandi, foi preso na Colômbia por tráfico de drogas.


A fuga da banheira hidráulica na casa segura de Culiacán de El Chapo. (Foto: Procuradoria dos EUA para o Distrito Leste de Nova York)



O mesmo informante afirmou que Sanchez lhe disse que, após a fuga do túnel da banheira, ela pediu a Chapo para viajar com ela para Cosalá, sua cidade natal nas montanhas, “porque ela trabalhava lá como deputada” —
 ou diputada, seu título oficial no cargo. Quando seu relacionamento com Chapo foi revelado mais tarde, a imprensa mexicana lhe deu o apelido de “Chapodiputada”.


DECISÃO FELIZ

Em vez de se juntar a sua amante, Chapo decidiu ir à praia para reunir sua esposa, Emma Coronel, e suas filhas gêmeas. Foi uma decisão fatídica: ele foi preso com sua família em um hotel na cidade de Mazatlán e, eventualmente, transferido para El Altiplano, uma prisão de segurança máxima, onde muitos outros grandes traficantes de drogas são abrigados.

Sanchez supostamente usou um documento falso de identificação para visitar Chapo em El Altiplano em 2015. Autoridades mexicanas divulgaram fotos granuladas que mostram uma mulher grávida que se assemelha a Sanchez dentro da prisão com os advogados de Chapo. Ela negou que fosse ela nas fotos. Ela enfrentou acusações criminais no México durante a visita, mas o caso nunca foi resolvido porque ela foi presa mais tarde nos Estados Unidos.

Sanchez manteve seu trabalho como diputada até Junho de 2016, quando seu relacionamento com Chapo se tornou público. Depois que Chapo escapou de El Altiplano em Julho de 2015 e foi recapturado em 8 de Janeiro de 2016, promotores mexicanos disseram que Sanchez passou a noite com ele na véspera de Ano Novo, alguns dias antes de sua prisão, mas essa alegação não foi confirmada.

Sanchez foi expulsa do cargo em meio ao escândalo, que levou a questões sobre como uma jovem sem experiência política foi eleita em primeiro lugar. Os cartéis de drogas geralmente tentam influenciar as eleições locais no México, e mais de 130 candidatos foram mortos durante as campanhas do ano passado. Enquanto os líderes do partido de oposição do México tentavam se distanciar de Sanchez, alguns de seus colegas em Sinaloa se manifestaram para defendê-la.

“Nunca tivemos um único problema com ela, ela foi uma boa substituta”, disse Héctor Melesio Cuén Ojeda, candidato a governador de Sinaloa. Outro legislador do partido da oposição a chamou de “vítima do sistema”. E outro disse a repórteres que seu “único pecado é ter algum envolvimento sentimental, você pode dizer, com a pessoa errada”.


Grande parte do caso de Sanchez permanece sob sigilo, e ela também foi alvo de moções de pré-julgamento por parte de promotores federais que tentaram limitar o que os advogados de Chapo poderiam fazer a ela no interrogatório. Como resultado, algumas perguntas sobre seu relacionamento com Chapo ainda não foram respondidas, mas ela preencheu alguns dos espaços em branco durante seu depoimento na semana passada.



DATANDO EL CHAPO

Sanchez declarou que conheceu Chapo em 2010, mas ainda não está claro exatamente como. No ano seguinte, Chapo enviou um de seus homens para entregar um celular a Sanchez. Eles começaram a se corresponder e o romance floresceu, embora Sanchez, uma mulher atraente com maçãs do rosto altas, pele clara e cabelos compridos que usava tingida de loiro ou vermelho, fosse mais de 30 anos mais jovem. Como Chapo instalou secretamente spyware comercial em seu telefone, os promotores puderam obter centenas de mensagens de texto que trocaram no início de 2012, revelando a natureza peculiar de seu relacionamento.

As mensagens, que foram mostradas ao júri no caso de Chapo, mostram Sanchez e o chefe do cartel desmaiando enquanto discutem a logística de um grande carregamento de maconha. Chapo lhe dera instruções para comprar 400 quilos de fazendeiros no Triângulo Dourado, e ela estava no processo de finalizar os arranjos.

“Eu te amo, disse Chapo. Parabéns, porque você é a melhor.

Você também, amor”, respondeu Sanchez. “Quero que você se orgulhe de mim e quero que saiba que de onde estou, diante da virgem, que realmente amo você e sinto muito sua falta. Se há um jeito de você e eu ficarmos juntos para sempre, eu serei a mulher mais feliz do mundo, porque até agora eu tenho sido graças a você. Eu te amo [coração emoji].

Em outras trocas, Sanchez fez referência a uma criança chamada Rubencito.

“Este é seu filho, disse ela a Chapo em uma mensagem.

“Olá meu rei. Eu parabenizo você porque você é um homem de verdade”, Chapo responde antes de voltar para o negócio de maconha. Amor, verifique quanto há [disponível] para você comprar tudo, mas é preciso rasgar as sacolas e verificar corretamente, para não comprar mais sementes.”

Não está claro se essa criança foi criada por Chapo. O nome Ruben sugere que o bebê pode ter nascido durante o relacionamento de Sanchez com o ex-marido assassinado, já que ele também era chamado de Ruben. Chapo é conhecido por ser pai de pelo menos 16 filhos através de casamentos para três esposas, mas ele é dito ter 23 ou mais filhos através de outros relacionamentos.


“A MÁFIA MATA PESSOAS QUE NÃO PAGAM”

Sanchez testemunhou que muitas vezes sentia pena dos agricultores de maconha que faziam negócios com Chapo e alegou que se recusava a comprar seu produto a crédito porque temia que Chapo não os pagasse de volta. Ela também afirmou que usou o dinheiro de Chapo para comprar maconha de baixa qualidade porque queria ajudar os agricultores mais pobres — e porque secretamente esperava que Chapo a desaprovasse e a chamasse das montanhas.

Sanchez sustentou durante seu depoimento que não tinha escolha a não ser trabalhar para Chapo. As mensagens de texto mostram Chapo enviando ameaças não tão veladas, mas também sugerem que ela pensou que estava espalhando seu dinheiro na área que ela logo viria a representar na legislatura estadual.

“Olha, a máfia mata pessoas que não pagam ou pessoas que delatam, mas não se você for séria nisso, amor”, disse Chapo em uma mensagem.

“Eu não tenho medo disso, amor”, ela respondeu. “Já pensei em coisas antes, sei que não estou fazendo nada de mal. Pelo contrário, eu acho que isso é bom para as pessoas, e ainda mais com você, porque você ajudou muito as fazendas e eu estou orgulhosa e ergo a cabeça, guiada por você, amor . . . E se você gostou do que eu fiz e você quer que eu continue, continuarei até quando você quiser. Eu gosto disso, pelo menos me sinto útil.”

Sanchez declarou que Chapo a recrutou para criar “empresas de palha” que seriam usadas para lavar dinheiro de drogas. Uma empresa de fachada sediada no México deveria vender suco de frutas, mas Sanchez disse que nunca importou ou exportou nenhum suco. Ela disse que Chapo deu suas instruções sobre quem contratar para administrar o negócio: “Ele simplesmente disse que eu deveria encontrar uma pessoa de baixa renda que pudesse ser facilmente manipulada, então quando eu desse um pedido, ficaria satisfeito.”

Sanchez identificou a pessoa que ela contratou como um homem chamado Pancho. De acordo com a queixa criminal movida contra Sanchez por procuradores federais em San Diego, Pancho estava “envolvido no transporte e distribuição de grandes quantidades de drogas, incluindo cocaína”. A queixa também diz que autoridades dos EUA interceptaram mensagens de texto entre Sanchez e um secretário pessoal de Chapo onde ela faz referência a Pancho lidando com mais de $600,000.

Sanchez testemunhou que ela e Chapo começaram a se afastar no final de 2012, o que a levou a concorrer ao cargo em Cosalá. A linha do tempo de seu relacionamento continua confusa, mas está claro que eles ainda se viam ocasionalmente pelo menos até o início de 2014, quando ocorreu a fuga do túnel da banheira. Antes desse incidente, Sanchez testemunhou que Chapo disse a ela: “Quem quer que o traísse, eles iriam morrer, fossem eles familiares ou mulheres.”


PRISÃO NA FRONTEIRA

Sanchez foi presa em 2017 quando tentou atravessar a fronteira para San Diego usando um visto vencido. Ela aparentemente não sabia que estava sob acusação nos EUA, e documentos judiciais afirmam que quando ela foi detida, ela “tentou fugir de volta para o México” e “resistiu aos esforços dos oficiais para impedi-la”. Outro documento do tribunal, arquivado pelo advogado de Sanchez em Agosto de 2017, afirma que ela foi “ferida durante sua prisão e tem intensa dor nas costas”.

Há relatos conflitantes sobre por que exatamente Sanchez estava tentando entrar nos Estados Unidos. Uma versão da história é que ela estava tentando atravessar para comprar roupas. A outra é que ela estava planejando buscar asilo para ela e seus dois filhos. Ela teria trazido as crianças de 12 e 3 anos na época, com ela de Culiacán para Tijuana, e as deixou em um restaurante próximo no lado mexicano da fronteira aos cuidados de uma assistente antes que ela tentasse atravessar. De acordo com o jornal sinaloano, RioDoce, as crianças acabaram sendo devolvidas a Culiacán e colocadas sob os cuidados dos avós.

A localização atual dos filhos de Sanchez — e a identidade de seu pai — permanecem um mistério. Outras testemunhas que testemunharam contra Chapo receberam benefícios de imigração que permitem que seus familiares residam legalmente nos Estados Unidos. É provável que Sanchez espere receber o mesmo acordo, juntamente com uma sentença reduzida. Espera-se que mais informações sobre o acordo surjam na Terça-feira, quando ela continuar seu testemunho.






CONFIRA A CAPTURA DE EL CHAPO NO VÍDEO ABAIXO.









Capa: Lucero Guadalupe Sanchez Lopez, deputada do Partido da Ação Nacional (PAN) do México no estado de Sinaloa, negou sua ligação com o narcotraficante Joaquín “El Chapo” Guzmán em uma coletiva de imprensa em Junho de 2015. (Foto: Especial/RML, GDA via AP Images)




Manancial: VICE NEWS

Sem comentários